GALERIA

Conheça os Profissionais GestãoEsporte.com

PUBLICAÇÕES
publicado em 23 de janeiro de 2014
Vol. 3 (2013) Suplemento 2: XIV Congresso APOGESD - Da Liderança à Inovação: O Papel do Gestor Desportivo<< Leia mais >>
publicado em 23 de janeiro de 2014
Vol. 3 (2013) Suplemento 1: V Cong. Brasileiro sobre Gestão do Esporte - Gestão do Esporte no Brasil: Vicissitudes, Limites e Formação<< Leia mais >>
publicado em 23 de janeiro de 2014
Vol. 3, No 2 (2013) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva<< Leia mais >>
publicado em 15 de outubro de 2013
Vol. 3, No 1 (2013) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva << Leia mais >>
BLOG



22nd annual Congress of the European College of Sport Science

University Alliance Metropolis Ruhr: Ruhr University Bochum, Technical University Dortmund, University Duisburg-Essen

 

Venue: Campus Ruhr University Bochum, Dates: 5th to 8th of July 2017

 

http://www.ecss-congress.eu/2017/

 

LOGO

 

COMENTE ESSE POST

21st annual Congress of the European College of Sport Science

Centre for Sport Science and University Sports, University of Vienna

venue: Austria Center Vienna (ACV) Dates: 6th to 9th of July 2016


http://www.ecss-congress.eu/2016/

 

 

LOGO

 

COMENTE ESSE POST

20th Annual European College of Sport Science Congress - Substainable Sports

Malmö, Sweden - June 24 and 27, 2015

 

http://ecss-congress.eu/2015/15/

 

LOGO

COMENTE ESSE POST

World Association for Sport Management - Inaugural World Conference

Evento Gestão Esportiva

Fonte: http://www.worldsportmanagement.org

 

 

 

Bridging the Gap in Sport Management Globally

 


Through the inaugural theme of "Bridging the Gap in Sport Management Globally" WASM will bring together students, scholars, researchers, teachers,
practitioners and professionals from around the world to share expertise and knowledge about the global venture of sport management. The idea behind the theme is a focus on sport business practice, issues, collaboration, networking, management and marketing of sport business from around the world. The conference will serve as a platform for the international exchange of ideas, best practices, and research focused on sport management globally.

 

Program Structure

The WASM World Conference program structure will consist
of dierent session types:
• Plenary Keynote sessions (by invited speakers)
• Scientific and Professional paper presentations
• Workshops and Symposia
• Poster displays

 

Topics

WASM invites presentations oriented around, but not limited to, the following topics as they relate to sport management:

• Understanding International Relations and Collaborations in the Global Sport Business Marketplace
• Trends, Opportunities and Challenges for sport management
• Sport Management Education Approaches for the Sport Business Industry
• Managing Diversity
• Legal, Governance and Policy Issues
• Financial and Economic Issues in a Global Sport Business Marketplace
• Sport and Social Media Marketing
• Participation: Sport for All & Elite Sport systems
• The Sporting Goods Industry
• Sport Tourism and the Global Sport Business Marketplace
• The Sport Management Professor and Student
• Sport Events - Major and Minor, Global and Local
• Global Sport-for-development

Presentation Types:
• Research Oral Presentation of 25 minutes;
• Professional Practice Oral Presentation of 25 minutes;
• Poster Presentations;
• Workshop of 90 minutes
• Symposium of 90 minutes

 

Abstract Development & Submission Procedure:

WASM cordially invites you to submit an Abstract/Proposal to
be considered for presentation in any of the aforementioned
presentation types.

 

 

 

UNIVERSIDAD EUROPEA
SCHOOL OF SPORTS SCIENCE
1-3 OCTOBER, 2014

 

 

 

 http://2012gsms.sport.au.edu.tw/wasmweb/WASM%20Inaugural%20World%20Conference,%201-3%20October,%202014%20Madrid.pdf
COMENTE ESSE POST

European Association for Sport Management 2014

EASM
Fonte: http://www.easm2014.com/

 

 

 

The theme for the EASM 2014 conference is "Social and Commercial Impact of Sport". Legacy is becoming an increasingly crucial issue when organising major sport events and was at the core of London bid to organise the 2012 Olympic Games, of which Coventry was a co-host city.

 

Two years after the Games, what has been their actual impact? More generally this theme invites participants to think of how the social and commercial impacts of sport create special issues and challenges for sport managers, from local amateur sport clubs to international mega-events. With a mix of scientific and professional contributions, prestigious key note speakers and an exciting social programme, the 22nd EASM Conference in Coventry will be the perfect place for sport management academics and practitioners to exchange ideas, discuss and network.

 

 

 

9-12 SEPTEMBER 2014
COVENTRY, UK

 

 

 

 http://www.easm2014.com/
COMENTE ESSE POST

Simpósio Temático "História do Esporte e das práticas corporais"

Associação Nacional de História - RJ
Fonte: http://encontro2014.rj.anpuh.org/site/capa

 

 

 

 

Saberes e Práticas Científicas

A história dos diferentes saberes e práticas científicas tem mostrado que a ciência não é uma entidade que possa ser definida de uma vez para sempre. É um processo a ser estudado e descrito como as demais atividades humanas que se entrelaçam continuamente. Mais recentemente, as práticas científicas tem sido compreendidas como práticas culturais voltadas à interpretação, explicação e controle do mundo natural, cada qual com suas características singulares, experimentando diferentes formas de evolução e mudança. No mundo moderno a ciência tornou-se também uma fonte de autoridade e poder, organizando as relações sociais e as formas de pensar.

O XVI Encontro Regional de História, promovido pela Anpuh-Rio em parceria com a Casa de Oswaldo Cruz / Fiocruz, será realizado entre os dias 28 de julho e 1 de agosto de 2014. O primeiro dia do evento (2ªf.), ocorrerá na Fundação Oswaldo Cruz, as demais atividades acontecerão na Universidade Santa Ursula. Aproveitamos para expressar nosso reconhecimento pelo apoio de ambas as instituições acadêmicas.

 

 

 

http://encontro2014.rj.anpuh.org/site/capa

COMENTE ESSE POST

19th Annual Congress of the European College of Sport Science

http://www.ecss-congress.eu/2014/14/

 

Divulgação evento

 

 

 

On behalf of MOVE Research Institute Amsterdam and the EMGO Institute for Health and Care Research, from both VU University Amsterdam and VU University Medical Center Amsterdam, we are very pleased to invite you to the 19th Annual Congress of the European College of Sport Science in Amsterdam.


The congress will be held between the 2nd and 5th of July 2014 at the Amsterdam RAI Convention Centre, only 15 minutes away by train from Schiphol Airport and near the old city centre of Amsterdam. By attending this congress you have an excellent possibility to discover or contribute to ‘Sport Science around the Canals'.


Both at VU University Amsterdam and VU University Medical Center Amsterdam sports and human movement are studied in depth. The research of MOVE Research Institute Amsterdam aims to understand and improve sport performance by studying biomechanical, exercise and muscle physiological, and perceptual and cognitive processes and factors. Research at EMGO Institute for Health and Care Research is devoted to the health aspects of sports and physical (in-) activity. The vast output in high-impact, refereed international journals devoted to both theoretical and applied aspects of sports and human movement research.


During the ECSS congress, information exchange in both oral and mini-oral presentation formats will be particularly emphasized and facilitated. The Young Investigators Award will again be one of the highlights of the congress. We are convinced that there will be a lot of exciting issues for everyone addressed in the programme.


 

Ten good reasons to attend the ECSS Amsterdam Congress:


Open academic mentality, outstanding expertise and vast experience in the field of sports and human movement sciences


Stable economic climate


Excellent accessibility by air, rail and road


Very compact city with a historic center: the "Venice of the North'


Superb local public transport and easy bike rental


Excellent congress facilities


Hotels in all categories


Cultural attractions with something for everyone


Dazzling array of restaurants, bars, entertainment and shops Safe city, welcoming international visitors

 

COMENTE ESSE POST

V Congreso Iberoamericano de Economía del Deporte

http://cied5.wordpress.com/

 

 

DIVULGAÇÃO

 

 

Los temas que se sugieren están referidos a:

- El impacto económico de eventos deportivos.
- Estrategia y gestión de entidades deportivas.
- El valor económico del deporte.
- Balances económicos y financieros en entidades deportivas
- Balance competitivo.
- Configuración de equipos deportivos.
- Mercado y contratación de deportistas profesionales.
- Eficiencia en las instituciones y competiciones deportivas.
- Apuestas y loterías deportivas.
- Análisis de la oferta y la demanda deportiva.
- Gestión económica de las instalaciones deportivas
- Modelos de gestión del deporte.

El CIED tiene la pretensión de ser un referente académico con una alta exigencia de calidad en los trabajos presentados, para lo cual ha designado un Comité Científico que supervisa y garantiza el nivel académico de las comunicaciones presentadas.

Fechas importantes:

Fecha límite de presentación de resúmenes: 7 de Abril de 2014
Notificación de aceptación: 5 de Mayo de 2014
Fecha límite presentación de la comunicación completa: 26 de Mayo 2014
Congreso: los días 12 y 13 de junio de 2014

 

COMENTE ESSE POST

NASSM 2014 Conference

The vibrance and diversity of Pittsburgh, along with its riverfront location, sports and recreation focus, and abundance of green space make it a great location for a conference focused on an active lifestyle. The elegant, historic Omni William Penn Hotel is centrally located, offering easy access to shopping, dining, and attractions including sports venues, arts and entertainment, and historic landmarks. We encourage visitors to kayak on the Allegheny River and enjoy spectacular views of PNC Park and Heinz Field, stroll through the lovely Cultural District, bike the Eliza Furnace Trail, take a ride on the historic Monongahela Incline, or just explore the city. The Host Committee is confident you will enjoy Pittsburgh and all it has to offer during the 2014 NASSM Conference.

 

See you in Pittsburgh!

 

 

Divulgação de evento

COMENTE ESSE POST

I Congresso Internacional de Responsabilidade Social Corporativa e Gestão Desportiva: “Responsabilidade Social Corporativa: Novas alternativas para a Gestão Desportiva”.

Acesse já: http://rscdeporte.org/?page_id=91

 

O "I Congresso Internacional sobre Responsabilidade Social Corporativa e Gestão do Desportiva" surgir a partir da relação entre duas partes, por um lado, a Aliança Intercontinental de Gestão Desportiva, uma plataforma que tem por objetivo promover o respeito às diferenças e do património cultural dos povos falantes de língua Portuguesa e Espanhola, com sede em Porto, Portugal. E, por outro lado, um grupo de pesquisadores em Responsabilidade Social Corporativa da Universidade de Granada, na Espanha. Ambos os lados têm experiência no estudo e na prática da RSC na área de gestão desportiva. Assim, unindo esforços e ilusões, nasceu à vontade de organizar este congresso tem quatro objetivos:

 

 

- Criar um ponto de encontro para os profissionais e acadêmicos com interesses centrais voltados para a implementação da RSC no setor esportivo.

 

- Conhecer experiências práticas reais e estudos relacionados com a RSC e gestão desportiva, com o objetivo de impulsionar a sua aplicação e desenvolvimento profissional acadêmica.

 

- Promover a cooperação entre os diferentes grupos de interesse relacionados com a responsabilidade social das empresas do setor esportivo.

 

- Estabelecer a RSC na estratégia das corporativas com um valor e foco estratégico fundamental da organização que pode mudar positivamente a sociedade.

 

COMENTE ESSE POST

14th Annual International Conference on Sports: Economic, Management, Marketing & Social Aspects, 19-22 May 2014, Athens, Greece

Para mais detalhes, visite o site da conferência: http://www.atiner.gr/sports.htm 

 

A taxa de inscrição é de € 300 (euros), abrangendo o acesso a todas as sessões, dois almoços, coffee breaks e material da conferência. Regime especial será feita com um hotel de luxo local para um número limitado de quartos com uma taxa conferência especial. Além disso, uma série de eventos especiais serão organizados: Uma noite grega de entretenimento com o jantar, um cruzeiro especial de um dia nas ilhas gregas, um passeio arqueológico de Atenas e de uma visita de um dia a Delphi.



O objetivo da conferência é reunir acadêmicos e estudantes de todas as áreas de esportes. Os participantes podem apresentar em temas esportivos dentro de amplos fluxos de áreas de pesquisa. Áreas de interesse incluem ( mas não se limitam a ): os Impactos das Olimpíadas, esportes profissionais, Sport-Agendamento, Turismo Desportivo, Direito Desportivo, Comunicação Desportiva, e Mídia , Esporte e Sociedade, Psicologia do Esporte, Esportes Violência, Esportes e Educação, Desporto e ética, Esporte Tecnologia, Esportes e aplicações informáticas, Sports & Tecnologia da Informação, Serviços de Desporto e história do esporte. Além disso, as sessões extraordinárias serão organizadas para esportes individuais (futebol, beisebol, basquete, handebol, hóquei no gelo, tênis, automobilismo, ginástica, etc.) Por favor, envie um resumo de 300 palavras por e-mail, atiner@atiner.gr , por 01 de abril de 2014 a: Sr. Christos Anagnostopoulos, Professor da Universidade de Coventry Business School , Reino Unido e Head, Unidade de Investigação em Desporto, ATINER , 8 Valaoritou Street, Kolonaki , 10671 Atenas, Grécia. Tel:. + 30 210 363-4210 Fax: + 30 210 3634 209. Por favor, inclua: Título do trabalho, nome completo (s), posição atual, Institucional Afiliação, um endereço de e-mail e pelo menos três palavras-chave que melhor descrevem o assunto de sua submissão. Por favor, use o formulário de submeter resumo disponível em http://www.atiner.gr/2014/FORM-SPO.doc . As decisões são tomadas dentro de 4 semanas.

 


Se você quiser participar, sem apresentar um papel, ou seja, organizar uma mini-conferência ou um painel (sessão), cadeira de uma sessão, artigos de revisão para ser incluído nos anais da conferência ou livros, contribuir para a edição de um livro, ou qualquer outra contribuição , envie um e-mail para o Dr. Gregory T. Papanikos, ( gtp@atiner.gr ), presidente, ATINER.

COMENTE ESSE POST

V Seminário Nacional Sociologia & Política

V Seminário Nacional Sociologia & Política - 14 a 16 de maio de 2014


http://www.humanas.ufpr.br/portal/seminariosociologiapolitica/

 

 

LOGO

 

 

 

PROGRAMAÇÃO

 

DIA 14 de MAIO/2014

14h00 - Inscrições e Credenciamento
18h00 - Abertura Solene
Local: Anfi 100
Prof. Dr. Prof. Dr. Edilson Sergio Silveira (pró‐reitor de Pós‐Graduação)
Profa. Dra. Maria Tarcisa Silva Bega (diretora do Setor de Ciências Humanas / UFPR)
Prof. Dr. Alfio Brandenburg (coordenador do Programa de Pós‐Graduação em Sociologia / UFPR)
Prof. Dr. Emerson Urizzi Cervi (coordenador do Programa de Pós‐Graduação em Ciência Política / UFPR)
Prof. Dr. Adriano Nervo Codato (chefe do Depto. De Ciência Sociais / UFPR)
Prof. Dr. Alexandro Dantas Trindade (coordenador do V SNSP)
Prof. Dr. Alexsandro Eugênio Pereira (vice‐coordenador do V SNSP)

Mesa Redonda de Abertura: "Existe uma crise ambiental?" - 19h00
Local: Anfi 100

Coquetel de Abertura - 21h00
Sala Arte Design Cia prédio Dom Pedro I

 

 

DIA 15 DE MAIO/2014

Mesas Temáticas - 9h00 - 12h00
Mesa Redonda 1: "A Crise Europeia" (título provisório)
Local: Anf 100 (Ed. D. Pedro I)
Coordenador: Prof. Dr. Alexsandro Eugênio Pereira

Mesa Redonda 2: a definir

Local: Sala Homero Barros (Ed. D. Pedro I)
Coordenador: a definir

Grupos de Trabalho - 14h00 - 18h00 - Sessão 1

Conferência - 19h00 - 21h00
Conferência Magna: "Desenvolvimento e mudanças sociais em contexto de crise"

Coordenador: Prof. Dr. Alexandro Dantas Trindade (UFPR)

 

 

DIA 16 DE MAIO/2014


Grupos de Trabalho - 9h00 - 12h00 - Sessão 2
Grupos de Trabalho - 14h00 - 18h00 - Sessão 3


Conferência de Encerramento - "Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania" - 19h00 ‐ 21h00
Local: Sala Homero Barros (Ed. D. Pedro I)
Coordenador: Prof. Dr. Alexsandro Eugênio Pereira
Profa. Dra. Walquíria Domingues Leão Rego (UNICAMP)

 

COMENTE ESSE POST

X Congreso Internacional de Ciencias del Deporte y la Educación Física

Un evento pensado para las personas que estén vinculadas al deporte a través de El congreso reunirá a 400 profesionales procedentes de todos los rincones del mundo, estableciendo relaciones profesionales entre los participantes y difundiendo el conocimiento técnico-científico generado en los últimos años. El congreso de Pontevedra goza de una extraordinaria calidad organizativa y un excelente panel de conferenciantes, además de un divertido programa social para todos los asistentes. Su carácter joven, dinámico, serio, activo y familiar hace que, año tras año, las personas que participan en el mismo se retornen a sus lugares de residencia con un excelente recuerdo del evento. Pruébalo y verás!

 

http://www.congresodeporte.com/

COMENTE ESSE POST

VII Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura – ABEH,

Acesse já: http://abehcongresso2014.com.br/apresentacao/

 

O VII Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura - ABEH, por deliberação da última assembléia geral realizada em Salvador, recortou o enfoque no tema da educação e suas intersecções com as questões do gênero, da sexualidade e das políticas públicas. Daí o título específico do congresso: Práticas, pedagogias e políticas públicas. Sua realização coincide com os 10 anos de existência do Programa Brasil Sem Homofobia bem como com os 10 anos de criação da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) do Ministério da Educação (MEC).

 


O evento traz também como novidade seu deslocamento para fora do eixo das capitais, privilegiando a cidade do Rio Grande/RS e a Universidade Federal do Rio Grande (FURG), com reconhecida tradição na formação de professores/as nos temas da diversidade sexual e de gênero, em grande número de programas presenciais e à distância. Outro fator importante desse deslocamento do VII Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura - ABEH, refere-se à aproximação da ABEH aos países latinoamericanos do Mercosul, sobretudo, Uruguai e Argentina que fazem fronteira com o estado do Rio Grande do Sul.

 


A previsão para VII Congresso Internacional de Estudos sobre a Diversidade Sexual e de Gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura: Práticas, pedagogias e políticas públicas é reunir cerca de 500 estudantes, professores/as, pesquisadores/as, ativistas dos movimentos sociais e gestores/as de políticas públicas em três dias de evento enfatizando seu caráter científico, o VII Congresso da ABEH será organizado a partir de simpósios temáticos, pôster e relato de experiência estimulando, com isso, o aprofundamento das discussões, geração de relatorias e trocas de experiências. Desta forma, o evento se abre as proposições de simpósio de trabalho dos/as pesquisadores/as interessados/as, e pode também propor simpósios próprios, conforme a conveniência.


A comissão científica do Congresso está composta por um conjunto de professores/as doutores/as e pesquisadores/as com reconhecida tradição nas áreas, e já vinculados a ABEH de longa data em sua maioria. Acreditamos que as discussões nas conferências e modalidades de trabalho (ST, comunicação oral, pôster e relato de experiência) apontarão para diferentes enfoques na articulação do campo da educação com os temas do gênero, da sexualidade, da diferença, dos estudos da diferença, do preconceito e da discriminação, e das políticas públicas.


O evento tem como objetivo principal refletir sobre as questões ligadas à diversidade sexual e de gênero em conexão com processos educacionais, entendido aqui que todo artefato cultural é portador de pedagogias do gênero e da sexualidade.


O evento tem como objetivos decorrentes:


a) Promover a interlocução entre pesquisadores/as da área da diversidade sexual e de gênero, oriundos dos mais diferentes campos de conhecimento e lugares;


b) Difundir e debater estudos desenvolvidos na área da diversidade sexual e de gênero;


c) Constituir redes de cooperação e de intercâmbio de estudos, bibliografias, pesquisas e pesquisadores/as;


d) Analisar a viabilidade de trabalhos conjuntos (atividades, estudos, pesquisas);


e) Ampliar os recursos humanos (formação, capacitação e qualificação) e os recursos financeiros (criação de fundos, ampliação de recursos para formação e estudos) para o trabalho na área da diversidade sexual e de gênero;


f) Consolidar um fórum permanente de debates políticos e acadêmicos na área da diversidade sexual e de gênero através da organização de encontros bianuais de estudiosos/as.


g) Colaborar na luta em prol de uma sociedade democrática que promove e respeita a diversidade sexual e de gênero.

COMENTE ESSE POST

IOC advanced team physician course

2 - IOC advanced team physician course


Mandelieu, França - 14 a 16 de Abril - 2014


http://www.ioc-preventionconference.org/atpc2014/

 

LOGO

COMENTE ESSE POST

IOC World Conference - Prevention of Injury and Illness in Sport

IOC World Conference - Prevention of Injury and Illness in Sport

 

Monaco 10 - 12 de Abril - 2014

 


http://www.ioc-preventionconference.org/

 

LOGO

COMENTE ESSE POST

A questão estrutural que envolve a relação entre as entidades esportivas

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com


Para o desenvolvimento do esporte olímpico, o país conta com importantes organizações como o Comitê Olímpico Brasileiro e as Confederações Brasileiras das diversas modalidades olímpicas. A relação entre essas entidades é essencial para a evolução das práticas esportivas de alto nível e merece uma reflexão.


O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) se relaciona com 30 Confederações Brasileiras, que cuidam do desenvolvimento das 42 modalidades olímpicas, além de se associar a outras 21 Confederações de esportes não olímpicos, como Futsal e Capoeira. Em todas, há a figura do presidente representando suas respectivas organizações, que buscam o fortalecimento do esporte a que se referem de maneira isolada e se encontram na Assembleia Geral do COB.


Com a premissa de que as comissões envolvem diversificadas modalidades, a gestão do Conhecimento permeando a relação entre as Confederações e o COB seria uma interessante proposta para o desenvolvimento do esporte nacional. A promoção de novas iniciativas passaria pela associação entre os conhecimentos gerados. Seja pela união de áreas comuns, como Penthlaton e Thriatlon, ou pela troca de experiências referentes ao modo de gestão de confederações já consolidadas, como a de Desportos Aquáticos e a de Futebol, com outras responsáveis por esportes que firmam sua presença no Brasil, como a de Badminton.


Contudo, quanto à organização e gerenciamento dessas diversas entidades, o que se percebe é um distanciamento entre elas e uma concentração das decisões para o COB. O pesquisador Lamartine DaCosta (2014)¹ afirma que o problema estrutural da política esportiva é institucional, categorizando o processo como um sistema viciado. Para ele, não houve uma evolução significativa das instituições e a forma de desenvolvimento ainda é muito amarrada a diversos fatores, sendo exemplos a burocracia e alta dependência de recursos governamentais.


A ideia é corroborada pelos pesquisadores Bárbara Schausteck de Almeida e Wanderley Marchi Jr. (2008), quando apontam que a manutenção dos presidentes e a criação de uma elite que responde pela tomada de ações promovem um modelo de gestão com caráter fechado, burocrático e centralizador. Essas características ficam evidentes em duas situações recentemente divulgadas pela mídia: a preocupação do governo com problemas administrativos de algumas confederações e o repasse de recursos da Lei Agnelo/Piva realizado pelo COB.


Recentemente, foi repercutido que o governo estaria preocupado com o comprometimento dos resultados do país nos seguintes esportes: Basquete, Ginástica, Boxe e Canoagem. Segundo as informações, as falhas na gestão das entidades responsáveis são provenientes de questões financeiras (Confederações Brasileiras de Basquete e de Canoagem), falta de equipe administrativa especializada (Confederação Brasileira de Ginástica) e dificuldades na Gestão de Talentos (Confederação Brasileira de Boxe)². Mesmo com a intenção de ações mais específicas por parte do Ministério dos Esportes, fica evidente a ausência de profissionais qualificados nas entidades para lidar com seus gerenciamentos, além da falta de simbiose dessas organizações com outras, tendo a finalidade de oferecem suporte, encontrarem novas soluções para os problemas enfrentados e promoverem o desenvolvimento.


Outro ponto interessante a ser analisado é o repasse dos recursos provenientes da Lei Agnelo/Piva, que destina 2% do prêmio pago aos apostadores de todas as loterias do país ao COB e CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro). Desse montante, 85% (no valor total de R$101 milhões) são destinados ao COB, que faz a distribuição de acordo com os planos de trabalho e orçamentário anual de cada entidade. Desta maneira, as Confederações de Atletismo, Esportes Aquáticos, Judô, Vela e Voleibol continuaram recebendo a maior parcela na distribuição. O Futebol não participa dessa distribuição.


Veja abaixo a lista com os valores dos repasses para 2014:


Atletismo - 3.900.000,00
Badminton - 1.800.000,00
Basquete - 3.700.000,00
Boxe - 2.900.000,00
Canoagem - 2.900.000,00
Ciclismo - 2.900.000,00
Desportos Aquáticos - 3.900.000,00
Desportos na Neve - 1.600.000,00
Desportos no Gelo - 1.600.000,00
Esgrima - 1.700.000,00
Ginástica - 3.700.000,00
Golfe - 1.700.000,00
Handebol - 3.700.000,00
Hipismo - 3.700.000,00
Hóquei sobre a Grama - 1.700.000,00
Judô - 3.900.000,00
Levantamento de Peso - 1.700.000,00
Lutas Associadas - 2.000.000,00
Pentatlo Moderno - 1.900.000,00
Remo - 2.500.000,00
Rugby - 1.700.000,00
Taekwondo - 1.700.000,00
Tênis - 2.500.000,00
Tênis de Mesa - 2.900.000,00
Tiro com Arco - 1.700.000,00
Tiro Esportivo - 2.600.000,00
Triatlo - 2.800.000,00
Vela - 3.900.000,00
Vôlei - 3.900.000,00


Os pesquisadores Bárbara Schausteck de Almeida e Wanderley Marchi Jr. (2008) propõem uma reflexão acerca do modelo de gestão do COB e das relações entre as Confederações por meio dessa distribuição. Segundo eles, a manutenção dessa forma de administração dos recursos mantém a distância entre as instituições e faz muito pouco para contribuir com aqueles esportes que não tem tanta visibilidade. Os pesquisadores afirmam que:


"Parece-nos paradoxal entender que a meritocracia acelerará o desenvolvimento do esporte no país e diminuirá as diferenças entre as confederações, já que as modalidades com campeões olímpicos ou históricos de resultados em Jogos Olímpicos, que são capazes de atrair recursos da iniciativa privada, continuarão recebendo mais recursos, em oposição às modalidades de resultados locais."


Lamartine DaCosta (2014) aponta o surgimento de novas estruturas como as Ligas, que aparecem como soluções, gerando um contexto de convivência entre o antigo e o inovador. Contudo, é necessário que o modelo que se encontra em situação de comodidade seja reciclado e repensado, para que a evolução das instituições venha também com a profissionalização dos atuantes e da mudança na forma de pensar a Gestão do Esporte Segundo o pesquisador,


"Os clubes são dirigidos por pessoas que não são remuneradas. Então, são entidades políticas. E sendo entidades políticas pode-se esperar qualquer coisa lá de dentro e não se sabe quem são os responsáveis. Precisamos de uma lei de responsabilidade para o dirigente esportivo, e não existe isso."


A Gestão do Esporte ainda constrói seus alicerces de formação no país, enfrentando alguma resistência das antigas práticas de administração, o que torna ainda mais necessários investimentos na profissionalização com atuantes capazes de aplicar diversas áreas de conhecimento em prol do desenvolvimento das organizações. Para alcançar o esmerado objetivo de "tornar e manter o Brasil uma Potência Olímpica", é preciso que o gerenciamento das organizações vá além de suas representatividades e presidências, associando as diversas áreas e, em consequência, promovendo o esporte de maneira igualitária e profissional.


Referências bibliográficas, fontes e sugestões para aprofundamento:


¹Entrevista com Lamartine DaCosta realizada pelo Esporte Essencial http://www.esporteessencial.com.br/entrevista/lamartine-da-costa-pesquisador


²http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/esporte/2013/12/09/ma-administracao-de-confederacoes-acende-alerta-do-governo-rumo-a-rio-2016.htm

ALMEIDA, Bárbara Schausteck de ; MARCHI JÚNIOR, Wanderley . A RELAÇÃO GOVERNO FEDERAL E COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO SOB ANÁLISE DA LEI 10.264/2001 (AGNELO-PIVA) NO PERÍODO DE 2005 A 2008. Pensar a Prática (Online), v. 15, p. 575-595.


http://www.cob.org.br/confederacoes-brasileiras


http://esporte.ig.com.br/maisesportes/2013-12-19/com-mais-recursos-em-2014-cob-nao-muda-distribuicao-da-lei-agnelopiva.html

 

 

COMENTE ESSE POST

O desafio da Copa Sustentável

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

A Sustentabilidade é um elemento em evidência nos conceitos da sociedade atual e, por essa relevância, entra como um item imprescindível na realização de Megaeventos Esportivos, estando inserido no pacote de legados que devem se sobrepor aos impactos advindos das produções.


Lamartine DaCosta e um grupo de pesquisadores (2008) apresentam o significado de sustentabilidade apoiados na diretriz estipulada pelo Comitê Olímpico Internacional como sendo "o desenvolvimento que atende as necessidades das gerações presentes sem prejudicar as gerações futuras". Em torno dessa ideia, desenvolveu-se o projeto para a execução dos Jogos Olímpicos de Londres de 2012, apresentado neste vídeo veiculado há um pouco mais de um ano antes do evento.



Presente nos Jogos de Pequim, Barcelona, Sydney e Atenas, a filosofia alcançou grande dimensão nos Jogos de Londres e segue como um dos requisitos para a execução do evento exigidos pelo Comitê Olímpico Nacional que, conhecendo suas responsabilidades e baseado nos princípios que regem a Carta Olímpica, estendeu a atuação do Movimento Olímpico para as questões ambientais. Assim, além da promoção do Esporte e da Cultura, tem-se o Meio Ambiente como um dos pilares do Olimpismo.


A organização que atuou em Londres pode ser classificada como bem sucedida no cumprimento do seu Plano de Sustentabilidade 2012, apresentado em 2007. Os cinco temas-chaves apresentados foram os seguintes: mudança climática; lixo; biodiversidade; inclusão e vida saudável. Em junho de 2013, o portal Panorama apresentou como algumas das iniciativas obtiveram resultados positivos como a reciclagem de 90% dos entulhos produzidos nas demolições, reduzindo o uso de energia e a emissão de gás carbônico ¹.


Já para o arquiteto e urbanista Paulo Roberto Masseran, professor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp, campus de Bauru-SP), o aproveitamento não foi tão completo assim². Na publicação, o profissional destaca o fato de que não se previu o alto custo do desmonte e da utilização de algumas peças que não se revelaram tão multifuncionais como pretendiam.


Entretanto, os ganhos contabilizados podem ser verificados em diversos outros setores como energia elétrica, melhor utilização dos recursos hídricos nas instalações utilizadas para os eventos e, como um dos destaques, revitalização urbana e setor imobiliário, ainda segundo o portal Panorama em 2013.


Seguindo essa linha e inspirados pelo sucesso londrino, a gestão brasileira tem o desafio de fazer presença como uma organização eficiente e capaz de associar os conhecimentos de meio ambiente e sustentabilidade com a produção de eventos desportivos. A Copa do Mundo de 2014 tem sido pensada abordando esses quesitos, que também é um dos fatores exigidos pela FIFA, sendo colocada inicialmente como uma promessa de ser "o Mundial da Sustentabilidade".


Pela primeira vez em sua história, o Mundial contará com estádios que receberam os certificados de sustentabilidade, item que será obrigatório para a próxima competição em 2018, na Rússia. Em um vídeo publicado em 2012 no canal oficial de obras do Maracanã, pode-se ver como foram estabelecidos o projeto e a ações de Gestão Ambiental na reforma do estádio.





No entanto, o atraso na construção de outros estádios pode afetar as medidas de Sustentabilidades envolvidas na Copa do Mundo do Brasil. Os dados são da matéria publicada em fevereiro deste ano na seção de esportes do portal Terra ³. De acordo com o publicado, o chefe do departamento de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da Fifa, Federico Addiechi, afirmou que os quesitos que envolvem sustentabilidade e acessibilidade já sofreram algum impacto e que deixam de ser prioridades, frente ao aumento de custo e o caráter de urgência causados pelo não cumprimento dos prazos das obras. Apenas a Arena Castelão, em Fortaleza, já possui oficialmente o certificado de edificações verdes, embora outros, como o Maracanã, sigam os padrões americanos Leed.


Outro fator que pode comprometer a política de Sustentabilidade mais abrangente dos Mundiais é a quantidade de emissão de carbono, projetada em 2,72 milhões de toneladas de acordo com relatório divulgado pela FIFA, relatado ainda na matéria do Terra ³. O valor emitido na última competição realizada na África do Sul foi de 1,65 milhão. Esse número é um reflexo das distâncias maiores entre as cidades sedes brasileiras, levando a longas viagens de carro e avião.


Elaborado pela FIFA e pelo Comitê Organizador Local (COL), o Plano de Estratégia de Sustentabilidade5 (2002) prevê ações integradas para fazer do evento uma referência para os próximos e com o intuito de diminuir o impacto ambiental, produzindo ainda iniciativas com resultados para além da competição. Muitas estão sendo eficientemente incentivadas e coordenadas, outras ainda precisam sair do papel e já se fala no cumprimento delas posteriormente para os Jogos Olímpicos, já que faltam um pouco mais de dois meses para o Mundial.


No portal oficial do Governo Federal sobre a Copa, é possível acompanhar as atividades desenvolvidas na tag sustentabilidade. Além dos planos de reciclagem e destinação adequada dos resíduos gerados, há outras iniciativas como a emissão do Passaporte Verde promovendo o Turismo Sustentável e o aproveitamento das estruturas metálicas empregadas nas obras do estádio Mané Garrincha para a construção de escolas.


Pensar em realizações de atividades deste porte envolvendo os ideais de Sustentabilidade é um desafio não só para a Gestão do Esporte, mas para a sociedade atual na tentativa de preservar os recursos e provocando o menor impacto possível para as futuras gerações. O compromisso traçado pela gestão esportiva no Brasil, e para tal seria pertinente a utilização da Gestão do Conhecimento, é associar a as questões relacionadas ao evento com as ambientais, entendendo a multidisciplinaridade envolvida e promovendo estratégias e soluções inovadoras capazes de propagar a educação ambiental por meio do Esporte.


¹http://panorama.jll.com.br/olimpiadas-de-londres-um-marco-no-quesito-sustentabilidade/


²http://www.cimentoitambe.com.br/londres-2012-nao-subiu-ao-podio-da-sustentabilidade/


³ http://esportes.terra.com.br/futebol/copa-2014/atraso-nas-obras-ameaca-sustentabilidade-dos-estadios-da-copa-diz-fifa,41c2c37340204410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html


5http://pt.fifa.com/mm/document/fifaworldcup/generic/02/11/18/55/estrategiadesustentabilidadeconceito_portuguese.pdf


Imagens de divulgação


Fontes de pesquisa e sugestão para aprofundamento

DACOSTA, Lamartine; CORRÊA, Dirce; RIZZUTi, Elaine; VILLANO, Bernardo e MIRAGAYA, Ana. Legado de Megaeventos Esportivos. Brasília: Ministério do Esporte


http://esportes.terra.com.br/futebol/copa-2014/fifa-conclui-seminario-sobre-copa-e-sustentabilidade-no-rio,ba987364cfc04410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html


https://www.youtube.com/watch?v=uDkEG-osezc


http://www.copa2014.gov.br/pt-br/tags/sustentabilidade

 

COMENTE ESSE POST

Copa do Mundo 2014: uma seleção de expectativas

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

A 76 dias para o início da Copa do Mundo, as especulações em torno desta produção aumentam e aspectos positivos e negativos envolvidos são constantemente reforçados. A organização e gestão de um evento de tamanho porte é uma tarefa complexa que abrange diversos segmentos e setores, que ganha ainda mais relevância quando tem como meta deixar legados que se sobreponham aos possíveis impactos de se sediar uma competição em nível mundial.


Movimentar a Copa do Mundo pode ser interessante para um país por muitos fatores. O estímulo ao Turismo é um deles. O Governo espera receber 600 mil turistas estrangeiros visitando o Brasil e 1 milhão de brasileiros viajando pelo país durante o torneio, segundo dados de uma matéria publicada no Uol Esportes. A nação ganha maior projeção internacional e, além de conhecerem os locais sobre os quais só têm conhecimento de maneira superficial, os turistas consomem. A expectativa é de que eles gastem 42% a mais do que normalmente gastam aqui, uma quantia que gira em torno de os R$ 6,85 bilhões durante o mês da competição, contra os R$ 11,8 bilhões deixados pelos estrangeiros no ano inteiro de 2013.¹ E há a possibilidade de que muitos retornem em outras épocas.


Outros motivos econômicos contribuem para estabelecer o aspecto positivo de se sediar um megaevento esportivo. Com a Copa do Mundo, além do setor de Turismo já citado, o setor de Prestação de Serviços também será impulsionado. Juntos, eles podem movimentar até R$142 bilhões na economia brasileira. O balanço do setor será divulgado no final do ano pelo governo brasileiro. Propondo uma comparação, a Copa das Confederações registrou rendimento de R$740 milhões e a Jornada Mundial da Juventude girou R$1,2 bilhão.


A criação de empregos para a construção dos estádios, nos setores de alimentos e bebidas, e ainda os de prestação de serviços e hotelaria é uma realidade proporcionada pelo evento no país. Só na Copa das Confederações, 24,5 mil empregos foram criados. ² O microempreendedor também fatura com a realização do evento. Até agora, micro e pequenas empresas já registram R$280 milhões em negócios, valor que pode chegar até R$500 milhões no final de julho, segundo o Sebrae, ainda de acordo com a publicação do Uol Esportes.


Para o pesquisador Vittorio Lo Blanco (2010), mais importante do que os gestores públicos promoverem as cidades internacionalmente é alcançar avanços que irão além dos jogos e promoverão a qualidade de vida, principalmente para os setores menos privilegiados da população. Investimentos em mobilidade urbana, segurança, sustentabilidade e incentivo ao esporte como um elemento de não exclusão social e um aliado à educação, entre outros, são algumas ações que trariam como resultados legados relevantes para o país, considerando os impactos de se sediar eventos de tamanho porte.


Contudo, há uma distância entre as expectativas de quando a candidatura para os eventos foram confirmadas no país e a realidade com que a organização se configura agora. Atrasos nas obras, valores de orçamentos ultrapassados e ausência de ética nos quesitos sociais têm permeado as gestões responsáveis. Constantemente, surgem denúncias e questionamentos na mídia que colocam em cheque não o sucesso da competição, mas o de todos os propósitos que vão além dela e que foram inseridos nos planos do governo desde o início. Um exemplo é esta matéria publicada pelo Estadão, que afirma que custos das obras dos estádios saltaram 263% em seis anos. (Clique aqui )

 

A realização do evento tem o potencial de mexer com um dos aspectos atribuídos aos brasileiros: a paixão pelo futebol. Em se tratando de sediar a Copa do Mundo obtendo êxitos tanto na produção quanto na competição em si, o resultado pode ser uma nação com autoestima mais realizada. Em junho de 2010, A Revista SuperInteressante publicava uma matéria afirmando que os ganhos são muito mais subjetivos que objetivos, sendo assim, os benefícios seriam muito menos econômicos e muito mais para a felicidade dos indivíduos envolvidos, os chamados Legados Intangíveis. As informações são de um estudo organizado pelo economista britânico Stefan Szymanski e seu colega Georgios Kavetsos (2010), que pesquisaram dados de felicidade da população na Europa Ocidental entre 1974 e 2004, e descobriram que depois que um país recebe um torneio como o mundial ou a Eurocopa, os habitantes se declaram mais felizes. De acordo com a matéria "a razão disso, ao que parece, é que sediar um mundial faz com que os habitantes sintam-se mais conectados uns aos outros. Uma copa faz isso mais do que qualquer outro projeto que possa existir nas sociedades modernas.

 

Além disso, a nação anfitriã provavelmente ganha em autoestima pelo fato de ter organizado o torneio".
Entretanto, a comoção da população pelo evento está aquém do esperado pelos organizadores, vide os protestos que começaram em junho do ano passado e os recentes, que aconteceram durante essa semana em São Paulo. Com o lema "Não vai ter Copa", parte da população não se mostra tão satisfeita assim com o evento e cobra mais responsabilidade com as demandas de infraestrutura, como transporte e com os gastos públicos. Se em 2008, 79% da população se declarava a favor da efetuação da competição no país, atualmente 52% apoiam e 38% se posicionaram contra. Em 2008, eram apenas 10%, segundo dados da pesquisa realizada pelo instituto Datafolha.


As dificuldades na gestão e na associação de diversos conhecimentos em prol de uma administração mais democrática e transparente, o andamento das obras, os altos preços dos ingressos e os gastos exacerbados contribuem para o sentimento de distanciamento entre a população e o evento. O desafio está lançado. Aos amantes do futebol, a oportunidade de ter o Mundial acontecendo no quintal de casa é uma oportunidade única, contudo há muitas ressalvas, talvez mais que exaltações. Teremos, sim, a Copa do Mundo no Brasil, mas a reflexão que fica é: Copa para quem?


Imagens de divulgação

 

¹ ² Dados disponíveis em 20 de março de 2014: http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/03/06/veja-sete-argumentos-para-defender-a-copa-do-mundo-no-brasil.htm?fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline


Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento:


LO BIANCO, Vittorio Leandro Oliveira. O legado dos megaeventos esportivos em questão: as mudanças ou as continuidades na cidade Rio de Janeiro pós-sede. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento do Instituto de Economia da UFRJ. 2010

http://super.abril.com.br/esporte/copa-deixa-voce-mais-pobre-mais-feliz-573075.shtml


http://br.esporteinterativo.yahoo.com/noticias/pesquisa-aponta-que-apenas-metade-dos-brasileiros-apoiam-copa-do-mundo-no-pa%C3%ADs-175245989.html

 

http://www.lancenet.com.br/copa-do-mundo/Tribunal-Contas-DF-superfaturamento-Copa_0_1097290479.html

 

 

COMENTE ESSE POST

O fenômeno variabilidade no comportamento motor

 

O fenômeno variabilidade no comportamento motor

 

A execução de um padrão de movimento, se realizados diferentes vezes, apresentará comportamentos sempre distintos.  Isso porque o ser humano não consegue repetir movimentos de forma idêntica, sendo essa a principal característica do fenômeno da variabilidade. O comportamento variável pode ser também observado quando pessoas diferentes realizam uma mesma tarefa. Essas diferenças ocorrem porque seres humanos se desenvolvem de maneiras distintas, tanto em aspectos biológicos, como fatores genéticos e as capacidades inatas, quanto em aspectos ambientais como a exploração de movimentos na infância, as diferentes formas de ensino-aprendizagem vivenciadas, dentre diversos fatores, que refletirão nas variações dos movimentos realizados.

Outra forma de observar a variabilidade é no processo de aquisição de habilidades motoras. À medida que uma habilidade motora é aprendida, mudanças relativamente permanentes ocorrem nesse processo. Inicialmente, o aprendiz inicia sua prática com um comportamento inconsistente, com um alto número de erros e alta demanda de atenção para execução. Em seguida a este momento, passa para um estágio intermediário, em que há redução dos erros e de variabilidade, tanto no seu padrão de movimento, quanto no desempenho apresentado, mas que ainda é necessário um maior refinamento da habilidade praticada para que o erro e essa variabilidade sejam reduzidos ao máximo, caracterizando um estágio autônomo. O alcance de tal estágio, além da redução de erros, requer também o aumento da consistência, quando o aprendiz assume um padrão espaço-temporal de execução da habilidade motora.

Esse comportamento tipicamente esperado faz da redução da variabilidade uma espécie de medida para o sucesso ou fracasso ao se realizar tarefas motoras. Alta variabilidade seria comumente considerada como um índice de desempenho ruim e baixa variabilidade habitualmente considerada como ótimo nível de desempenho. Mesmo que o aprendiz tenha atingido o estágio autônomo e essa variabilidade tenha sido reduzida, ainda assim, não é totalmente eliminada. Essa visão mostra a variabilidade na sua forma mais tradicional nas pesquisas sobre comportamento motor. Mas, será que a variabilidade do movimento deve sempre ser refletida como um aspecto negativo?

A variabilidade deve ser considerada não como uma característica ruim presente no comportamento motor, mas ao contrário, um fenômeno que pode apresentar um aspecto benéfico ao se desempenhar habilidades motoras. Atualmente, diversas pesquisas em Comportamento Motor são realizadas com o objetivo principal de verificar os efeitos desse fenômeno na aquisição de habilidades motoras. Ao invés de quantificar a variabilidade (alta/ruim, baixa/boa), as variações presentes nos comportamentos são consideradas estruturadas e não mais aleatórias, isto é, apresentam uma espécie de relação aos comportamentos passados, que refletirão nas tentativas futuras rumo à meta da tarefa. Essas variações são organizadas por natureza e possuem a característica flexível que podem refletir no sucesso do comportamento.

É importante considerar que, ao se ensinar uma habilidade motora, a variabilidade inicial deve ser reduzida para a formação de um padrão de movimento. Porém, é importante também considerar que os movimentos variáveis remanescentes no comportamento motor podem ser benéficos para atingir desempenhos cada vez melhores no processo contínuo de aquisição de habilidades motoras.

 

COMENTE ESSE POST

O fenômeno variabilidade no comportamento motor

 

O fenômeno variabilidade no comportamento motor

 

A execução de um padrão de movimento, se realizados diferentes vezes, apresentará comportamentos sempre distintos.  Isso porque o ser humano não consegue repetir movimentos de forma idêntica, sendo essa a principal característica do fenômeno da variabilidade. O comportamento variável pode ser também observado quando pessoas diferentes realizam uma mesma tarefa. Essas diferenças ocorrem porque seres humanos se desenvolvem de maneiras distintas, tanto em aspectos biológicos, como fatores genéticos e as capacidades inatas, quanto em aspectos ambientais como a exploração de movimentos na infância, as diferentes formas de ensino-aprendizagem vivenciadas, dentre diversos fatores, que refletirão nas variações dos movimentos realizados.

Outra forma de observar a variabilidade é no processo de aquisição de habilidades motoras. À medida que uma habilidade motora é aprendida, mudanças relativamente permanentes ocorrem nesse processo. Inicialmente, o aprendiz inicia sua prática com um comportamento inconsistente, com um alto número de erros e alta demanda de atenção para execução. Em seguida a este momento, passa para um estágio intermediário, em que há redução dos erros e de variabilidade, tanto no seu padrão de movimento, quanto no desempenho apresentado, mas que ainda é necessário um maior refinamento da habilidade praticada para que o erro e essa variabilidade sejam reduzidos ao máximo, caracterizando um estágio autônomo. O alcance de tal estágio, além da redução de erros, requer também o aumento da consistência, quando o aprendiz assume um padrão espaço-temporal de execução da habilidade motora.

Esse comportamento tipicamente esperado faz da redução da variabilidade uma espécie de medida para o sucesso ou fracasso ao se realizar tarefas motoras. Alta variabilidade seria comumente considerada como um índice de desempenho ruim e baixa variabilidade habitualmente considerada como ótimo nível de desempenho. Mesmo que o aprendiz tenha atingido o estágio autônomo e essa variabilidade tenha sido reduzida, ainda assim, não é totalmente eliminada. Essa visão mostra a variabilidade na sua forma mais tradicional nas pesquisas sobre comportamento motor. Mas, será que a variabilidade do movimento deve sempre ser refletida como um aspecto negativo?

A variabilidade deve ser considerada não como uma característica ruim presente no comportamento motor, mas ao contrário, um fenômeno que pode apresentar um aspecto benéfico ao se desempenhar habilidades motoras. Atualmente, diversas pesquisas em Comportamento Motor são realizadas com o objetivo principal de verificar os efeitos desse fenômeno na aquisição de habilidades motoras. Ao invés de quantificar a variabilidade (alta/ruim, baixa/boa), as variações presentes nos comportamentos são consideradas estruturadas e não mais aleatórias, isto é, apresentam uma espécie de relação aos comportamentos passados, que refletirão nas tentativas futuras rumo à meta da tarefa. Essas variações são organizadas por natureza e possuem a característica flexível que podem refletir no sucesso do comportamento.

É importante considerar que, ao se ensinar uma habilidade motora, a variabilidade inicial deve ser reduzida para a formação de um padrão de movimento. Porém, é importante também considerar que os movimentos variáveis remanescentes no comportamento motor podem ser benéficos para atingir desempenhos cada vez melhores no processo contínuo de aquisição de habilidades motoras.

 

COMENTE ESSE POST

Gestão do Conhecimento na preparação dos atletas da Fórmula 1

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com.br


Com início no próximo domingo, as competições do Grande Prêmio de Fórmula 1 colocam em evidência as grandes equipes, os veículos cada vez mais modernizados e os pilotos. Para garantir o êxito nas premiações, a preparação dessas equipes começa muito tempo antes da estreia e os detalhes são exigidos também dos competidores, que recebem um treinamento pré-temporada similares ao de atletas olímpicos.


Segundo matéria publicada no site do Estadão (clique aqui), em 2008, Lewis Hamilton ou Kimi Raikkonen já contavam com um diretor de comportamento humano, avaliando seus rendimentos e intensidade de treinos, competições e viagens, bem como resistência e condições físicas e mentais dos atletas. Sim, atletas. Ainda de acordo com a publicação, o médico tinha dúvidas quanto ao caráter esportivo do automobilismo, mas confirmou que era um dos esportes mais exigentes, no qual os pilotos alcançam níveis tão altos quanto os de muitos atletas profissionais.


Para a Gestão do Esporte, estar atento aos fatores preparação e avaliação das condições dos pilotos é um diferencial no intuito de obter êxitos e garantir o estado saudável dos atletas. Neste contexto, ganha relevância a Gestão do Conhecimento, na busca por associar diversos profissionais e áreas de saberes, compreendendo as necessidades individuais e entendendo os fatores exigidos durante a prática esportiva.


Uma competição automobilística requer do piloto elevado grau de concentração e reflexos rápidos, além de intenso condicionamento físico, com preparo que vise treinos de resistência, hipertrofia muscular e exercícios aeróbicos. Outro aspecto que requer disposição do atleta é a atuação da gravidade já que o corpo sofre pressão sob alta velocidade. O peso do uniforme e do capacete, somado ao fato de que o corpo do piloto permanece por horas na mesma posição, também são aspectos que devem ser considerados durante a preparação.


O desgaste físico é ampliado pela falta de hidratação e tensão constante, que afeta os batimentos cardíacos e musculatura, principalmente do pescoço, braços, antebraços, costas, coluna vertebral e abdômen. A temperatura dentro dos veículos e as condições climáticas provocam reações diferenciadas nos atletas. Por isso, além dos treinamentos, muitos buscam outras práticas esportivas como corrida, musculação e esquiagem, mais comum para os pilotos da Ferrari.


Esses e outros possíveis impactos que os atletas podem sofrer no exercício de sua profissão são aspectos também referentes à Saúde e Segurança do Trabalho que, segundo a revista Proteção (clique aqui), ainda é uma área pouco explorada e valorizada no campo esportivo, e que "de acordo com MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), não existe nenhuma agenda para avaliar as normas de Saúde e Segurança do Trabalho nas atividades desportivas".


A matéria exemplifica a relevância dessa área, no sentido de evitar futuros danos e preserva a saúde do atleta, citando o acidente com um dos mais importantes pilotos da F1 em 1994, o Ayrton Senna. Segundo o texto, o piloto perdeu o controle do carro por conta de uma quebra da coluna da direção de seu Williams.


Além das citadas, há uma série de outras características técnicas, físicas e psicológicas que fazem parte do cotidiano do esporte automobilístico ao qual está submetido o atleta, sendo necessária uma equipe qualificada e multidisciplinar que englobe profissionais de diversas áreas da saúde como Educação Física, Medicina, Fisioterapia, Traumatologia, Ortopedia, Psicologia, Nutrição, Cardiologia entre outras.


Dessa maneira, a Gestão do Conhecimento permite um diagnóstico e acompanhamento completo, identificando as peculiaridades e o rendimento de cada atleta e proporcionando melhoras no seu desempenho, assegurando também sua saúde. E, além disso, contribui para a manutenção do caráter de excelência e profissional que já possui esse esporte. Sim, Esporte.


Crédito das Imagens:


Divulgação

amplestur.com.br



Fontes de pesquisa:


http://www.rujorian.eu/f1_fitness.htm


http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,pilotos-de-formula-1-teriam-capacidade-para-ir-as-olimpiadas,212471,0.htm


http://www.protecao.com.br/noticias/leia_na_edicao_do_mes/sst_na_pratica_esportiva_ainda_tem_muito_a_evoluir/AAy4JyyJ/6300

 

COMENTE ESSE POST

O doping infantil e o futuros dos atletas

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com


Em janeiro deste ano, um caso trouxe à tona uma prática recente no Esporte que proporciona uma reflexão: o doping infantil.


A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos confirmou o doping de um atleta de 13 anos no Campeonato Brasileiro Infantil de Natação. Baseando-se no código da Agência Internacional Antidoping (Wada) e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a identidade do menor não foi divulgada no intuito de preservar sua imagem e ele foi suspenso por quatro meses. O uso registrado foi da substância metilhexaneamina, um estimulante que pode provocar o aumento da força, da concentração e da atenção ao mesmo tempo em que pode trabalhar na redução do peso, pois diminui o apetite.


O caso aponta uma tendência em relação ao tratamento de crianças atletas dentro dos clubes ou competições. Muitas vezes, cobra-se delas os mesmos rendimentos de atletas profissionais, atribuindo-lhes rotina de exercícios e treinamentos semelhantes a dos competidores de alto nível. Soma-se a esses fatores o ritmo de vida que essas crianças geralmente levam, com uma quantidade significativa de atividades, conciliando escola, aulas de idiomas e outros cursos, além da prática esportiva. Muitas já seguem dietas que preveem suplementos alimentares e vitaminas artificiais.


A pressão por resultados, em alguns casos, pode gerar atitudes desmedidas dos responsáveis por esses pequenos atletas, quando lançar mão dos suplementos já não se revela o suficiente e acabam por optar pelo uso de substâncias ilegais, anabolizantes e/ou estimulantes. Há uma inversão dos valores do Esporte e pais, treinadores e dirigentes se tornam coniventes com o erro e dopam os futuros atletas em busca de vitórias e patrocínios, focando apenas no resultado em curto ao invés do em longo prazo.


Conhecendo a amplitude da discussão em torno do doping e seus desdobramentos (sobre o que de fato poderia ser ou não permitido, sobre as regras e possíveis aberturas para uso de algumas substâncias, entre outros aspectos que já foram tratados aqui no GestaoEsporte.com), não se pode relevar o fato de que esses atletas ainda estão em fase de desenvolvimento, ou seja, não tem suas etapas de maturação completas. Dessa maneira, o uso de determinados elementos podem comprometer não só a esperada carreira profissional, como trazer danos à saúde das crianças. Na publicação Ilusão no esporte, nosso companheiro de trabalho Gustavo Lucas apresenta uma lista de substâncias que, em princípio, podem promover a melhoria do desempenho dos atletas, mas causam efeitos secundários nocivos, que vão de desidratação e danos ao coração até morte súbita (veja aqui).


A cobrança exacerbada não influi apenas no desgaste físico das crianças e adolescentes, mas também no desgaste psicológico. Muitas vezes, pais, treinadores e dirigentes prejudicam a relação dos futuros atletas com o Esporte, quando depositam neles suas vontades e a busca pela vitória se torna uma obsessão, ignorando que os pequenos não tem capacidade de compreender e optar pela competitividade.


A Gestão do Conhecimento prevê o entendimento do processo maturacional da criança, conhecendo seus limites e aspectos fisiológicos para determinada prática esportiva. Através dela, o gestor associa diversas áreas do saber além da Fisiologia e Psicologia, como Nutrição, Medicina e Educação Física, entre outros. Dessa maneira, o profissional se torna apto para transformar essa realidade e compreender as necessidades de uma criança, assegurando sua saúde mental e física em um projeto em longo prazo no qual, de maneira ideal, ela seria apenas uma criança.


Imagens de reprodução


Fontes de pesquisa e sugestão para aprofundamento:

http://www.swimvortex.com/doping-fair-play-and-the-boy-in-the-bubble-built-by-brazil/

http://blogs.estadao.com.br/olimpilulas/cbda-confirma-doping-de-nadador-em-torneio-infantil/

CBAT. A responsabilidade do Atleta e dos treinadores perante questões relacionadas ao Doping no desporto. Disponível em: http://www.cbat.org.br/anad/responsabilidades.asp

 

 

COMENTE ESSE POST

Como a Gestão do Conhecimento poderia aquecer a participação brasileira nos Jogos de Inverno?

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi chegam aos momentos finais e o Brasil completa sua participação disputando as provas de Esqui Alpino e Bobsled. Não sabe que esporte é este? Tudo bem, não podemos dizer que temos tradição em competições em baixas temperaturas... Contudo, uma dose de planejamento e investimento poderia aquecer esse quadro.


Em 2014, a delegação brasileira levou 13 atletas em sete modalidades, um recorde de participação considerando sua recente história nos Jogos (a estreia foi em 1992). Comparado aos 2,5 mil atletas de 80 países competindo em 98 provas, esse número representa 0,5% do total. E os desafios brasileiros não estão apenas entre os adversários, mas também em superar as dificuldades enfrentadas pela falta de proximidade com os esportes frios e o baixo investimento financeiro, que compromete a formação do time.


O último repasse da Lei Agnelo/Piva feito pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) em dezembro do ano passado, destinou R$1,5 milhão aos Desportos na Neve, contrapondo-se aos R$3,5 milhões para o Atletismo. Nos últimos quatro anos, advinda da Lei e de convênios com patrocinadores e Ministério do Esporte, foi repassada às confederações de Desportos na Neve (CBDN) e Desportos no Gelo (CBDG) a quantia de R$8,7 milhões. Enquanto uma modalidade de esporte de verão capta valor maior que esse em um ano: a confederação Brasileira de Basquete (CBB) recebeu em 2013 só de convênio com o Ministério do esporte R$14 milhões. Os dados são de uma matéria publicada no gazetadopovo.com.br.


Essa questão se reflete no quadro de amadorismo que faz parte da formação da delegação brasileira. Ela é composta, em sua maioria, por competidores advindos de outras modalidades como atletismo e ginástica olímpica. Sete atletas nasceram ou vivem atualmente fora do país e alguns conheceram os esportes a menos de um ano para a competição. Foi o caso de Lais Souza, a ginasta que iniciou há alguns meses os treinamentos para a modalidade Ski Livre Aereo, cujo acidente gerou uma importante reflexão sobre a maneira como são realizadas a importação de atletas. Tema muito bem explorado pela companheira de equipe Marina Tranchitella (clique aqui).


Na ótica da Gestão do Conhecimento, as características multidisciplinares que envolvem a inserção dos atletas em competições devem ser consideradas e associadas, para que não só o rendimento evolua de maneira positiva, mas também seja assegurada a saúde dos atletas. Aqui, temos diversos aspectos levantados: econômicos, estruturais, culturais, fisiológicos e geográficos, entre outros, que estão ligados principalmente pelo planejamento, que deve ser pensado em longo prazo.


Para o Brasil, a principal meta era consolidar a presença do país na competição multiesportiva e criar uma base para as próximas. Mas, o Gestaoesporte.com vai um pouco além e quer saber de você, leitor: você acha que o planejamento poderia tornar mais efetiva a participação brasileira nos Jogos de Inverno de 2014? Que aspectos você elencaria como os mais importantes?


Observação: Bobsled é um esporte de inverno inventado pelos suíços no final dos anos 1860, em que o time corre contra o tempo em uma rampa de gelo estreita e sinuosa em um trenó movido pela gravidade. O Brasil aposta em um forte impulso para conseguir bons resultados na prova. Fonte: COB

 

Créditos das imagens:

blogs.odiario.com

 


Fontes de pesquisa:


http://www.jornaldebrasilia.com.br/esportes/mais-esportes/528197/brasileiros-disputam-os-jogos-olimpicos-de-inverno/


http://www.gazetadopovo.com.br/esportes/poliesportiva/conteudo.phtml?id=1444925#ancora


http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,bobsled-brasileiro-aposta-em-bom-impulso-nos-jogos-de-inverno-de-sochi,1133064,0.htm


http://timebrasil.cob.org.br/


 

COMENTE ESSE POST

O desejo de promover a Inclusão social através dos Jogos Olímpicos

 

Por Roney Testa

E-mail: roneyat@hotmail.com

 


Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 que serão realizados no Rio de Janeiro serão um marco para o esporte brasileiro em todos os aspectos. Os olhos de todo o mundo estarão voltados para a capital Fluminense e será o momento da cidade ratificar a sua importância para o cenário mundial, não só no aspecto turístico, mas também econômico, ambiental e sociocultural.

 

 

O legado sociocultural dos Jogos irá além dos valores olímpicos como amizade, solidariedade, respeito e fair play, a inclusão social será a principal marca que o evento deseja deixar para a população carioca. Através de políticas públicas de desenvolvimento, adotadas pelos governos federal, estadual e municipal, tem por objetivo levar a milhares de jovens em situação de vulnerabilidade o direito à cidadania, oferecendo acesso ao esporte, lazer, cultura e capacitação profissional. Na cidade do Rio de Janeiro, 23% da população são constituídas por jovens, muitos deles mal assistidos, a mercê da violência urbana e das drogas, daí a preocupação dos governos com este público. Vale destacar que a prática esportiva é a porta para inclusão social, além de promover a saúde e a qualidade de vida, é uma ótima forma de entretenimento.

 

 

A ideia é que os Jogos Olímpicos aumentem o interesse dos jovens pela prática de esportes, principalmente se esta prática estiver associada a oportunidades de formação profissional, cultural e educacional. Dentre alguns programas criados pelo Governo Federal em parceria com o Ministério do Esporte, focando nos megaeventos esportivos que ocorrerão no país, está o "Segundo tempo", que tem por objetivo democratizar o acesso à prática e à cultura do esporte de forma a promover o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens, prioritariamente em áreas mais vulneráveis.  A parceria entre os Correios e a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) é outro projeto que pretende promover ações esportivas com crianças e adolescentes. Um dos objetivos da CBT é levar a modalidade para 40 escolas públicas de cinco capitais brasileiras, incluindo o Rio de Janeiro, mais o Distrito Federal, onde os jovens possam aprender e praticar o esporte durante as aulas de educação física. No entanto, não existe de forma concreta e comprovada que estas ações têm surtido efeito, pois a dois anos dos Jogos todo o planejamento de legado social deveria estar finalizado e sendo colocado em prática.

 

 

Para o presidente do Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, o impacto do evento no Rio de Janeiro será ímpar e ressaltou a importância da disseminação dos Valores Esportivos entre jovens e crianças, fomentando que o esporte é uma grande ferramenta para inclusão social e a educação e que o Brasil ganhará muito com o envolvimento da juventude inspirado nos valores da amizade e respeito ao Movimento Olímpico. Para finalizar Nuzman acredita que o evento agirá como uma força transformadora, capaz de alterar a realidade econômica e social da cidade, do estado e até do país. "Os Jogos serão um catalisador do progresso esportivo e social para comunidades do Brasil e de todo o mundo" completou o presidente.

 

 

Uma das estratégias dos organizadores para estimular a sociedade, principalmente os jovens, a verem o maior evento esportivo do mundo com "outros olhos" e se beneficiarem dele, é fomentar a educação olímpica. Fazer o cidadão entender a representatividade de um evento deste porte e os impactos que ele pode proporcionar para a vida da sociedade de maneira geral é essencial. "Como sede da próxima edição, temos a responsabilidade de contribuir para o processo de educação olímpica do povo brasileiro, que vai muito além de conhecer as regras dos 28 esportes que compõem o programa do maior evento esportivo do mundo", destaca Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Rio 2016.

 

 

De um modo geral, podemos chamar de Educação Olímpica as propostas educativas através do esporte tendo como referência o Movimento Olímpico, seus valores declarados, seu simbolismo, sua história, seus heróis e suas tradições.  A ideia do projeto é mobilizar a rede educacional, preparar material didático e treinar professores, inserindo nas salas de aula conceitos sobre a importância dos Jogos Olímpicos em todos os níveis sociais além de explorar as riquezas históricas, geográficas, culturais, simbólicas e linguísticas do Movimento Olímpico. Contudo é de se afirmar, que para uma maior eficácia nas ações de inclusão social através da Educação Olímpica, deveria ter sido feito um mapeamento dos programas de edições anteriores, uma coleta de dados aprofundada, se aproveitando dos conceitos da Gestão do Conhecimento. A importância desta estratégia deve-se ao fato de determinar tendências e minimizar erros. Entretanto existe de fato um projeto de Educação Olímpica bem articulada, desenvolvido diretamente com as escolas de todo o país ou é apenas um discurso político? As propostas tendem a ser temporárias ou se tornar de fato um apêndice à educação escolar, legitimando seus ideais, tornando a escola um lugar de transmissão de conhecimentos ligados ao esporte e não somente à prática dele, sendo inserido na cultura escolar como uma ação permanente, atribuindo o conceito de "esporte na escola".

 

 

Preparar os jovens para o maior evento esportivo do planeta é uma passo primordial para o país, caso deseje deixar um legado sociocultural, e sonhar com um futuro promissor, para que estes meninos de hoje se tornem grandes homens amanhã, contribuindo para o processo de desenvolvimento do esporte no país. Contudo, este seria o cenário ideal, entretanto na realidade esta estratégia de inclusão está surtindo efeito?

 

 

Em novembro do ano passado, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, firmaram uma parceria para desenvolver iniciativas voltadas para jovens em situação de vulnerabilidade. A parceria pretende desenvolver projetos em comunidades carentes, que através do esporte, promoverão a inclusão social de crianças e adolescentes que vivem em situação de risco na cidade do Rio de Janeiro, contribuindo positivamente também para um aumento da segurança de comunidades. Vale destacar que o Banco Interamericano de Desenvolvimento é a maior fonte de financiamento para o desenvolvimento na América Latina e Caribe, com um forte compromisso de obter resultados mensuráveis para reduzir a pobreza e a desigualdade na região de maneira sustentável.

 

 

Este assunto pode servir de grande debate no intuito de fiscalizarmos se de fato todos esses projetos, entre outros não citados, estão ou estarão saindo papel ao longo desses dois anos que antecedem os Jogos Olímpicos. Podemos perceber que na teoria existe uma grande possibilidade de resultados positivos, contudo na prática pode ser que essa realidade seja mais negativa. E você leitor, está preparado para refletir sobre este debate? É possível que os Jogos deixem um legado social  positivo?

 

 

Fonte imagem

 

http://www.onu.org.br/unicef-legado-social-da-copa-do-mundo-e-educacao-fisica-inclusiva/

 

Fontes de pesquisa e sugestões para aprofundamento:

 

http://www.confef.org.br/extra/revistaef/show.asp?id=3835

 

http://www.esporte.gov.br/arquivos/rio2016/cadernoLegadosSocial.pdf

 

http://www2.esporte.gov.br/snelis/segundotempo/maiseducacao/default.jsp

 

http://rio2016.com/noticias/noticias/exposicao-olimpica-chega-a-cidade-sede-dos-jogos-rio-2016

 

http://www.esporte.gov.br/arquivos/snelis/esporteLazer/cedes/olimpismoEducacaoOlimpica.pdf

 

http://www.jornal.ceiri.com.br/rio-2016-parcerias-para-fomentar-o-desenvolvimento-via-esporte/

 

http://www.iadb.org/pt/noticias/comunicados-de-imprensa/2013-11-01/bid-e-rio2016,10630.html

 

http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/2228%26sa%3DU%26ei%3DZgBkTr6eOobZgQf_3Om-Cg%26ved%3D0CBEQFjABOHg%26usg%3DAFQjCNFUDmzTjHaZAX5_4Ms4yRzxUI08xg

 

Legados de Megaeventos Esportivos Editores: Lamartine DaCosta, Dirce Corrêa, Elaine Rizzuti, Bernardo Villano e Ana Miragaya, Brasília: Ministério do Esporte, 2008

 

 

COMENTE ESSE POST

Copa 2014: o espírito torcedor em comercialização

Por Luiza Lourenço
E-mail:luiza.lourenco@gestaoesporte.com


A movimentação na economia brasileira potencializada pelo Esporte é um fenômeno atual que já foi tratado aqui no gestaoesporte.com. A indústria de artigos relacionados à temática encontra um espaço para desenvolvimento na exploração desse mercado, que tem seu potencial ampliado pela iminência da Copa do Mundo.


Na consolidação da imagem de um país sede exemplar, há que se investir também na imagem do torcedor exemplar. Inúmeros acessórios e produtos embarcam no sentimento do brasileiro pelo esporte, propiciados pelo mercado favorável ao consumo. O estoque de produtos passa por camisas oficiais, chuteiras, bola, mochilas, chinelos, cornetas, apitos, perucas e outros adereços que promovam o "verde-amarelo". Também entram na lista alimentos e bebidas que fazem alusão à competição, além de propagandas, slogans e material publicitário que incitam o espírito torcedor constantemente.


Os produtos oficiais também começam a ser vendidos, entre eles, estão miniaturas da taça e pelúcias da mascote Fuleco. Segundo matéria publicada no meionorte.com, a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte prevê aumento de 40% das vendas de itens relacionados à Copa, frente a junho do ano passado e 18% frente ao campeonato de 2006. Diferentemente de 2013, quando muitos produtos ficaram encalhados nas lojas que apostaram na Copa das Confederações, a expectativa para 2014 é mais otimista, já que essa é uma competição tradicionalmente mais visada.


Esboçando uma ideia do que pode ser o sucesso desse segmento do mercado, tem-se como exemplo o caso da empresa Fantastic Brindes, apresentado pela equipe Redação em Campo. Com aplicação de 80% de seus investimentos no Kit Torcedor (contendo corneta, vuvuzela, caneca, apitos, copo, zumbina e mochila) a empresa já fatura. Só no início deste ano, já fechou orçamentos de aproximadamente 100 mil kits para grandes empresas, o que equivale à venda de mais de 400 mil produtos. O faturamento que era de R$ 150 mil em junho de 2013 saltou para R$ 380 mil no final do ano passado e a expectativa é de que triplique até a Copa.


Na ótica do Marketing Esportivo, o pesquisador Victor Andrade de Melo (2008) aponta que o mercado não promove apenas os produtos que querem vender, mas também um modo de vida relacionando o esporte a diversos valores, hábitos e costumes que ajudam a reiterar. Alguns artifícios como a utilização de atletas na divulgação das marcas também são recorrentes. Assim, cria-se uma relação de identidade que move o consumidor através dos valores do esporte.


O segmento esportivo pode ser um grande aliado ao setor econômico, com destaque aos Artigos Esportivos, que representam um ganho expressivo. Entendendo a receptividade e o potencial do mercado, encorajando também as micros e pequenas empresas que encontram aí sua possibilidade de crescimento, pode-se colocar em contrabalança o bombardeio de propagandas e produtos que tentam inferir ao consumidor o espírito torcedor e patriota. Afinal, teria limites e, se sim, quais seriam estes para a comercialização da identidade brasileira na Copa?


Créditos imagens:

www.brindesdacopa.com.br
Bonecos Fulecos fabricados na China- www.dm.com.br


Fontes de pesquisa e sugestões para aprofundamento:


http://redacaoemcampo.com/2014/02/12/micro-e-pequenas-empresas-faturam-com-a-copa-do-mundo/


http://www.cbnfoz.com.br/editorial/esporte/noticias/11022014-90947-copa-do-mundo-ja-rendeu-r-280-milhoes-a-micro-e-pequenas-empresas

http://www.meionorte.com/noticias/economia/venda-de-produtos-da-copa-devem-crescer-em-40-103035.html


MELO, V. A. . Esporte, propaganda e publicidade no Rio de Janeiro da transição dos séculos XIX e XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 29, p. 1

 

COMENTE ESSE POST

Jogos Olímpicos 2016: uma Matriz, muitas responsabilidades

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com


A organização de grandes eventos esportivos envolve questões de procedências híbridas relacionadas a aspectos econômicos, sociais, ambientais, estruturais, entre outros. Aliar a realização desses eventos ao desenvolvimento dos aspectos citados, gerando legados que justifiquem os impactos, é um desafio que deve ser enfrentado com planejamento eficiente.


Recentemente, o governo federal divulgou a lista oficial dos projetos olímpicos previstos com investimentos públicos, a chamada Matriz de Responsabilidades dos Jogos Olímpicos de 2016. Dos 52 projetos listados, apenas 24 tiveram os valores discriminados, orçados em R$5,64 bilhões. Isso porque são os únicos que atingiram o nível de maturidade 3 (com processo de licitação finalizado) ou níveis superiores ( finalizados ou em processo de execução). E faltam um pouco mais de dois anos para os Jogos.


No documento, constavam apenas os investimentos já previstos e relacionados diretamente ao evento esportivo, tais como a construção da Vila Olímpica, do Parque Aquático, do Complexo Deodoro, entre outras atividades necessárias para a sua realização. Ficaram de fora obras relacionadas à infraestrutura, mobilidade urbana e questões ambientais.


O pesquisador Vittorio Lo Blanco (2010) ressalta a importância dos gestores públicos buscarem, através dos megaeventos, alcançar avanços que irão além dos jogos e promoverão a qualidade de vida, principalmente para os setores menos privilegiados da população. Investimentos em mobilidade urbana, segurança, sustentabilidade e incentivo ao esporte como um elemento de não exclusão social e um aliado à educação, entre outros, são algumas ações que trariam como resultados legados relevantes para o país, considerando os impactos de se sediar eventos de tamanho porte.


Em entrevista divulgada no portal UOL, o presidente da Autoridade Pública Olímpica, Fernando Azevedo e Silva, declarou que esses projetos aparecerão em um plano de ampliação das políticas públicas e que a divisão se deu de maneira conceitual (clique aqui). A proposta estaria inclusa no "plano de aceleração de investimentos públicos" previsto pelo governo, que será divulgado na segunda quinzena de março e trará descrição detalhada de obras como as de mobilidade urbana. Contudo, estando fora da Matriz de Responsabilidades, não há necessidade que todas sejam cumpridas até 2016.


A quantidade de projetos em desenvolvimento ou que ainda estão em níveis iniciais contribuem para a indefinição do orçamento governamental. O Complexo Esportivo Deodoro é o caso mais emblemático, que mudou da administração federal para estadual, estando agora sob gerenciamento da Empresa Olímpica Municipal e terá a divulgação dos resultados das licitações em abril. E faltam 903 dias para os Jogos.


Na trama dos Jogos Olímpicos de 2016, muitas questões são levantadas e muitos projetos precisam ganhar corpo. Cabe aqui a reflexão sobre o planejamento adequado e o cumprimento deste como um fator que merece destaque nas organizações de eventos, sobretudo quando estão associados aspectos relevantes à sociedade, como seu envolvimento com Esporte e as políticas públicas relacionadas a ele, além dos valores de investimentos com dinheiro público.


Crédito das imagens:

divulgação


Fontes de pesquisa e sugestões para aprofundamento:


LO BIANCO, Vittorio Leandro Oliveira. O legado dos megaeventos esportivos em questão: as mudanças ou as continuidades na cidade Rio de Janeiro pós-sede. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento do Instituto de Economia da UFRJ. 2010


http://web.observatoriodasmetropoles.net/projetomegaeventos/index.php?option=com_k2&view=item&id=8:rio-ol%C3%ADmpico-e-mobilidade-urbana-qual-ser%C3%A1-o-legado?


http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos/2016/sem-obras-de-mobilidade-governo-divulga-orcamento-olimpico-pela-metade,176fa2a6cb3d3410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html


http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-01/autoridade-publica-olimpica-divulga-matriz-de-responsabilidade-dos-jogos


http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2014/01/dos-52-projetos-dos-jogos-matriz-de-responsabilidades-revela-valor-de-24.html



 

COMENTE ESSE POST

Rio busca promover turismo local através dos Jogos Olímpicos

 

Por Roney Testa

E-mail: roneyat@hotmail.com

 


Pela primeira vez na história, a América do Sul receberá o maior evento esportivo do mundo, os Jogos Olímpicos, e a honra de sediar este espetáculo será do Rio de Janeiro em 2016. A cidade, desde a escolha como sede dos jogos, em 02 de outubro de 2009, vem traçando o planejamento para realização do megaevento, e se preparando para sofrer profundas mudanças em suas estruturas urbanas e sociais. O legado para população carioca não será apenas esportivo, mas também econômico, cultural, social e turístico.

 

 

Um dos legados sociais mais preocupantes dos Jogos é o turismo, pois fica a dúvida: O Rio de Janeiro está preparado para receber turistas de todas as partes do mundo? Sem dúvida, os Jogos Olímpicos de 2016 trará grandes desafios, mas também oportunidades à capital Fluminense, principalmente para o desenvolvimento do turismo brasileiro. Por se tratar do maior evento do planeta, a grande visibilidade é inevitável e o apelo da mídia extremamente significativo. Em nível de oportunidades, existe a previsão de um avanço na geração de empregos para o setor turístico e a possibilidade de rentabilidade por parte dos setores envolvidos.

 

 

"Eventos são uma forma inigualável de atração turística" (GETZ, 1989, p. 125) Megaeventos como este, tende a ser uma grande forma de promoção do turismo local, levando ao olhar do mundo, costumes, hábitos e a cultura de maneira geral da localidade, despertando interesse e oportunidades impactantes. Outro aspecto fundamental é o fortalecimento da imagem da cidade-sede e a ratificação de uma identidade regional, principalmente se tratando do Rio de Janeiro, que se trata de uma cidade de grande diversidade turístico-cultural, tendo a possibilidade, durante um grande evento como os Jogos Olímpicos, de estender e expandir a já tradicional temporada turística da cidade, elevando as oportunidades de negócios para o setor, como hotéis, bares, restaurantes, transporte público, aeroportos, rodoviárias, comércio, entre outros, estabelecendo um ganho em longo prazo.

 

 

Não há como negar que os Jogos serão positivos para o cenário carioca, porém a população está preparada para ele? Dentre os maiores desafios está exatamente a questão do turismo receptivo. O turismo receptivo é o conjunto de bens, serviços, infraestrutura, atrativos, entre outros, pronto a atender as expectativas dos indivíduos que adquiriram o produto turístico. Para isso a cidade deve apresentar alguns elementos essenciais, como uma política harmônica entre o governo e a secretaria de turismo, envolvimento da comunidade local, investimentos, além de atrativos naturais e históricos, infraestrutura básica e utilização das ferramentas do marketing.

 

 

Portanto, é de fundamental importância à elevação da atividade cultural na comunidade, desenvolvendo nos cidadãos comuns práticas de bons costumes, como estimular o voluntariado, reforçando o espírito de boa vontade, estimular a participação em atividades físicas e culturais e enaltecendo também às questões cívicas e morais, condicionando o patriotismo a algo elementar na condição de anfitrião de um evento de tamanha magnitude. Recepcionar bem os convidados é a chave para o sucesso, entretanto alguns aspectos negativos devem ser extremamente bem solucionados.

 

 

O atual momento não só do Rio de Janeiro, mas também de outras grandes metrópoles brasileiras, torna-se um fator preocupante. Como imaginar um evento como os Jogos Olímpicos num cenário de desorganização, violência, sujeira, corrupção, manifestações populares ou qualquer situação que possa colocar em risco a integridade física dos turistas? Antes de presenciar um grande evento, o turista deseja um mínimo de segurança e tranquilidade durante sua estadia no país e o governo do Rio de Janeiro tem trabalhado muito para sanar esta questão.

 

 

Um alto investimento tem sido feito em mobilidade urbana, arenas, portos e aeroportos, acessibilidade e meio ambiente, tudo com o intuito de consolidar o Brasil como uma das principais referências turísticas do mundo, além de melhorar a qualidade de vida do carioca. Todo o trabalho deve estar concluído até julho de 2015, prazo estabelecido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Todo o processo está sendo monitorado de perto pela APO (Autoridade Pública Olímpica), com o objetivo de coordenar a participação da União, do Estado do Rio de Janeiro e do Município do Rio de Janeiro na preparação e realização dos Jogos de 2016, especialmente para assegurar o cumprimento das obrigações por eles assumidas perante o COI e com o Comitê Paraolímpico Internacional para esses fins.

 

 

Desta forma, com o intuito de atingir o posto de terceira economia turística do mundo, ficando atrás apenas de China e Estados Unidos (atualmente é a sexta), foi criado pelo Governo Federal o Plano Nacional de Turismo 2013 - 2016, se aproveitando dos megaeventos que acontecerão no país, além dos Jogos Olímpicos, a Copa do Mundo neste ano.

 

 

Dentre os investimentos direcionados para os Jogos Olímpicos, com intuito de receber da melhor maneira possível os atletas, imprensa e turistas de todo mundo estão: Construção das Vilas Olímpicas para atletas e profissionais de imprensa, além do Parque dos Atletas, reestruturação do transporte coletivo municipal, metrôs e terminais rodoviários, facilitando o deslocamento, revitalização da zona portuária, incluindo criação de espaços de cultura, educação e entretenimento. O Rio de Janeiro está em busca da excelência e não poderá falhar na organização do maior evento mundial. E você leitor qual sua opinião a respeito?

 

 

 

Fonte imagem


https://www.facebook.com/receptivorioturismo 


Referência bibliográfica e fontes de pesquisa:


http://www.academia.edu/3594390/Rio_2016_e_Legados_Esportivos_Os_legados_dos_Jogos_Olimpicos_para_jovens_em_situacao_de_vulnerabilidade_social_no_Rio_de_Janeiro

 

http://www.ebc.com.br/noticias/esporte/2013/04/legado-para-o-rio-de-janeiro-e-preocupacao-da-autoridade-olimpica-diz

 

http://rio2016.com/os-jogos/olimpicos/evento

 

http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/noticias/todas_noticias/Noticias_download/PNT_2013-2016.pdf

 

http://www.brasil.gov.br/esporte/2012/04/rio-2016

 

http://www.apo.gov.br/site/inicio/

 

Legados de Megaeventos Esportivos Editores: Lamartine DaCosta, Dirce Corrêa, Elaine Rizzuti, Bernardo Villano e Ana Miragaya, Brasília: Ministério do Esporte, 2008

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Nutrição Esportiva: o impacto do consumo alimentar sobre o desempenho de atletas de alto nível

Por Luiza Lourenço
E-mail:luiza.lourenco@gestaoesporte.com.br

 

O impacto da alimentação sobre o desempenho esportivo é um fator conhecido desde as disputas olímpicas originais datadas de a. C., ganhando estudos cada vez mais específicos desde o século passado. De fato, o consumo de nutrientes e calorias de acordo com as necessidades fisiológicas dos atletas e ainda as modalidades da qual participam ganham destaques nas competições com a Nutrição Esportiva.


Em um estudo sobre o consumo alimentar, pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (2007), afirmam que "a adequação do consumo energético e nutricional é essencial para a manutenção da performance, da composição corporal e da saúde desses indivíduos ". Sendo assim, a baixa ingestão de energia pode ser prejudicial, podendo afetar o fornecimento de importantes nutrientes relacionados ao metabolismo, à reparação de tecidos, ao sistema antioxidante e à resposta imunológica dos atletas.


O nutricionista esportivo identifica os tipos de alimentos e a influência dos nutrientes diretamente no desempenho do competidor, avaliando suas necessidades, os níveis de atividades em um determinado período e ainda sua fisiologia. O consumo apropriado de carboidrato, por exemplo, atua no armazenamento de glicogênio, na manutenção dos níveis de glicose (e consequentemente nos de energia) e também no estado de humor do atleta.


A ingestão de proteínas tem grande relevância no quadro de treinamentos físicos diários, influenciando no metabolismo energético, reparo e desenvolvimento muscular. Os lipídios participam de importantes processos celulares, como fornecimento de energia para músculos e síntese de hormônios esteroides e auxilia na resposta inflamatória. Já as vitaminas e sais minerais auxiliam no metabolismo energético, atuação muscular, além de defesa antioxidante e resposta autoimune. A ingestão de líquidos é responsável pela reposição hídrica e termorregulação do corpo.


Outras particularidades também são levadas em consideração pelo profissional dessa área da Saúde. Como apresentado nesta matéria da BBC (clique aqui), para a prática de algumas modalidades esportivas, há uma ingestão maior de calorias que para outras. Na categoria de "longa duração ou resistência", com maior necessidade calórica, estão incluídos Triatlo, Remo, Natação em águas abertas e ciclismo, além de outros. Do outro lado, estão os "esportes de categoria de peso" e "esportes estéticos", como Boxe, Artes Marciais, Ginástica e Nado Sincronizado. Há também o grupo que necessita de uma alimentação específica e aqueles que não se preocupam muito com o quesito.


Os pesquisadores da UFSC (2007) apontam que, apesar da relação entre a nutrição e o desempenho dos competidores estarem em constante evidência, ainda há a predominância da inadequação nutricional em diversos grupos atléticos, ressaltando como influências do comportamento alimentar individual o estilo de vida e aspectos culturais.


Por todas essas premissas, faz-se pertinente a participação da Nutrição Esportiva como mais uma área de conhecimento importante na Gestão do Esporte, sendo uma área de atuação capaz de avaliar a rotina das atividades do atleta e também as particularidades em suas respostas metabólicas, condições fisiológicas e de rendimento, indicando os padrões alimentares adequados e atuando diretamente sobre o desempenho dele.


Fontes imagens:

Divulgação

vidanutritiva.net


Fontes de pesquisa e material para aprofundamento:


http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732007000600010


http://www.nutricaoempauta.com.br/lista_artigo.php?cod=441

 

COMENTE ESSE POST

A importância da geografia do esporte na escolha das bases das seleções para Copa do Mundo


Por Roney Testa

E-mail: roneyat@hotmail.com



A quatro meses do início da Copa do Mundo de futebol, que será disputada pela segunda vez na história no Brasil, sendo a primeira em 1950 e 36 anos depois na América do Sul, sendo a última em 1978 na Argentina, as trinta e duas seleções classificadas para o torneio já decidiram suas bases durante a estadia no país. O critério da escolha das sedes não foi baseado somente na infraestrutura, mas também sua localização estratégica. Porém algumas seleções sofrerão grandes desgastes em viagens. Desta forma torna-se cada dia mais importante a utilização da geografia do esporte.



A geografia do esporte tem se tornado um estudo cada vez mais aprofundado e consiste essencialmente no estudo da dimensão espacial da atividade esportiva. Sua fundamentação parte do pressuposto de que para se realizar a prática esportiva necessita de lugares apropriados, criados de acordo com os princípios, regras e aspirações de cada modalidade. As instalações esportivas tornam-se fundamentais para uma preparação adequada das equipes, não só os estádios, ginásios, entre outros, mas também os alojamentos, hotéis, ou seja, a logística de uma maneira geral, que pode afetar de maneira positiva ou negativa o rendimento de uma equipe ou um atleta.



Consideramos também que os grandes eventos esportivos geram volumosos fluxos, articulando uma área de influência em torno das cidades onde se realizam. Desta forma, exige todo um planejamento que pesa diversas variáveis que vão de questões socioculturais à ordens climáticas e temática tem a característica de estudar e planejar todas essas nuances, reunindo um conjunto de informações e análises direcionadas à este contexto. Nesta Copa, o clima e uma posição geográfica central têm peso crucial na decisão de escolha.



Das trinta e duas seleções que virão ao Brasil para disputa da Copa, quinze ficarão no estado de São Paulo, sete delas somente na região de Campinas. A justificativa se deve à proximidade dos aeroportos, entre eles o de Viracopos. Os outros estados que receberão pelo menos uma seleção serão: Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul. Poucas bases foram escolhidas pelo apelo turístico internacional com exceção do Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu e Porto Seguro.



Dentre as cidades que receberão partidas, somente as cidades de Belo Horizonte, Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo vão abrigar seleções. Cinco Estados (Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Amazonas e Mato Grosso) e o Distrito Federal receberão jogos, mas não foram escolhidos por nenhuma seleção como base de treinamentos durante a Copa. A cidade de Natal, por exemplo, que sediará partidas do torneio não abrigará nenhuma seleção, devido à falta de privacidade do Estádio Frasqueirão, escolhido pela cidade para ser o Centro de Treinamento, devido aos prédios que cercam o estádio. Outro centro preterido foi a cidade de Goiânia, mesmo estando próximo a importantes sedes como Brasília e na rota de Manaus e do Nordeste, e além de ter três opções de centros de treinamentos, não foi escolhida por nenhuma seleção.



Como já fora citado, a região de Campinas será a que mais receberá seleções. A França vai para Ribeirão Preto, Japão e Rússia para Itu, Portugal e Nigéria para Campinas, Águas de Lindóia receberá a Costa do Marfim, Honduras para Porto Feliz e a Argélia se abrigará em Sorocaba. A escolha por esta região por Portugal, por exemplo, se deve além da proximidade de Viracopos, a qualidade do hotel e a eficiência do atendimento, fatores que foram primordiais mesmo a seleção portuguesa tendo que encarar grandes viagens, algo em torno de 9.834 quilômetros, tendo que atuar em cidades como Salvador, Manaus e Brasília.



Algumas seleções serão castigadas por longas viagens, a principal delas são os Estados Unidos, que percorrerão a maior distância de todas elas, apenas na primeira fase. Vale lembrar que a escolha pela sede foi antes do sorteio dos jogos. A seleção mexicana sofrerá tanto quanto os americanos,  poderia muito bem ter escolhido alguma sede no Nordeste, mas optou pela cidade de Santos, em São Paulo, devido toda a estrutura e a possibilidade de voos privados. A Itália também está entre as seleções com mais milhas pra gastar. Os italianos ficarão em Mangaratiba, no estado do Rio de Janeiro, na Portobello Safari Resort, com 152 quartos separados em três setores e vista para o oceano Atlântico. A estratégia foi buscar uma localização mais privada possível. Outra importante seleção a se hospedar no Rio Janeiro é a atual vice-campeã mundial, a Holanda, que ficará no Ceasar Park Ipanema, e fará seus treinamentos na Gávea, sede do Clube de Regatas do Flamengo, em função da proximidade do hotel.



Se algumas seleções viajarão muito, outras farão um pouco menos de esforço, é o caso da Bélgica, que será a seleção que menos viajará na primeira fase. A atual campeã mundial, Espanha também terá uma primeira fase tranquila, no que diz respeito à logística, sendo a sexta seleção que menos se deslocará na fase inicial da Copa. Os "Hermanos" argentinos também usaram de um bom planejamento geográfico. Escolheram como base o Centro de Treinamentos do Atlético Mineiro em Belo Horizonte, cidade onde fará um dos jogos da primeira fase.



A escolha de Belo Horizonte pela Argentina por sinal, deve-se não só a localização geográfica da capital mineira, bem privilegiada pela centralização e pela proximidade do Rio de Janeiro e São Paulo, mas fundamentalmente pela estrutura da Cidade do Galo, um dos mais modernos do país, a estrutura oferece mais de 250 mil metros quadrados, com quatro campos e o hotel com vinte suítes. Buscando as mesmas características, o Chile escolheu a Toca do Raposa II, centro de Treinamento do Cruzeiro, tão bem estruturado quanto do rival Atlético. Já o Brasil optou pela conhecida Granja Comary em Teresópolis, estado do Rio de Janeiro, que está a 90 km do aeroporto do Galeão.



A Alemanha foi a que mais surpreendeu em sua escolha, os alemães que vão jogar a primeira fase em Salvador, Fortaleza e Recife, decidiram construir seu próprio centro de treinamentos na Vila de Santo André, distrito de Santa Cruz Cabrália, a 20 quilômetros de Porto seguro, e a 15 do aeroporto da região. "Percebemos na Copa de 2010 que distâncias curtas entre nosso quartel general, campos de treino e centro de imprensa são cruciais para todos envolvidos", declarou Oliver Bierhoff, ex-atacante da seleção e atual diretor da federação local, ele disse também que é importante para equipe minimizar o cansaço causado por viagens por causa do tamanho do Brasil. Vale destacar que o condomínio onde se localiza a Vila de Santo André é propriedade de um alemão e será comercializado após a Copa do Mundo. A rusticidade e a dificuldade de acesso ao local foram pontos destacados pela comissão alemã.



Abaixo as bases das trinta e duas seleções e as cidades que farão partidas na primeira fase:



País

Base Camp

Cidades dos jogos primeira fase

Distância total percorrida

Brasil

Granja Comary, Teresópolis (RJ).

São Paulo, Fortaleza e Brasília.

7.356 Km

Croácia

Tivoli Ecoresort Praia do Forte, Mata de São João (BA)

São Paulo, Manaus e Recife

9.800 Km

México

Hotel Parque Balneário, Santos (SP)

Natal, Fortaleza e Recife

14.040 Km

Camarões

Hotel Sheraton, Vitória (ES)

Natal, Manaus e Brasília

11.018 Km

Espanha

Clube Atlético Paranaense, Curitiba (PR)

Salvador, Rio de Janeiro e Curitiba

5.042 Km

Holanda

Ceasar Park Ipanema, Rio de Janeiro (RJ)

Salvador, Porto Alegre e São Paulo

5.496 Km

Chile

San Diego Suítes Pampulha, Belo Horizonte (MG)

Cuiabá, Rio de Janeiro e São Paulo

4.630 Km

Austrália

Hotel Escola Senac Ilha do Boi, Vitória (ES)

Cuiabá, Porto Alegre e Curitiba

8.796 Km

Colômbia

CFA Presidente Laudo Natel (base do São Paulo), Cotia (SP)

Belo Horizonte, Brasília e Cuiabá

5.350 Km

Grécia

Hotel Radisson Aracaju, Aracaju (SE)

Belo Horizonte, Natal e Fortaleza

5300 Km

Costa do Marfim

Oscar Inn Hotel Resort, Águas de Lindóia (SP)

Recife, Brasília e Fortaleza

11.240 Km

Japão

Spa Sport Resort, Itu (SP)

Recife, Natal e Cuiabá

11.512 Km

Uruguai

JN Resort, Sete Lagoas (MG

Fortaleza, São Paulo e Natal

8.534 Km

Costa Rica

Mercure Santos, Santos (SP)

Fortaleza, Recife e Belo Horizonte

10.472 Km

Inglaterra

Royal Tulip Hotel, Rio de Janeiro (RJ)

Manaus, São Paulo e Belo Horizonte

7.190 Km

Itália

Portobello Resort & Safari, Mangaratiba (RJ)

Manaus, Recife e Natal

14.126 Km

Suiça

Resort La Torre, Porto Seguro (BA)

Brasília, Salvador e Manaus

8.854 Km

Equador

Hotel Vila Ventura, Viamão (RS)

Brasília, Curitiba e Rio de Janeiro

6.660 Km

França

Hotel JP, RIbeirão Preto (SP)

Porto Alegre, Salvador e Rio de Janeiro

5.858 Km

Honduras

Hotel Transamérica, Porto Feliz (SP)

Porto Alegre, Curitiba e Manaus

8.040 Km

Argentina

Cidade do Galo (CT do Atlético Mineiro), Vespasiano (MG)

Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre

3.544 Km

Bósnia-Herzegovina

Casa Grande Hotel Resort & Spa, Guarujá (SP)

Rio de Janeiro, Cuiabá e Salvador

6.924 Km

Irã

Hotel Ceasar Park Business, Guarulhos (SP)

Curitiba, Belo Horizonte e Salvador

4.592 Km

Nigéria

Vitória Hotel Concept, Campinas (SP)

Curitiba, Cuiabá e Porto Alegre

5.038 Km

Alemanha

Campo Bahia, Santa Cruz Cabrália (BA)

Salvador, Recife e Natal

5.835 Km

Portugal

The Palms Hotel, Campinas (SP)

Salvador, Manaus e Brasília

9.834 Km

Gana

Radisson Hotel Maceió, Maceió (AL)

Natal, Fortaleza e Brasília

5.342 Km

EUA

Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej, São Paulo (SP)

Natal, Manaus e Recife

14.326 Km

Bélgica

Paradise Golf & Lake Resort, Mogi das Cruzes (SP)

Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo

1.984 Km

Argélia

Hotel Pitangueiras, Sorocaba (SP)

Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba

3.992 Km

Rússia

San Raphael Country Hotel, Itu (SP)

Cuiabá, Rio de Janeiro e Curitiba

4.304 Km

Coréia do Sul

Foz do Iguaçu (PR)

Cuiabá, Porto Alegre e São Paulo

5.152 Km




Para reflexão:



A quilometragem total que todas as seleções percorrerão juntas durante a Copa chegará em torno de 240.182 Km, em nenhuma outra Copa do Mundo uma seleção viajou tanto quanto na edição deste ano no Brasil. Até mesmo na Copa dos Estados Unidos em 1994, se compararmos as dimensões continentais, não tivemos um número tão alto. Essa questão trará grandes desafios às equipes.



Com relação aos Estados Unidos, seleção mais prejudicada, a preocupação existe, mas não é tratada como algo de "tirar o sono". Como a escolha da sede foi feita antes do sorteio dos jogos, os americanos não tiveram como prever estrategicamente uma melhor escolha, acabou optando em ficar em São Paulo, capital, e treinar no Centro de treinamento do São Paulo, na Barra Funda, em função da excelente estrutura. Para o técnico do time americano, o alemão Jurgen Klinsmann, as longas viagens e o forte calor não são serão tão problemáticos, pois os atletas estão acostumados com essas condições nos Estados Unidos, mas mesmo assim buscarão soluções para minimizar os efeitos, como por exemplo não retornar para São Paulo logo após as partidas, mantendo a equipe mais próxima das sedes dos jogos.



Em contrapartida, técnicos de outras seleções como o do selecionado inglês Roy Hodgson, reclamou bastante da logística e das extremas mudanças de clima de um estado para o outro, o fato de jogar em Manaus deixou o técnico inglês bastante preocupado por exemplo. Para o técnico da seleção de Honduras será terrível para sua equipe ter que se deslocar de Curitiba para Manaus para realização de uma das partidas do time hondurenho na primeira fase. Para o treinador da equipe alemã, Joachim Loew, o que mais preocupa é o calor, pois seu time fará as três partidas na primeira fase nas regiões Norte e Nordeste.



Por fim, a grande preocupação das seleções, sem dúvida, estão em torno do forte desgaste que os atletas poderão sofrer durante as partidas, devido às longas viagens e as mudanças bruscas de temperaturas. Uma preparação devidamente adequada deverá ser feita, para que os atletas possam desempenhar em campo todo o potencial, para que os jogos da Copa sejam verdadeiros espetáculos.




Fonte Imagens



https://bay175.mail.live.com/att/GetAttachment.aspx?tnail=22&messageId=28fe1ef1-8ffc-11e3-9639-001e0bcbe7cc&Aux=44|0|8D0F22012FB3C10||0|0|0|0||&cid=667f2da9e98c1e25&maxwidth=220&maxheight=160&size=Att&blob=MjJ8SWx1c3RyYcOnw6NvIG1hdMOpcmlhIDIuanBnfGltYWdlL2pwZWc_3d





Referências Bibliográficas e Fontes de Pesquisa:



http://www.lancenet.com.br/copa-do-mundo/aprovadas-Alemanha-construir-CT-Bahia_0_1046895360.html#ixzz2sq8tonNI


http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2013/12/13/alemanha-confirma-que-ficara-na-bahia-durante-a-copa-de-2014.htm


http://www.ahistoria.com.br/geografia-do-esporte/


http://www.olhardireto.com.br/copa/noticias/exibir.asp?

noticia=EUA_Mexico_e_Italia_darao_volta_ao_mundo_na_1_fase_da_Copa&edt=15&id=6592


http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,eua-serao-os-mais-castigados-com-as-viagens-na-copa-2014,1116729,0.htm


http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2013/10/24/escolha-da-argentina-confirma-bh-como-alvo-de-grandes-selecoes-no-mundial.htm


http://www.viajenaviagem.com/2014/01/copa-2014-onde-vao-ficar-baseadas-as-32-selecoes/


http://portalnoar.com/falta-de-privacidade-resultou-na-nao-escolha-de-natal-como-ct-para-copa/


http://veja.abril.com.br/noticia/esporte/definidas-as-cidades-que-abrigarao-selecoes-na-copa


http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2014/01/cidades-brasileiras-se-preparam-para-receber-selecoes-na-copa-de-2014.html


http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2014/01/selecoes-devem-viajar-mais-de-240-mil-km-durante-primeira-fase-da-copa.html


http://br.reuters.com/article/sportsNews/idBRSPE9B509Y20131206?pageNumber=2&virtualBrandChannel=0

 

COMENTE ESSE POST

Rússia e Brasil: reflexões sobre Segurança Pública

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com.br


Muito se tem discutido sobre os legados dos megaeventos esportivos, em uma tentativa de justificar aos anfitriões os impactos envolvidos na realização daqueles. Com a iminência dos Jogos de Inverno de Sochi, na Rússia, e posteriormente a Copa do Mundo no Brasil, o investimento em Segurança Pública entrou em pauta permitindo reflexões sobre sua relação com o Esporte.


Após os ataques terroristas em Volvogrado, a cidade de Sochi se transformou em uma fortaleza contra ameaças terroristas, sendo a edição mais cara dos Jogos. São investimentos que beiram 40 milhões de euros que incluem 40.000 polícias e tropas, instalações de sistemas antimísseis e vigilância por 24h. A última declaração do vice primeiro-ministro da Rússia Dmitry Kozak revelou a existência de um sistema de vigilância interno até mesmo nos banheiros das hospedagens.


Em uma breve análise do atual conteúdo noticioso relacionado às questões que envolvem Rússia e Brasil, a Segurança Pública é tratada como fatores que garantirão a noção de estabilidade durante a realização dos eventos. Seja pela exploração das medidas tomadas pelo governo russo e sua preocupação após ameaças terroristas, ou sobre a preparação do governo brasileiro e seus investimentos em equipamentos e policiamento, pode-se inferir que há uma preocupação muito maior com o gerenciamento de possíveis crises ao invés do estímulo a políticas públicas que permitiriam o desenvolvimento em longo prazo no quesito.


De acordo com Cardoso (2013), baseados nas colocações de Klauser (2009), nessas relações, três tipos de riscos são comumente identificados e, a cada um deles, estariam correspondidos "diferentes tipos de legados: a violência política ou o terrorismo; a violência entre/de espectadores; e a violência urbana e a criminalidade local". Se tornando o último quesito aquele que deveria ser o mais significativo no caso brasileiro.


Cardoso (2013) ressalta que a preparação para os eventos esportivos pode ser uma oportunidade para se voltar as atenções ao que visa o combate à violência cotidiana e à criminalidade urbana, além da atuação e gerenciamento da Segurança Pública. Para isso, torna-se necessária a criação de um novo modelo de atuação, que se caracterizaria pelo trabalho coletivo, circulação de informações e modernização tecnológica. De fato, essa é a promessa do Governo Brasileiro, que há um ano publicou o Planejamento Estratégico de Segurança Pública e de Defesa para a Copa do Mundo FIFA 2014, indicando a centralização dos órgãos em um Sistema Integrado de Comando e Controle (SICC).


Porém, ainda de acordo com os estudos de Cardoso (2013), há uma grande dificuldade operacional relacionada à falta de afinidades e a existência da fragmentação entre as diversas instituições e diversos setores, deixando a desejar a ideia de uma modernização e desenvolvimento. Vide diversas ações recentes, como a retirada das comunidades no entorno do Maracanã e até mesmo a atuação nos recentes protestos pelo país. Para o autor, os Centros de Comando e Controle não deveriam ser planejados apenas como um aparato físico e munido de instalações tecnológicas de última geração, mas também como um local para o desdobramento de procedimentos, protocolos e comunicações devidamente estabelecidos e treinados.


Fussey e Coaffee (2012) abordam que a padronização e a intensa preocupação com as estratégias de segurança contra o terrorismo (e aqui a proposta é ampliar o pensamento também para outros tipos de violência) promovem gastos muitas vezes excessivos e que não condizem com a situação local. Os megaeventos se tornam um utilitário esportivo simbólico para ações terroristas ou manifestações violentas. À Gestão do Esporte, cabe entender as relações entre o Esporte e a Segurança Pública, analisando as questões sociais envolvidas e ainda buscar estabelecer se o terrorismo ou a violência motivada visa especificamente o evento, antes de serem estabelecidas as estratégias que possam garantir resultados em longo prazo ou, de fato, um legado.


Crédito das imagens:

globoesporte.com

noticias.uol.com.br


Referências Bibliográficas e Fontes de Pesquisa:


Agradecimento à contribuição da Profa. Dda. Bárbara Schausteck de Almeida


http://www.publico.pt/mundo/noticia/a-cortina-de-seguranca-em-sochi-pode-ser-curta-para-tapar-o-resto-da-russia-1618750


http://globoesporte.globo.com/olimpiadas-de-inverno/noticia/2014/02/politico-deixa-escapar-que-cameras-vigiam-pessoas-no-chuveiro-em-sochi.html


http://www.ebc.com.br/esportes/galeria/audios/2014/02/governo-debate-acoes-de-seguranca-publica-para-copa


http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,plano-de-seguranca-para-a-copa-do-mundo-no-brasil-sera-integrado,1125622,0.htm


CARDOSO, Bruno V. . Megaeventos Esportivos e modernização tecnológica: planos e discursos sobre o legado em segurança pública. Horizontes Antropológicos (UFRGS. Impresso), v. 19, p. 119-148, 2013.


FUSSEY, P. e COAFFEE, J. Balancing local and global security leitmotifs: Counter-terrorism and the spectacle of sporting mega-events. International Review for the Sociology of Sport 47 (3), 268-285, 2012.


SAPORI, Luis Flávio. Segurança pública no Brasil: desafios e perspectivas. Rio de Janeiro. Editora FGV, 2007.

 

 

COMENTE ESSE POST

Imbróglio na justiça desportiva coloca em risco o futebol brasileiro em ano de Copa no país

Por Roney Testa

E-mail: roneyat@hotmail.com


O interminável Campeonato Brasileiro de 2013 está virando caso de polícia. O imbróglio envolvendo CBF-STJD-Portuguesa-Fluminense-Flamengo não tem fim, a cada dia uma nova liminar, uma nova decisão, mais e mais dúvidas sobre o que de fato aconteceu e o que acontecerá e como não poderia ficar pior, até o Ministério Público decidiu investigar, podendo chegar à instância criminal, já que existem suspeitas de suborno. Caso estas suspeitas se confirmem, seria o maior escândalo da história do futebol nacional, justamente no ano que o país sediará a Copa do Mundo de seleções.


A Justiça Desportiva, que é um ramo do Direito que trata das relações jurídicas existentes nas atividades desportivas e que tem como órgãos julgadores o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) e que foi institucionalizada pela Constituição Federal de 1988, tem sofrido inúmeras críticas, principalmente por parte dos clubes. As principais reclamações não se restringem às decisões contrárias nos tribunais, mas também na forma que estas decisões são divulgadas, há quem conteste, por exemplo, o porquê de um resultado de um julgamento não ser divulgado online, considerando a era da informatização. Uma mudança neste sentido seria benéfica não só para uma maior transparência nos atos, mas como uma forma de facilitar, principalmente para os clubes das Séries C e D, muitas vezes impossibilitados de se fazerem representados aos julgamentos. Trata-se de uma questão de comunicação, um assunto que pode vir ser aprofundado.



Desde a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva de punir Portuguesa e Flamengo com a perda de quatro pontos em função de escalação irregular de atletas na última rodada do Campeonato Nacional, o que rebaixou a Lusa para a Série B mantendo o Fluminense na Primeira Divisão, uma enxurrada de ações começaram a ser movidas pelos torcedores das equipes envolvidas na Justiça Comum, amparadas pelo Estatuto do Torcedor, que ora devolvem os pontos às equipes e ora retiram os pontos, colocando então definitivamente o Campeonato deste ano em risco. Desta forma, permitir que os torcedores, ou seja, qualquer mero cidadão influencie nas decisões esportivas e jurídicas, torna-se preocupante no âmbito da organização do futebol brasileiro, seria um caso a se discutir.



No caso em voga, é explícito que algo de anormal aconteceu, a situação se mostra cada dia mais complexa. Desde o "estouro da bomba", no dia 10 de dezembro de 2013, a Portuguesa tem tido discursos conflitantes, chegou até mesmo a dizer que não estava ciente do julgamento do jogador Héverton, entretanto o "quebra-cabeça" começou a ser montado e algumas situações começaram a vir à tona. Na semana passada foram revelados extratos telefônicos que confirmaram que existiu o contato do advogado que representou a Portuguesa, Osvaldo Sestário, com o clube logo após o julgamento. Em seguida, o mesmo Sestário revelou que o presidente Luso, Manuel da Lupa pediu para que ele assumisse a culpa pelo erro da escalação do atleta. Contudo surgiu a hipótese de que dois funcionários do clube teriam recebido dinheiro para prejudicarem a agremiação, no caso receberam dinheiro de quem?



Por fim, a CBF estaria "comprando" a Portuguesa por quatro milhões de reais para que o clube aceitasse disputar a Série B, seria uma espécie de empréstimo, porém com o intuito da Lusa retirar as ações na Justiça, desta forma a CBF estaria assumindo a culpa pela fatalidade. Entretanto, o atual presidente do clube paulista, Ilídio Lico, admitiu que ele mesmo pediu o tal empréstimo no início de dezembro e que recentemente apenas foi vazado para imprensa.



Desconfiado, o Ministério Público de São Paulo decidiu intervir, para ele o Estatuto do Torcedor está acima do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, e entende que há indícios de que tanto a CBF quanto o STJD erraram ao aplicar a pena aos clubes, pois para a promotoria as suspensões de atletas devem estar bem claras, algo que não ocorreu. Contudo, fica evidente que houve um erro administrativo dos clubes, no caso Portuguesa e Flamengo, entretanto vale destacar também a desorganização da CBF, pois existia um sistema de consulta dos clubes, o BID (Boletim Informativo Diário) de suspensões e que nele não constavam os nomes dos jogadores Héverton da Portuguesa e André Santos do Flamengo, ou seja, estavam aptos a jogar. Toda essa discussão é tão complexa que se tornou uma das batalhas jurídicas mais representativas do futebol nacional.



Diante tudo isso, a CBF está contra a parede e precisa tomar uma atitude, pois a FIFA, entidade máxima do futebol, tem pressionado para que haja um desfecho no caso, exigindo punição a quem recorrer à justiça comum. Entretanto as ações que tramitam na justiça partiram de torcedores, não dos clubes, o que torna o caso mais complicado. A Confederação Brasileira de Futebol já adiantou que vai cumprir o que foi decidido pelo STJD.



Não é possível ainda saber até onde vai parar essa história, o cenário futebolístico nacional está ficando cada vez mais turvo, é importante salientar que o Estatuto do torcedor determina que a tabela de uma competição seja divulgada até 60 dias antes do início do certame e que não pode sofrer alterações no regulamento de um ano para outro. Nessas circunstâncias, a CBF teria que divulgar a tabela e o regulamento do Campeonato Brasileiro de 2014 até o dia 20 de fevereiro, já que a entidade definiu que o início da Série A será no dia 20 de abril e da Série B dia 19 do mesmo mês. Vale lembrar, que o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin já convocou os clubes da Série A para o arbitral, que deve acontecer na próxima semana, e uma ausência já é certa, a da Portuguesa de Desportos.



Fonte imagens



http://cliqueesporte.blogspot.com.br/2012/05/jogadores-irregulares-podem-transformar.html



Referência Bibliográfica e Sugestões para leitura:



http://www.direitodesportivo.com.br/artigos1.php?codigo=23



http://www.ibdd.com.br/index.php/noticias/para-felipe-legrazie-cbf-e-desorganizada-e-quer-se-eximir-de-responsabilidades/



http://www.gazetaesportiva.net/blogs/jeannicolau/



http://pt.wikipedia.org/wiki/Direito_desportivo



http://www.fwg.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=62:o-direito-desportivo-conceito&catid=29:conteudo&Itemid=60



http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/olhar-cronico-esportivo/post/continua-o-imbroglio-do-caso-heverton.html



http://www.superesportes.com.br/app/19,89/2014/01/31/noticia_futebol_nacional,52275/fifa-exige-explicacoes-da-cbf-sobre-o-imbroglio-do-brasileirao-de-2013.shtml






 

COMENTE ESSE POST

Copa do Mundo e Turismo: a movimentação econômica, social e cultural

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

A realização da Copa do Mundo movimenta diversos setores, entre eles, o Turismo, que tem ligação direta com a prática esportiva, envolvendo fatores não só econômicos como sociais e também culturais. Eventos desse gênero promovem o interesse dos estrangeiros e, estando o Brasil na rota de muitos turistas no período entre 2014 e 2016, a exploração do ramo turístico é perceptível.


Como já abordado no portal (clique aqui), a realização de Megaeventos esportivos representa uma oportunidade para o país sede externar a imagem que pretende constituir no imaginário dos turistas e estrangeiros. Nessa construção simbólica, estão inseridas estratégias que envolvem desde áreas da comunicação (que buscam propagar informações e características do local e do povo) até a criação de demandas no comércio (vendas de produtos e costumes locais, de produtos específicos dos eventos, entre outros).


Nos preparativos para o recebimento dos eventos esportivos, questões relacionadas à infraestrutura também se tornam relevantes, à medida que devem ser oferecidos ao público condições para acomodação, deslocamento e alimentação. Enxergando o potencial turístico que envolve as colocações citadas aqui, organizações e população local se movimentam para se inserirem nesse mercado e os efeitos já são sentidos em vários segmentos da economia, principalmente no setor de locação imobiliária.
Há quatro meses antes do início da Copa do Mundo, imóveis em localidades próximas aos estádios ou em bairros mais conhecidos das cidades sedes apresentam aumento de 20% até 70% nas mensalidades. Casas e apartamentos são oferecidos em site com valores que podem ultrapassar R$100 mil reais por mês. Segundo reportagem do oglobo.com, o número de buscas e de contratos firmados para o período da Copa quintuplicou.


Inserido na Gestão do Esporte, o Turismo não pode ser encarado apenas como uma oportunidade para a geração de lucros. Segundo Reginaldo Carneiro (2000), quando o Turismo se aproxima de uma atividade econômica é necessário investimento na profissionalização por meio da segmentação da atividade. Dessa maneira, os gestores devem se relacionar com profissionais qualificados e entender o setor como o conjunto de práticas que envolvem os serviços e bens destinados aos turistas.


Ainda de acordo com Reginaldo Carneiro (2000), "o turismo tem as condições necessárias e suficientes para a promoção do desenvolvimento autossustentado de uma cidade e, quando devidamente planejado, conduz a sociedade ao uso pleno de seus recursos econômicos". Cabe então uma reflexão. Será que os recursos e oportunidades estão sendo aproveitados de maneira eficiente a construir uma identidade positiva e promover o turismo de maneira saudável no Brasil? Os altos preços não poderiam ser prejudiciais ao evento e repelir ao invés de estimular as vendas? Qual é a sua opinião, leitor?

 


Fonte imagens:


esportes.terra.com.br


Selos comemorativos Copa: placar.abril.com.br

 

Referência bibliográfica e fontes de pesquisa:


CARNEIRO, Reginaldo Aparecido. Identificação dos comportamentos do turista de eventos esportivos a partir de uma análise dos critérios para avaliação dos serviços turísticos na cidade de Maringá. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2000. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/78954/178602.pdf?sequence=1

 

http://oglobo.globo.com/economia/imoveis/passou-do-teto-voce-pagaria-450-mil-para-se-hospedar-por-30-dias-no-rio-durante-copa-11389993

 

http://www.edelman.com.br/post/o-impacto-da-copa-do-mundo-na-economia-brasileira/

 

 

COMENTE ESSE POST

O potencial de empregabilidade dos Clubes Esportivos do país

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com.br


A gestão esportiva é uma área de atuação que se encontra em evolução no Brasil. Frente aos Megaeventos e a movimentação cada vez maior da indústria dos esportes, os investimentos nesse campo ampliam e, consequentemente, geram uma demanda por especialistas aptos a contribuir com a profissionalização do segmento no país.


Considerando-se a relevância social, histórica e econômica que o Esporte apresenta, torna-se necessária a reflexão acerca dos parâmetros que regem as organizações atuais e dos valores que devem ser cultivados pelos profissionais do futuro. O pesquisador Luiz Carlos Pessoa Nery (2009), a partir das ideias doa autores Oliveira, Pereira e Almeida (2008), aponta a existência da gestão amadorista e profissional.


Na gestão amadorista, prevalece o tradicionalismo, centralização e há a presença de dirigentes não especializados com remuneração inexistente ou com valores não satisfatórios. Já na gestão profissional, predominam a visão estratégica, o foco nos resultados e a organização multidisciplinar sob a tutela de um gestor capacitado para tal, que geralmente é bem remunerado. No caminho para a profissionalização da Gestão do Esporte no Brasil, há um campo de atuação para ser explorado.


Tomando as organizações que regem os clubes esportivos como exemplo, pode-se observar como o campo de atuação é propício para a geração de novos empregos e ocupação de cargos de gestão por profissionais capacitados. Luiz Carlos Pessoa Nery (2009) apresenta um estudo realizado em Portugal, de autoria dos pesquisadores Oliveira, Carvalho e Bilhim (2004), no qual afirmam que, em média, existem 11 voluntários atuando nas diretorias dos clubes do país. Considerando-se que existem mais de dez mil clubes portugueses atuantes, é possível contabilizar 110.00 pessoas atuando nesses cargos, contabilizando cem milhões de euros de trabalho não remunerado, se elas dedicarem 3h por dia aos afazeres da gestão.


No Brasil, é prevalente a figura do cartola à frente dos clubes de futebol. São geralmente dirigentes que se encontram há muitos anos nos cargos e que muitas vezes guiam a instituição sob aspectos emocionais, valores pessoais, desconsiderando o planejamento para utilização de recursos ou gerenciamento de informações. Em 2012, dados da CBC indicaram a existência de 13.826 clubes no país, representando 55 milhões de pessoas associadas e sócios torcedores desses clubes. A partir dessa informação e dos resultados da pesquisa efetuada em Portugal, pode-se propor uma reflexão sobre o quanto essa prática movimentaria caso os investimentos fossem realizados no intuito da profissionalização das gestões.


Os clubes esportivos são as principais referências na geração de atletas de alto nível, sendo relevantes as suas existências e investimentos na qualificação. A partir daí, pode-se ampliar o pensamento também para as federações, instituições, academias de esporte e promoção do lazer. Por ser uma área de atuação com surgimento recente no país, a Gestão do Esporte ainda constrói seus alicerces de formação, enfrentando alguma resistência das antigas práticas de administração, o que torna ainda mais necessários investimentos na profissionalização e também interesse dos clubes e instituições na profissionalização da área.


Fonte imagens: 


fatordesucesso.com.br

www.uff.br


Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento


NERY, L. C. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Dissertação apresentada à Universidade Salgado de Oliveira, Mestrado em Ciências da Atividade Física. 2009.

 

OLIVEIRA, André Esteves; CARVALHO, Maria José; DIAS, Francisco; BILHIM, João. Formação de dirigentes desportivos voluntários. Revista Portuguesa de
Gestão do Desporto. Ano 1. n.2. 2004 ISSN: 1645-8958 p. 53-61.

 

OLIVEIRA, Renato Schiavinato de; PEREIRA, Iara Cristina de Sousa; ALMEIDA, Marco Antonio Bettine de. A gestão esportiva de categorias de base de basquetebol masculino em clubes da cidade de Campinas - SP. Revista Conexões, Campinas, v. 6, n. especial, 2008 - ISSN: 1516-4381 págs. 619 - 629.


http://www.cbc-clubes.com.br/site/institucional/portfolio2012.html#/14


 

COMENTE ESSE POST

O Brasileiro e sua relação com o Esporte

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.xlourenco@gestaoesporte.com


Por possuir características híbridas como as que vêm sendo apresentadas neste portal, o Esporte é capaz de ser associado a diversos outros segmentos, produzindo novos significados e necessidades, sendo um elemento de importante valor na formação da sociedade brasileira. Da relação entre o brasileiro e as práticas esportivas, podem-se obter algumas interpretações que trazem reflexões envolvendo o modo como essa relação se dá e as gestões dessas práticas.


Segundo o Dossiê realizado pela empresa Ipsos Marplan em 2006, ao longo do percurso humano, o Esporte possui grande relevância histórica, social e econômica, tendo sobre ele depositado diversos valores da sociedade. Sendo muitas vezes interpretado como luta, lazer, competição e etc., dependendo do contexto em que está inserido.


No Brasil, o Esporte, sobretudo o Futebol, obteve espaço principalmente no século XX, quando ia ao encontro dos sentimentos cultivados em uma época de modernização, na qual os valores de nacionalidade, força e vitórias precisavam ser propagados. Assim, a prática esportiva foi conhecendo a profissionalização e sendo difunda pelo território. Valores da sociedade atual (como preocupação com o corpo, promoção da qualidade de vida, saúde e bem estar) e a realização dos megaeventos esportivos contribuem para que o Esporte esteja ainda mais em evidência no país.


Uma pesquisa online realizada pela empresa Deloitte em 2011 pretendeu identificar as preferências e as práticas de esportes dos brasileiros. A amostra obtida apresentou respondentes de quase todos os estados do país, com diversos valores de fontes de renda e faixa etária em sua maioria entre 20 e 40 anos, contendo também participantes com idades superiores. Representando 40% da amostra, está o público masculino com até 40 anos e residente em São Paulo.


Dentre alguns resultados da pesquisa, está o fato de que os brasileiros elegem como favorito os esportes coletivos (Futebol e Vôlei) entretanto são os esportes individuais os que possuem mais praticantes (com exceção o Futebol, que vem em primeiro, seguido de Corrida ou Cooper, Musculação e Tênis). Veja abaixo a tabela representativa das respostas:


 
   


Outro fator a ser observado é a relação entre os esportes mais televisionados e os que são considerados mais disseminados no Brasil pelo público. O Futebol lidera as duas tabelas, enquanto o Tênis não é citado nem entre os cinco primeiros como esporte mais disseminado, sendo o segundo com mais exposição na mídia. A Natação é citada como a quarta atividade mais disseminada, quando não chega a 1% em horas de exposição midiática. As Artes Marciais (MMA) e outras lutas em geral, apesar de ocuparem a 6ª colocação como mais propagado do país, dividem opiniões quanto ao gosto (55% declararam gostar do esporte contra 45% que afirmaram que não gostam). Veja a tabela:


 
   


Alguns esportes foram citados como interesses para serem entendidos melhor ou praticados, sendo os Esportes de Inverno (Hóquei no gelo, Esqui, Curling), Rugby, Golfe, Ciclismo e Futebol Americano os primeiros citados. Rugby, Artes Marciais e Vôlei foram os três primeiros apontados como as práticas que mais iriam crescer no país.
Os resultados obtidos representam um ponto de partida para algumas reflexões relevantes à Gestão do Esporte. As atividades esportivas individuais, por serem mais praticadas, necessitam de um aparato que envolve infraestruturas, como vias corretas para práticas de Cooper, construção e adequação de instalações esportivas para a musculação e investimentos em locais apropriados e quadras de Tênis.


Há também uma demanda quanto à difusão de outros esportes que não somente o Futebol, quando os respondentes manifestam interesse por conhecê-los e praticá-los. O Futebol é uma unanimidade no país sob diversos aspectos, contudo, outras práticas também são alvos de atenção do público. Em relação à gestão esportiva, as iniciativas para fidelizar e promover o desenvolvimento dessas atividades estão aquém dos investimentos que ajudam a manter a cultura monoesportiva brasileira.


A profissionalização e o progresso da Gestão do Esporte passam pela compreensão dos valores e sua representação no país. Desenvolver um olhar que ultrapasse as fronteiras já delimitadas é um exercício que deve ser praticado no intuito de promover o Esporte de maneira democrática e que consiga contribuir tanto para a evolução em alto nível, quanto à promoção do lazer e cidadania.


Crédito foto: 

esportesemdemdebates.blogspot.com



Referências e fontes de pesquisa:


Dossiê Esporte- um estudo sobre o esporte na vida do brasileiro, 2006, Ipsos Marplan. http://pt.slideshare.net/Studiesfree/dossi-esporte-cap1#btnPrevious


Pesquisa muito além do futebol- Deloitte http://pt.slideshare.net/cesalve/pesquisamuitoalemfutebol#btnPrevious


PRONI, Marcelo W. e LUCENA, Ricardo de F. Esporte: história e sociedade. Campinas, SP: Autores Associados. 2002

 

COMENTE ESSE POST

A Contribuição do Setor Esportivo no Desenvolvimento Econômico do País

O Esporte tem se caracterizado como um importante elemento no que se refere à movimentação da economia brasileira. A indústria das atividades esportivas ganha espaço com a realização da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016 e, mesmo com os avanços, é um mercado que ainda tem um vasto potencial a ser explorado em prol do desenvolvimento socioeconômico do país.


Segundo um levantamento protagonizado pela Pluri Consultoria, no período de 2007 a 2011, a taxa média de crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 4,2%, enquanto a do setor esportivo foi de 7,1%, revelando sua dinamicidade. Mesmo sendo um setor que cresce acima da média, deve ser analisado com cautela por possuir características muito diferenciadas internamente, se relacionando a diversos outros fatores.


Além das modalidades profissionais e amadoras, o universo econômico das práticas de esporte englobam também os Artigos Esportivos (uniformes, equipamentos, alimentos, bebidas, etc.), que representam um papel expressivo nos ganhos. De acordo com economista Istvan Kasznar (ANO), a base da sustentação do setor esportivo é formada pelos investimentos provenientes do Governo e do Setor Privado, sendo o principal financiador das contas o estado brasileiro.


No âmbito privado, estão incluídos, entre outros, os agrupamentos seguintes: Confederações, Federações, Associações, Clubes, Agremiações, Indústrias, ONGs e Setores de Serviço (telecomunicações e mídia, marketing, transporte, distribuição, educação esportiva, casas lotéricas, eventos e etc.). No lado público, estão as estruturas e órgãos de classificação variada como Federal, Estadual, Municipal, Distrital e também as secretarias e repartições vinculadas.


Em 2011, esses investimentos propiciaram a taxa de representação de 1,6% do setor esportivo no PIB Brasileiro, o equivalente a R$67 bilhões. Embora esse cenário já seja um indicativo positivo, o valor ainda é pequeno se comparado à taxa nos Estados Unidos, por exemplo, que chega a 2,1% (R$850 bilhões), ou até mesmo ao potencial que o país tem capacidade de atingir.


Segundo dados apresentados pela Revista Fórum (clique aqui), o aumento esperado, e talvez superestimado, pelo governo seria algo em torno de 1,8% do PIB nacional,  enquanto outros pesquisadores afirmam,  sim, um crescimento da esfera esportiva, mas algo em torno de 0,7%.  E a tendência é de que a taxa anual de crescimento do Esporte continue superando a do PIB brasileiro.  Ou seja, há um cenário propício ao desenvolvimento, mas que precisa ser melhor trabalhado.


O setor esportivo é um campo ideal para investimentos por se relacionar a diversos outros setores (Saúde, Turismo, Projetos Sociais, Direitos Esportivos, Terceiro Setor etc.) Torna-se necessária a organização e profissionalização da gestão, fazendo com que o Esporte seja valorizado cada vez mais como uma esfera essencial para a economia e desenvolvimento social brasileiro, explorando sua capacidade de dialogar com esses setores e vertentes também essenciais para o país.



Crédito das fotos:


esporte.uol.com.br


fabricioboscolo.wordpress.com



Fontes de pesquisa e sugestões para aprofundamento:


http://www.pluriconsultoria.com.br/uploads/relatorios/PIB%20Esporte.pdf


http://revistaforum.com.br/digital/131/imagine-depois-da-copa/


http://oglobo.globo.com/economia/pib-do-esporte-cresce-mais-do-que-do-pais-5028799


http://www.fiesp.com.br/noticias/pratica-esportiva-representa-19-do-pib-brasileiro-afirma-professor-da-fgv-durante-reuniao-da-comissao-da-cadeia-produtiva-do-desporto-da-fiesp/


http://cev.org.br/arquivo/biblioteca/4018125.pdf


 

COMENTE ESSE POST

Gestão da Informação: um importante aliado no fomento às Políticas Públicas e fortalecimento do Esporte

Por Luiza Lourenço
E-mail:luiza.lourenco@gestaoesporte.com


Ao se colocar em questão os aspectos que regem as organizações atuais, torna-se evidente a tendência do caráter democrático e colaborativo sob o qual elas buscam se firmar. Nesta perspectiva, há uma preocupação com o armazenamento e a circulação de informações e conhecimentos produzidos. Na Gestão do Esporte, é essencial o gerenciamento desses dois elementos (informação e conhecimento) para a profissionalização da área e fortalecimento do setor.


Na qualidade de uma organização que pretende a inovação em suas ideias e ações, o tratamento de informações é um item de destaque que deve constar no planejamento estratégico para a eficiente associação das áreas de saberes e circulação e propagação de novos conhecimentos. Desta maneira, a Gestão de Informação (GI) se caracteriza como o conjunto de medidas que possibilitam administrar os fluxos de informações que surgem em um determinado ambiente organizacional.


Emeide Duarte e sua equipe afirmam que "na atualidade, a GI tem o objetivo de garantir que a informação seja gerenciada como um recurso indispensável e valioso e que esteja alinhada com a missão e os objetivos do serviço de informação" (2007). Apoiados nas ideias de Choo (2003), os pesquisadores indicam um dos modelos com os processos que contribuem para esse gerenciamento:


1)Identificação das necessidades de informação
2) Aquisição de informação
3) Organização e armazenamento de informação
4) Desenvolvimento de produtos e serviços de informação
5) Distribuição da Informação
6) Uso da Informação


Por meio do gerenciamento das informações, chega-se ao surgimento do conhecimento, que provém da informação com um valor agregado, já que é aplicada para a utilização ou produção de saber. Assim como deve haver a GI, a Gestão do Conhecimento (GC) também se faz necessária para o êxito e melhoria de desempenho das associações. A GC envolve os processos que regem os métodos e sistemas para gerar, coletar, analisar, organizar, difundir e aplicar a informação, entendimentos e experiências coletivas em benefício das organizações (DUARTE et al., 2007).


Com base nas afirmações de Pereira (2005), Gisele Maria Schwartz e sua equipe de pesquisadores, colocam como Conhecimento Explícito os serviços e sistemas dos quais o objetivo é reunir informações na pretensão de fornecer suporte informacional para a tomada de decisões, o Conhecimento Tácito. Há também a transformação de Conhecimento Tácito em Explícito, fechando um ciclo cujo desafio é gerenciá-lo. (2010)


Na Gestão do Esporte, relacionar as diversas áreas de saberes bem como administrar o encadeamento das informações promovem o estreitamento de relações entre esse elemento com setores organizacionais de alta relevância para a sua promoção, como poder público, iniciativa privada, ONG´s, entre outros. Os conhecimentos produzidos nas áreas de esporte, lazer, turismo ou outras áreas não tem sentido se não forem difundidos e disseminados, ficando acessíveis para os interessados (SCHWARTZ, 2010).


Assim, é fundamental entender a associação entre a GI e GC como uma prática que cria um ambiente para que as transferências de conhecimento se deem de maneira eficiente e que, além de trazer benefícios às organizações envolvidas, o faz, sobretudo, ao Esporte. Dessa maneira, torna-se possível o fomento às políticas públicas e a colocação do Esporte como um campo de importante valor para o desenvolvimento da sociedade e da democratização de informações, impulsionando suas atividades profissionais e de lazer.


Créditos das imagens:

http://www.adnews.com.br
http://colunas.revistapegn.globo.com


Referência Bibliográficas e sugestões para aprofundamento


SCHWARTZ, G. M. et al. Gestão da informação sobre esporte recreativo e lazer: balanço da Rede CEDES - Várzea Paulista: Fontoura Editora, 2010.


DUARTE, E. N. et al. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.17, n.1, p.97-107, jan./abr., 2007

 

 

COMENTE ESSE POST

Vol. 3 (2013) Suplemento 2: XIV Congresso APOGESD - Da Liderança à Inovação: O Papel do Gestor Desportivo

Clique no link abaixo

 

http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B0%5D=101&path%5B1%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 3 (2013) Suplemento 1: V Cong. Brasileiro sobre Gestão do Esporte - Gestão do Esporte no Brasil: Vicissitudes, Limites e Formação

Clique no link abaixo

 

http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B0%5D=100&path%5B1%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 3, No 2 (2013) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva

Clique no link abaixo

 

http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B%5D=102&path%5B%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Gestão do Conhecimento em prol da sustentabilidade: uma relação entre Esporte e Meio Ambiente

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com


Desde meados da década de 1990, pode ser observada uma predisposição protagonizada pelo Comitê Olímpico Internacional em ligar o Movimento Olímpico ao Meio Ambiente. A iniciativa é resultado de uma preocupação mundial com as questões ambientais na tentativa de gerar uma sociedade sustentável, que associe suas atividades com a utilização eficiente dos recursos naturais. Neste quesito, o Esporte se torna uma importante referência e a Gestão do Conhecimento ganha destaque na associação das duas áreas.


A relação entre o Esporte e o Meio Ambiente pode abrir os caminhos para a propulsão da educação ambiental. Já se nota esta tendência em prática de atividades que colocam o atleta diretamente em contato com a natureza durante sua execução, como a Vela, Triatlo, Pentatlo, Remo, entre outras. No Brasil, os velejadores protagonizam uma campanha de despoluição da Baía de Guanabara, local onde serão realizadas as provas olímpicas em 2016.


O Comitê Olímpico Internacional, conhecendo suas responsabilidades e baseado nos princípios que regem a Carta Olímpica, estendeu a atuação do Movimento Olímpico para as questões ambientais. Assim, além da promoção do esporte e da cultura, tem-se o meio ambiente como um dos pilares do Olimpismo. Para tal objetivo, foi criada a Comissão de Esporte e Meio Ambiente, responsável por diversas iniciativas na área, entre elas que a escolha da cidade sede dos jogos passasse por critérios como incentivo ao desenvolvimento sustentável e proteção ambiental.


Para Lamartine DaCosta e sua equipe, o esporte é um importante meio de difusão de diversos valores, entre eles os relacionados aos cuidados ambientais. Segundo os pesquisadores, "sua imagem social conectada às ideias de sucesso, eficiência, tecnologia, beleza física, saúde, perseverança e, principalmente, com a ideia de nação e nacionalidade pode fazer deles uma poderosa ferramenta de comunicação de valores, ideias e atitudes. Deste modo, sua credibilidade e visibilidade social devem ser usadas a favor da difusão de experiências e conceitos de sustentabilidade". (2007)


Na caminhada por esses ideais, ainda há muito que ser feito, como observado se o mesmo exemplo da Baía de Guanabara citado acima for utilizado. Os altos índices de poluição constatados nas águas e o ritmo não satisfatório com que as ações que envolvam a sua preservação vêm sendo tomadas demonstram que preocupação com questões ambientais ainda precisa ganhar espaço no planejamento e execução dos projetos que envolvem Esporte e Meio Ambiente.


Para a Gestão do Conhecimento, o objetivo está em associar os conceitos e saberes das duas áreas, promovendo estratégias e soluções inovadoras que façam com que as propostas sejam concretizadas e de fato a educação ambiental seja promovida por meio do esporte. É interessante observar como o entendimento sobre as relações entre a natureza e o homem como parte dela pode ser um raciocínio inicial para que as atividades praticadas contemplem a utilização sustentável dos recursos.

 


Referências Bibliográficas e sugestão para aprofundamento

 


ALMEIDA, A. C. P. (Org.) ; DACOSTA, L. P. (Org.) . Meio Ambiente, Esporte, Lazer e Turismo - Estudos e Pesquisas no Brasil 1967 - 2007. 1a.. ed. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho, 2007. v. 3. 1267p

MASCARENHAS, G. . Desenvolvimento urbano e os grandes eventos esportivos: o legado olímpico nas cidades. In: MASCARENHAS, G.; BIENENSTEIN, G.; SÁNCHEZ,F.. (Org.). ) jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: Eduerj - Faperj, 2011, v. 1, p. 27-39.


Apresentação de Eduardo Magalhães e Diego Reis. Educação Olímpica com Base na Proteção do Meio Ambiente - Experiência de Megaeventos Olímpicos. Grupo de Estudos Olímpicos Universidade Gama Filho-RJ org. Cris Costa Veerman.

 

 

COMENTE ESSE POST

A Gestão de Instalações Esportivas e o Estádio Célio de Barros

 

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Na Gestão do Esporte, a Gestão de Instalações Esportivas é um componente significativo sobretudo com a proximidade dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que trazem este tema à tona. A estrutura deve ser encarada para além de sua função de sediar competições, sendo um local de treinamento e difusão das práticas esportivas, tanto para desenvolvimento do esporte como lazer quanto o de alto nível.


Não é o que se verifica no caso do Estádio de Atletismo Célio de Barros, no Complexo do Maracanã no Rio, por exemplo. No último dia nove, um grupo de pessoas, entre elas atletas e treinadores, protestava contra a inatividade do local, que já dura um ano. Em 2013, como previa o contrato de concessão do Maracanã, o Célio de Barros foi fechado para ser demolido, juntamente com o Parque Aquático Júlio Delamare, a Escola Municipal Friedenreich e o Museu do Índio. Protestos fizeram com que o Governo do Rio cancelasse a operação e, nessa última semana, assinasse juntamente com a concessionária um aditivo que prevê a reforma dos locais.


Não há previsão para a volta das atividades do complexo esportivo, que está parcialmente demolido e tornou-se depósito de máquinas e materiais da reforma do Maracanã. O episódio aponta para um descaso que pode trazer prejuízos em diversos níveis da organização. Para o funcionamento, o local deverá ser reformado, o que gera mais investimentos além dos já empregados para a construção dele. Aos atletas e futuros atletas, a ausência de um local visando treinamento e competições com a qualidade que o Célio de Barros apresentava compromete seus desenvolvimentos e impede a promoção do esporte para a população.

 

 
Protestos em frente ao Complexo Esportivo  

 

Em outras oportunidades, este assunto já foi levantado aqui no portal acerca dos rumos que teriam as futuras instalações olímpicas (clique aqui). Além da construção, o sucesso do empreendimento depende de uma associação de fatores que envolvem planejamento e manutenção do espaço. No relatório do 2º Congresso Ibero-Americano de Instalações Esportivas de 2010, esses fatores apresentam-se como: planejamento considerando o sentido da existência daquilo; Gestão qualificada que assimile usuários/serviços/produtos ao espaço; e constante avaliação e manutenção desse espaço. É importante também que essa interação aconteça levando em consideração aspectos referentes à inclusão, sociabilização e democratização.


Cabe aqui uma reflexão sobre a cultura da gestão, quanto ao planejamento e investimento envolvidos nas construções das instalações, para que de fato, elas possam contribuir como um espaço de desenvolvimento do Esporte como modificador da realidade. É preciso rever o processo de criação dessas instalações, sobretudo quando realizar inúmeros investimentos ou simplesmente demolir se tornam opções mais recorrentes que planejar.

 

Crédito das imagens:

jb.com.br

comitepopuario.wordpress.com

 

Fontes e sugestões para aprofundamento:

http://www.gestaoesporte.com.br/novidade/as-tendencias-da-gestao-de-instalacoes-esportivas

 

http://gestaoesporte.com.br/novidade/instalacoes-esportivas-dos-megaeventos-o-que-ficara-depois-dos-jogos-2

 

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2014/01/protesto-marca-um-ano-sem-o-estadio-celio-de-barros-no-rio.html

 

Relatório 2º Congresso Ibero-Americano de Instalações Esportivas e Recreativas 2010
http://www.aiidyr.com/ponentes/2010/CIDYR_2010_Relatorio_final.pdf

 

 

COMENTE ESSE POST

Jogos Olímpicos e Paralímpicos: o desenvolvimento do Esporte Brasileiro e a gestão dos Comitês

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com.br


Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 se aproximam e impulsionam as expectativas em relação à atuação do Brasil, não só como local das disputas, mas também como delegação competidora. Na frente, seguem os Comitês Olímpico e Paralímpico, sobre os quais propomos uma reflexão na tentativa de traçar com você, leitor, os rumos do Esporte no nosso país.


O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) foi fundado em junho de 1914, na Sede da Federação Brasileira das Sociedades de Remo, por iniciativa da Liga Metropolitana de Sports Atléticos. Em consequência da I Guerra Mundial, apenas em 1935 a entidade entrou em funcionamento de fato. Seu objetivo geral é representar o Olimpismo e difundir o ideal olímpico no território brasileiro. O COB trabalha diretamente com as 30 Confederações Brasileiras que têm suas modalidades esportivas integrando o programa dos Jogos Olímpicos, além das outras 18 que são vinculadas, mas não fazem parte da competição, e também uma Comissão de Atletas.


Já o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) surgiu em
1995, acompanhando o desenvolvimento das organizações internacionais da época, abrangendo as diversas associações e entidades voltadas para cada tipo de deficiência que já existiam desde a década de 1970. São vinte as modalidades que possuem representatividade e se relacionam com o CPB juntamente com a Comissão de Atletas, responsável por levar a visão dos competidores à diretoria.


Características das gestões dos dois comitês já foram apresentadas no GestaoEsporte.com (clique aqui http://gestaoesporte.com/novidade/comite-olimpico-brasileiro-uma-gestao-entre-a-proposta-e-a-realidade e aqui http://gestaoesporte.com/novidade/modelo-de-gestao-do-comite-paralimpico-brasileiro-o-que-podemos-aprender-com-esta-entidade) e, entre elas, é possível notar aspectos de similaridades e de diferenças. Ambas são organizações institucionalizadas e legitimadas como representantes oficiais do esporte brasileiro e possuem uma Diretoria Executiva liderada pelo presidente. Seguem as diretrizes dos respectivos comitês internacionais e buscam o desenvolvimento do esporte de alto rendimento em seus segmentos.


Ainda que as estruturas organizacionais se aproximem, o modo como se dão as relações dentro delas se diferem. O COB lida com uma organização mais consolidada, que já obtém do alto profissionalismo os lucros da intensa exploração comercial. Sua proposta de administração é de associação de múltiplos setores em prol do atleta, embora gestão e tomadas de decisões ocorram de maneira centralizada.


Enquanto o CPB, tendo iniciado sua história recentemente, ainda caminha para a profissionalização e apresenta uma gestão em teia, que relaciona todas as suas atividades de maneia mais horizontal aos principais clientes - atletas e comissões técnicas. O foco na estruturação e organização vem trazendo expressivos resultados para o Esporte Paralímpico no país, que começa a ter o potencial de comercialização descoberto.


Abaixo, os quadros apresentam o desenvolvimento brasileiro nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos desde 1972, quando foi registrada a primeira participação do país nas competições paralímpicas. Veja:

 

tabela jogos olímpicos  
   
 
   

 

Pode-se notar que os dois segmentos registraram consideráveis avanços, sendo o maior destaque a evolução do esporte Paralímpico nas quatro últimas edições dos Jogos. Evidentemente, elementos como a quantidade de delegações e atletas participando de cada edição dos Jogos e altíssimos investimentos nas disputas olímpicas, mais que nas paralímpicas, devem ser levados em conta ao observamos os resultados ao longo dos anos. Resultados esses que são consequências de fatores como os apresentados, além de outro tão relevante quanto, que é a atuação dos Comitês.


Pensando em 2016, o desafio vai além do quadro de medalhas e o fomento ao Esporte passa por questões de gerenciamento sociais, culturais e econômicos. Qual a sua opinião sobre isso, leitor? Para você, que outros fatores são relevantes e quais são suas expectativas? Dê-nos a sua contribuição!


Crédito das fotos:

http://www.cutedrop.com.br/wp-content/uploads/2012/02/paralimpico3.jpg



Fontes de pesquisa e sugestão para aprofundamento:


MARQUES, R. F. R. ; DUARTE, Edison ; GUTIERREZ, G. L. ; ALMEIDA, J. J. G. ; MIRANDA, T. J. . Esporte olímpico e paraolímpico:coincidências, divergências e especificidades numa perspectiva contemporânea. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte (Impresso), v. 23, p. 365-377, 2009.


http://www.cob.org.br


http://www.cpb.org.br


http://www.rankbrasil.com.br/Recordes/Materias/06ge/Primeira_Participacao_Do_Brasil_Em_Jogos_Paralimpicos


http://www.estadao.com.br/especiais/a-historia-dos-jogos-olimpicos,176285.htm


 

COMENTE ESSE POST

Gestão das Redes de Conhecimento: A prevenção planejada e a Reabilitação necessária no esporte

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Na Gestão do Esporte, um dos fatores essenciais que promovem o sucesso das organizações é manter o foco no atleta. É importante compreender suas necessidades e potenciais com o intuito de propiciar condições necessárias para o desenvolvimento de seu desempenho. Para o cumprimento deste objetivo, o gestor encontra na Fisioterapia Esportiva uma área de saber que, além de estimular a atuação do atleta, volta a atenção para cuidado e prevenção do desgaste corporal devido à rotina de exercícios, treinamentos e competições.

 

O tratamento de lesões envolve uma equipe multidisciplinar relacionadas à Medicina Esportiva, sendo a Fisioterapia Esportiva a especialidade que auxilia no diagnóstico e responsável por todo o processo de acompanhamento de recuperação do atleta. Atrelados a ela, estão a tecnologia e a evolução do conhecimento, que promovem resultados fascinantes, permitindo ao esportista um retorno às atividades de maneira eficiente e no menor espaço de tempo.

 

Se, por um lado, o desenvolvimento da medicina e da tecnologia permite respostas rápidas, por outro, é fundamental o respeito aos limites dos atletas e suas condições para reintegração às dinâmicas dos trabalhos. No texto "O médico e a lesão de uma estrela" publicado aqui no portal, nosso colaborador Gustavo Lucas afirma que a decisão do período que o atleta levará para retornar às competições depende da equipe multidisciplinar (médicos, fisioterapeutas, traumatologistas, readaptadores e preparadores físicos), que possui os diagnósticos e conhecimentos necessários sobre o desempenho do atleta.

 

Para elucidar o trabalho e consequentemente a relevância desse segmento ao esporte, o recente caso da lesão do lutador Anderson Silva pode ser utilizado. Na competição pelo cinturão dos pesos médios do UFC no último dia 28, o atleta não só perdeu a luta como fraturou dois ossos da perna esquerda: a tíbia e a fíbula. O problema foi rapidamente identificado e a operação se deu poucas horas depois do ocorrido, possibilitando a entrada no processo de recuperação de maneira imediata. Neste período que, segundo equipe médica, pode durar de três a seis meses, são aplicadas sessões de fisioterapia objetivando a reabilitação de "Spider".

 

Veja no infográfico mais detalhes sobre a fratura, a cirurgia e a recuperação do lutador:

 

Fratura Anderson SIlva

   
   

 

 
Atleta em sessão de fisioterapia. Fonte: Instagram  

 

 

Anderson Silva faz parte de um número de atletas de alto nível que foram obrigados a suspender suas atividades por conta de lesões relacionadas às práticas esportivas. O jogadores de futebol Ronaldo Fenômeno e Eduardo Silva também protagonizaram momentos de preocupações, com suas graves lesões, e de superação, ao retornarem com grandes atuações depois do processo de recuperação. O primeiro passou por lesões no joelho na temporada 1999/2000 quando atuava na Inter de Milão e o segundo, quando jogava pelo Arsenal e sofreu uma entrada violenta em 2008. Ambos retornaram após cirurgias e tratamentos fisioterápicos. Ronaldo foi peça chave para a conquista do pentacampeonato brasileiro na Copa do Mundo de 2002 e Eduardo marcou dois gols em uma partida decisiva logo na sua volta.

 

É importante destacar que a Fisioterapia Esportiva é tão relevante no diagnóstico e tratamento das lesões sofridas pelos atletas quanto na prevenção destas. À Gestão do Esporte, cabe valorizar este campo de conhecimento e associá-las aos outros, por ser uma área capaz de atuar na promoção da saúde, cura, prevenção e reabilitação.

 


Créditos fotos:

 

sb24horas.com.br


futebolinternauta.blogspot.com

 


Fontes de pesquisa e sugestão para aprofundamento:

 

OLIVEIRA, Gilson. R & TUBINO, Manoel. G, FERNANDES, Filho. J. Os Períodos de Evolução da fisioterapia Esportiva no Futebol Latino- Americano, RJ, BRASIL. Inter Science Place. Ano 02 -Nº 7 Maio/Junho 2009.

 

http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,anderson-silva-faz-fisioterapia-e-garante-vou-ficar-bem,1115536,0.htm

 

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/esportes/noticia/2013/12/em-infografico-a-cirurgia-as-fraturas-e-a-recuperacao-de-anderson-silva-4376938.html

 

http://globoesporte.globo.com/futebol/adeus-ronaldo/noticia/2011/02/dificil-trajetoria-graves-lesoes-e-conquistas-de-ronaldo-fenomeno.html

 

 

COMENTE ESSE POST

ANO NOVO, NOVOS DESAFIOS

Ao longo da História, o esporte se mostrou um elemento relevante presente na formação da cultura e identidade brasileira. Agora, com a aproximação de Megaeventos como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil entra cada vez mais em evidência. Desmembrar esse elemento, considerando as características de todas as áreas com que se relaciona em busca de uma gestão eficiente e democrática é o objetivo do Portal GestaoEsporte.com, que conta com a sua participação para novas reflexões e produção de conhecimento.

É contraditório que no "país do futebol" questões que envolvem o gerenciamento de organizações ou instituições ligadas ao esporte - como academias, eventos, clubes, entre outros - não tenham devida atenção, são tratadas de forma amadora ou ainda estejam presas ao passado. A pouca valorização dos profissionais capacitados especificamente em Gestão do Esporte é uma realidade no país.  Entendendo o contexto, procuramos propor reflexões e buscar alternativas que mudem esse quadro, priorizando o desenvolvimento e a profissionalização dos cargos de comando em todas as seus vertentes.

Em uma proposta inovadora, apresentamos a Gestão do Conhecimento como uma ferramenta para a Gestão do Esporte, compreendendo a multidisciplinaridade que envolve o tema e associando as informações das diversas áreas do saber no intuito de produzir novos conteúdos e ações. buscando aprofundar o estudo das práticas esportivas nas diversas áreas de atuação, partindo do princípio que a relação entre os temas é fundamental para o entendimento e promoção do Esporte como um elemento modificador da sociedade.

Compreendemos, também, que são necessárias condições ideais para que o câmbio de informações aconteça e aqui se fixa a nossa meta. Buscamos oferecer um ambiente virtual para discussões esportivas, acreditando que o incentivo ao debate é um fator de grande relevância para a promoção do conhecimento.  Esse é o caminho que traçamos e seguimos nesses dois primeiros meses de existência do portal, no qual estaremos investindo nossos esforços no sentido de ampliar os olhares durante o ano de 2014.

E, para que o objetivo seja completo, sua participação é essencial neste fórum, leitor. Esperamos a sua contribuição para traçarmos juntos as novas perspectivas Esportivas no país. Acompanhe-nos nessa busca pelo conhecimento em prol do Esporte! Participe!

 

Um Feliz Natal e 2014 de muitas vitórias

Saudações Esportivas

Equipe Portal GestãoEsporte.com

 

Crédito da foto chamada: httpwww.radioprogresso640.com.br201104esporte-contra-a-depressao

 

Crédito da foto Banner: http://www.edelman.com.br/white-paper/atitudes-no-esporte/

 

 

 

COMENTE ESSE POST

4th International Congress of Sports Science - 2nd Symposium of Science and Practice: Running

IV Congreso internacional de ciencias del deporte


ENTRE EL 19 Y 21 DE DICIEMBRE, SE DESARROLLARÁ ESTE ENCUENTRO, EN EL QUE EXPERTOS NACIONALES E INTERNACIONALES ABORDARÁN EL TEMA "CIENCIA Y PRÁCTICA DEL RUNNING".

Este congreso - que se ha convertido en uno de los eventos anuales más importantes de América Latina- convocará a destacados expositores nacionales e internacionales del más alto nivel académico, que, al igual que en años anteriores, entregarán nuevas y mejores herramientas en temas como la rehabilitación, entrenamiento, biomecánica, bioquímica e investigación.

En su versión 2014, el encuentro abordará el tema del running, centrándose en los últimos avances y métodos para el perfeccionamiento de entrenadores, médicos, kinesiólogos y nutricionistas.

 

 

Universidad Finis Terrae - Chile 19 a 21 de Dezembro - 2013

 

http://kinesiologia.finisterrae.cl/index.php/postgrados/item/iv-congreso-internacional-de-ciencias-del-deporte

COMENTE ESSE POST

Comitê Olímpico Brasileiro, uma gestão entre a proposta e a realidade

 
   

 

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte,com

 

A Gestão das Organizações Esportivas é um fator de fundamental importância para a promoção do esporte e seu caráter social. Também o é no desenvolvimento de atletas de alto nível e na realização de Megaeventos Esportivos como os Jogos Olímpicos de 2016. Neste cenário, o Comitê Olímpico Brasileiro traça suas metas e ações, na busca de tornar o Brasil uma potência na competição.

 

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) foi fundado em junho de 1914, na Sede da Federação Brasileira das Sociedades de Remo, por iniciativa da Liga Metropolitana de Sports Atléticos. Em consequência da I Guerra Mundial, apenas em 1935 a entidade entrou em funcionamento de fato. Seu objetivo geral é representar o Olimpismo e difundir o ideal olímpico no território brasileiro. O COB trabalha diretamente com as Confederações Brasileiras que têm suas modalidades esportivas integrando o programa dos Jogos Olímpicos.

 

De acordo com os estudos de Luiz Fernando Camargo Veronez e um grupo de pesquisadores (2013), o modelo de gestão adotado é o clicentrista, ou seja, que tem o cliente como centro. Segundo a proposta, "existe um forte movimento das estruturas administrativas para que o cliente, que no caso é o atleta , seja beneficiado por todas as práticas que as estruturas da gestão da organização decidir, ou seja, o foco de todo o trabalho da organização é o atleta ". Cabe aqui a reflexão acerca da aplicação de fato dessa concepção em todas as vertentes do gerenciamento do Comitê.


No site oficial do COB, é apresentado o Mapa Estratégico, que contém as diretrizes e os caminhos que a instituição pretende seguir a fim alcançar o resultado final: "tornar e manter o Brasil uma potência Olímpica". As etapas se dividem em capacitação dos profissionais envolvidos, execução dos processos estratégicos internos culminando na satisfação dos clientes/atletas, e os resultados, capazes de atender os anseios da organização e dos atletas. Veja o modelo abaixo:

 
   

Dentre as propostas de ação para o alcance da tal finalidade, observa-se a preocupação do Comitê em associar múltiplos setores, como a gestão operacional e a de infraestrutura, e ainda com os fatores de relevância social que envolve a promoção do esporte. Destacando o compromisso com os clientes, tem-se os tópicos demonstrados por Luiz Fernando Camargo Veronez et all (2013):


- Atletas/Treinadores de alto rendimento: Estruturação do treinamento, suporte financeiro, apoio na participação de competições e programa de formação e transição de carreira.

- Entidades Esportivas: Repasse financeiro justo e transparente para as Confederações, suporte à evolução organizacional e conhecimento especializado.

- Patrocinadores: Uso eficiente dos recursos, bom potencial de retorno, surpreender, inovar e prestar contas.

- Sociedade: Transparência, jogar limpo, perspectivas futuras, informação de progresso, e participação.

 

Na teoria, o foco na qualidade do serviço ao cliente pode se apresentar como uma estratégia condizente com os anseios da instituição de promover o país como uma potência olímpica. Contudo, nuances na gestão demonstram que o caminho trilhado ainda não é mesmo daquele traçado pelo próprio COB.

 

Em 2012, dados apontavam que o Comitê Olímpico gastava em burocracia 43,5% do montante arrecadado, sendo recursos destinados à manutenção da entidade, segundo matéria publicada no portal Uol Esportes (veja aqui). Além disso, há uma valorização dos esportes mais visados, com a divisão dos recursos destinando uma parte maior para o setor ou atletas com melhores resultados, o que entra em conflito com o objetivo de promover todas as modalidades olímpicas. Outros fatores como os altíssimos investimentos e o futuro das Instalações Esportivas (já tratadas aqui no portal) representam as frestas existentes no modelo.

 

Quando se trata da realização dos eventos esportivos no país para os próximos anos, cabem muitas dúvidas e reflexões referentes às ações adequadas para obtenção do êxito em relação a como de fato tudo ocorre. O modelo de gestão do COB é um exemplo de que a associação de diversas áreas de conhecimento e o hibridismo das ações produzem uma eficiente proposta para o âmbito esportivo, entretanto, é essencial que exista a aplicação prática, resultando de fato na promoção do esporte e na satisfação do cliente, o atleta. 

 

Crédito das fotos:

esportes.terra.com.br

2.bp.blogspot

pbagora.com.br

 

Referências Bibliográficas e sugestões para aprofundamento:

 

http://esporte.uol.com.br/rio-2016/ultimas-noticias/2013/12/09/ma-administracao-de-confederacoes-acende-alerta-do-governo-rumo-a-rio-2016.htm


Oliveira, G.M. ; Vergara, M. ; GHENO, R. ; FERREIRA, H. ; VERONEZ, Luiz Fernando Camargo. . Comitê Olímpico Brasileiro: uma administração de sucesso. Lecturas Educación Física y Deportes (Buenos Aires), v. 178, p. 01-2, 2013.


ROCHA, C.M.; BASTOS, F.C. Gestão do Esporte: definindo a área. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v. 25, p. 91-103, dez. 2011 N. esp.
http://www.cob.org.br/comite-olimpico-brasileiro

 

COMENTE ESSE POST

Gestão das Redes de Conhecimento: Comportamento Motor

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Quando se trata de prática de atividades esportivas, sobretudo relacionadas a planejamento em longo prazo, uma área de fundamental importância e que algumas vezes acaba sendo esquecida é o Comportamento Motor. Entender os processos que envolvem a movimentação do corpo pode auxiliar o desenvolvimento do atleta, além de trazer benefícios para sua saúde durante a prática esportiva.


Um dos coordenadores do Grupo de Estudos em Desenvolvimento e Aprendizagem Motora (GEDAM) da Universidade Federal de Minas Gerais, Pofessor Dr. Rodolfo Benda, destaca o caráter multidisciplinar do Comportamento Motor, que agrega áreas como Psicologia, Fisioterapia, Medicina, Educação Física, entre outras. O estudo desse campo envolve três vertentes: Controle Motor, Aprendizagem Motora e Desenvolvimento Motor.


O Controle Motor se refere à aplicação adequada das forças, ou a compreensão dos mecanismos que regulam o movimento humano. É relacionado às pesquisas básicas de aplicação dos movimentos e precisão médica.


As análises acerca do modo como um indivíduo aprende um determinado movimento são pertencentes à Aprendizagem Motora. É observada a evolução do ser desde o primeiro contato com determinado esporte até a sua formação como um atleta de alto nível, levando em consideração como se dá a transferência do conhecimento em um processo contínuo, focando em como é gerado o aperfeiçoamento de determinados movimentos. As mudanças promovidas por meio de experiências anteriores, da prática esportiva ou inferidas através de seu desempenho também são objetos de análise.


Já o Desenvolvimento Motor trata da organização dos movimentos em virtude das etapas da vida. Avaliar o que muda com o desenvolvimento e de que maneira essa mudança acontece são os motes desse estudo, que auxilia na compreensão das atividades motoras e os limites referentes a cada fase, como a infantil, por exemplo.


Para Rodolfo Benda, o direcionamento dos estudos em Comportamento Motor é fundamental para o a formação do atleta, ressaltando-se sua característica de ser um processo em longo prazo. "A partir dos conhecimentos gerados nesses estudos, o profissional pode ampliar suas capacidades e ter o domínio de suas habilidades motoras, atingindo seu objetivo de maneira eficiente com o menor gasto de energia ou tempo", aponta o pesquisador.


O desafio dessa área é associar pesquisas teóricas e testes produzidos em laboratórios com as condições reais que enfrentam o atleta de alto nível. Esse exercício é uma constante para o GEDAM que, ao realizar testes também nos locais de atividades esportivas, consegue a aproximação dos resultados aos momentos vividos pelos atletas em situações de realidade. Dessa maneira, conhecer o corpo e o Comportamento Motor do indivíduo desde suas primeiras atividades com aquele esporte e aplicar os conhecimentos científicos ao seu desenvolvimento, bem como a aplicação de um treinamento específico, pode ser o fator que vai garantir sua transformação em um atleta de alto nível com excelentes desempenhos.


Créditos das fotos:

http://neuropsicopedagogianasaladeaula.blogspot.com.br/2012/10/desenvolvimento-neuropsicomotor-na.html
http://blogdoprofessorcleiber.blogspot.com.br/2012/04/repensar-educacao-fisica-e.html


Fonte:

Professor Doutor Rodolfo Novellino Benda - entrevista concedida em 16 de dezembro de 2013


Referências Bibliográficas e sugestões de aprofundamento:


MANOEL, E.J. A dinâmica do estudo do comportamento motor. Rev. Paul. Educ. Fís. V. 13, p.52-61, 1999.

http://www.gedam.com.br/index.html

 

 

COMENTE ESSE POST

II Congresso Internacional sobre Gestão do Esporte - V Congresso Brasileiro sobre Gestão do Esporte

Logo CIGESP2013

PROGRAMAÇÃO


12/12 - QUINTA-FEIRA

14h00 - Credenciamento

19h00 - Conferência de Abertura: Gestão do Esporte no contexto global e o papel do Brasil

20h00 - Coquetel


13/12 - SEXTA-FEIRA

09h00 - Mesa Redonda: Formação Profissional em Gestão do Esporte: da base acadêmica à qualificação mercadológica

11h00 - Apresentação de Posteres

14h00 - Mesa Redonda: Limites e vicissitudes da Copa do Mundo de Futebol FIFA 2014

16h00 - Mesa Redonda: A Gestão Pública de esporte na América Latina - Níveis Federal, Estadual e Municipal.

17h30 - Conferência: Marketing no Esporte: Perspectivas e tendências


14/12 - SÁBADO

08h00 Mesa Redonda: Gestão do Esporte Paralímpico no Brasil

09h30 - Apresentação de Comunicações Orais

11h00 - Conferência: Gestão de projetos para o mercado mais sustentável

14h00 - Mesa Redonda: Gestão de programas de saúde e atividade física

15h30 - Conferência de Encerramento: Os Megaeventos contribuem para o aumento da Cultura Esportiva?

17h00 - Assembléia Abragesp

 

COMENTE ESSE POST

Os fatores sociais envolvidos nos casos de violência no futebol

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gesaoesporte.com

 

 
Confronto entre torcedores do Atlético- PR e Vasco da Gama, em Joinville  

 

O recente episódio de violência envolvendo membros das torcidas de Atlético Paranaense e Vasco da Gama em Joinville acalorou discussões acerca da segurança ou a ausência dela durante os eventos esportivos. No processo de encontrar soluções para que situações como essas não se repitam, tão importante quanto elencar as responsabilidades é entender a violência como um fenômeno híbrido no futebol, buscando a compreensão das relações sociais envolvidas.


O futebol apresenta reflexos da organização social, além de ter sobre ele depositado os sentimentos projetados da própria sociedade. Torcedores, jogadores, dirigentes e todos os outros envolvidos com a instituição comportam-se de acordo com o que pensam que é fazer parte de um grupo ou equipe, ou seja, o que consideram como lealdade. Ali, a noção de pertencimento a uma comunidade que instiga tantos valores como vitória, derrota, superação, entre outros faz com que essa relação tenha um caráter passional.


Se levada ao extremo, essa relação pode fazer dos indivíduos envolvidos seres irracionais, que, em nome de um time, são capazes de atitudes como se envolver em brigas, atos de vandalismo, homicídios e suicídios, por exemplo. Contudo, é importante ressaltar que, frente ao quadro de violência geral no Brasil, as práticas violentas relacionadas ao futebol ficam bem aquém. De acordo com dados do Mapa da Violência de 2013,o país registra a taxa de 20,4 homicídios por 100 mil habitantes, a oitava pior entre 100 nações com estatísticas relevantes no assunto.


Segundo Maurício Murad (2007), a imensa maioria das torcidas é formada por um público pacífico e maior parte dos atletas é dotada de consciência profissional e fair play. Considerando-se as Torcidas Organizadas, às quais frequentemente são relacionados os casos de violência, chega a 7% o índice de responsáveis por atos de vandalismo dentro delas. Essa parcela já é preocupante, mas demonstra a minoria violenta no esporte. Para o pesquisador, fatores como a situação socioeconômica do país e o aumento do índice geral de violência nos setores públicos e privados estão diretamente relacionados aos casos registrados no futebol e é preciso uma postura mais aprofundada na análise e divulgação destes.


A lógica é simples: a divulgação sem reflexão dos fatos reverbera apenas a violência como uma característica possível nos eventos esportivos, mas não apontam as causas e consequências. Logo, os torcedores não adeptos a essa prática evitam ir aos estádios e indivíduos propensos a atos violentos, sendo torcedores ou não, se sentem incentivados. Da mesma maneira, gestões que só visem conter os episódios ao invés de preveni-los corroboram com a noção de insegurança e descontrole causada.


Os episódios de violência não devem de maneira alguma ser ignorados, bem como a identificação e responsabilização dos indivíduos ou clubes relacionados a eles. É necessário organização e gerenciamento dos eventos esportivos, considerando-se os fatores sociais envolvidos neles. Além disso, investimentos em medidas de segurança especializada poderiam ser considerados, já que estamos falando do esporte que é um símbolo do país.

 

Crédito das fotos:

esporte.uol.com.br
correiodoestado.com.br
bonde.com.br


Referência Bibliográfica e sugestões para aprofundamento:


http://www.mapadaviolencia.org.br/


DAOLIO, Jocimar. Futebol, cultura e sociedade. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2005


MURAD, Maurício. A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje. Rio de Janeiro: FJV, 2007

 

COMENTE ESSE POST

Jogos Olímpicos x Olimpíadas

 

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Confraternização entre os povos, multiculturalismo, competições entre atletas de alto nível e a promoção do esporte são alguns dos motes que envolvem os Jogos Olímpicos. Com a mesma intensidade, o termo Olimpíadas também nos remete a essas características. Afinal, existe alguma diferença entre as nomenclaturas?

 

Na Carta Olímpica, redigida pela Comissão Olímpica Internacional, há um tópico no qual as denominações são elucidadas. Segundo o documento, os Jogos Olímpicos são jogos que compõem as Olimpíadas de Verão e de Inverno. Divididos em suas modalidades e estilos, são disputados pelos esportistas de maneira individual ou em equipe, sendo uma competição entre os atletas e não os países, embora se apresente a classificação geral envolvendo as nações durante as competições. 

 

 
Cartaz dos Jogos de 1896, em Atenas  

 

Já o termo Olimpíadas é utilizado para designar o período de quatro anos que decorre entre os Jogos Olímpicos. Tem início no primeiro dia de Janeiro do primeiro ano em que acontecerão os Jogos Olímpicos e término no dia 31 de dezembro do último ano. Logo, a 30ª Olimpíada começou em 1º de janeiro de 2012 e finaliza-se em 31 de dezembro de 2015.Em 2016, quando o evento será realizado no Rio de Janeiro, inicia-se a contagem de 31 Olimpíadas, contadas desde 1896 em Atenas, na Grécia. É interessante observar que a contagem das Olimpíadas inclui até mesmo o espaço de tempo entre as edições que foram canceladas. 

 

A realização dos Jogos Olímpicos se torna um momento oportuno para que atributos sociais e psicológicos do Esporte sejam impulsionados, daí o sucesso de tantas edições.  No vídeo abaixo, os valores esportivos cultivados ao longo do tempo são demonstrados através de imagens de grandes momentos dos Jogos Olímpicos nos últimos anos.

 

 

Crédito das fotos:

 

Foto Texto - http://www.quadrodemedalhas.com/

Foto Capa - http://2.bp.blogspot.com/

Foto Banner - www.ebc.com.br

 

Fontes de pesquisa e sugestões de aprofundamento:

 

http://www.cob.org.br/movimento-olimpico/jogos-olimpicos


Olympic Charter 2013: http://www.olympic.org/Documents/olympic_charter_en.pdf


http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/veja-todos-os-logos-das-olimpiadas-desde-1896

 

História das Olimpíadas: www.bibliotecavirtual.sp.gov.brespecial/docs/200808-historiadasolimpiadas.pdf

COMENTE ESSE POST

Instalações Esportivas dos Megaeventos : o que ficará depois dos jogos?

por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Refletir sobre o legado que permanecerá para o país ou a cidade que sedia megaeventos esportivos é relevante à medida que é preciso relativizar os impactos causados pelas produções desses eventos por meio de ações que favorecerão a população futuramente. As instalações esportivas são um desses prometidos legados, porém geram opiniões controversas, sobretudo considerando as funções e usabilidades posteriores delas.


Os Jogos Pan-Americanos são um exemplo de investimento em grandes estruturas que depois ficaram de certa forma inutilizadas, se transformando nos chamados "elefantes brancos". O caso do Velódromo é o mais emblemático, já que foram investidos R$19,94 milhões na sua construção e recentemente teve que ser descartado para a criação de outro, devido à inadequação da instalação para os Jogos Olímpicos. Além da alta taxa de inatividade, muitas irregularidades e denúncias envolvem o velódromo do Pan-Americano, como aponta a emissora ESPN (clique aqui).

 

Como consta no relatório do 2º Congresso Ibero-Americano de Instalações Esportivas e Recreativas, deve haver um planejamento que envolva equipes multidisciplinares e uma análise criteriosa da viabilidade antes das obras. As diretrizes tratam da necessidade, escolha assertiva do local, programação e gestão permanente desse espaço, atuando muito mais com a manutenção do que com reparos. Todos esses quesitos são importantes para que os locais continuem incentivando as práticas esportivas, caso o contrário, há um desperdício não só de investimentos, mas também de talentos que poderiam trazer ganhos significativos para o Esporte no país.


Com a candidatura do Brasil como país sede da Copa do Mundo e do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016, as construções dos espaços esportivos geram expectativas quanto ao retorno das instalações durante e depois dos eventos. Contudo, possíveis impactos negativos não é algo estritamente brasileiro. Abaixo, algumas fotos do que ficou de instalações olímpicas ao redor do mundo.

 

Jogos Olímpicos Pequim 2008


 
 
 
 

 

Jogos Olímpicos Atenas 2004


 
 

 

Jogos Olímpicos de Inverno Sarajevo 1984


 
 

 

A realização de eventos esportivos do porte da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos pode significar ganhos para o país em termos de infraestrutura, questões sociais e, principalmente, fomento ao esporte. Cabe aqui uma reflexão acerca dos custos desses eventos e se de fato a gestão deles está preparada para dar prosseguimento ao que ficar quando acabarem.

 

Créditos das fotografias:
http://papodehomem.com.br/jogos-olimpicos-estruturas-abandonadas-por-todo-o-mundo/
http://www.theatlantic.com/entertainment/archive/2012/08/the-ruins-of-champions-photos-of-abandoned-olympic-sites/261114/#slide22
http://www.dailymail.co.uk/news/article-1036373/Abandoned-derelict-covered-graffiti-rubbish-What-left-Athens-9billion-Olympic-glory.html

 

Referência bibliográficas fontes de pesquisa:


DUARTE, Fabrício. L. TUDO QUE É OLÍMPICO DESMANCHA NO AR: os Jogos Pan-Americanos Rio 2007. Dissertação apresentada para titulação de pós-graduação UFU. 2012


http://oglobo.globo.com/esportes/olimpiada-instalacoes-esportivas-estao-abandonadas-em-atenas-3167600


Rlatório 2º Congresso Ibero-Americano de Instalações Esportivas e Recreativas 2010
http://www.aiidyr.com/ponentes/2010/CIDYR_2010_Relatorio_final.pdf

COMENTE ESSE POST

Modelo de gestão do Comitê Paralímpico Brasileiro: o que podemos aprender com esta entidade?

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Com a aproximação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, voltou-se a atenção para práticas e iniciativas que envolvem as atividades esportivas para pessoas com deficiência. Neste contexto, tem-se destacado o papel do Comitê Paralímpico Brasileiro, que segue como referência na Gestão do Esporte e auxilia o fomento da prática esportiva no país. 

 

Segundo os pesquisadores Ruy David Marques e Fernando A. Fleury (2013), o Esporte Paralímpico foi introduzido no Brasil a partir da década de 50, sendo encarado como uma espécie de terapia e evoluiu consideravelmente ao longo do tempo. Já na década de 70, iniciou-se a profissionalização e foi necessária melhor organização institucional, registrando-se a criação de diversas associações e entidades voltadas para cada tipo de deficiência. Em 1995, surgiu o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), acompanhando o desenvolvimento das organizações internacionais e, desde então, o foco na estruturação, profissionalização e organização vem trazendo expressivos resultados para o Esporte Paralímpico no país.

 

Nos Jogos Paralímpicos de Sidney, em 2000, o Brasil ocupou a 24ª posição. A partir daí, só tem conhecido progresso, com as colocações em 14º nos Jogos de Atenas 2000, 9º em Pequim 2008 e o inédito 7º lugar em Londres 2012. O investimento na contratação e capacitação dos profissionais atuantes no CPB, além do foco da gestão nos planejamentos em médio e longo prazo, são um dos fatores que propiciam eficiência nas ações referentes ao Esporte Paralímpico e o êxito das equipes nas competições.

 


O CPB apresenta um modelo de gestão com Diretoria Executiva composta por Presidência e Vice-presidência e, abaixo dela, o Departamento Técnico, que relaciona todas as suas atividades aos principais clientes - atletas e comissões técnicas, caracterizando um conceito de gerenciamento em teia, otimizando a atuação. Segue modelo na figura abaixo.

 

 
Retirado da pesquisa de Ruy David Marques e Fernando A. Fleury (2013)  

 

A profissionalização na Gestão do Esporte garante a eficiência da organização e, além dos efeitos detectados nas competições, propicia qualidade na captação e aplicação dos recursos. Outro fator de considerável importância é o trabalho de promoção e desenvolvimento do esporte de alto rendimento e amador, por consequência , para as pessoas com deficiência. O Estatuto do CPB garante a realização de "ações que deem oportunidades ao envolvimento e desenvolvimento de pessoas com deficiência, em especial: a) na participação em competições de alto rendimento; b) na inclusão, reabilitação e socialização destas, por meio do esporte; e c) na organização e participação em competições do esporte escolar e universitário". Prova disto são as Paralímpiadas Escolares, que surgiu em 2009 e pode ser considerado o maior evento do gênero no mundo, de acordo com os pesquisadores Andresa C. Andrade e Marco Antônio B. de Almeida (2012).



Sabe-se que há ainda muito a se evoluir nas organizações dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, mas a característica da gestão multidisciplinar do CPB já pode ser considerada um avanço para a Gestão do Esporte, vide resultados do Brasil nas competições paralímpicas. O investimento governamental é um importante aliado para o desenvolvimento da gestão e principalmente para o fomento do esporte para pessoas com deficiência, culminando em políticas públicas eficientes e tornando o país uma referência na área.

 

Crédito das fotos:

 

http://cdn.noticiasbr.com.br/imagens/2012/09/paraolimpiadas-2012-brasileiro-supera-astro-pistorius-e-leva-ouro-nos-jogos-Paralimpicos.jpg

http://www.lancenet.com.br/fotos/Delegacao-Brasileira-Paralimpiadas-Fernando-MaiaCPB_LANIMA20120902_0004_26.jpg

 


Referências Bibliográficas e sugestões de aprofundamento:


Marques, Rui D. ; FLEURY, Fernando A. . A ESTRATÉGIA DE GESTÃO DO COMITÊ PARALÍMPICO BRASILEIRO: IMPACTO NOS RESULTADOS DAS MISSÕES BRASILEIRAS NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE 1996 A 2012. 2013. (Apresentação de Trabalho/Seminário)


ANDRADE, A ; ALMEIDA, M. A. B. . ANÁLISE DOCUMENTAL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AS PRÁTICAS FÍSICO-ESPORTIVAS E DE LAZER PARA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASIL. Conexões (Campinas. Online), v. 10, p. 42-60, 2012.


http://www.cpb.org.br/

 

COMENTE ESSE POST

A injusta distribuição dos projetos aprovados Lei de Incentivo ao Esporte

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianevieira@gestaoesporte.com

 

A Lei de Incentivo ao Esporte - Lei 11.438/2006 - permite que empresas e pessoas físicas invistam parte do que pagariam de Imposto de Renda em projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. Desta forma, em tese, ela estimularia pessoas e empresas a patrocinarem e fazerem doações para projetos esportivos e paradesportivos, em troca de incentivos fiscais. Mas, será que esta é a realidade instaurada pelo regulamento?


Para pessoa física, o desconto pode chegar a 6% no valor do Imposto de Renda devido. Já para pessoa jurídica tributada com base no lucro real, o desconto é de até 1% sobre o imposto devido.Os interessados em participar devem apresentar os projetos à comissão técnica do programa, composta por representantes do Ministério do Esporte e Conselho Nacional do Esporte.

 

Lei de Incentivo
Fonte:http://www.marketime.com.br/2012/06/lei-federal-de-incentivo-ao-esporte.html

 

Uma das principais falhas em relação à lei é a imensa discrepância na distribuição dos projetos aprovados e colocados em execução. Com base em uma pesquisa feita no site do Ministério do Esporte, pudemos constatar que enquanto alguns Estados brasileiros concentram grande número de financiamentos, outros não apresentam nenhum. No ano de 2013, São Paulo foi o Estado com maior número de projetos aprovados: 62. Na sequência, aparece o Rio Grande do Sul, com 43; Rio de Janeiro, com 34; Paraná, com 27; Santa Catarina, com 23 e Minas Gerais, com 25.


Os Estados localizados nas regiões Norte e Nordeste do país são os mais desfalcados. Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Piauí, Rondônia e Roraima não tiveram nenhum programa esportivo beneficiado pela lei, em 2013.


Para o pesquisador Érico Bernardo (2006) e sua equipe, na prática, a lei se traduz pelo "mecanismo de desresponsabilização do Estado parafinanciamento direto e sistemático de projetos e programas de políticas sociais na área do esporte, delegando aos interesses da sociedade civil uma parcela da ‘responsabilidade' para atender o ‘cidadão' como indivíduo de direito ao esporte." A colocação do autor parece pertinente quando se leva em consideração que os Estados que mais careciam de incentivo na área do esporte praticamente não são beneficiados pela lei.


Desta forma, não ocorre uma compensação na falta de políticas públicas que beneficiem a população na área do esporte, em determinados regiões do Brasil. Uma vez que a lei é menos utilizada justamente nos locais de maior carência com relação à democratização da prática esportiva.


Ainda de acordo com Érico Bernardo (2006) e sua equipe, "na aparência quem financia é a empresa que ‘incentiva' e não o governo. Tal situação ainda esboça o seguinte caráter: se não há possibilidade de uma política de Estado efetiva para todos, garantida em lei, improvisa-se uma lei que faça a sociedade civil sentir-se também responsável pelo setor e que com isso busque empresas para financiar o ‘trabalho social' desenvolvidos pelas entidades esportivas."


O autor ressalta ainda que por mais que a lei apresente alguns pré-requisitos em relação a quem pode ser proponente e a necessidade de se atender a determinados requisitos, eles não eximem a possibilidade de corrupção das instituições envolvidas, já que o regulamento cria a necessidade de relação e parceria entre público e privado.

 

 

Número de projetos aprovados em cada Estado do Brasil

 

Tabela

 

Crédito da foto de capa e do banner: http://www.ufrb.edu.br/propaae/arquivo-de-noticias/416-resultado-da-selecao-bolsa-esporte-propaae

 

 

Referências bibliográficas

 

BERNARDO, Érico Costa; SILVA, Cristiane Souza da; MORAIS, Alyne Moreira; COUTINHO, Thiago de Oliveira. Lei de Incentivo ao Esporte (11.438/2006), Estado e Democracia: Reflexões sobre a sociedade de classes. Anais do XVII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e IV Congresso Internacional de CiÊncias do Esporte Porto Alegre, 2001. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/XVII_CONBRACE/2011/paper/view/3403 Acesso em: 03/12/2013

 

Fontes de pesquisa


http://www.esporte.gov.br/index.php/institucional/secretaria-executiva/lei-de-incentivo-ao-esporte/consulta-recursos-captados

 

http://www.brasil.gov.br/esporte/2009/10/lei-de-incentivo-ao-esporte

 

COMENTE ESSE POST

Esportes menos populares no Brasil ganham destaque

 

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Os Jogos Olímpicos de 2016 coloca em visibilidade as diversas modalidades esportivas que fazem parte da competição. Neste contexto, em que não são muito difundidos no país encontram um espaço para crescimento e valorização e, mesmo que ainda de forma inicial, fixam suas raízes pela capacidade de revelar novos talentos e por apresentarem uma possibilidade inovadora de investimento - caso do Rugby, Esgrima e Badminton.

 

De volta ao calendário olímpico de 2016, o Rugby tem registrado aumentos significativos de recursos. De acordo com o portal do Ministério do Esporte, um acordo entre o órgão e a Confederação Brasileira de Rugby (CBRu) foram investidos R$ 8,4 milhões para a modalidade em 2013. Além disso, a modalidade tem sido difundida nas escolas públicas do Rio de Janeiro, se tornando um elemento de promoção da prática esportiva e ainda indicando o interesse por resultados em longo prazo, já que o esporte pode se tornar um meio de revelações de futuros atletas brasileiros.

 

Segundo site da CBRu, o desempenho das Seleções Brasileiras de Rugby indicam a evolução e o potencial do esporte no país. Na categoria masculina adulta, foi de 45º lugar para o 27º no ranking da international Rugby Board. Já a seleção feminina é reconhecida como a melhor equipe da América Latina, tendo alcançado a 10ª posição no último Campeonato Mundial realizado em Dubai-EAU em 2009.

 

Na Esgrima, foram repassados R$2,2 milhões no ano passado e neste para investimentos em equipamentos e experiência internacional dos atletas, dados da Confederação Brasileira de Esgrima (CBE). No ranking mundial do sabre, uma modalidade do esporte, o país apresenta o esgrimista Renzo Agresta em 26º lugar. O investimento nos atletas é essencial para as chances de medalhas e valorização em nível mundial.

 

O Badminton é um esporte de raquetes que envolve velocidade ao jogar a peteca de plástico ou pena para o adversário, como no tênis. Como a primeira participação brasileira nos Jogos Olímpicos será em 2016, há uma expectativa quanto aos resultados e um campo para aplicação de recursos e fomento à modalidade. Em novembro deste ano, foi aprovada pelo governo a construção de um centro de referência para o Badminton na Universidade Federal do Piauí (UFPI), que ainda será licitado, mas já tem o custo de aproximadamente R$5 milhões, segundo o site da Confederação Brasileira de Badminton (CBBd).

 
Partida de Badminton, que pode ser jogado de maneira individual ou em dupla  

 

O advento de modalidades não popularizados no país representa um campo para investimentos em diversos setores. Para que essas atividades esportivas ganhem espaço e sejam valorizadas como forma de fomento ao esporte nacional, é preciso se voltar para a captação de recursos, criação de ambientes favoráveis às práticas esportivas, além da valorização dos atletas, que podem ser a principal forma de divulgação destas atividades. Além dos órgãos oficiais do governo, setores como Marketing, construção de Instalações Esportivas e a Educação Física encontram aí alternativas populares, apresentando um setor que merece atenção da Gestão do Esporte, pois muito ainda deve ser realizado.

 

Crédito das fotos:

 

Foto Rugby Banner- http://tryagain.final.com.br

 

Foto Rugby capa - http://www.esportediario.com

 

Foto Badminton - http://deportesar.terra.com.ar  

 

Referência Bibliográfica e sugestões de aprofundamento:

 

ALMEIDA, Barbara Schausteck de; JUNIOR, Wanderley Marchi. Comitê Olímpico Brasileiro e o financiamento das confederações brasileiras. In: Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 33, n. 1, p. 163-179, jan./mar 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbce/v33n1/a11v33n1.pdf Acesso em: 24/10/2013

 

rio2016.com

 

Confederação Brasileira de Badminton - http://www.badminton.org.br/

 

Confederação Brasileira de Esgrima - http://www.brasilesgrima.com.br/ultimas.htm

 

Confederação Brasileira de Rugby - http://www.brasilrugby.com.br/

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Primeiro Fórum de Gestão de Arenas e Estádios

Logo Fórum

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Fisioterapia Esportiva: uma importante área das Redes de Conhecimento na Gestão do Esporte

fisio  
A Fisioterapia como um elemento e apoio ao atleta  

 

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

As práticas esportivas exigem do atleta certo condicionamento físico e empenho que, muitas vezes, podem causar uma sobrecarga em seu corpo. Voltar a atenção para o cuidado e a prevenção do desgaste corporal do atleta devido à rotina de exercícios, treinamentos e competições é um dos objetivos da Fisioterapia Esportiva, segmento que registra grande crescimento na área atualmente.

 

Segundo Gilson R. Oliveira e um grupo de pesquisadores (2009), a Fisioterapia surgiu na Antiguidade com o intuito de livrar as pessoas das "diferenças incômodas" ou o que era considerado doença na época. A partir do século XX, o conceito se consolidou como uma área que atua "em todos os níveis da saúde: promoção, prevenção, cura e reabilitação".  Na Fisioterapia Esportiva, o caráter multidisciplinar ganha ainda mais espaço, quando associa diversos conhecimentos na prevenção e tratamento do atleta.

 

Para a Gestão do Esporte, esse segmento da área na Medicina Esportiva tem relevância à medida que compreende o potencial do atleta e atua diretamente no seu desempenho. Apresenta o caráter preventivo, quando faz levantamento dos riscos de lesões referentes a cada modalidade desportiva e promove atividades pré ou pós-competição a fim de evitar futuros danos. Para tal, são realizados diversos exames com intuito de detectar as alterações biomecânicas e neuromusculares, além daqueles que envolvem a postura corporal sob vários aspectos.

 

 Já para o atleta lesionado, a Fisioterapia se faz importante como método de auxílio à sua recuperação.  Dentro de uma equipe multidisciplinar, o fisioterapeuta desportivo realiza diversas avaliações que auxiliam o grupo a identificar o melhor tratamento indicado e faz o acompanhamento durante a recuperação. Embora a atuação do esportista exija que o seu retorno seja feito de maneira eficiente no menor espaço de tempo, é importante que o profissional se atente às necessidades do atleta e ao seu potencial de recuperação, bem como à gravidade da lesão. Os limites devem ser minunciosamente calculados e respeitados, para evitar danos futuros ao corpo e a carreira do paciente.

 

O gestor esportivo deve considerar a relevância do fisioterapeuta na equipe como o profissional que vai se relacionar diretamente com um elemento essencial para o esporte: o atleta. Acompanhando suas atividades de perto, o profissional é capaz de conhecer habilidades, desempenho e alcance desse atleta, auxiliando o gestor em situações recorrentes que envolvam decisões ou soluções nas organizações.

 

Crédito das fotos: 

 

Foto capa

Foto texto

Foto banner

 

Referências Bibliográficas e sugestões para aprofundamento:

 

OLIVEIRA, Gilson. R & TUBINO, Manoel. G, FERNANDES, Filho. J. Os Períodos de Evolução da fisioterapia Esportiva no Futebol Latino- Americano, RJ, BRASIL. Inter Science Place. Ano 02 -Nº 7 Maio/Junho 2009.

 

http://fisioterapiamanual.com.br/blog/areas-da-fisioterapia/fisioterapia-esportiva/

 

http://www.fisioterapiadesportiva.com.br/fisiodesportiva

 

 

COMENTE ESSE POST

Academias esportivas: o que devem oferecer para garantir a qualidade de vida através da prática de atividades físicas?

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

O recente caso da academia que pegou fogo em São Paulo (saiba o que aconteceu aqui) provocou um alerta em profissionais e interessados nesse tipo de serviço: as academias esportivas.  Questões como segurança e qualidade das instalações entraram em pauta nas discussões, que devem ser ampliadas em virtude de outras características também relevantes para o setor Fitness.

 

O aprimoramento deste setor indica uma tendência atual da sociedade em busca de uma nova identidade para a atividade física.  Em uma época em que a cultura da vida e corpos saudáveis entra em cena, alguns fatores devem ser levados em consideração na escolha ou gestão de uma academia, ressaltando-se a promoção da saúde e qualidade de vida.

 

 

Profissionais

O instrutor Márcio Lourenço afirma que é essencial a qualificação dos professores que atuam nas instalações esportivas. "O profissional precisa possuir formação adequada, saber identificar as necessidades de cada aluno para indicar os exercícios apropriados, além de acompanhá-los de perto", aponta.

 

Os instrutores devem ser formados em Educação Física e preferencialmente especializados nas modalidades que orientam, buscando a postura dos profissionais atuais de serem "competentes, criativos e responsáveis, ter capacidade decisória e apresentar disponibilidade em trabalhar em equipes multidisciplinares", como indica o pesquisador João Carlos Piccoli.

 

Para os gestores, pensar em uma equipe multidisciplinar que envolva especialistas de diversas áreas favorece o êxito da organização. Profissionais da área da saúde como nutricionistas, psicólogos e médicos e também da área da comunicação para estratégias de marketing e transmissão de informações podem ser um diferencial.

 

 

Avaliações

Quem busca ingressar em uma academia deve passar por avaliações médicas antes de começar a realizar atividades físicas. São ideais exames cardiológico, de esforço e fisiológico.  Contudo, apresentar profissionais capacitados para a realização desses exames não é obrigatório nas academias, podendo ser um diferencial na Gestão de Instalações Esportivas. Geralmente, o aluno é quem procura o médico de sua confiança para obter a liberação e evitar prejuízos à sua saúde.

 

Instalações,  equipamentos e segurança

Um espaço adequado, além de equipamentos de qualidade para a realização das atividades físicas é essencial. O Relatório do 2º Congresso Ibero-Americano de Instalações Esportivas e Recreativas ressalta que, além da apresentação de instalações adequadas e modernas, é necessária a constante gestão desse espaço, visando a manutenção e preservação para evitar danos aos equipamentos e possíveis riscos à saúde dos usuários destes.

É importante também se atentar a fatores como limpeza, fornecimento de água, climatização e segurança. As academias esportivas devem apresentar documentos de legalização do local e  de liberação de funcionamento emitido por órgãos competentes.

 

 

Bem estar

A aluna Ana Carolina de Oliveira afirma que escolheu a academia que frequenta levando em consideração a aparelhagem, o professor e o fator de socialização. De fato, as academias esportivas proporcionam interação entre as pessoas e são capazes de promover o bem estar. O essencial é que a relação custo/benefício seja favorável ao usuário, que precisa sempre estar atento às melhores condições e qualidade que as instalações esportivas podem oferecer para o favorecimento da saúde. Nesse contexto, os gestores precisam estar atentos a fatores como limitação de tempo, segurança e conforto associados às exigências atuais do mercado e à promoção da qualidade de vida através da prática de atividades físicas.

 

 

Crédito da fotos

Banner - http://images.jovempan.uol.com.br

 

Referências Bibliográficas e sugestões de aprofundamento

 

GOMES, I. R. ; MASCARENHAS, F. . A indústria do fitness e a mercantilização das práticas corporais em academias de ginástica: o caso Body Systems. In: 3. Congresso Centro-Oeste de Ciências do Esporte, 2008, Cuiabá. 3. Congresso Centro-Oeste de Ciências do Esporte. Cuiabá: CBCE-MT, 2008. p. 1-9.

 

LIMA, Juvêncio Braga de e ANDRADE, Daniela Meirelles. Elementos situacionais e práticas de gestão em academias de ginástica. In: EGEPE -ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS. 3., 2003, Brasília. Anais... Brasília: UEM/UEL/UnB, 2003, p. 915-932.

 

PICCOLI, J. C. J. . O perfil profissiográfico em educação física para o século XXI: reflexão de uma nova perspectiva. Motus Corporis (UGF), Rio de Janeiro, v. 9, n.2, p. 55-62, 2002.

 

SANTOS, Amanda Rodrigues e FRANCO, Paola Ventura D. O perfil do gestor de academias de grande porte em diferentes bairros da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2011.

 

Relatório 2º Congresso de Ibero-Americano de Instalações Esportivas e Recreativas-  

 

 

 

COMENTE ESSE POST

As tendências da Gestão de Instalações Esportivas

 

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com


A construção de instalações esportivas movimenta o mercado brasileiro, principalmente agora, com a iminência dos grandes eventos esportivos sediados no país. E, para que as organizações obtenham êxito e consigam se colocar como uma importante ferramenta propulsora do esporte é necessária uma Gestão de visão inovadora e que saiba associar diversos conceitos.


O sucesso do empreendimento se relaciona a vários fatores que estão interligados ao planejamento e à administração esportiva e recreativa, que, segundo relatório do 2º Congresso Ibero-Americano de Instalações Esportivas de 2010, apresentam-se como: planejamento considerando o sentido da existência daquilo; Gestão qualificada que assimile usuários/serviços/produtos ao espaço; e constante avaliação e manutenção desse espaço. É importante também que essa interação aconteça levando em consideração aspectos referentes à inclusão, sociabilização e democratização.

 
Piscina olímpica do Centro Aquático de Londres, 2012  

 

Outra tendência atual é permutar os diversos conhecimentos e buscar um conceito novo que ofereça instalações esportivas para todos e que apresente orientações de atividades individuais. Para os megaeventos, a multidisciplinaridade potencializa a gestão e favorece o compromisso ético e social, transformando estádios e parques olímpicos em legados que impulsionam a prática esportiva da população com segurança.

 

A construção de novas instalações esportivas são de alta relevância e assim a gestão desses espaços também o é. Profissionais capacitados, que possam criar, planejar, organizar, motivacionar, comunicar, além de utilizar os diversos conhecimentos no controle e soluções de problemas com eficiência são a tendência para o futuro do segmento esportivo no país e a garantia de que os espaços propiciarão alto desempenho e satisfação de seus usuários.

 

Crédito foto e banner:

Foto Banner

Foto Texto

 

Referências Bibliográficas e sugestões de aprofundamento:

 

Gestão de Instalações e seus Reflexos na Qualidade das Atividades Esportivas, apresentação de Antônio Carlos Bramante e Luiz Carlos Marcolino para o Ciegesp de 2011.

 

Jogos Rio 2016 - Portal da transparência

 

Relatório do 2º Congresso ibero-americano de instalações esportivas de 2010

 

 

COMENTE ESSE POST

A escola deve incentivar a prática esportiva de alto rendimento?

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Os Jogos Escolares da Juventude são o maior evento estudantil esportivo do Brasil. A competição de abrangência nacional é organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) com o apoio do Ministério do Esporte e reúne milhares de alunos-atletas de instituições de ensino públicas e privadas de todo o país. Consideradas as fases seletivas, os números chegam a mais de dois milhões de atletas e cerca de 3.900 cidades participantes.


Em 2013, o evento mudou de nome: passou de Olimpíadas Escolares a Jogos Escolares da Juventude. A nova designação foi para preservar o uso de expressões com o termo "Olimpíadas", que é uma propriedade do COI. O evento é realizado em duas etapas - em cidades diferentes -, com faixas etárias distintas, 12 a 14 e 15 a 17 anos. Atualmente, são disputadas 13 modalidades, sendo 11 comuns às duas etapas (atletismo, judô, natação, tênis de mesa, xadrez, basquetebol, futsal, handebol, vôlei, ciclismo e ginástica rítmica). A etapa de 12 a 14 anos também contempla o badminton e, a de 15 a 17, o taekwondo.

 

Jogos Escolares

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Crédito: Wander Roberto/Inovafoto/COB


Os Jogos Escolares podem representar um cenário ideal para a descoberta de novos talentos do esporte de alto rendimento, mas para que essa possibilidade seja aproveitada ao máximo é necessário que o governo ceda atenção à disciplina de Educação Física (EF) ofertada na escola. Em muitas instituições públicas, os professores desta área não têm suporte necessário para ofertarem aulas com considerável teor produtivo aos alunos. Em algumas escolas não há espaço adequado para a prática do esporte, em outras, faltam materiais esportivos.


Outro entrave é a falta de diversificação nas atividades oferecidas pela EF. De acordo com a pesquisadora Irene Conceição Betti (1999), o conteúdo desenvolvido raramente apresenta diversificação, ele costuma se restringir a esportes mais populares, como voleibol, basquetebol e futebol.


Além disto, nem sempre os professores de Educação Física têm o preparo necessário para atuarem na área. Para que os resultados sejam maximizados, as escolas dever oferecer uma base pedagógica consolidada que oriente as ações do docente. Como ressalta o pesquisador Valter Brach (2000), o esporte na escola só tem sentido quando integrado ao projeto pedagógico da instituição. Percebe-se que a falta de estrutura adequada, aliada a falta de qualificação e planejamento pedagógico constituem um entrave a muitos benefícios que a EF pode ofertar aos alunos.


Em se tratando da relação entre Educação Física e esporte de alto rendimento, alguns cuidados devem ser considerados. Destaca-se que a disciplina deve apresentar teor essencialmente educativo. Como defende Valter Brach (2000), "o esporte tratado e privilegiado na escola deve ser aquele que atribui um significado menos central ao rendimento máximo e à competição, e procura permitir aos educandos vivenciar também formas de prática esportiva que privilegiem antes o rendimento possível e a cooperação."

 

 

Crédito da foto de capa e do banner: http://jogosescolares.cob.org.br/noticias/mayra-aguiar-acende-a-pira-natal-2013-035432

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

BRACH, Valter. Esporte na escola e esporte de rendimento. In: Revista Movimento - Ano VI - Nº 12 - 2000/1. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/2504/1148

 

BETTI, Irene Conceição Rangel. Esporte na escola: mas é só isso, professor? In: Motriz - Volume 1, Número 1, 25 -31, junho/1999. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/01n1/4_Irene_form.pdf

 

LUCCHINI, Marlon. Esporte escolar de rendimento: sonho ou realidade? In: Revista Expressão Digital, 8ª Edição, v4n8. 2013. Disponível em: http://gaia.liberato.com.br/expressao_digital/?p=270

 

Fontes de pesquisa


http://www.esporte.gov.br/index.php/institucional/alto-rendimento/jogos-escolares-brasileiros/olimpiadas-escolares


http://www.cob.org.br/novos-talentos/jogos-escolares-juventude

 

COMENTE ESSE POST

Os Jogos Olímpicos como propulsores da diversidade cultural

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

A hibridização e interação das culturas culminam no multiculturalismo, que encontra no esporte um importante palco para a promoção de seus valores como respeito à diferença, diversidade étnica e racial e novas identidades políticas e culturais. Em um evento de grande relevância mundial como os Jogos Olímpicos, no entanto, o desafio é conciliar as características individuais ou de alguns grupos com os valores universais proclamados.

 

 O Olimpismo é uma série de princípios que regem o evento e se caracteriza como uma filosofia que tem o esporte como um instrumento pela paz e harmonia entre os povos. Segundo o site da Comissão Olímpica Brasileira, se caracteriza como uma filosofia que promove a paz, a união e o respeito ao adversário. Tendo como princípio "a amizade, a compreensão mútua, a igualdade, a solidariedade e o "fair play" (jogo limpo). Mais que uma filosofia esportiva, o Olimpismo é uma filosofia de vida. A ideia é que a prática destes valores ultrapasse as fronteiras das arenas esportivas e influencie a vida de todos."

 

A contradição é que no universo esportivo estão presentes diversos valores advindos do capitalismo, como competitividade, individualismo, nacionalismo e espetacularização.  Sendo assim, torna-se desafiadora a hibridez dos múltiplos ideais que se manifestam em tornos dos Jogos Olímpicos, na tentativa de transformar o cenário em um espaço cultural efervescente e inovador. Esse também é um aspecto relevante para a Educação Olímpica, que promove entre os jovens o valor multicultural e perdura o sentido dos Jogos Olímpicos.

 

Compreender as diferenças entre as culturas e promover o respeito é uma etapa inicial que propicia a interação entre o multiculturalismo e o Olimpismo, tendo como resultado uma abertura para a pluralidade de visões e ressignificações de identidades e relações sociais, além de promover o conhecimento. Alberto Reppoldi Filho e um grupo de pesquisadores ainda ressaltam que "a criação deste espaço de mestiçagem também favorece a criação de produtos com a crescente expectativa de consumo".

 

Sendo assim, a heterogeneidade cultural pode ser vista como uma nova forma de aprendizado que, correlacionando valores globais e locais, simboliza uma nova forma de democratização. Cabe à Gestão do Esporte se atentar para esse contexto inovador e fomentar ainda mais a produção de conhecimentos e interações sociais.

 

Crédito da imagem de capa e banner:

http://www.esporteessencial.com.br/imgs/conteudo/valores_losangeles1984_600.jpg

 

 Referência Bibliográfica e sugestões de aprofundamento:

.

REPPOLD FILHO, A. R. (Org.) ; ENGELGAN, S. (Org.) ; RODRIGUES, R.P. (Org.) ; PINTO, L.M.S.M. (Org.) . Olimpismo e Educação Olímpica no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. v. 1. 289p .


TAVARES, O. . Educação Olímpica para o Rio de Janeiro 2016: princípios, temas estratégias, meios e elementos. In: Alberto Reinaldo Reppold Filho; Leila Mirtes Magalhães Pinto; Rejane Penna Rodrigues; Selda Engelman. (Org.). Olimpismo e Educação Olímpica no Brasil. 1ed.Porto Alegre: Editora da UFGRS, 2009, v. 1, p. 185-193.

 

http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=3186

 

http://www.cob.org.br/movimento-olimpico/olimpismo

 

 

COMENTE ESSE POST

Jogos Olímpicos e Marketing Esportivo

Por Luiza Lourenço


E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 


Segundo reportagem publicada em g1.globo.com, o mercado publicitário brasileiro ocupará o 5º lugar de maior mercado publicitário do mundo em 2015. Atualmente em sexto, o país deve movimentar US$ 23,9 bilhões nos próximos dois anos e considerável parte desse fluxo deve-se ao investimento no Marketing Esportivo.

 

A realização dos Jogos Olímpicos em 2016 na cidade do Rio de Janeiro propicia um espaço rentável para a atuação do mercado publicitário brasileiro. De acordo com Maquinadoesporte.uol.br, em 2012, a marca Olímpiadas foi apontada como a segunda mais valiosa do mundo, avaliada em R$96,1 bilhões e com crescimento de 87% em relação aos Jogos de Pequim em 2008. Embalados por essas constatações, os investimentos em ações que se relacionam com o eventos do esporte pedem para ir além do patrocínio, criando vínculos de interação entre o consumidor, as empresas e o mercado esportivo.


De acordo com o pesquisador Marcelo Weishaupt Proni (1998), o marketing esportivo se desdobra em Marketing do Esporte, que trata do Marketing de produtos e serviços esportivos, e Marketing através do Esporte, que se caracteriza como atividades ou produtos que fazem uso do esporte para se promover. "Assim, o estudo do Marketing esportivo inclui tanto as estratégias de gestão, comercialização e divulgação de academias, clubes e ligas esportivas, de um lado, como atividades de merchandising, patrocínio e licenciamento que associam equipes ou atletas a certas marcas, de outro."


O pesquisador Victor Andrade de Melo (2008) aponta que o mercado não promove apenas os produtos que querem vender, mas também um modo de vida relacionando o esporte a diversos valores, hábitos e costumes que ajudam a reiterar. Atletas se tornam ícones de diversas marcas e seus desempenhos influem diretamente na propulsão delas. Assim, cria-se uma relação de identidade que move o consumidor através dos valores do esporte.


Torna-se necessário um aprofundamento de estudo e de levantamento de informações precisas sobre a melhor maneira de se criarem ações, conter riscos e profissionalizar a prática de Marketing relacionada ao esporte. Dessa maneira, os investimentos terão retornos não só mercadológicos, promovendo também um estilo de vida, evitando desperdícios e indo de encontro ao avanço social e tecnológico.

 

Crédito imagem:


http://blogs.diariodonordeste.com.br/kalaragao/olimpiadas/olimpiadas-2020/


Referências Bibliográfica e sugestões para aprofundamento:


http://maquinadoesporte.uol.com.br/i/noticias/midia/26/26067/Marca-%E2%80%9COlimpiadas%E2%80%9D-e-a-segunda-mais-valiosa/index.php


http://g1.globo.com/economia/midia-e-marketing/noticia/2013/06/brasil-ser-5-maior-mercado-publicitario-do-mundo-em-2015.html


MELO, V. A. . Esporte, propaganda e publicidade no Rio de Janeiro da transição dos séculos XIX e XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 29, p. 126-134, 2008.


. PRONI, M. W. . Marketing e organização esportiva: elementos para uma história recente do esporte-espetáculo. Conexões (UNICAMP), Campinas, SP, v. 1, n.n. 1, p. 74-84, 1998

 

 

COMENTE ESSE POST

Gestão de equipes voluntárias em megaeventos esportivos

Por: Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Os voluntários cumprem importante papel na organização dos megaeventos esportivos. Eles realizam inúmeras atividades e oferecem suporte específico dentro de estruturas organizacionais. Os Jogos Parapan-Americanos Rio 2007 contaram com o apoio de aproximadamente 200 voluntários, divididos entre os Comitês Olímpicos Nacionais (CONs) e Paraolímpicos Nacionais (CPNs). Rodrigo Fonseca Tadini e Fernando Costa da Silva (2008) realizaram uma pesquisa com essas equipes. Eles constataram que o "fazer parte do evento" é o principal motivo que levou as pessoas a se dedicarem a esse trabalho.


Desta forma, a introdução de uniformes e acessórios que identificam os voluntários perante as outras pessoas fortalece o sentimento de participação em um grupo e pode ser um atrativo para outros sujeitos participarem. Algumas pessoas se candidatam ao trabalho voluntário na expectativa de aparecerem em meios de comunicação que divulgam os eventos. Mas, para que o setor voluntariado contribua efetivamente com o bom andamento do evento é preciso que as equipes sejam treinadas e coordenadas corretamente.

 

Bolt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Usain Bolt brinca com voluntária dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, antes de vencer a prova dos 200 metros. Crédito da foto: http://www.antiquariato.com.br/coportal/?p=25

 


Rodrigo Tadini e Fernando Silva (2008) apontam os problemas na comunicação entre os setores como um dos principais pontos falhos desta área nos Jogos Parapan-Americanos Rio 2007. Faltou integração entre as inúmeras áreas funcionais. Além disso, não foram transmitidas aos participantes diretrizes básicas de atuação. "A maioria dos voluntários relatou o desconhecimento dos principais procedimentos técnicos do setor para o atendimento das delegações."


Tal fato pode ser apontado como um grave erro cometido por parte da equipe de gestores do evento, uma vez que é necessário gerir a motivação e satisfação dos voluntários, a partir do entendimento da forma como eles se sentem recompensados.


Para a Copa das Confederações do Brasil, que aconteceu em junho deste ano, foram selecionadas 5.695 pessoas - havia 99.172 inscritos - para trabalharem nas competições. Em ritmo de contagem regressiva, o Comitê das Olimpíadas de 2016, no Rio, já começou o planejamento para recrutar 70 mil voluntários. Do total, 45 mil para atuarem nas Olimpíadas e 25 mil, nos Jogos Paralímpicos. Já para a Copa do Mundo de 2014, o Comitê Organizador Local pretende recrutar 18 mil voluntários.


O Programa de Voluntários da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 é único, porém dividido em dois pilares: um sob responsabilidade do Comitê Organizador Local (COL/FIFA), que atenderá áreas como estádios, Centros de Treinamento de Seleções e Campos Oficiais de Treinamento, e outro sob responsabilidade do Ministério do Esporte/sedes, focado no atendimento a turistas e ao público em geral em áreas como as FIFA Fan Fests, aeroportos e pontos turísticos.

 

 



Crédito da foto de capa e do banner: http://esportes.terra.com.br/futebol/copa-das-confederacoes/primeira-voluntaria-da-copa-das-confederacoes-ouve-gracinha-de-marin,fc42e4210deae310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

 

 

Referências bibliográficas


TADINI, Rodrigo Fonseca; SILVA, Fernando Costa da.Voluntariado nos Jogos Pan e Parapan-Americanos Rio 2007: Uma Análise do Setor de Relação e Serviço aos Comitês Olímpicos Nacionais e Comitês Paraolímpicos Nacionais. In: Legados de Megaeventos Esportivos. Editores: Lamartine DaCosta, Dirce Corrêa, Elaine Rizzuti, Bernardo Villano e Ana Miragaya. Brasília: Ministério do Esporte, 2008. Disponível em: http://www.listasconfef.org.br/arquivos/legados/Livro.Legados.de.Megaeventos.pdf Acesso em: 22/11/2013

 


Fontes de pesquisa


http://www.energiadobem.com.br/noticias_exibe.php?id=521


http://radioglobo.globoradio.globo.com/noticias-do-rio-de-janeiro/2013/11/09/SETENTA-MIL-VOLUNTARIOS-VAO-SER-RECRUTADOS-PARA-AS-OLIMPIADAS-DE-2016-NO-RIO.htm


http://pt.fifa.com/worldcup/organisation/volunteers/faq.html


http://esportes.terra.com.br/futebol/copa-das-confederacoes/primeira-voluntaria-da-copa-das-confederacoes-ouve-gracinha-de-marin,fc42e4210deae310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

 

COMENTE ESSE POST

O valor social do esporte e as Políticas Públicas: qual é o legado dos Megaeventos Esportivos?

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.lourenco@gestaoesporte.com

 

Além de promover os país ou a cidade sede dos grandes eventos esportivos, Com a candidatura do Brasil como país sede da Copa do Mundo de 2014 e da cidade do Rio de Janeiro como palco para os Jogos Olímpicos de 2016, intensificou-se o questionamento acerca da expressiva quantia de verba pública destinada para a realização destes eventos e sua real importância frente às necessidades da população.

O pesquisador Marco Bechara (2008) identifica o esporte como um fenômeno social, pertencente à cultura humana e no qual são projetados diversos valores da sociedade. Essa característica faz com que o esporte se torne um importante elemento quando se trata de promover o desenvolvimento e a qualidade de vida da população. Neste contexto, são criadas Políticas Públicas visando atender às necessidades e expectativas populacionais, na tentativa de obter benefícios com os grandes eventos esportivos, promovendo melhorias na infraestrutura para prática do esporte e nos aspectos urbanos e sociais.

 

Para o pesquisador Vittorio Lo Blanco (2010), mais importante do que os gestores públicos promoverem as cidades internacionalmente é alcançar avanços que irão além dos jogos e promoverão a qualidade de vida, principalmente para os setores menos privilegiados da população. Investimentos em mobilidade urbana, segurança, sustentabilidade e incentivo ao esporte como um elemento de não exclusão social e um aliado à educação, entre outros, são algumas ações que trariam como resultados legados relevantes para o país, considerando os impactos de se sediar eventos de tamanho porte.

 

Contudo, há uma distância entre as expectativas de quando as candidaturas para os eventos foram confirmadas no país e a realidade com que a organização se configura agora.  Atrasos nas obras, valores de orçamentos ultrapassados e ausência de ética nos quesitos sociais têm permeado as gestões responsáveis. Neste link, é possível ver uma matéria publicada no último dia 23 pelo Estadao.com.br, que apresenta um panorama das atividades preparatória para os Jogos Olímpicos no Rio e porque elas têm gerado tanto descontentamento.

 

Isso acontece porque há um maior investimento no esporte de rendimento, que propicia o capital e grandes investidores, em contrapartida ao esporte enquanto manifestação escolar e como prática de lazer, que visam trazer melhorias sociais. É o que aponta a pesquisa "O financiamento dos programas Federais de esporte e lazer no Brasil (2004 a 2008)", de Bárbara Schausteck e Wanderley Marchi, na qual foi feita um levantamento acerca dos investimentos públicos e políticas de incentivo durante quatro anos, ressaltando-se a ocorrência dos Jogos Pan Americanos de 2007. Veja o gráfico com o percentual de investimentos governamentais durante o período:

 

 
   

 

As Políticas Públicas relacionadas ao esporte podem originar benefícios em setores como economia, turismo, transporte, segurança, meio ambiente, desenvolvimento humano, instalações urbanas e esportivas . Esses aspectos, associados às outras áreas de conhecimento, elevam a qualidade de vida da população em diversos setores, além de fomentar a participação dos jovens nas práticas esportivas e diminuir a vulnerabilidade social. Consolidar os megaeventos com ações sociais efetivas é um desafio para os gestores esportivos atuais que desejam assegurar os avanços para além dos jogos.

 

Créditos das imagens de capa e do banner:

 

www.odebrechtonline.com.br

www.guararema.sp.gov.br

 

 

Referência Bibliográfica e sugestão de aprofundamento:

 

ALMEIDA, Bárbara Schausteck de ; MARCHI JÚNIOR, Wanderley .O financiamento dos programas federais de esporte e lazer no Brasil (2004 A 2008). Movimento (UFRGS. Impresso), v. 16, p. 53-71, 2010

 

BECHARA, Marco. Modelo M4 Para Gestão de Legados de Megaeventos Esportivos com Foco na Responsabilidade Social e Políticas Públicas. Legados de Megaeventos Esportivos Editores: Lamartine DaCosta, Dirce Corrêa, Elaine Rizzuti, Bernardo Villano e Ana Miragaya Brasília: Ministério do Esporte, 2008

 

LO BIANCO, Vittorio Leandro Oliveira. O legado dos megaeventos esportivos em questão: as mudanças ou as continuidades na cidade Rio de Janeiro pós-sede. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas,  Estratégias e Desenvolvimento do Instituto de Economia da UFRJ. 2010

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

O caminho dos eventos esportivos para a sustentabilidade

Por Luiza Lourenço
E-mail: luiza.xl@hotmail.com


A proximidade da realização da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016 no Brasil impulsionam discussões sobre temáticas essenciais para o gerenciamento desses grandes eventos esportivos. Um dos assuntos em destaque nos debates atuais refere-se à relação entre a sustentabilidade e o impacto ambiental envolvidos nessas megaproduções.


Lamartine DaCosta (2008) apresenta o conceito de sustentabilidade apoiado na diretriz estipulada pelo Comitê Olímpico Internacional como sendo "o desenvolvimento que atende as necessidades das gerações presentes sem prejudicar as gerações futuras". Contudo, é necessário ampliar os esforços para alcançar o êxito nesse objetivo, uma vez que a realidade tem se colocado a certa distância do idealizado pelo órgão oficial dos Jogos.


Na última semana, o presidente da Confederação Brasileira de Vela, Marco Aurélio Sá Ribeiro, rebateu as críticas do jornal americano "The Washington Post", que questionou as condições insalubres das águas da Baía de Guanabara, local de algumas das provas olímpicas no Rio de Janeiro. Segundo reportagem do globoesporte.com, tanto a publicação americana quanto velejadores, que utilizam a Baía como local de treino, apontaram a quantidade de lixo que interefere diretamente na qualidade da água e na saúde e desempenho dos atletas durante as competições.


Mesmo o presidente da CBVela amenizando as críticas, apontando programas de recuperação da Baía elaborados pelas autoridades públicas e tentando relativizar os possíveis riscos que correm os atletas, fica a preocupação com o ritmo com que as ações que envolvem a sustentabilidade vem sendo levado.

 

baía de guanabara  
Margens da Baía de Guanabara   


É importante ressaltar que os Jogos Olímpicos do Rio de 2016 estão situados no intervalo de tempo entre os Jogos de Londres de 2012 e os que acontecerão em Tókio, em 2020. A organização da cidade inglesa foi bem sucedida ao associar o conceito de sustentabilidade e meio ambiente ao evento, já a segunda, vem com a superação e eficiência para realizar um evento de tamanho porte se reerguendo de um desastre natural , que foram as tsunamis em Tókio. Cabe à gestão brasileira fazer presença como uma organização eficiente e capaz de associar os conhecimentos de meio ambiente e sustentabilidade com a produção de eventos desportivos.


A Gestão do Conhecimento se torna essencial para o surgimento de conceitos e estratégias inovadoras que podem alavancar os êxitos da organização dos megaeventos esportivos. Conhecendo os conceitos ambientais apropriados e associando-os a outras temáticas de importante valor, como avalição de impactos no ambiente e estruturação das cidades, consegue-se como êxito uma gestão que apresente níveis substanciais de sustentabilidade na realização de grandes eventos desportivos.


Créditos da foto:

Baía de Guanabara- paneladepressão.org.br
Banner - ceasars.com.br


Fonte reportagem:

http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2013/11/dirigente-contesta-jornal-engulo-agua-da-baia-de-guanabara-e-sou-saudavel.html


Referências Bibliográficas e sugestões para aprofundamento:

http://www.rio2016.org/sustentabilidade

DACOSTA, Lamartine; CORRÊA, Dirce; RIZZUTi, Elaine; VILLANO, Bernardo e MIRAGAYA, Ana. Legado de Megaeventos Esportivos. Brasília: Ministério do Esporte

 

COMENTE ESSE POST

Maturação sexual: quando o respeito pela individualidade biológica da criança pode promover o futuro no esporte

 

 

 

Por Luiza Lourenço

e-mail: luiza.xl@hotmail.com

 

A prática de esportes é um fator que pode contribuir positivamente para o desenvolvimento infantil e trazer resultados eficientes para o futuro atleta, considerando-se um planejamento em longo prazo. Para isso, o gestor esportivo deve estar atento às questões fisiológicas e psicológicas que envolvem  a participação de crianças e adolescentes em atividades físicas e competições esportivas.  

 

Um dos primeiros aspectos a ser abordado refere-se à Fisiologia Pediátrica. É interessante observar que nem sempre a idade cronológica (anos de vida) corresponde à idade maturacional (etapas de amadurecimento) em crianças e adolescentes. O estágio de maturação em que se encontram é definido por avaliação médica que utiliza como um dos métodos o desenvolvido pelo médico inglês J.M. Tanner. Em uma escala de 1 a 5, são avaliados órgãos genitais e pelos pubianos nos meninos e desenvolvimento mamário e pelos pubianos nas meninas, sendo 1 o estágio pré-púbere e 5 o estágio adulto.

 

 

Segue abaixo o modelo proposto por Tanner.

 

 
 

 

 

A partir dessas informações, o gestor esportivo  consegue identificar a real necessidade das crianças, indicando as modalidades esportivas adequadas, bem como a quantidade dos treinamentos e atividades. Conhecendo as características da estrutura fisiológica infantil, o profissional ainda é capaz de perceber a distinção nos desempenhos de crianças com a mesma idade cronológica, mas  com idades maturacionais diferentes, bem como as diferenças entre elas e um adulto, evitando cobrar delas os mesmo resultados de  um atleta profissional, já que seus corpos não estão preparados para níveis intensos de exercícios.

 

Essa pressão por resultados não influi apenas no desgaste físico das crianças e adolescentes, mas também no desgaste psicológico. Muitas vezes, pais, treinadores e dirigentes prejudicam a relação dos futuros atletas com o esporte, quando depositam neles suas vontades e a busca pela vitória se torna uma obsessão. Os pesquisadores portugueses Hugo Estanque e  Valter Pinheiro (2011) apontam que "o sucesso no desporto parece ser facilitado por uma saúde mental positiva, por auto percepções positivas e por melhores competências cognitivas e comportamentais".

 

Os autores acima citados apresentam fatores que podem contribuir para o desenvolvimento psicológico de maneira positiva  na relação entre as crianças e o Esporte. Entre eles se destaca a pós-competição. É necessário que o futuro atleta se sinta amparado para aprender com seus erros e suas conquistas, sem cobranças.  Assimilar suas vitórias e  lidar com  frustrações e dificuldades pode se tornar um aspecto interessante para a formação infantil.

 

Os altos níveis de cobrança dos pequenos atletas, que ainda não tem a capacidade de compreender e optar pela  competitividade, têm-se mostrado uma das principais causas de abandono das práticas esportivas por crianças e adolescentes. Associando os conhecimentos fisiológicos e psicológicos com outras áreas relacionadas à prática esportiva, o Gestor do Esporte está apto para transformar essa realidade e compreender as necessidades de uma criança, assegurando sua saúde mental e física.

 

Crédito das imagens do Banner e da tabela de avaliação de Tanner:


http://veja.abril.com.br/assets/pictures/45680/crianca-esporte-cansada-20110810-size-620.jpg?1312995439

http://jemaba.bligoo.es/las-tablas-de-tanner


Referências Bibliográficas e sugestões de aprofundamento:


CHIPKEVITCH, Eugenio. Avaliação clínica da maturação sexual na adolescência. Jornal de Pediatria, Sociedade Brasileira de Pediatria.2001


ESTANQUE, Hugo e PINHEIRO, Valter. Aspectos psicológicos no treino do jovem atleta. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires - Año 16 -Nº 156 - Mayo de 2011.

 

 

 

COMENTE ESSE POST

I Congresso Brasileiro de Práticas Pedagógicas em Educação Física

I Congresso Brasileiro de Práticas Pedagógicas em Educação Física - 20 a 22 de novembro de 2013


http://eventos.unicentro.br/cbppef2013/index.php

 

LOGO

COMENTE ESSE POST

O país dos Megaeventos Esportivos está preparado para capacitar os seus gestores?

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.xl@hotmail.com

 

A presença de dirigentes esportivos sem a capacitação profissional necessária para a ocupação de tal cargo pode comprometer o funcionamento da organização e afetar o desempenho de seus atletas e esportistas. Neste contexto, surgem cursos que tem como centro a Gestão do Esporte e, por ser um segmento ainda em consolidação, a reflexão acerca de como ocorre esse tipo de formação no Brasil faz-se necessária.

 

Para os pesquisadores Leandro Carlos Mazzei, Ketheryne Amaya e Flávia daCunha Bastos (2013), há uma dificuldade em delimitar ou conhecer a fundo o objeto de estudo, culminando na falta de uma matriz curricular para os cursos existentes no país que tratam desse conceito novo de gestão.

 

Os autores apontam 54 cursos relativos à área, sendo 43 destes ativos, e fazem uma análise dos conteúdos e disciplinas oferecidos. As nomenclaturas e sua quantidade se apresentam como Bacharelado em Gestão do Esporte (1), Tecnológico em organização e promoção de eventos sociais e desportivos (1), Tecnológico em gestão do Esporte (1), Tecnológico em gestão de empreendimentos esportivos (11) e Tecnológico em gestão desportiva e de lazer (29).

 

Dentre as disciplinas apresentadas, o curso de Bacharelado se volta para aspectos culturais e sociais (como Interação Cultural Humanística e Cultura e Cultura Corporal) e também para a gestão (oferecendo temas como Gestão de grupos de lazer e Gestão de projetos). Já nos cursos tecnológicos, há o enfoque em disciplinas relativas aos fundamentos da gestão. Os autores também apontam a escassa preocupação com temáticas como ética, comunicação e marketing, finanças ou economia e leis esportivas.

 

Embora exista uma tentativa de normatizar as diretrizes para a formação do gestor de Esporte através de uma Comissão, a Commission on Sport Management Accreditation (Cosma), a gama das disciplinas consideradas obrigatórias contempla algumas importantes áreas que se relacionam ao segmento esportivo, mas ignoram outras que são essenciais para o êxito e inovação das gestões atuais. Veja a tabela com as orientações da Cosma e a porcentagem de sua aplicação nos cursos existentes:

 

Quadro de cursos

 

Nota-se que temas como Geografia,Tecnologia, Turismo, Política, entre outros, poderiam estar inseridos nesse contexto e não aparecem. Na ótica da Gestão do Conhecimento, outro importante aspecto pouco explorado é o oferecimento de disciplinas relacionadas à área da Saúde. A relevância destas temáticas significa para o gestor compreender as necessidades do principal elemento para o Esporte: o atleta.

 

Saber associar conhecimentos sobre a fisiologia do corpo do atleta e suas necessidades, a disposição para treinamentos e competições e/ou nutrição pode auxiliar o gestor a obter soluções inovadoras para a organização, à medida que a condição saudável do atleta se torna um item imprescindível para obtenção do êxito nas atividades propostas.

 

As noções de desenvolvimento maturacional do atleta, compreendendo que uma criança não deve ser considerada um pequeno adulto, também são aspectos relevantes para um planejamento em longo prazo bem sucedido. É necessário respeitar as condições e os limites das crianças ao invés de contribuir com a intensa cobrança durante as competições infantis e de categoria de base, como ocorre em grande parte dos casos atualmente. A noção dessas e de outras áreas de conhecimento poderiam enriquecer a formação do gestor, ampliando sua capacitação profissional.

 

A fisiologia infantil é um importante aspecto a ser levado em consideração pelo gestor desportivo  

A fisiologia infantil é um importante aspecto a ser levado em conta 

pelo gestor desportivo.

 

 

A proposta da Gestão do Conhecimento aplicada na Gestão do Esporte implica na associação de diversas áreas de saberes relacionadas ao segmento esportivo, o que pode gerar novos conhecimentos a serem aplicados de maneira eficiente nas diversas situações ocorrentes.  E, por ser um conceito firmando seus alicerces no país, expandir os olhares e optar por melhorar a qualidade na formação do profissional é sempre oportuno.

 

 

Créditos das fotos da postagem e do banner:

Foto banner: http://www.targettrust.com.br/blog/curso-de-gestao-do-conhecimento-nas-organizacoes-em-porto-alegre/

Foto do texto: http://www.humanasaude.com.br/novo/materias/8/saiba-os-benef-cios-do-esporte-na-vida-da-crian-a_4705.html

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento:

MAZZEI, Leandro, AMAYA, Katherine e BASTOS, Flávia da Cunha. Programas acadêmicos de graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. V. 12, n 1, 2013, p. 219-234.

 

ROCHA, Cláudio Miranda da e BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão do Esporte: defininindo a área. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.25, p.91-103, dez. 2011 N. esp.

 

 

 

 

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Relação entre Psicologia e Esporte no Brasil

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 


Os fatores psicológicos influenciam sobremaneira na atuação dos atletas. Em vista disso, o acompanhamento de um profissional capacitado para oferecer assistência nessa área pode colaborar muito com a prática esportiva. Para que os esportistas consigam preservar um bom desempenho é imprescindível que recebam suporte da parte de uma equipe multidisciplinar. Devem fazer parte desse grupo de suporte, profissionais como: psicólogo, médico, fisioterapeuta, nutricionista, educador físico, dentre outros. A base fornecida pelo acompanhamento psicológico é de suma importância no treinamento dos competidores. A Psicologia do Esporte (PE) é uma ciência que tem o objetivo de lidar com fatores psíquicos que interferem no esporte. Ela estuda o comportamento de pessoas envolvidas no contexto esportivo e de exercício físico.


Fatores cognitivos, motivacionais e emocionais interferem fortemente na performance esportiva. Pouco adianta o atleta estar em boas condições físicas se ele não tem estabilidade psicológica para lidar com a pressão e tensão que permeiam as competições de alto nível. Além de treinar o corpo, é necessário preparar a mente. Assim, o trabalho do psicológico deve estar presente em períodos pré-competitivos, pós-competitivos e durante as competições; de forma a oferecer suporte integral tanto ao atleta quanto à equipe em geral. O profissional da área deve acompanhar o dia-a-dia dos treinos, bem como precisa saber sobre o cotidiano de cada competidor. Para que produza resultados satisfatórios, esse apoio deve envolver todas as áreas, tanto em modalidades individuais quanto coletivas.


Conforme afirmam Cristianne Carvalho e Ana Jacó-Vilela, muitos autores apontam como marco inicial da Psicologia de Esporte no Brasil a participação de João Carvalhaes como psicólogo da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo de 1958. Tal fato teve grande repercussão nacional. O Brasil ganhava o primeiro título mundial. Porém, os pesquisadores argumentam, a partir de pesquisas em documentos anteriores a esse período, que existem outras pessoas, fatos e informações significativos sobre o começo da relação da Psicologia com o Esporte no Brasil.

 

João Carvalhaes
João Carvalhaes: pioneiro da Psicologia do Esporte no Brasil. Crédito da foto: http://www.soujornalista.com/barbaraneves.html

 

De acordo em essa perspectiva de estudo, a participação de JC no futebol foi marcante na época, não só para a mídia como para o cenário esportivo, mas não foi uma atuação isolada, pois há relatos de ações semelhantes a essas em outros lugares no Brasil. Com base em análises dos periódicos da Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx) e da Escola Nacional de Educação Física e Desportos (ENEFD) da Universidade do Brasil (atual Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ) datados de 1932 e 1945, os autores perceberam que "o discurso sobre a importância da atuação do psicólogo junto ás equipes desportivas já aparecia com clareza nos anos 1950, mas começou a ser construída nos anos 1930."


Dessa forma, a história da Psicologia do Esporte não se inicia com a participação de João Carvalhaes na Seleção Brasileira, mas é a partir dela que a ciência começa a ganhar expressão nacional. Assim, esse psicólogo é considerado pioneiro da PE no Brasil. Durante toda sua vida ele esteve voltado para essa área. João Carvalhaes selecionava e dava suporte aos jogadores, árbitros e juízes em diversas modalidades de esporte.

 

 

 

Crédito da foto de capa e do banner: http://psicologiadoesporte.verenafreire.com/2006_09_01_archive.html

 

 

Referência bibliográfica

 

CARVALHO, Cristiane Almeida; JACÓ-VILELA, Ana Maria. Psicologia do esporte no Brasil em dois tempos: uma história contada e uma história a ser contada. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/206.%20psicologia%20do%20esporte%20no%

20brasil%20em%20dois%20tempos.pdf Acesso em: 21/11/2013

 

 

Fontes de pesquisa


http://www.lifepsicologia.com.br/lifepsicologia/psicologia_esporte/


http://rugbydecalcinha.com.br/2013/07/11/psicologia-do-esporte-qual-a-importancia-de-treinar-a-mente/


http://www.conexaociencia.jex.com.br/noticias/a+importancia+do+psicologo+na+preparacao+de+um+atleta

 

COMENTE ESSE POST

V Congresso Internacional de Pedagogia do Esporte

V Congresso Internacional de Pedagogia do Esporte - 20 a 22 de novembro de 2013


http://www.mmssolution.com/def/cipe2013/hotsite/

 

 

COMENTE ESSE POST

Marketing de Emboscada gera efeitos negativos para megaeventos do esporte

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

 

O patrocínio é uma das ações de maior visibilidade dentro da área do marketing esportivo. Uma das formas de sua aplicação é a provisão de recursos por uma organização para o suporte de um evento, associando diretamente a imagem da empresa ao mesmo. Nesta relação, ocorre o estabelecimento da troca de benefícios, uma vez que as empresas buscam visibilidade para seus produtos e o reforço de sua marca, e o esporte necessita do capital para viabilizar a organização das competições de alto nível.


Dessa forma, o patrocínio constitui uma das mais relevantes fontes de receita para a realização dos megaeventos esportivos. O interesse de muitas empresas em investirem nessa área se deve aos valores positivos associados à prática esportiva e à visibilidade proporcionada pelas competições. Geralmente, o esporte é interligado a conceitos como saúde, bem-estar, qualidade de vida, entretenimento e lazer. Além disso, ele desperta paixão e emoção por parte do público. Por essas e outras razões, a publicidade promovida por meio das atividades desportivas pode enriquecer a imagem das empresas que buscam estabelecerem estratégias de reforço de sua marca.


Entretanto, o investimento no setor esportivo deve ser feito de forma cuidadosa e profissional. É necessário que as empresas empreguem técnicas eficazes para mesurarem o retorno do patrocínio, evitando, assim, o risco de perderem o capital aplicado. O retorno obtido por instituições privadas que se utilizam desse tipo de divulgação pode ser minimizado, por exemplo, devido ao Marketing de Emboscada feita por empresas concorrentes.


O Marketing de Emboscada ou Ambush Marketing ocorre quando empresas que não fazem parte dos patrocinadores principais se aproveitam de brechas nos eventos para fixarem sua marca junto ao consumidor. Para alcançarem tal objetivo, essas empresas utilizam termos e símbolos ligados a eventos esportivos, como os Jogos Olímpicos, por exemplo, sem terem comprado os direitos de utilização. Assim, o objetivo dessas instituições é fazer o público acreditar que possuem alguma relação com o evento, aumentando sua popularidade, sem qualquer estabelecimento de contrato. Com isso, elas podem confundir o consumidor acerca de quem é o patrocinador oficial.


Conforme descreve o pesquisador Leonardo Andreotti (2013), o Marketing de Emboscada pode ser feito de forma direta ou indireta. "A associação direta se caracteriza pelo uso indevido e não autorizado de sinais identificadores do evento, tais como o logo, o nome, os símbolos as imagens ou qualquer outro elemento capaz de identificá-lo e diferenciá-lo." Já a associação indireta "visa confundir o público, pois, a despeito da não utilização das propriedades econômicas pertencentes aos organizadores dos eventos esportivos, a similitude das campanhas publicitárias com as características dos eventos levam a uma inexorável associação entre eles por parte do público, destinatário das campanhas publicitárias."


O autor destaca ainda que a segunda forma de associação citada acima "não encontra óbice legal, ao menos na maioria dos ordenamentos jurídicos nacionais", mas a primeira "pode ser combatida mais facilmente, através de mecanismos constantes da legislação referente à propriedade intelectual." Assim, compete aos governos dos países sede dos megaeventos esportivos reforçar a proteção aos patrocinadores oficiais, garantindo, dessa forma, a própria viabilidade econômica dessas "festividades" desportivas. Tal exigência é feita por parte dos organizadores e titulares dos eventos esportivos.

 

Como ressalta Bárbara Schausteck de Almeida (2011) e sua equipe, "um dia antes da escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos de 2016, foi aprovado o Ato Olímpico (lei nº 12.035/2009) com algumas regulamentações em caso de escolha da cidade, como se confirmou. Quanto aos símbolos, o ato traz que as autoridades deveriam controlar, fiscalizar e repreender o uso não autorizado das seguintes expressões: "Jogos Olímpicos", "Jogos Paraolímpicos", "Jogos Olímpicos Rio 2016", "Jogos Paraolímpicos Rio 2016", "XXXI Jogos Olímpicos", "Rio 2016", "Rio Olimpíadas", "Rio Olimpíadas 2016", "Rio Paraolimpíadas", "Rio Paraolimpíadas 2016". Variações e abreviações que viessem a ser criadas também deveriam ser protegidas, assim como mascotes, marcas, tochas e outros símbolos dos Jogos de 2016."

 

Fazendo referência ao Ato Olímpico em questão, Leonardo Andreotti (2013), esclarece que "a Lei atribui às autoridades federais, a atuação no controle, fiscalização e repressão de quaisquer práticas tendentes a prejudicar os organizadores dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, principalmente com relação ao uso indevido dos símbolos relacionados aos Jogos, de acordo com um rol, não taxativo, de possíveis variações e combinações de propriedades olímpicas."


A suspeita de um caso de Marketing de Emboscada gerou polêmica na abertura Copa das Confederações, realizada no Brasil em junho deste ano. A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, apareceu com uma camisa da seleção brasileira de vôlei justamente atrás da presidente da República. Em meio a vários políticos trajados com roupas sociais, Gleisi vestia uma vistosa camisa amarela que, naturalmente, trazia a marca do Banco do Brasil, patrocinador do time de vôlei brasileiro.


O posicionamento da ministra na arquibancada fazia com que a marca do BB fosse estampada com clareza na transmissão da TV quando Dilma fosse filmada. Como o Itaú é quem patrocina a Copa do Mundo, o banco concorrente não poderia ter essa exposição.

 

 

Ministra da Casa Civil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, exibe camiseta com logomarca do Banco do Brasil. Foto: Evaristo Sá - Agência AFP

 

 

Outro caso de Marketing de Emboscada aconteceu durante a realização da Copa do Mundo na África do Sul, em 2010. A marca de cerveja Bavária tentou fazer uso de uma "jogada" estratégica, mas não obteve sucesso. Na ocasião, um grupo de 36 jovens usando minissaias de cor laranja foi detido por algumas horas no Soccer City de Johannesburgo durante o jogo Holanda X Dinamarca por usar uma roupa alusiva à cerveja holandesa, uma marca que não estava patrocinando a Copa do Mundo. A cerveja Budweiser era a patrocinadora oficial do Mundial e, portanto, a única que podia ser divulgada nos estádios em que o torneio foi disputado.

 

Marketing de Emboscada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tentativa de Marketing de Emboscada na Copa do Mundo da África do Sul. Crédito da foto: http://emporio.art.br/wordpress/?p=963

 

 

De fato, a questão da Emboscada de Marketing, empregada por muitas empresas em eventos esportivos, pode ser prejudicial ao esporte em geral, já que a receita proveniente dos patrocínios é um dos fatores responsáveis pelo sucesso na realização do evento. Por isso, ela deve ser efetivamente combatida, bem como precisa ser alvo de debates por parte do setor jurídico e acadêmico, uma vez que não se tem uma legislação consolidada sobre essa temática.

 

 

 

 

 

Crédito da foto de capa e do banner: http://emporio.art.br/wordpress/?p=963

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

Arte do esporte. LIMA, Bruno Vinicius de; SCHMIDT, José Ricardo Bormio; VENDRAME, Francisco César; SARRACENI, Jovira Maria; VENDRAME, Máris de Cássia Ribeiro. São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.unisalesiano.edu.br/encontro2009/trabalho/aceitos/CC38322436823.pdf


O Marketing de Emboscada nos Eventos Olímpicos - Rio 2016. ANDREOTTI, Leonardo. Revista de Derecho Del Deporte. IJ-LXIX-31, 2013. Disponível em: http://www.ijeditores.com.ar/articulos.php?idarticulo=66031&print=2


ALMEIDA, Barbara de; VLASTUIN, Juliana; MARCHI JUNIOR, Wanderley. Proteção à marca versus liberdade de expressão? Discursos emergentes a partir dos megaeventos esportivos no Brasil. In: Revista Esporte e Sociedade ano 6, n.18, setembro, 2011. Disponível em: http://www.uff.br/esportesociedade/pdf/es1801.pdf

 

 

Fontes de pesquisa


http://promoview.com.br/mundo/211883-londres-vai-combater-o-marketing-de-emboscada/


http://www.bmalaw.com.br/nova_internet/arquivos/bma_review_36_port_.pdf


http://emporio.art.br/wordpress/?p=963


http://negociosdoesporte.blogosfera.uol.com.br/2013/06/17/o-mico-do-bb-na-estreia-das-confederacoes/


http://promoview.com.br/promosports/300003-banco-do-brasil-faz-primeira-emboscada-da-copa/

 

 

COMENTE ESSE POST

Estudos científicos podem auxiliar na prevenção do abandono de carreira por parte de jovens atletas

Por: Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

 

Alcançar sucesso no esporte de elite requer um caminho árduo, cheio de abnegações e sacrifícios. Para conseguirem alcançar reconhecimento, os esportistas precisam focar na carreira profissional. Geralmente, esses atletas iniciam a prática desportista enquanto são ainda crianças. Muitos deles são identificados por técnicos experientes que buscam encontrar futuros prodígios do esporte já na fase infantil. No entanto, para que os pequenos talentos cheguem às altas competições, os profissionais envolvidos no processo de desenvolvimento dos potenciais esportistas de elite têm de tomarem alguns cuidados básicos na forma como conduzem a preparação desses atletas.


O período de transição para a fase adulta é um dos momentos mais delicados no que se refere à consolidação da carreira dos esportistas. Nesta etapa, é bastante comum os atletas abandonarem a modalidade esportiva à qual se dedicavam desde crianças. Este é um período de grande instabilidade física, emocional e social para os jovens. É o momento em que começam a pesar sobre eles responsabilidades como: vestibular, recursos financeiros, namoro, dentre outras. Além disso, essa transição da categoria juvenil para a adulta implica em maior pressão sobre os atletas que começam a serem inseridos nas competições de alto nível.


Soma-se a todas essas dificuldades, a pressão exercida pelos pais que muitas vezes projetam os filhos como heróis, a cobrança por parte dos técnicos, a falta de tempo para a socialização e o medo de falhar. Estes são ingredientes que podem ocasionar o cansaço físico e psicológico que leva atletas a abandonarem o esporte no início da fase adulta. Assim, uma série de fatores deve ser considerados para que o índice de desistência por parte de jovens atletas diminua. Os gestores de carreira devem estar atentos às necessidades particulares de cada esportista. Outro ponto que deve ser trabalhado é o apoio dos pais, o auxílio deles é essencial para que os jovens tenham motivação para seguirem em frente.


As pesquisas científicas também cumprem um importante papel neste cenário, pois eles podem contribuir com o mapeamento das principais causas do abandono do esporte por jovens atletas. A necessidade de ocorrer um incremento neste tipo de estudo reside no fato de não ser possível traçar uma lista geral de causas, posto que as condições sócioculturais influenciam no resultado obtido. Ou seja, os motivos para o abandono variam de acordo com o contexto social no qual o esporte é praticado. A identificação dos fatores que levam os atletas a desistirem da carreira é de suma importância para que os gestores possam aplicar estratégias que visem à prevenção desse tipo de atitude por parte dos esportistas. Nota-se, neste ponto, a importância de se conciliar os estudos científicos à prática da gestão no esporte.


Os pesquisadores Maurício Gattás Bara Filho e Félix Guillén Garcia (2008) fizeram um estudo com o objetivo de avaliar os motivos de abandono do esporte em jovens com idades compreendidas entre 10 e 20 anos. A amostra foi composta por 332 jovens que haviam abandonado seus respectivos esportes (futebol, basquete, natação, ginástica artística e handebol). Foi aplicado aos ex-atletas um questionário aberto sobre os motivos do abandono da prática esportiva.


Concluiu-se, a partir dos questionários, que os principais motivos gerais do abandono foram: estudos (34% dos atletas), falta de tempo para amigos/namoro/lazer (17%), outros interesses fora do esporte (16%). Para os ex-atletas de modalidades individuais os motivos mais significativos foram: monotonia dos treinos, desmotivação, esgotamento; já os ex-atletas de modalidades coletivas citaram, principalmente, lesões/problemas de saúde e falta de companheirismo. De acordo com os pesquisadores, "observou-se uma multiplicidade de motivos do abandono do esporte, denotando a importância de conhecê-los para se desenvolver estratégias."


Priscila Garcia Marques da Rocha e Edivando Souza dos Santos (2013) realizaram um estudo com o objetivo de investigar os motivos do abandono de talentos e identificar a orientação para a prática esportiva de atletas na transição da categoria juvenil para a de adulto no atletismo.


De acordo com os autores, "no que se refere aos motivos para abandonar a modalidade esportiva na transição da categoria juvenil para a categoria adulto, todos os ex-atletas homens afirmaram que a falta de infraestrutura para o desenvolvimento do atletismo, a falta de assistência governamental para promover melhores condições de dedicar-se ao esporte e a falta de patrocínio foram as causas da desmotivação para continuar a carreira esportiva, uma vez que as obrigações sociais decorrentes do ingresso na idade adulta não permitiam mais o total comprometimento com a modalidade."


Os pesquisadores acrescentem ainda que "os motivos do abandono da modalidade pelas ex-atletas compreendem a lesão, a desvalorização do atletismo e a incompetência física e/ou técnica."


Larissa Barata pode ser citada como exemplo de atleta que não suportou a pressão ocasionada pelo esporte de elite. A ex-atleta, hexacampeã brasileira, hoje com 26 anos, está longe das competições de ginástica rítmica. Ela decidiu abandonar as competições em 2005, aos 18 anos, depois de ir às Olimpíadas de Atenas, um ano antes. Na época, a atleta alegou para Cristina, então técnica da seleção brasileira, que sentia muita dor na coluna e queria vivenciar outras coisas. "Foi o conjunto, a parte física, já que eu não estava aguentando naquela época treinar, e a questão de sair com os amigos, fazer coisas diferentes", afirmou Larissa em entrevista fornecida ao SportTV.

 

Larissa Barata

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Larissa Barata abandonou a carreira de ginasta aos 18 anos (Foto: Reprodução / SporTV)

 

Larissa Barata

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Larissa conquistou seis títulos consecutivos do Brasileiro (Foto: Reprodução / SporTV)

 

 

Para ter acesso à matéria produzida pelo SporTV sobre Larissa Barata, clique aqui. No link, você também encontra o vídeo de uma edição do SportTV Repórter que conta a história de atletas que trocaram a juventude por uma carreira e de outros que abandonaram a prática esportiva de elite.

 

 

 

 

 

Crédito da foto de capa e do banner: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/12516/juvenil-vence-a-primeira-no-estadual-de-basquete

 

 

 

Referências bibliográficas

 

BARA FILHO, Maurício Gattás; GUILLÉN GARCIA, Félix. Motivos do abandono no esporte competitivo: um estudo retrospectivo. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.22, n.4, p.293-300, out./dez. 2008. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Motivos+do+abandono+no+esporte+competitivo%3A+um+estudo+retrospectivo&oq=Motivos+do

+abandono+no+esporte+competitivo%3A+um+

estudo+retrospectivo&aqs=chrome..69i57.615j0j7&sourceid=chrome&espv=210&es_sm=93&ie=UTF-8 Acesso em: 19/11/2013

 

ROCHA, Priscila Garcia Marques, SANTOS, Edivando Souza dos. O abandono da modalidade esportiva na transição da categoria juvenil para adulto: estudo com talentos do atletismo. In: R. da Educação Física/UEM Maringá, v. 21, n. 1, p. 69-77, 1. trim. 2010. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/6912/5708 Acesso em: 19/11/2013

 

COMENTE ESSE POST

O papel do esporte na formação das crianças

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

 

A introdução do esporte na vida das crianças pode contribuir com a formação física, psíquica e social delas. A prática desportiva influencia no desenvolvimento motor e promove a sociabilidade na fase infantil; mas é importante ressaltar que as atividades devem ser utilizadas como ferramenta essencialmente educativa. A iniciação esportiva deve ser feita de maneira responsável e equilibrada.


Este período introdutório designa o tempo em que a criança começa a aprender de forma específica e planejada a prática esportiva. Os profissionais que acompanham as crianças nesta fase devem ser bastante cuidadosos, pois falhas nesta etapa podem afastar os jovens do universo esportivo. O treinamento inadequado gera conseqüências físicas e psicológicas.


Como sugerem os pesquisadores Adamilton Mendes Ramos e Ricardo Lira Rezende Neves, para crianças entre os dois e 12 anos, o esporte deve ser empregado de maneira lúdica e recreativa, não se deve focar na competitividade. É preciso respeitar as características das crianças para que elas não sejam transformadas em mini-adultos. O esporte coletivo deve atrair o universo infantil muito mais pelo prazer da atividade. Quando empregada adequadamente, a atividade esportiva contribuir com a formação do ser humano em diversas dimensões.


Fazendo referência a Almeida (2005), os autores mencionados acima apontam três fases da iniciação esportiva. Entre oito e nove anos o objetivo do treinamento é a aquisição de habilidades motoras e destrezas específicas, alcançadas através de movimentos básicos e de jogos pré-desportivos. Nesta fase, a criança ainda não está apta para o esporte coletivo. Já a etapa entre os 10 e 11 anos de idade é denominada fase do aperfeiçoamento desportivo, nela a criança já experimenta ações baseadas na cooperação e colaboração. Neste caso, o jogo adquire caráter sócio-desportivo. Essa etapa é o período de introdução dos elementos técnicos, táticas e regras através de jogos educativos.


Na terceira e última fase, denominada introdução ao treinamento, a crianças entre 12 e 13 anos conquista significativo desenvolvimento de sua capacidade intelectual e física. Assim, o objetivo desta etapa é o aperfeiçoamento das técnicas individuais, sistemas táticos e aquisição das qualidades físicas necessárias para a prática desportiva.


Constata-se que na iniciação primária, que ocorre entre os dois e 12 anos, o foco principal é a formação e preparação do organismo, além do desenvolvimento das qualidades físicas básicas e contato com fundamentos das diversas modalidades. Ou seja, neste período não é recomendado o estímulo à especialização. Pelo contrário, as crianças desta faixa etária devem ter acesso a diversos tipos de atividades que estimulem diferentes aptidões, como coordenação motora, sociabilidade e conhecimento do próprio corpo.


Neste ponto, convém apresentarmos a seguinte observação: apesar de termos citado Almeida (2005), para nós do GestaoEsporte.com o importante é observar a idade maturacional da criança e não apenas a idade cronológica. Em breve iremos postar uma matéria na qual abordaremos essa questão.
Destacamos que a especialização esportiva precoce, realizada através da proposição de atividades esportivas competitivas, pode comprometer o desenvolvimento infantil. Neste sentido, a cobrança pelo máximo desempenho esportivo nas primeiras fases de iniciação à prática desportiva pode acarretar conseqüências danosas à vida das crianças. Para tornar o conceito mais claro, pontuamos que a especialização precoce ocorre quando as crianças tornam-se especializadas em um determinado esporte em uma idade inapropriada.


Tal ausência de atividades motoras pode levar ao abandono prematuro da prática desportiva. Ela pode ocasionar o esgotamento da capacidade de rendimento e acarretar barreiras no desenvolvimento. Ao inserir cargas de treinos muito intensos, que promovem rápidos incrementos da prestação desportiva nas fases iniciais, a especialização precoce pode gerar problemas como: formação escolar deficiente, unilateralização de um desenvolvimento que deveria ser plural, estresse de competição e saturação esportiva, dentre outros; como apontam os autores citados acima fazendo referência a Kunz (1994) e Santana (2005).


Os pesquisadores Crésio Alves e Renato Villas Boas Lima, destacam que a atividade física realizada de forma imprópria, em desacordo com a idade, com o desenvolvimento motor e com o estado de saúde, apresenta riscos de lesões como: trauma, fratura e disfunção menstrual. Eles ainda acrescentam que "crianças pré-púberes submetidas à atividade física intensa podem retardar o início da puberdade." Deve-se enfatizar que o treinamento físico oferecido a crianças não pode ser estruturado com base em modelos centrados no êxito e na seletividade, como àqueles utilizados para adultos. A iniciação esportiva deve ser feita de maneira criteriosa para que as crianças sejam beneficiadas e se interessem efetivamente pela prática do esporte.

 

 

 

Crédito da foto de capa e do banner: Fernanda Paradizo/ Webrun

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

RAMOS, Adamilton Mendes; NEVES, Ricardo Lira Rezende. A iniciação esportiva e a especialização precoce à luz da teoria da complexidade - notas introdutórias. In: Revista PENSAR A PRÁTICA11/1: 1-8, jan./jul. 2008. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fef/article/view/1786 Acesso em: 18/11/2013

 

ALVES, Crésio; LIMA, Renato Villas Boas. Impacto da atividade física e esportes sobre o crescimento e puberdade de crianças e adolescentes. In: Rev Paul Pediatr 2008;26(4):383-91. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v26n4/a13v26n4.pdf Acesso em: 18/11/2013

 

VIEIRA, Leonar Fiorese. Os efeitos do treinamento precoce em crianças e adolescentes. Revista da Fundação de Esporte eTurismo1(2):23-31,1989. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Os+efeitos+do+treinamento+precoce+em+crian%C3%A7as+e+adolescentes&oq=Os+efeitos+do+treinamento+precoce+em+crian%C3%A7as+e+adolescentes&aqs=chrome..69i57.664j0j7&sourceid=chrome&espv=210&es_sm=93&ie=UTF-8 Acesso em: 18/11/2013

 

COMENTE ESSE POST

O papel do gestor das redes de conhecimentos na Gestão do Esporte

 

Por Luiza Lourenço

E-mail: luiza.xl@hotmail.com

 

 

Atualmente, o fluxo de informações gerado pelas interações de grupos ou organizações sociais se tornou um elemento em destaque quando o assunto é a promoção do conhecimento. Interligados, os membros de cada rede de saber podem ter acesso ao conteúdo de outras e, assim, a partir do somatório das informações com suas vivências e aprendizados,  conseguir formar novos conhecimentos.

 

Nossa companheira de trabalho, a jornalista Leidiane Vieira,  nos indica a relevância de se ter um profissional regendo essas redes ,de maneira que  as informações sejam assimiladas, compreendidas e utilizadas na prática, dentro da proposta da Gestão do Conhecimento, clique aqui.  

 

A geração de novos saberes está diretamente ligada à interação entre os grupos de áreas específicas e suas correlações. No esporte, o gestor deve estar atento às interações entre os segmentos que compõem a organização e garantir que o conteúdo gerado seja de relevância  e possa ser aplicado de maneira eficiente em diversas situações ocorrentes. Para Adroaldo Rosseti (2008) e sua equipe, "a eficácia do conhecimento depende da sua contextualização, categorização, armazenamento, uso e disseminação, correção, compilação e reutilização."

 

Medicina, psicologia, turismo, sociologia, política, entre outras, são algumas das áreas de conhecimento abordadas aqui no GestãoEsporte.com que se tornam intrínsecas ao segmento esportivo e sobre as quais o gestor  deve estar voltado ao traçar suas iniciativas ou soluções. Apoiados em Mintzberg (1975), S. C. Garcia Santos (2010) e um grupo de pesquisadores ressaltam que "decorrente da autoridade formal de que são investidos os gestores, deriva uma posição organizacional que o leva a várias relações interpessoais de acesso à informação, o que o capacita a tomar decisões e a formular estratégias para o desempenho de sua função."

 

Sendo assim, o profissional precisa estar ciente de seu papel quanto à gerência das informações, das trocas interpessoais e das decisões,  mantendo o caráter horizontal dos vínculos entre os membros da organização e criando um espaço propício para a inovação nas ações.  No vídeo abaixo, pode-se observar algumas características que, se respeitadas e associadas, pode impulsionar o êxito em diversos âmbitos no treinamento desportivo, principalmente se for planejamento em longo prazo.

 

 

Caros leitores, a partir dessas e de outras considerações, levantamos neste portal a reflexão sobre o quanto a capacidade de inovação, criação e Gestão de Conhecimento é e pode ser explorada no segmento esportivo.  Dê-nos a sua contribuição!

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

ROSSETI, Adroaldo, PACHECO, Ana Paula Reusing; SALLES, Bertholo; GARCIA, Marcos; SANTOS, Neri. A organização baseada no conhecimento: novas estruturas, estratégias e redes de relacionamento. In: Ci. Inf., Brasília, v. 37, n. 1, p. 61-72, jan./abr. 2008. 

 

S.C. Garcia-Santos, L.S. Almeida, B.S.G. Werlang, A.L.M. Veloso. Processamento da informação em gestores de alto desempenho. Motricidade, vol. 6, núm. 1, 2010, pp. 85-102, Fundação Técnica e Científica do Desporto Portugal 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Esporte e Turismo: o potencial simbólico dos Megaeventos Esportivos

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

 

A prática esportiva sempre esteve atrelada ao Turismo. São inúmeras as formas de intercâmbio entre estas áreas. Os esportes radicais, por exemplo, levam os esportistas a viajarem para lugares que ofereçam condições ideais pra que possam praticar determinadas atividades desportivas. Muitas cidades se tornam foco de passeios turísticos devido a possibilidades que oferecem para práticas esportivas. Até mesmo os campeonatos de futebol de cidades interioranas do Brasil são um estímulo ao Turismo, já que, geralmente, os atletas amadores disputam partidas em outras cidades. Mas, a relação entre esporte e turismo pode ganhar dimensões muito maiores quando nos referimos aos Megaeventos Esportivos.


O pesquisador Reginaldo Aparecido Carneiro, fazendo referência a Andrade (1999), descreve que "o próprio turismo, segundo o sentido atual do termo, teve seus princípios comprovados como turismo desportivo, na Grécia Antiga, no ano 776 a.C., com a realização dos primeiros Jogos Olímpicos." Sem dúvidas, as grandes competições esportivas apresentam potencial ímpar para atrair pessoas provenientes de outras regiões ou países. Nesta perspectiva, os eventos esportivos podem estimular o interesse de estrangeiros por localidades antes desconhecidas por eles. Estas questões estão relacionadas não apenas a fatores econômicos, como também simbólicos.

 

Globalização

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Logicamente, os preparativos de uma cidade ou país para recebimento de uma grande competição esportiva incluem os cuidados em relação à infra-estrutura urbana que deve oferecer condições para acomodação, deslocamento e alimentação aos turistas, dentre outros serviços relacionados ao setor turístico. Reginaldo Carneiro (2000), citando Beni (1998), aponta que "a demanda em turismo é um composto de bens e serviços, e não demanda de simples elementos ou de serviços específicos isoladamente considerados: em suma, são demandados bens e serviços que se complementam entre si." O autor ainda acrescenta que "o gerenciamento de serviços praticado pelas empresas torna-se de fundamental importância como fator contribuinte ao bom desempenho para captação de eventos em uma cidade qualquer."


Este planejamento por parte das cidades ou países que irão sediar megaeventos esportivos não se limita a questões relacionadas à estrutura física, ele também deve incluir as áreas da comunicação, como Publicidade, Marketing e Relações Públicas. Como argumenta Reginaldo Carneiro (2000), "o produto turístico é o conjunto de bens e serviços que envolvem a informação do turista acerca do local a ser visitado."


É indispensável que o turista tenha acesso às informações de seu interesse sobre a nação que visita. Para maior aproveitamento das oportunidades oferecidas em decorrência destes eventos, é recomendável ainda que as informações oferecidas apresentem cunho estratégico, uma vez que elas podem constituir o principal meio a partir do qual a imagem do país será construída no imaginário dos turistas estrangeiros. Os dados fornecidos aos visitantes devem fornecer a imagem positiva que o país pretende deixar em evidência.


De acordo com Katia Rubio (2007), um dos objetivos da Alemanha ao sediar a Copa do Mundo da FIFA em 2006 era de repor o estereótipo de que os alemães eram conformistas, rígidos com o horário, sérios. Os organizadores, governos e a Central Alemã para o Turismo lançaram um conceito de hospitalidade em nome do governo alemão. De acordo com a pesquisadora, "a campanha certamente serviu para melhorar a imagem da Alemanha. De fato, a imagem da Alemanha como um país aberto ao mundo e hospitaleiro mudou como resultado da Copa do Mundo." A autora destaca, desta forma, que "Megaeventos esportivos têm um significado e forma simbólicos tremendos, reposição ou solidificação da imagem da cidade, região e país."

 

Copa de 2006 da Alemanha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Neste sentido, os Megaeventos Esportivos representam uma oportunidade de intercâmbio cultural incomparável. Por meio deles, as nações podem reforçar determinadas projeções imaginárias interligadas a eles, bem como, podem provocar a desconstrução de outras. Fazendo referência a Hohher (1999), Reginaldo Carneiro (2000) enfatiza: "organizar ou sediar eventos tem se tornado uma forma dos países promoverem a sua imagem, de se apresentarem ao mundo e de gerarem lucros para a cidade ou região anfitriã."


Estas questões estão interligadas a identidade que o país visa preservar perante o mundo. Tal imagem deve ser pensada estrategicamente, visto que ela certamente influencia na disposição do estrangeiro em visitar determinada localidade. Basta refletirmos um pouco sobre o grande potencial econômico relacionado ao turismo, para constatarmos a relevância em investir no crescimento desta área. Constata-se que os Megaeventos Esportivos constituem uma oportunidade praticamente inigualável de desenvolvimento do setor.

 

Rio 2016                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Será que o Brasil estará preparado para aproveitar a grande oportunidade que será oferecida pela Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016? Seremos capazes de projetar uma identidade positiva de nosso país que impulsione o setor turístico ou reforçaremos os estereótipos que constituem nossa imagem perante o mundo? Qual é a sua opinião com relação a esse assunto, caro leitor (a)?

 

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

 

CARNEIRO, Reginaldo Aparecido. Identificação dos comportamentos do turista de eventos esportivos a partir de uma análise dos critérios para avaliação dos serviços turísticos na cidade de Maringá. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2000. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/78954/178602.pdf?sequence=1

 


RUBIO, Katia. As muitas dimensões do legado de Megaeventos Esportivos. A dimensão multifacetada do legado: do acadêmico ao social. In: Megaeventos esportivos, legado e responsabilidade social. RUBIO Katia (Org.). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

 

COMENTE ESSE POST

Sports Policy factors Leading to International Sporting Success (SPLISS)

Sports Policy factors Leading to International Sporting Success (SPLISS) Conference - 13 a 14 de novembro de 2013


http://www.elitesportconference.com/

 

https://www.youtube.com/watch?v=rAigsEtk5BA

 

logo

COMENTE ESSE POST

Portal GestaoEsporte.com: um espaço de debate multidisciplinar sobre o esporte

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Temos orgulho de informar que nesta semana o portal GestaoEsporte.com completa um mês de existência e a nossa página no facebook, o Fórum de Gestão Esporte, atingiu o patamar de 6 mil seguidores. Em comemoração a estas conquistas, apresentamos uma recapitulação das matérias produzidas até agora. A proposta do espaço virtual aqui composto é estabelecer um ambiente interdisciplinar de debate sobre o esporte. Nossa meta é apresentar reflexões sobre esta atividade em suas mais variadas implicações. Procuramos realizar esta faceta por meio de um trabalho embasado pela Gestão do Conhecimento como ferramenta para a Gestão do Esporte.

 

Logotipo do Fórum

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Neste espaço, diversas áreas do saber irão dialogar para que possamos construir novas perspectivas de olhar sobre a prática desportiva. Queremos estabelecer uma troca horizontal de conhecimentos, por meio da constituição das redes de conexão entre profissionais que agregam diferentes saberes. Assim, nossas matérias apresentam aspectos relacionados ao esporte a partir dos mais variados ângulos.


Em nosso primeiro texto, intitulado: "O esporte para além do óbvio", apresentamos os principais objetivos de nosso portal. Enfatizamos que temos a meta de promover um espaço de intercâmbio dos conhecimentos sobre o esporte em inúmeras áreas de afetação. Para isso, buscamos estabelecer um ambiente propício ao alargamento das questões relacionadas à prática desportiva; uma vez que o esporte envolve inúmeras áreas do conhecimento humano, tais como: Medicina, Psicologia, Economia, Educação Física, Sociologia, Direito; dentre muitas outras.


Na segunda matéria postada, abordamos a temática da inclusão social pelo esporte. Vimos que a prática pode ser uma poderosa ferramenta de inserção das comunidades menos favorecidas, em múltiplos sentidos. Por isso, ressaltamos a importância de serem desenvolvidos projetos que visem ampliar o acesso de todos os cidadãos à prática desportiva, independente das condições sociais ou eventuais necessidades especiais que estas pessoas possuam. Estes programas precisam garantir a democratização do esporte, sobretudo, em comunidades carentes.


Em seguida, tratamos de questões mais pontuais relacionadas á Autoridade Pública Olímpica, órgão que tem papel fundamental na preparação para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Descrevemos como a relação da APO com o governo tem se revelado conflituosa, quando sua função deveria ser justamente mediar o contato entre o Estado e a comissão organizadora do evento. A entidade chegou a ficar sem presidente durante alguns meses. Além disso, apresenta outros impasses ligados às relações diplomáticas que deve estabelecer.


No texto intitulado: "Falta de transparência na Gestão do Esporte facilita ações corruptas", apresentamos alguns exemplos de denúncias de irregularidades em entidades esportivas do Brasil. O primeiro caso envolve a mulher de Ricardo Teixeira, ex-dirigente da CBF. O segundo escândalo diz respeito a um provável desvio de dinheiro do programa Segundo Tempo, dirigido pela ONG Pra Frente Brasil. Por último, citamos a investigação da Polícia Federal sobre denúncias de atos ilegais na Confederação Brasileira de Tênis. Pudemos constatar, a partir destes exemplos, como o dinheiro público destinado a projetos que deveriam garantir a qualidade do esporte no Brasil, em muitos casos, tem sido desviado pra fins privados.


Posteriormente, descrevemos algumas falhas por parte dos dirigentes esportivos no Brasil que revelam o despreparo destes gestores. Destacamos o papel fundamental da capacitação destes líderes para que ocorra o aproveitamento das inúmeras potencialidades que a área oferece. Muitas vezes, os problemas são acarretados em conseqüência do fato de estes administradores terem experiências práticas, mas não apresentarem preparação em níveis teóricos.


Em seguida, desenvolvemos uma série de cinco matérias nas quais tecemos comentários sobre a temática da relação entre mídia e esporte. Enfatizamos como essas instâncias são interdependentes na atualidade. Tal ligação é influenciada, principalmente, por fatores econômicos. Entram em questão pontos como: patrocínio, visibilidade, audiência. Conclui-se, por este caminho, que o esporte de elite é movido por influências acarretadas pelo sistema capitalista. Assim, a prática esportiva é envolvida cada vez mais pela lógica do espetáculo e da globalização e os atletas são transformados em mercadorias.


Postamos também uma matéria sobre o "Centro Esportivo Virtual" (CEV), que constitui um espaço em sintonia fina com as possibilidades de interação proporcionadas pela Internet. A proposta do site é servir como plataforma para que as pessoas possam trocar informações sobre temáticas relacionadas à prática esportiva. O portal abriga 150 listas de discussão sobre as mais variadas temáticas relacionadas ao esporte.


Na seqüência, aproveitando que havíamos introduzido o assunto da relação entre esporte e tecnologia, publicamos mais dois textos nos quais abordávamos esta temática. Ressaltamos como o desenvolvimento tecnológico pode possibilitar que os atletas alcancem melhor desempenho físico. Além disso, a tecnologia tem sido uma importante aliada da inclusão de pessoas com necessidades especiais á prática esportiva. O desenvolvimento de aparelhos e acessórios adaptados é imprescindível para que atletas paraolímpicos possam ser integrados ás atividades desportivas. Na matéria intitulada: "A importância do esporte na vida de pessoas com deficiência física", aproveitamos para contar um pouco da história dos Jogos Paraolímpicos, cuja primeira edição aconteceu no ano de 1960.

 

Nadador Cesar Cielo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nadador Cesar Cielo realiza testes de performance de última geração . Crédito da foto: http://blog.opovo.com.br/

 


Ainda fazendo referência aos atletas paraolímpicos, produzimos um texto no qual falávamos sobre esportistas com necessidades especiais que conquistaram o direito de competirem nos Jogos Olímpicos. Ao longo da matéria, citamos vários exemplos de atletas que ultrapassaram barreiras físicas e se tornaram modelos de superação e garra.


As duas matérias seguintes abordavam a temática da relação entre os estudos geográficos e o esporte. Descrevemos que, apesar de não parecer evidente, a Geografia é uma das áreas do conhecimento que tem relevantes implicações no esporte. Demonstramos como os estudos geográficos são importantes no planejamento de instalações esportivas. Eles são responsáveis por impedir que o meio ambiente seja degradado em conseqüência destas construções. Soma-se a isto o fato de eles serem determinantes para a garantia do legado deixado por megaeventos esportivos, como os Jogos Olímpicos, por exemplo.


Na seqüência, postamos uma matéria na qual falávamos sobre um dos malefícios que o desenvolvimento tecnológico pode instaurar no esporte. Mostramos, assim, que a tecnologia não apenas contribui de maneira positiva com a atividade desportiva, mas pode também gerar prejuízos para a área. O tema em questão foi a possibilidade de que a terapia gênica possa ser utilizada, por atletas, como doping. Constatamos que entidades reguladoras do esporte já estão procurando encontrar formas de prevenir e combater a utilização do doping genético. Destacamos ainda que a temática tem gerado debates por parte de estudiosos sobre a ética que norteia o esporte. Alguns intelectuais defendem a utilização do doping genético e consideram ultrapassadas algumas regras que norteiam a prática desportiva; para outros, a utilização do doping genético é considerada inaceitável.

 

Esporte e tecnologia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Crédito da imagem: http://www.comppet.ufu.br/printf/?q=content/i-1

 

Finalmente, em nosso último texto falamos sobre a Gestão do Conhecimento, que é o conceito que norteia a produção de nosso portal, cuja missão é promover a busca constante pela inovação. Neste texto, demonstramos como a gestão adequada das redes de conhecimento pode acarretar benefícios sem medida às organizações esportivas ou a qualquer outro aglomerado social.


Tendo ciência disto, seguimos em direção à meta de apresentarmos um conteúdo cada vez mais diverso e contextualizado. Desejamos que, por esta via, possamos instigar um debate aprofundado e enriquecedor sobre a prática esportiva. Procuramos construir um mosaico composto pelas diversas áreas do conhecimento que se relacionam ao esporte, estabelecendo conexões entre estes campos que compõem as ciências da Gestão do Esporte. Agradecemos imensamente a você que tem nos acompanhado ao longo do nosso primeiro mês de atuação.

 

COMENTE ESSE POST

Construção de instalações esportivas requer planejamento primoroso

 

Por Leidiane Vieira

E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Em vista da iminência do Brasil sediar dois megaeventos esportivos, a discussão na arena pública do país tem contemplado questões referentes à preparação para recebimento destes acontecimentos. Este planejamento envolve uma imensa série de fatores que abarcam questões relacionadas ao campo cultural, social, econômico, ambiental, político, dentre outros. Um dos principais focos de debate tem sido a construção das instalações esportivas. De fato, este é um ponto bastante complexo, uma vez que sua execução abrange profissionais provenientes de diversos segmentos e deve contemplar estudos realizados por inúmeras áreas da Ciência.

 

A infra-estrutura é um dos principais legados proporcionados aos países que sediam grandes eventos esportivos. Surge daí a necessidade de dedicar grande cautela à sua concepção. Como destaca o engenheiro civil e Professor de Educação Física, Fernando Telles Ribeiro, no site Planejamento de Instalações de Educação Física, Esportes e Lazer; "a realização de uma instalação de esportes compreende três fases que são o planejamento, o projeto e a construção." Sendo o planejamento o mais importante e fundamental quesito. Fernando Telles destaca ainda que, infelizmente, em nosso país a construção de praças de esportes, ginásios, piscinas, centros de recreação e lazer, etc. raras vezes são fruto de um planejamento adequado. 

 

 

 

Parque Olímpico de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parque Olímpico dos Jogos Olímpicos de 2016. Crédito da foto: http://rainydays.com.br/instalacoes-dos-centros-esportivos-rio-2016/

 

 

As instalações destinadas ao esporte apresentam características multidisciplinares exigindo a participação de diversos especialistas capacitados. Os projetos incluem engenheiros civis, estruturais, mecânicos, elétricos e acústicos; designers de interiores, arquitetos paisagistas, bem como técnicos nas áreas de eletricidade e mecânica, dentre outros. Os gestores têm papel fundamental na regência desses profissionais. Na ausência de uma gestão capacitada não existe possibilidade de esses atores trabalharem na sintonia exigida para que resultados positivos possam ser alcançados.


É necessário considerar previamente os impactos que essas instalações podem acarretar. Como afirma a pesquisadora Marlene Matias (2008), "geralmente percebe-se nas cidades a existência de uma predominância da perspectiva econômica na decisão de sediar um megaevento, mas atualmente já aparece uma crescente preocupação tanto com os efeitos sociais, quanto com os ambientais e também com o legado que o acontecimento pode deixar para a população."

 

 

 

Centro de Esportes Aquáticos dos Jogos Olímpicos de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Centro de esportes aquáticos dos Jogos Olímpicos de 2016. Crédito da foto: http://rainydays.com.br/instalacoes-dos-centros-esportivos-rio-2016/

 

 

Apesar de serem acontecimentos de curta duração, os megaeventos deixam resultados permanentes nas cidades e/ou países que os sediam. Por isso, a comissão que cuida da parte de infra-estrutura deve refletir sobre as conseqüências que serão geradas em longo prazo. O planejamento deve levar em conta as necessidades dos futuros usuários das instalações. As conseqüências do planejamento inadequado podem perdurar por décadas.

 

 

 

Velódromo da Barra da Tijuca para 2016.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Velódromo da Barra da Tijuca para 2016. Crédito da foto: http://rainydays.com.br/instalacoes-dos-centros-esportivos-rio-2016/

 

 

 

Crédito da foto da capa: http://www2.maringa.pr.gov.br/esportes/?cod=noticias/15604

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

 

MATIAS, Marlene. Os efeitos dos megaeventos esportivos nas cidades. In: Turismo & Sociedade, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 175-198, outubro de 2008. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs-2.2.4/index.php/turismo/article/view/12934/8732 Acesso em: 13/11/2013

 

Site: Planejamento de Instalações de Educação Física, Esportes e Lazer. Autor: Fernando Telles Ribeiro. Disponível em: http://www.planesporte.com.br/intro.php

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Em foco: a Gestão do Conhecimento

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

O compartilhamento interno de informações é uma poderosa ferramenta para que organizações sociais das mais diversas categorias sejam bem-sucedidas em inúmeros âmbitos. Para que este compartilhamento aconteça, é necessário que todos os membros da equipe estejam conectados uns aos outros. Além disto, estes atores precisam dialogar sobre o conhecimento que cada um possui. Ao criar um ambiente onde é possível estabelecer esse contato, as organizações podem incentivar a produção contínua de novos conhecimentos.


No esporte, a constituição de um espaço assim formulado é de suma importância para que se alcancem os objetivos traçados. Isso porque, a prática esportiva envolve inúmeras áreas do conhecimento humano. Quando nos referimos ao esporte de elite, fazemos menção a uma série de áreas que precisam ser ativadas para que ele exista. Desde os profissionais envolvidos na preparação do atleta até as pessoas que atuam no planejamento e construção das instalações esportivas, passando por uma série de outros sujeitos que participam do processo, o esporte envolve uma imensa quantidade de equipes multidisciplinares.


Para que novos conhecimentos sejam construídos, a partir destes diversos segmentos, é necessário que ocorra uma gestão eficiente dos saberes existentes, inicialmente, de maneira isolada. A proposta da Gestão do Conhecimento deve ser possibilitar que estas equipes dialoguem para formar novos conhecimentos. Faz-se necessário incentivar o compartilhamento de ideias entre os membros das organizações. Por isso, é importante que exista um profissional responsável pela gestão destas redes de conhecimento. As pessoas precisam ser estimuladas a participarem dos processos decisórios e a compartilharem dados. A meta deve ser possibilitar a globalização destes conhecimentos por toda a organização.


É importante destacar que não basta estas informações serem repassadas de um setor para o outro, é necessário que elas sejam assimiladas e compreendidas. Fazendo referência a Nonaka e Takeuchi (1997), Fábio Gomes da Silva (2005) apresenta a conversão do conhecimento em quatro etapas: "socialização, externalização, combinação e internalização. Na socialização, as pessoas conversam e repassam informações umas às outras (...). Já na externalização, o conhecimento tácito recebido, é transformado em conhecimento explícito. Na terceira etapa, existe a combinação, onde os conhecimentos explícitos externalizados são comparados com outros conhecimentos explícitos já existentes sobre o assunto abordado (...). Finalmente, o novo conhecimento explícito gerado pela combinação, volta a ser tácito, através do processo de internalização, o qual promove a certeza de que a pessoa que recebeu os novos conhecimentos, realmente aprendeu."


Desta forma, como define Adroaldo Rosseti (2008) e sua equipe, "do ponto de vista operacional, pode-se dizer que a Gestão do Conhecimento consiste em combinar o saber (explícito) e o saber fazer (tácito) nos processos, nos produtos e na organização, para a criação de valor." O conhecimento tácito é pessoal, informal e experimental; já o conhecimento explícito é documentado, objetivo e baseado em fórmulas científicas.


Para que aconteça a efetiva construção do conhecimento, o ciclo das etapas que envolvem essa constituição tem de ser completado, do contrário, o que existe é apenas a gestão da informação. Como defende o pesquisador Alexandre Shigunov Neto (2011), "a transformação do dado em informação ocorre pela percepção, ou seja, com a importância que esse dado possui para a pessoa. Já o processo de transformação da informação em conhecimento ocorre pela aprendizagem." Neste sentido, a construção do conhecimento só é possível à partir da informação gerada, mas não se limita neste ponto. Fazendo referência á Wiig (1993) o autor descreve a Gestão do Conhecimento como "a construção sistemática, explícita e intencional do conhecimento e sua aplicação para maximizar a eficiência e o retorno sobre os ativos do conhecimento da organização."


As equipes têm de trabalhar em rede, de forma que sejam organizadas e mantidas colaborações eficientes. Conforme descreve, Adroaldo Rosseti (2008) em parceria com outros pesquisadores, "hoje, novas formas de colaboração em massa sugerem que as organizações podem obter maior êxito com uma abordagem mais auto-organizada com a formação de equipes, trabalhando em rede." O autor ainda afirma que "o trabalho em equipe está relacionado com os modos de explorar a base de conhecimento da organização e de se desenvolver estrategicamente como uma ‘organização que aprende'."


Convém ressaltar também que a Gestão do Conhecimento pressupõe uma relação horizontal entre os membros das equipes, ou seja, todos os colaboradores são considerados importantes e têm o direito de participarem de todo o processo. A proposta do portal GestaoEsporte.com é estabelecer um ambiente cujo foco é a Gestão do Conhecimento sobre o esporte. Procuramos colocar em prática esse conceito, tanto na forma como abordamos temáticas relacionadas ao esporte, como também na relação que estabelecemos com nossos leitores.


Nosso objetivo é propor reflexões sobre a prática esportiva a partir da junção de diversas áreas do conhecimento. Procuramos evidenciar como o esporte é perpassado por inúmeros fatores que muitas vezes são negligenciados. Acreditamos que a gestão eficiente do conhecimento é fundamental para que as organizações esportivas conquistem maior êxito em suas atuações. Convidamos você, caro leitor, a embarcar nessa idéia. Sua contribuição será sempre bem-vinda em nosso portal.

 


Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

SILVA, Fábio Gomes da; HARTMAN, Adriane; REIS, Dálcio Roberto dos; CARVALHO, Hélio Gomes de. "A promoção da inovação tecnológica nas organizações através da gestão do conhecimento: um estudo de caso na indústria de embalagens." In: XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005.

 

NETO, Alexandre Shigunov. A importância da gestão do conhecimento para o desenvolvimento organizacional: discussões preliminares. In: Qualit@s Revista Eletrônica ISSN 1677 4280 Vol.1. N°1 (2011).

 

ROSSETI, Adroaldo, PACHECO, Ana Paula Reusing; SALLES, Bertholo; GARCIA, Marcos; SANTOS, Neri. A organização baseada no conhecimento: novas estruturas, estratégias e redes de relacionamento. In: Ci. Inf., Brasília, v. 37, n. 1, p. 61-72, jan./abr. 2008.

 

COMENTE ESSE POST

VI Seminário Mineiro de Comportamento Motor

GEDAM

COMENTE ESSE POST

Terapia gênica, o doping futurístico do esporte?

 

Por Leidiane Vieira

E-mail: leidianev.reis@gmail.com


 

A busca pela excelência no esporte de alto rendimento tem se intensificado consideravelmente no dias atuais. Cresce a utilização de tecnologias que visam aumentar o desempenho dos atletas. Os aparelhos, equipamentos e acessórios utilizados estão cada vez mais sofisticados e adaptados às metas estabelecidas. A ciência está presente em diversos segmentos da preparação dos competidores, ela define desde a roupa que o esportista veste até a sua alimentação diária. Pesquisas são realizadas e produtos desenvolvidos com o objetivo comum de aumentar a eficiência dos atletas. As exigências por uma performance ideal chegam a níveis alarmantes de pressão e cobrança.

 

Esta busca constante pelo aperfeiçoamento da produtividade é um dos resultados da transformação do esporte em um negócio altamente rentável. Desta forma, ele adquire o viés de mais um produto na sociedade capitalista. Em meio a esse cenário, pode-se questionar qual o limite da fronteira entre a comercialização do esporte e o valor humano. Fazendo referência a Aquino Neto (2001), Eloi Bruski (2009) comenta que "as injunções socioeconômicas levam os atletas a exceder seus próprios limites. Nesse desejo de superação, não medem esforços, empregando todos os meios disponíveis para alcançarem suas metas."

 

 A busca incansável por resultados melhores muitas vezes é conseqüência da pressão social e econômica sobre o atleta. Talvez seja necessário recordar que a prática esportista não é exercida por máquinas, mas seres humanos de carne e osso. Até onde a busca pela otimização do desempenho respeita os limites físicos do corpo?

 

Em inúmeros casos, o desejo de ir além dessas limitações caras ao ser humano, leva à utilização de doping no universo dos desportos. Por meio do uso de substâncias químicas diversas, procura-se superar a capacidade do homem em despender esforços físicos. Além da prática ser considerada ilegal, ela pode acarretar prejuízos inestimáveis à saúde de quem a utiliza. Atualmente, já se discute a iminência da utilização do doping genético no esporte. 

 

Conforme descreve Guilherme Giannini Artioli (2007), em parceria com outros pesquisadores, "o princípio da terapia gênica consiste na transferência vetorial de materiais genéticos para células-alvo, com o objetivo de suprir os produtos de um gene estruturalmente anormal no genoma do paciente." Em vista do aprimoramento das pesquisas relacionadas à área, cientistas e órgãos reguladores do esporte têm dedicado atenção ao potencial uso indevido da terapia gênica. Assim, em 2003, a transferência de genes que poderiam melhorar o desempenho esportivo de atletas saudáveis (técnica denominada doping genético) entrou para a lista de métodos proibidos do Comitê Olímpico Internacional (COI).

 

Em depoimento fornecido para o documentário alemão "Doping genético, o ataque dos mutantes", que foi exibido pelo programa SporTV Repórter no dia 10 de abril 2011, o coordenador da WADA, Theodore Friedmann, diz acreditar que o doping genético é a conseqüência lógica da investigação biotecnológica moderna e que não haverá como evitar esse tipo de abuso se isso estiver disponível. Por isso, existe a preocupação por parte de órgãos reguladores do esporte em desenvolverem estratégias de detecção e prevenção da prática. Theodore Friedmann ainda afirma que "sempre precisamos nos perguntar de quem é a conquista que vimos. É do atleta ou do biotecnologista?" Estaríamos na iminência de assistirmos a criação de um ser humano com características sobre-humanas?

 

Apesar do combate preventivo por parte de algumas instâncias relacionadas ao esporte como a World Anti-Doping Agency (WADA) e o Comitê Olímpico Internacional (COI), alguns estudiosos acreditam que o doping genético deveria ser aceito. Em entrevista fornecida para o já mencionado documentário, "Doping genético, o ataque dos mutantes", o bioeticista e filósofo britânico Andy Miah defende que "o esporte precisa de atletas que transcendem o limite humano. Isso é o que importa na cultura do esporte de elite. Instigamos os atletas a buscarem tecnologias que melhoram o desempenho." Andy Miah acredita que o doping genético seria uma evolução natural das sociedades humanas, e por isso, não deveria ser combatido pelas entidades que definem a ética do esporte. 

 

De acordo com Guilherme Giannini Artioli et al (2007), "até o presente momento não há registro de nenhum caso de atleta que tenha feito uso de manipulação genética. Por outro lado, considerando que ainda não existem meios de controle e detecção do doping genético, e que, teoricamente, já é possível empregar essa técnica em seres humanos e outros animais, não se pode afirmar categoricamente que nenhum atleta já não o tenha experimentado."

 

Diante dessas complexas questões, alguns estudiosos defendem que o esporte reveja seus valores. Para eles, a ética deve acompanhar o desenvolvimento histórico e cultural da humanidade. Outros pesquisadores combatem ferrenhamente tais tipos de conduta. Provavelmente, esses questionamentos irão aquecer as discussões sobre a ética esportiva em um futuro próximo. E você, caro leitor (a), o que pensa sobre a utilização do doping genético? A ética do esporte está ultrapassada? 

 

 

Para saber mais sobre o uso de doping no esporte confira também o artigo: "Caso de doping é crise no esporte: o papel do gestor", publicado por Bárbara Schausteck de Almeida, em nosso portal. O texto está disponível em: http://www.gestaoesporte.com.br/blog/barbara-schausteck-de-almeida

 

 

 

Crédito da foto: http://veja.abril.com.br/blog/genetica/files/2012/05/952752991.jpg

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

 

ARTIOLI, Guilherme Giannini; HIRATA, Rosário Dominguez Crespo Hirata; JUNIOR, Antonio Herbert Lancha. Terapia gênica, doping genético e esporte: fundamentação e implicações para o futuro. In: Rev Bras Med Esporte _Vol. 13, Nº 5 - Set /Out, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbme/v13n5/13.pdf

 

DIAS, Rodrigo Gonçalves. Genética, performance física humana e doping genético: o senso comum versus a realidade científica. In: Rev Bras Med Esporte vol.17 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922011000100012

 

ELOI, Bruski. Doping no esporte. Trabalho Final de Pós-Graduação apresentado como requisito necessário para obtenção do grau de Especialista, Centro Universitário FEEVALE, 2009. Disponível em: http://ged.feevale.br/bibvirtual/monografia/MonografiaEloiBruski.pdf  

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Planejamento geográfico amplifica legado de megaeventos esportivos

 

 

Por Leidiane Vieira

E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Os megaeventos esportivos da atualidade acarretam impactos significativos sobre as cidades que os sediam. Eles influem, principalmente, em aspectos econômicos e de infraestrutura. Devido à necessidade de se construir espaços adequados para que os jogos sejam realizados, a paisagem urbana dessas cidades é modificada. Dessa forma, por mais que não pareça evidente, a área de conhecimento da Geografia permeia todo o processo de preparação para recebimento dessas competições. Os saberes relacionados a esse campo de estudo estão presentes desde o momento de escolha da cidade sede até aos impactos ocasionados posteriormente á realização dos eventos.

 

A competição global entre os países para obterem o direito de sediarem grandes eventos esportivos se deve ao interesse dessas nações em atraírem investimentos. Os megaeventos são um poderoso recurso para as cidades, pois viabilizam alterações estruturais no espaço urbano. Isso ocorre devido ao fato de as cidades serem modeladas para atenderem às demandas por serviços e equipamentos geradas a partir dessas competições esportivas.

 

Para que tais demandas sejam atendidas é necessário ocorrer um planejamento cuidadoso por parte da equipe organizadora. A idealização desse projeto deve levar em consideração os impactos que serão gerados em longo prazo. Essa reflexão prévia é necessária para que as cidades sejam de fato beneficiadas. Os estudos geográficos têm papel central nessa etapa. De acordo com o pesquisador Sávio Raeder (1999), a partir dos anos 60, os Jogos Olímpicos passaram a ser usados como uma oportunidade de implementação de grandes projetos urbanos (GPUs) com repercussões significativas nas cidades sedes.

 

Somente com base em um planejamento criterioso e que considere a grande complexidade dos centros urbanos, torna-se possível maximizar os impactos positivos gerados por meio do investimento em locais estratégicos. Decorre disso, a importância central de avaliar os espaços urbanos nos quais será investido capital. Neste sentido, faz-se importante avaliar os indicadores sociais desses territórios por meio da análise do perfil de municípios e comunidades envolvidas.

 

Como defende o professor Marcelo da Cunha Matos (2013), "ao tratarmos de modificações espaciais na Geografia dos Esportes, os Jogos Olímpicos é indubitavelmente o evento esportivo que altera mais a morfologia, a funcionalidade e a dinâmica territorial". Fazendo referência a Muñoz (1996), o autor pontua que, "a partir de 1932 é pertinente falar em "urbanismo olímpico", quando a cidade de Los Angeles, abalada pela crise de 1929, utilizou os jogos como forma de melhorar sua economia e planejar a cidade."

 

Ainda de acordo com Marcelo Matos, a cada edição dos Jogos Olímpicos, inovações surgem e modificam a estrutura social, econômica e espacial das cidades pelas quais o evento passa. Em 1936, Berlim inovou com as edificações de vilas olímpicas. Roma, em 1960, teve em sua vila olímpica um condicionante para criar um projeto de expansão urbana.

 

Seul (1988) e Barcelona (1992) desenvolveram-se urbanisticamente e tornaram-se cidades com um grande número de turistas e investimentos internacionais após os Jogos Olímpicos. Constata-se que cada megaevento deixa marcas na paisagem das cidades e interfere no planejamento urbano. Por meio de uma organização eficiente, o evento também pode ocasionar a restauração ou recuperação de áreas urbanas degradadas. Para que isso ocorra, é vantajoso priorizar áreas menos favorecidas do ambiente urbano. Com uma logística engajada à responsabilidade social, podem-se gerar benefícios para as camadas mais carentes da população.

 

Os estudos relacionados ao campo da Geografia são imprescindíveis para que esses resultados sejam alcançados. Ao enveredarmos por esse caminho, fica evidente a relação entre essa área de conhecimento e o fenômeno esportivo. Com isso, podemos perceber o esporte como um instrumento capaz de transformar o espaço urbano.

 

 

 

Crédito da foto: http://www.portal2014.org.br/

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

RAEDER, Sávio. O Jogo das Cidades: impactos e legados territoriais indutores do desenvolvimento urbanos em sedes de megaeventos esportivos. In: Observatório geográfico da América Latina, 2009. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Geografiasocioeconomica/Geografiaespacial/48.pdf

 

MATOS, Marcelo Cunha. Em busca por uma geografia dos esportes. In: Revista eletrônica tempo presente, 2013. Disponível em: http://www.tempopresente.org/index.php?option=com_content&view=article&id=113:em-busca-por-uma-geografia-dos-esportes&catid=41&Itemid=127

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Governança, o maior problema do futebol brasileiro.

 

Por Marcello Pires

marcellopires@gestaoesporte.com

@marcellopires

 

Um estudo recente realizado pelo grupo Futebol do Futuro sobre situação atual do futebol brasileiro mostra que as cinco categorias mais problemáticas desse esporte são: governança, finanças, produto futebol, calendário e qualidade de jogo. Dentro dessas categorias são identificados 53 itens que necessitam ser melhorados para que haja um crescimento na qualidade dos clubes nacionais.

 

A categoria que apresenta um maior número de itens foi governança, com um total de 18. A definição de governança, segundo o Banco Mundial, é "o exercício da autoridade, controle, administração e poder de governo" de um país, mas ela pode ser ampliada para a gestão de empresas e instituições. No caso do futebol ela está ligada a falta de credibilidade institucional e politica dos gestores de clubes e confederações.

 

Resultado por categoria

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O item com maior índice de impacto negativo é a "baixa qualidade da gestão dos clubes e falta de estrutura realmente profissional (CEOs, executivos, etc)" com 83,2%.  Segundo artigo dos professores Antonio Carlos Aidar e Marvio Leoncini, de 2002, "práticas administrativas amadoras, que muitas vezes chegam a atitudes antiéticas e ilegais, fazem parte das ações daqueles que dirigem as agremiações brasileiras de futebol profissional". Apesar de o artigo ter mais de 10 anos, quando ainda não havia a confirmação de que o Brasil seria a sede da Copa do Mundo de 2014, a situação amadora das gestões de clubes ainda continua.

 

Outro índice de grande impacto negativo na governança, que ficou em segundo lugar, é a "falta de responsabilização/punição dos dirigentes por problemas da gestão". Esse é um item facilmente percebido pelos torcedores, pois os gestores de um clube sempre colocam a culpa da crise financeira na falta de competência das gestões anteriores. Contratos absurdos são feitos pensando-se apenas no momento atual mas, muitas vezes, a gestão seguinte é quem tem que pagar as dívidas. Para evitar que esse tipo de problema continue acontecendo sem punição, o senado aprovou no último dia 16 de outubro um projeto que visa punir ex-dirigentes que deixem "dívidas insolúveis para seus sucessores, bem como aqueles que usem créditos antecipados de forma irresponsável sem possível responsabilização anterior" informou o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), autor do projeto, a agência Brasil. De acordo com o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), relator do projeto, os ex-dirigentes terão de enfrentar as penalidades previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal, como a expropriação patrimonial. Entretanto, ainda é necessária a aprovação do projeto pelos deputados federais.

 

A CBF, não ficou de fora das críticas, o excesso de poder em suas mãos, e também, nas mãos das federações teve um índice negativo de 80%, seguido pelo baixo grau de transparência das instituições com 76%. A organização que controla o futebol brasileiro já está, há algum tempo, na mira de alguns senadores. No dia 30 de outubro o senador Mario Couto (PSDB-PA) protocolou um pedido de criação de uma CPI para investigar não somente a CBF, mas todas as federações ligadas a ela. O senador afirmou a necessidade dessa comissão devido a várias denúncias de irregularidades em diferentes setores, como influência financeira nas eleições e reeleições de dirigentes, transferências de recursos, desvios de verbas, problemas nos recolhimentos de tributos à Previdência Social, irregularidades nas prestações de contas próprias e das provenientes de órgãos públicos, além de renuncias fiscais referentes a estádios e infraestrutura nas cidades-sede da Copa de 2014, que já somariam mais de R$1,1 bilhão. Entretanto, o senador necessitava da assinatura de, pelo menos, 27 parlamentares para a criação da CPI. Dos 34 senadores que prometeram apoio, nove faltaram à sessão, que aconteceu no dia 5 de novembro, fazendo com que mais uma vez o pedido fosse arquivado.

 

Senador Vital do Rêgo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: www.jornaldaparaiba.com.br

 

Com 68% de índice de impacto negativo, os longos mandatos de dirigentes ("perpetuação do poder") já está com os dias contados. Em setembro foi aprovada a MP 620, que entre outros assuntos trata do fim da longa permanência de dirigentes em cargos que necessitem de eleição. A MP 620, coloca como regra um mandato de no máximo 4 anos, com a possibilidade de uma reeleição. Um exemplo de longo mandato é Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, que ficou no cargo por 23 anos. Por outro lado, os mandatos curtos demais (2 ou 3 anos) foram criticados com um índice de 45,3%, por dificultarem a continuidade de projetos iniciados na gestão anterior.

 

O "modelo de dirigentes não remunerados" dá um aspecto amador às gestões de clubes brasileiros, e hoje o torcedor já percebe esse impacto negativo, que na pesquisa chegou a 62,6%. Como no Brasil os dirigentes não recebem um salário para exercer suas funções clubísticas, eles têm outros empregos. Isso tira a exclusividade do clube, fazendo com que a dedicação a administração da entidade seja dividida com outros afazeres. Como exemplo, podemos citar Roberto Dinamite, do Clube de Regatas Vasco da Gama, que além de presidente do clube exerce o cargo de deputado estadual pelo PMDB-RJ (onde está na lista dos que mais faltam às sessões).

 

Roberto Dinamite, presidente do Vasco da Gama e deputado estadual

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Lancepress

 

 

Uma análise do perfil do gestor de clubes da cidade de Juiz de Fora, MG, feita pelo Prof. Luiz Carlos Pessoa Nery mostra que dos seis presidentes entrevistados nem tem formação acadêmica de gestor. Entre os dirigentes havia dois advogados, um contador, um bancário e dois aposentados, nenhuma das profissões era "referente à parte da gestão esportiva, Administração ou Economia". Esse amadorismo traz ainda outros problemas, como um "ambiente institucional de negócios desestruturado e ineficiente" com índice de 75,2% e a "não separação entre gestores executivos e ambiente político" 71.3%.

 

Sempre que se fala em transferência de jogador de um clube para outro, fala-se nos direitos econômicos desse atleta. Hoje em dia pouquíssimos atletas estão veiculados 100% a um clube, muitos têm seu direito "fatiado" entre diferentes clubes de dentro e fora do Brasil. 73,9% dos entrevistados na pesquisa, consideram que esse "fatiamento" tem um alto impacto negativo na gestão de clubes. Mas o que é exatamente o direito econômico do atleta? Para entendermos isso, temos que conhecer o que é direito federativo. Para Roberto Pugliese Júnior, membro do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo e da Comissão de Estudos do Direito Desportivo da OAB/SC, "Direitos federativos são aqueles adquiridos pelo clube empregador, que passa a deter o vínculo desportivo do atleta após o registro do contrato de trabalho na confederação. Os direitos econômicos nascem deste vínculo, consistindo na receita econômica futura e eventual, decorrente da cessão provisória (empréstimo) ou definitiva dos direitos federativos, em razão da existência de contrato de trabalho e cláusula indenizatória.".

 

Quando se fala de dinheiro e transferência de jogadores, não podemos nos esquecer da figura do agente de atleta. O Estado de São Paulo, em reportagem de abril de 2013, intitulada O poder dos agentes de jogadores de futebol só cresce no Brasil, mostrou que apenas 30% dos agentes que atuam no futebol brasileiro são licenciados. Os outros 70% não tem licença para atuar, o que é proibido pela FIFA, então, para fugir de problemas, os dirigentes de clubes simplesmente os omitem das transações, dando uma cara de informalidade a negociações de valores extremamente altos. Essas transações por "debaixo dos panos" já tem um impacto negativo na opinião popular, 72,8% nas pesquisas.

 

Podemos perceber que a principal causa desses problemas é a falta de profissionalização dos gestores de clubes de futebol, sejam esses clubes grandes ou pequenos. A culpa não pode cair apenas sobre a CBF, que é o órgão máximo do futebol nacional, mas também deve cair sobre os dirigentes que não tratam suas gestões de forma moderna, transparente e profissional, pensando em soluções em curto prazo e deixando problemas das mais diferentes naturezas aos seus sucessores.

 

 

 

Crédito da foto - Banner: http://futebolbusiness.com.br/2013/07/trevisan-oferece-curso-a-distancia-de-gestao-no-esporte/

 

 

Referências:

 

AIDAR, A.C.K.; LEONCINI, M.P. A necessidade de profissionalização na gestão dos esportes. In: AIDAR, A.C.K.; LEONCINI, M.P.; OLIVEIRA, J.J. de. (Org.). A nova gestão do futebol. 2.ed. rev. e amp. Rio de Janeiro: FGV, 2002a.  

 

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-16/senadores-querem-que-ex-dirigentes-esportivos-respondam-por-contratos-irregulares

 

Direitos Econômicos: o grande produto do futebol - http://www.tjd.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=98&Itemid=146

http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,o-poder-dos-agentes-de-jogadores-de-futebol-so-cresce-no-brasil,1023470,0.htm

 

NERY, Luiz Carlos Pessoa, Análise do perfíl de gestão baseada no discurso dos dirigentes esportivos de clubes em Juiz de Fora. Niterói: Universidade Salgado de Oliveira/ Programa de pós-graduação stricto sensu em Ciências da Atividade Física, 2009.

 

 

Sugestão para aprofundamento:

 

Marques, D. S. P., Costa A. L. Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo Revista de Administração - RAUSP, vol. 44, núm. 2, abril-junho, 2009, pp. 118-130, Universidade de São Paulo, Brasil.

 

Download da Pesquisa completa: http://www.pluriconsultoria.com.br/uploads/relatorios/Futebol%20do%20Futuro%20-%20RESULTADOS%20PESQUISA.pdf

 

 

COMENTE ESSE POST

O papel dos estudos geográficos na Gestão do Esporte

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

O esporte se relaciona com diversas áreas do conhecimento. A despeito disso, há uma tendência generalista em considerá-lo apenas a partir de quesitos como regras, práticas competitivas, treinamentos, preparação física e desempenho dos atletas. Essa visão limitada sobre a área dificulta que ela obtenha maior consistência e seja amparada em questões teóricas que auxiliem, na prática, os profissionais atuantes nesse campo. O professor Marcelo Matos (2012), por exemplo, destaca a importância dos geógrafos desenvolverem estudos sobre a prática desportiva, ao afirmar que "a análise das práticas esportivas tendem a ganhar demasiadamente com as contribuições geográficas."


Como pontua o pesquisador Gilmar Mascarenhas de Jesus (1999), "é bastante compreensível a reação de estranhamento provocada em quem se depara pela primeira vez com o "inusitado" casamento entre os esportes e a geografia. Para os geógrafos e demais profissionais que não lidam diretamente com a prática esportiva, os esportes evocam sobretudo questões relacionadas à performance dos atletas, preparação física e treinamento, regras, táticas e as atuais discussões éticas e jurídicas sobre "doping". De fato, nada disso tem relação direta com a dinâmica espacial ou outras questões centrais em geografia. Há entretanto vários outros aspectos do universo esportivo que guardam vínculos bastante palpáveis com a nossa disciplina."


O autor destaca ainda que, apesar de não parecer evidente, existe um amplo caminho de investigações geográficas relacionadas à prática desportiva. Uma delas é estudar a dimensão "ecológica" de cada modalidade esportiva. A expansão recente dos "esportes radicais" ou "de aventura" demanda tal estudo. Os pesquisadores Kalyla Maroun e Valdo Vieira (2007), ressaltam que "o desconhecimento sobre as conseqüências da interferência da prática esportiva na natureza impede a efetivação de medidas de minimização de impactos ambientais negativos. Pode-se atribuir a isso o despreparo e amadorismo dos organizadores, a falta de infra-estrutura no local em que se realizam as atividades, a utilização de mão-de-obra sem conhecimento técnico e a utilização de equipamentos inadequados."


Os esportes também merecem observação cuidadosa dos geógrafos no que tange à configuração territorial, uma vez que sua prática implica transformações significativas na forma e na dinâmica territoriais, ressalta Gilmar Mascarenhas. Ainda de acordo com o autor, primeiramente, o esporte deve ser encarado como uma atividade econômica que precisa ser oferecido em lugares apropriados. Surge, a partir disso, a necessidade de se estudar a paisagem urbana ou natural dentro das quais as atividades são praticadas. Constata-se, dessa forma, que existe uma extensa lista de nexos e possibilidades de tratamento geográfico dos esportes.


Como defende Marcelo Matos, a Geografia não deve ser observada como uma ciência que estuda apenas acidentes físicos. Analisando o esporte como um agente que modifica o espaço, podemos descobrir semelhanças entre esses dois campos. Evidencia-se, portanto, a grande importância da transdisciplinaridade nos estudos relacionados á prática desportiva.

 

 

Crédito da foto: http://globalgeo.com.br/mkt/06/

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

MAROUN, Kalyla; VIEIRA, Valdo. Impactos ambientais positivos são possíveis nos esportes praticados em ambientes naturais? In: Revista Digital - Buenos Aires - Año 12 - Nº 108 - Mayo de 2007. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd108/impactos-ambientais-positivos-nos-esportes-praticados-em-ambientes-naturais.htm

 

MATOS, Marcelo. Em busca por uma geografia dos esportes: o fenômeno esportivo como transformados do espaço. In: Saúde em Movimento para EFBR - o Portal da Educação Física Brasileira, 2012. Disponível em: http://efbr.com.br/27/09/2012/biblioteca/artigos/em-busca-por-uma-geografia-dos-esportes-o-fenomeno-esportivo-como-transformador-do-espaco/

 

JESUS, Gilmar Mascarenhas. À Geografia dos Esportes. Uma Introdução. In: Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona. Nº 35, 1 de marzo de 1999. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/sn-35.htm

 

COMENTE ESSE POST

Exemplo de superação: atletas que ultrapassam as barreiras físicas

Por Leidiane Vieira
E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Os Jogos Paralímpicos são uma forma de inclusão pelo esporte. Ao oferecer oportunidade para que pessoas com necessidades especiais possam competir profissionalmente, o evento contribui para que esses indivíduos tenham oportunidades similares a dos atletas olímpicos. Além disso, a competição é uma forma de combater o preconceito e discriminação. Ao agregar atletas de diversas partes do mundo, os Jogo Paralímpicos se tornam uma verdadeira marca de reforço universal do direito de igualdade e respeito das diferenças.

 


Os Jogos Paraolímpicos de Londres, em 2012, tiveram disputas de medalhas em 20 modalidades. Dentre as categorias estão: atletismo, basquete em cadeiras de rodas, vôlei sentado, dentre outras. Participam dos jogos pessoas com diferentes tipos de necessidades especiais, sejam elas físicas ou mentais. Ultimamente, muito se tem discutido sobre outra forma de inclusão, trata-se da questão dos atletas portadores de deficiência que competem nos Jogos Olímpicos.

 


O debate foi instigado a partir dos Jogos Olímpicos de Londres, de 2012, quando o sul-africano Oscar Pistorius foi alvo de polêmicas, ao disputar a prova masculina dos 400 metros rasos no atletismo. O atleta terminou sua eliminatória na segunda colocação, entre cinco corredores, e avançou à semifinal, onde ficou no oitavo lugar, entre oito participantes e acabou eliminado para a disputa do ouro. Em 2004, disputou os Jogos Paralímpicos de Atenas, onde conquistou a medalha nos 200 metros e bronze nos 100 metros. A partir de então, começou a competir com atletas não deficientes. Pistorius chegou a ser banido de competições com atletas sem deficiência, mas acabou vencendo a causa no Tribunal Arbitral do Esporte, em 2008.

 


A polêmica em torno da participação de Pistorius nos Jogos Olímpicos se deve ao fato de testes alegarem que as próteses utilizadas pelo atleta fazem com que ele tenha vantagem sobre os outros atletas. Em testes, houve a comprovação de que as próteses tornaram o atleta deficiente em um atleta extremamente eficiente: Quando comparado a atletas sem deficiência, Pistorius ingere um volume de oxigênio 17% menor. Ou seja, ele corre na mesma velocidade com menos oxigênio. Além disso, ele pisa com mais frequência que um atleta olímpico. Mais impulso por tempo, sem contar o retorno elástico da prótese, que também aumenta o movimento.

 


A participação de Pistorius nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, não representa o primeiro caso de inclusão de atletas portadores de necessidades especiais nesses jogos. De acordo com o jornal italiano Gazzeta dello Sport, George Eyser foi o primeiro atleta amputado a disputar os Jogos Olímpicos, na olimpíada de 1904, em Saint Louis. Nesta época ainda não existia os Jogos Paralímpicos. George Eyser teve parte de sua perna esquerda amputada quando um trem o atropelou. Após o acidente, o ginasta passou a usar uma prótese de madeira. Ele ficou conhecido nos Jogos de Saint Louis, quando ganhou seis medalhas em único dia, incluindo três ouros nas competições de ginástica artística.

 

Neroli Fairhall, arqueira neozelandesa paraplégica, pode ser citada como outro exemplo. Ela competiu nos Jogos Olímpicos de Verão de 1984 em Los Angeles, na prova individual feminina. Já Paola Fantato, também atleta com deficiência física do tiro com arco, foi a primeira a competir nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos em um mesmo ano, em Atlanta 1996.

 

A primeira deficiente visual a competir em Jogos Olímpicos foi a americana Marla Runyan, que disputou provas de atletismo nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000 e Atenas 2004. Os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, também tiveram participação de atletas amputados. As pioneiras foram a mesa-tenista polonesa Natalia Partyka, e a nadadora sul-africana Natalie du Toit.

 


Enquanto em relação a Oscar Pistorius existe o questionamento se ele teria ou não vantagem sobre os outros atletas, devido a utilização das próteses, no caso de Natalia Partyka e Natalie du Toit, não há dúvidas de que elas têm de superar limites para conseguirem alcançar o mesmo desempenho de atletas que não apresentam necessidades especiais. Dessa forma, elas se encontram em desvantagem com relação aos outros competidores. Assim, o fato de as esportistas terem conseguido provar que estão em condição de competir nos Jogos Olímpicos representa um exemplo de superação e determinação.

 


A nadadora sul-africana Natalie du Toit, sofreu a amputação na perna esquerda aos 17 anos, quando foi atropelada por um carro enquanto dirigia sua moto. Já a mesa-tenista Natalia Partyka nasceu sem parte do braço direito.
Como afirma o pesquisador Vinícius Bernardin Cardoso (2011), "a prática de atividades desportivas para pessoas com deficiências, além de proporcionar todos os benefícios para seu bem estar e qualidade de vida, também é a oportunidade de testar seus limites e potencialidades, prevenir as enfermidades secundárias à sua deficiência e promover a integração social e a reabilitação da pessoa com deficiência."
Crédito da foto do banner: http://www.cpb.org.br/

 


Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

CARDOSO, Vinícius Denardin. A reabilitação de pessoas com deficiências através do desporto adaptado. In: Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 529-539, abr./jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbce/v33n2/17.pdf. Acesso em: 05/11/2013

 


COSTA, Alberto Martins da; SOUZA, Sônia Bertoni. Educação física e esporte adaptado: história, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/inclusão e perspectivas para o século XXI. In: Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 25, n. 3, p. 27-42, maio 2004. Disponível em: https://cbce.tempsite.ws/revista/index.php/RBCE/article/view/236/238. Acesso em: 05/11/2013

 

 

MARQUES, Renato Francisco Rodrigues et al. Esporte olímpico e paraolímpico: coincidências, divergências e especificidades numa perspectiva contemporânea. In: Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.23, n.4, p.365-77, out./dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v23n4/v23n4a06.pdf Acesso em: 05/11/2013

 

 

Fontes de pesquisa


http://hojenahistoria.seuhistory.com/oscar-pistorius-e-o-primeiro-velocista-amputado-disputar-uma-olimpiada#sthash.3f13qsuL.dpuf
http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/sis/lenoticia.php?id=1044
http://globoesporte.globo.com/paralimpiadas/noticia/2012/08/entenda-os-criterios-de-classificacao-funcional-nas-paralimpiadas-londrinas.html#edicaocampeonato-paralimpiadas-londres---2012
http://www.andef.org.br/noticias/noticias518.php
http://globoesporte.globo.com/paralimpiadas/noticia/2012/08/polonesa-bota-pistorius-no-bolso-e-diz-deficiencia-nao-e-fim-do-mundo.html
http://passofirme.wordpress.com/2012/07/06/pistorius-nao-e-o-primeiro-atleta-amputado-da-historia-diz-jornal-italiano/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Natalia Partyka. Crédito da foto: http://www.ibccoaching.com.Natalia Partyka.

Crédito da foto: http://www.ibccoaching.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Natalie du Toit . Crédito da foto: http://news.bbc.co.uk

 

 

 

COMENTE ESSE POST

A importância do esporte na vida de pessoas com deficiência física

 

Por Leidiane Vieira


O desenvolvimento tecnológico é responsável pela inclusão de atletas com deficiência física no mundo do esporte. Graças ao desenvolvimento de próteses, cadeiras de rodas e outros equipamentos de diversas categorias, pessoas que apresentam limitações físicas podem ter acesso à prática esportiva. Antes do desenvolvimento desses aparelhos, tal inserção era inviável.


Atualmente, essa inclusão poder servir como motivação de vida para muitas pessoas. O esporte é uma ferramenta capaz de injetar esperança no cotidiano de indivíduos com alguma incapacidade física. Ele traz outras perspectivas e acarreta uma série de benefícios ao possibilitar a busca por novos objetivos.


Em palestra promovida pelo Serviço Social do Comércio (Sesc) na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), no último dia 26, em Brasília, o mesatenista em cadeira de rodas, Guilherme Costa, falou sobre a importância do esporte em sua vida. "Ele te mostra que você é capaz de fazer mais do que imagina. No meu caso, por ser um atleta de alto rendimento, ele me mostrou mais ainda, pelas oportunidades que eu não imaginava ter", disse.
Em novembro de 2006, Guilherme foi atropelado por um carro no Parque da Cidade, em Brasília (DF), e ficou tetraplégico. Ele chegou a praticar outros esportes como natação, capoeira, basquete, futebol e jiu-jitsu antes do acidente, e descobriu no tênis de mesa um recomeço.

Vanderson Silva
Atleta paraolímpico Vanderson Silva. Crédito da foto: http://ruthcoutinho-ruthinha.blogspot.com.br//

 

Vanderson Silva pode ser citado como outro exemplo de atleta que buscou no esporte a superação de um acidente. De origem humilde, o esportista que foi um dos 35 atletas brasileiros que competiram nos Jogos Paraolímpicos de Londres, em 2012, perdeu a perna aos 15 anos, atropelado por um trem em Barra Mansa. Ele começou a praticar o esporte em 2003, através da Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef). Em 2007, conheceu o Instituto Nacional de Tecnologia (INT).


A partir de então, o desempenho do atleta apresentou considerável enriquecimento. O instituto desenvolveu um suporte anatômico feito de espuma, plástico e ferro especialmente projetado para seu peso e deficiência. O aparelho ajudou o paratleta a melhorar em 26% seu desempenho e a conquistar o recorde sul-americano no arremesso de peso.

Guilherme Costa
Atleta paraolímpico Guilherme Costa. Crédito da foto: http://www.cbtm.org.br

 

Olívia Tsutsumi (2004), em parceira com outros pesquisadores da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), afirma que, "a cada dia, um número maior de pessoas com algum tipo de incapacidade física está envolvida em atividades físicas e esportes devido aos benefícios que eles trazem para a reabilitação e para o bem - estar. A exclusão desses indivíduos da prática de atividade física ou do esporte pode levar a diminuição da aptidão física, da eficiência dos movimentos ou mesmo do desenvolvimento de habilidades motoras".


Os primeiros eventos competitivos voltados para pessoas com deficiência surgiram na Inglaterra e nos Estados Unidos, logo após a Segunda Guerra Mundial - muito em função de inúmeros ex-combatentes terem perdido membros enquanto lutavam.
Os primeiros jogos foram realizados em Stoke Mandeville, onde localizava-se um importante hospital e o Centro Nacional de Lesionados Medulares, em 1948. O Centro foi criado pelo governo inglês com a ajuda do neurologista Ludwig Guttmann para tratar os soldados feridos na guerra. Para tanto, os médicos adotaram o esporte como parte da reabilitação médica.


A realização dos Jogos de Stoke Mandeville, "coincidiu" com os Jogos Olímpicos de Londres, deixando claro, desde o início, o desejo do médico Ludwig Guttmann da criação de uma Olimpíada para os portadores de deficiência. O sonho de Guttmann, porém, concretizou-se mesmo em 1960, com a realização dos Jogos Paraolímpicos de Roma, evento considerado pelo Comitê Paraolímpico Internacional, como o primeiro grande evento.

 

Crédito da foto do banner: http://linux.alfamaweb.com.br//

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento


TSUTSUMI, Olívia et al. Os Benefícios da Natação Adaptada em Indivíduos com Lesões Neurológicas. In: Revista Neurociências. Volume 12 - n°2 - 2004. Disponível em: http://www.unifesp.br/dneuro/neurociencias/vol12_2/natacao.htm Acesso em: 04/11/2013

 

COSTA, Alberto Martins da; SANTOS, Sílvio Soares dos. Participação do Brasil nos Jogos Paraolímpicos de Sydney: apresentação e análise. Rev. Bras Med Esporte - Vol. 8, Nº 3 - Mai/Jun, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbme/v8n3/v8n3a02.pdf Acesso em: 04/11/2013

 

Fontes de pesquisa


http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2012/09/corpo-sao-e-tecnologico


http://odia.ig.com.br/portal/rio/instituto-nacional-de-tecnologia-cria-aparelhos-que-ajudam-atletas-paral%C3%ADmpicos-1.462929


http://www.brasil.gov.br/ciencia-e-tecnologia/2013/10/mesatenista-paralimpico-comenta-transformacao-pelo-esporte


http://www.avozdacidade.com/site/page/noticias_interna.asp?categoria=9&cod=24116


http://esporte.hsw.uol.com.br/jogos-paraolimpicos1.htm


http://www.cbtm.org.br/guilherme-costa.aspx

 

COMENTE ESSE POST

II Congresso Mineiro de Medicina do Exercício e do Esporte

II Congresso Mineiro de Medicina do Exercício e do Esporte


Belo Horizonte - MG 1 - 2 de Novembro de 2013


http://smexe.com.br/eventos/ii-congresso-mineiro-de-medicina-do-exercicio-e-do-esporte/

 

LOGO

COMENTE ESSE POST

A tecnologia a favor do esporte

 

Por Leidiane Vieira


É inegável a estreita relação entre esporte e tecnologia nos dias atuais. Seja na preparação dos atletas, divulgação dos torneios ou compartilhamento de produções científicas da área da Educação Física, o desenvolvimento tecnológico perpassa os mais diversos segmentos relacionados à área. Diversas plataformas virtuais, por exemplo, oferecem espaço para debates e divulgação de trabalhos acadêmicos desse segmento.

 

 Além disso, existe uma infinidade de sites dedicados a divulgação de práticas esportivas que dificilmente aparecem na mídia, possibilitando que as pessoas possam ter contato com esportes menos populares e que essas modalidades também tenham um espaço de visibilidade, mesmo que restrito. Nos Estados Unidos, o time de futebol, Washington Redskins, está utilizando a Internet para escolher um novo nome para o time.

 

A 99designs, uma das gigantes mundiais de design gráfico, pediu para sua comunidade de mais de 250 designers redesenharem o logo e sugerir um nome para o clube. Os logos e nomes sugeridos estão abertos para receber votação do público. A participação popular não define o resultado final, mas pode influenciar na decisão do time de júris.

 

Em termos mais práticos, são inúmeros os casos de inovações técnicas que podem auxiliar os atletas e fazê-los apresentarem melhor desempenho. Para a natação, existem os maiôs que diminuem o atrito com a água. No taekwondo foi criada uma tecnologia chamada Speed Fight, que permite monitorar os movimentos do atleta durante os treinamentos, por meio de sensores instalados no colete. Mais importante que possibilitar melhor desempenho dos esportistas é o fato de a tecnologia fornecer suporte para os atletas paraolímpicos.

 

A tecnologia também pode auxiliar o trabalho de técnicos e treinadores. Existem empresas que desenvolvem softwares e equipamentos capazes de fazer a mensuração de treinamentos e jogos. No vôlei, programas dão às comissões técnicas informações detalhadas, e em tempo real, sobre o comportamento dos atletas dentro da quadra. No caso do futebol, é possível medir quanto o atleta corre, a que velocidade e por que parte do campo. A possibilidade de captar a movimentação do time pode ajudar na definição de táticas e no trabalho de condicionamento físico dos atletas.

 

O pesquisador Larry Katz (2002), ao apresentar reflexões sobre essa temática, recorre à Sullivan (2000), com a seguinte colocação: "as Olimpíadas criaram um mundo onde uma fração de segundo pode ser a diferença entre a obscuridade e a fama mundial. As margens são muito finas, não é suficiente treinar arduamente e dar cem por cento de si mesmo num dia de competição. Você tem que usar um uniforme com um mínimo de resistência à água ou correr com sapatos equipados com as últimas novidades, e você deve treinar contra atletas companheiros de profissão e máquinas."

 

Com base nas reflexões propostas pelo pesquisador, pode-se concluir que as competições que envolvem diversas nações em grandes eventos esportivos vão além do potencial de cada atleta, ela envolve também questões relacionadas ao desenvolvimento tecnológico. Com isso, implicitamente, está também em disputa a capacidade de cada país em desenvolver produtos tecnológicos ou disponibilizar suportes artificiais que já foram criadas para o treinamento de seus atletas. Essa "corrida" envolve os clubes e governos dos países. Esses dois segmentos têm grande parcela de responsabilidade nesse quesito que pode ocasionar um impulso considerável nas medalhas conquistadas.

 

A semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2013 abordou a temática de "Ciência, Saúde e Esporte". O evento, coordenado pela Secretaria de Ciências e Tecnologia para Inclusão Social (Secis), aconteceu entre os dias 21 e 27 de outubro.  A SNTC é realizada em todo o país no mês de outubro, desde 2004. A edição desse ano teve envolvimento de mais de 500 cidades de todo o país. O esporte recebeu destaque na programação.

 

Em Brasília, foram realizadas atividades interativas em diversas modalidades e esportistas como a ginasta Daiane dos Santos e a atleta Maurren Maggi, puderam falar para os participantes sobre a importância da tecnologia e da inovação para melhorar o desempenho dos atletas, em qualquer modalidade.

 

 

Créditos da foto: http://placar.abril.com.br/materia/tecnologia-ja-o-futebol-precisa-urgentemente-da-arbitragem-eletronica

 

 

Referências bibliografias e sugestões para aprofundamento:

 

KATZ, Larry. Inovações na tecnologia esportiva: implicações para o futuro. In: Revista E.F. Nº 3, junho de 2002. Disponível em: http://www.confef.org.br/extra/revistaef/show.asp?id=3449 Acesso em: 01/11/2013

 

MORAIS, Jorge Ventura; BARRETO, Túlio Velho. As regras do futebol e o uso de tecnologias de monitoramento. In: Anais do 1º Encontro da Alesde. Curitiba, 2008. Disponível em: http://www.alesde.ufpr.br/encontro/trabalhos/21.pdf Acesso em: 01/11/2013

 

Fontes de pesquisa:

http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/esporte-executivo/2013/10/11/pela-internet-time-dos-eua-escolhe-seu-novo-nome/

http://www.conexaoaluno.rj.gov.br/especial.asp?EditeCodigoDaPagina=914

http://semanact.mct.gov.br

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Centro Esportivo Virtual: um espaço de discussão sobre o esporte

 

Por Leidiane Vieira - E-mail: leidianev.reis@gmail.com

 

Exemplo de um espaço inovador e que promove a integração de conhecimentos, o Centro Esportivo Virtual constitui um ambiente em sintonia fina com as possibilidades de interação proporcionadas pela Internet. A proposta do site é servir como plataforma para que as pessoas possam trocar informações sobre temáticas relacionadas à prática esportiva. Para facilitar que os internautas tenham contato com assuntos que interessam a eles, o CEV possui 150 listas de discussão sobre as mais variadas temáticas relacionadas ao esporte.

 

Com isso, as pessoas podem participar das comunidades que estão de acordo com o perfil delas. Atualmente, o espaço virtual conta com a participação de 37 mil pessoas. A plataforma também disponibiliza uma compilação sobre produções científicas da área. Na parte de "biblioteca" do site ficam disponíveis livros e revistas relacionados a pesquisas sobre esporte. Mas esse não é o foco principal do projeto. O objetivo central é possibilitar o intercâmbio de conhecimento entre as pessoas que participam das discussões.

 

O Centro Esportivo Virtual foi criado em 1996 e é fruto da tese de doutorado do professor Laércio Pereira. De acordo com Laércio, desde o início, "os três pontos principais de ação são: pessoas, comunicação e biblioteca. Por isso, até hoje, o mais importante do CEV é o 'quem é quem', onde estão as pessoas que conversam e se dividem com comunidades."  A ideia inicial do pesquisador era de que o CEV fosse uma rede de pessoas, que iriam interagir e ter um banco de dados. Não é difícil perceber que a idéia frutificou e continua a crescer e envolver outras pessoas.

 

Laércio tem orgulho em afirmar que o CEV já serviu de incentivo para que muitas pessoas ingressassem na carreira acadêmica. Além disso, os estudantes que participaram da criação do site foram enriquecidos pelas discussões vivenciadas. Percebe-se, assim, que o Centro Esportivo Virtual é um espaço de compartilhamento de informação. Sua base está fundada sobre três áreas principais: comunicação, esporte e educação.    

 

 

COMENTE ESSE POST

Relação entre mídia e esporte na contemporaneidade

Por Leidiane Vieira - E-mail: leidianevieira.reis@gmail.com

 

A mídia tem fundamental importância na construção do significado social atribuído ao esporte de maneira geral. Os meios de comunicação não apenas influem na forma como as pessoas atribuem sentido às atividades relacionadas ao campo da Educação Física, como também reflete a visão que tem circulado no espaço público sobre essa temática. Assim, quando paramos para avaliar a maneira como o esporte é enquadrado na mídia, percebemos o significado majoritário que tem circulado sobre ele na cultura em que estamos inseridos.


A importância de propor reflexões sobre esse assunto centra-se no fato de que conceitos geram práticas. Ou seja, a simbologia atrelada à palavra esporte fabrica formas de praticá-lo. Como descreve Mauro Betti (2004), é decisiva "a influência das mídias (em especial a televisão), no direcionamento de tendências da cultura corporal de movimento, com importantes repercussões para a Educação Física, entendida esta tanto como área de conhecimento como de intervenção profissional."


Percebe-se que a sociedade contemporânea tem dado ênfase cada vez maior à propagação de um padrão de beleza que subjuga a diversidade corporal. Rotineiramente, são reforçados parâmetros engessados de beleza física. Nos mais diversos meios sociais, sejam eles abarcados pela visibilidade midiática ou não, tem-se valorizado a busca desenfreada pela manutenção da imagem. Nesse contexto, torna-se cada vez mais fraca a ligação do esporte aos conceitos de saúde, bem-estar, educação ou inclusão social. Na contemporaneidade, ele está muito mais atrelado ao espetáculo, glamour e sucesso. Ou seja, cada vez mais a prática esportiva tem sido mercantilizada e aliada ao consumo em suas mais variadas formas de manifestação.


O pesquisador Werlayne Stuart Soares Leite (2009) descreve esse cenário da seguinte forma: "Podemos perceber que atualmente na mídia há uma predominância quase total do "Esporte Rendimento'' (ou ‘Esporte Espetáculo') em detrimento do ‘Esporte Saúde e/ou Social'. Pouco se vê reportagens falando sobre os benefícios de determinado esporte para a saúde, ou, raramente se vê alguma reportagem falando sobre algum projeto social esportivo e mostrando os benefícios sociais do esporte, como inclusão, integração, socialização, fuga do mundo da criminalidade..."


De acordo com o artigo 6º do código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, parágrafo III, é dever do jornalista, divulgar os fatos e as informações de interesse público. Com base nisso, convém questionar: será que o jornalismo brasileiro tem correspondido a esse dever no que concerne a temáticas relacionadas ao esporte? Tem-se dado prioridade à divulgação de projetos que promovem a inclusão social, saúde e educação pelo esporte? Infelizmente, constata-se uma ênfase muito maior, principalmente por parte do Jornalismo Esportivo, em específico, na espetacularização do esporte. Muitas vezes, as práticas relacionadas à área da Educação Física são esvaziadas de seu valor enquanto ferramenta de promoção da saúde, diminuição da vulnerabilidade social e estabelecimento de sociabilidades.


Neste sentido, o engajamento do Jornalismo com a responsabilidade social atribuída a ele é essencial para que se construa uma sociedade mais consciente acerca dos benefícios que a prática esportiva pode oferecer ao ser humano em dimensão amplamente diversificada. Faz-se necessário ir além da imagem capitalista imposta ao esporte. Questiona-se por fim: que concepção sobre o esporte tem prevalecido na sociedade atual?

 

 

Crédito da foto: http://www.rugbyspirit.com.br/

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento

 

LEITE, Werlayne Stuart Soares. Ilusão em massa: o papel da mídia no esporte. In: Revista Digital - Buenos Aires - Año 13 - Nº 123 - Agosto de 2008. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd123/ilusao-em-massa-o-papel-da-midia-no-esporte.htm Acesso em: 25/10/2013

 

BETTI, Mauro. Corpo, cultura, mídia e educação física: novas relações no mundo contemporâneo. In: Revista Digital - Buenos Aires - Año 10 - Nº 79 - Diciembre de 2004. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd79/corpo.htm Acesso em: 25/10/2013

 

LOPES, Daysiane Freitas et al. Educação Física, cultura corporal de movimento e mídia. In: Revista Digital - Buenos Aires - Año 14 - Nº 132 - Mayo de 2009. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd132/educacao-fisica-cultura-corporal-de-movimento-e-midia.htm Acesso em: 25/10/2013

 

Fontes de pesquisa

 

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros. Disponível em: http://www.fenaj.org.br/federacao/cometica/codigo_de_etica_dos_jornalistas_brasileiros.pdf

 

COMENTE ESSE POST

O que os organizadores de eventos esportivos brasileiros podem aprender com a NBA?

Por Marcello Pires


Bulls X Wizards

Foto: Ernesto Carriço/Agência O Dia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No último dia 12 de outubro 13.635 brasileiros amantes do basquete puderam realizar o sonho de muitos outros amantes do esporte: assistir ao vivo uma partida da NBA (a liga de basquete profissional mais importante do mundo). A partida entre Chicago Bulls e Washington Wizards, mais do que mostrar atletas de alto nível, apresentou um evento com um alto grau de organização, no qual todas as etapas foram cuidadosamente pensadas, da escolha dos times à data em que seria realizada a partida. Segundo Phellipe Moggio, vice presidente da NBA para a América Latina, a intenção era que o público tivesse a mesma experiência que os americanos têm ao assistir uma partida profissional. Essa experiência é tão levada a sério, que até o piso usado na partida, foi trazido especialmente dos Estados Unidos, colocado sobre o piso original da quadra e retirado logo após a partida.

 

A NBA hoje não é uma organização com sede somente nos Estados Unidos, seus escritórios estão espalhados por México, Europa e China (que tem mais de 150 funcionários) mostrando claramente a intenção de expandir seu mercado comercial.

 

 A preparação para a partida no Brasil começou ainda em 2012, quando a entidade abriu um escritório no Rio de Janeiro com cinco funcionários. A intenção era aproximar a liga americana da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), da Liga Nacional de Basquete (LNB) e de projetos sociais que têm no basquete uma ferramenta de inclusão.

 

Para que a partida fosse um sucesso a NBA teve um calendário cheio de eventos no Brasil em 2013, mas há dois anos já estava aqui em ações sociais, como a clínica "Basquete sem Fronteiras" que, em sua terceira edição no país, focou sua atenção nos jovens do Morro do Alemão. Entre outros eventos promovidos pela entidade para chamar a atenção para o basquete, houveram torneios de basquete 3 x 3, campeonato de enterradas, performance de cheerleaders e mascotes, além da eventual presença de jogadores profissionais, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Outro fator primordial para a organização da partida foi a escolha dos times, que não foi feita de maneira aleatória, mas pensando no público brasileiro. O Chicago Bulls veio por sua grande popularidade no Brasil durante os anos 90, na Era Michael Jordan, e o Washington Wizards por ter entre seus jogadores o brasileiro Nenê Hilário, fator fundamental para a escolha, segundo os organizadores.

 

Um dos fatores de maior discussão, quando se fala de grandes eventos esportivos realizados no Brasil, é o valor dos ingressos. Entretanto, isso não parece ter preocupado a organização da partida. Com preços que iam de R$ 180,00 a R$ 2.000 a arquibancada teve ingressos de 97% de sua capacidade vendidos para um público que veio das mais variadas partes do Brasil. Arnon Mello, diretor-executivo da NBA no Brasil, disse que 60% dos ingressos foram vendidos para residentes de fora do Rio de Janeiro. Para Arnon, quando o evento é bem organizado e oferece um bom produto as pessoas não se importam em pagar um preço considerado mais alto.

 

 

Bulls X Wizards no Rio

Foto: Ernesto Carriço/Agência O Dia

 

 

A meta de um evento esportivo não é somente o lucro, a expansão da marca ou agradar aos fãs, mas também segundo artigo de Davi Rodrigues Poit "a interação entre participantes, público, personalidades e entidades".

 

Esse primeiro jogo da NBA no Brasil, tem também como intuito a consolidação da marca no país. Hoje o mercado brasileiro representa 40% do merchandising da liga na América Latina, com pelo menos 18 parceiros comerciais que atingem 2.500 lojas em todas as regiões. Nas redes sociais pode-se ver a força da NBA no Brasil, com mais e 121 mil seguidores no Twitter e 95 mil na página do Facebook.

 

O que os organizadores dos grandes eventos que estão por vir no Brasil podem aprender com a NBA? Quando o evento esportivo (produto) é bem planejado ele consegue ser vendido, independentemente do preço? O GestãoEsporte.com vai lançar uma série de matérias sobre as etapas fundamentais para a preparação de um grande ou megaevento esportivo, aguarde.

 

 

Referência Bibliográfica:


POIT, D.R. Organização de Eventos Esportivos. São Paulo, Phorte Editora, 2007.

 

 

Sugestão para aprofundamento:


KLEIN, M. A. O Brasil e seus desafios rumo a modernidade de seus eventos esportivos. In: RUBIO, K. (Org.). Megaeventos esportivos, legado e

responsabilidade social. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008. p. 13-35.

 

RUBIO, K. (Org.) Megaeventos esportivos, legado e responsabilidade social. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

 

RUBIO, K. O legado Educativo dos Megaeventos Esportivos. Motrivivência, Florianópolis, v. 21, n. 32-33, p. 71-88, jun./dez. 2009.

 

 

COMENTE ESSE POST

III CURSO DE GESTÃO NO FUTEBOL

Data: 26 de outubro de 2013 (sábado)

 

Horário: 8h30 às 17h00

 

Local: Faculdades Integradas Rio Branco

Unidade Lapa - Av. José Maria de Faria, 111 (travessa da Av. Ermano Marchetti - altura do nº 928

 

 

 

CRONOGRAMA:


8h30 - 9h00 - Recepção e Abertura - FORMAÇÃO DE GESTORES (Luiz Moura)


9h00 - 10h30 - PRESSUPOSTOS BÁSICOS PARA GESTÃO NO FUTEBOL (Antonio Afif)


10h30 - 10h45 - Intervalo


10h45 - 12h15 - O MARKETING NO FUTEBOL MODERNO (Jeferson José Valle)


12h15 - 13h30 - Almoço


13h30 - 15h00 - DIREITO DESPORTIVO - CONTRATOS/LEIS/NEGOCIAÇÕES (Vinicius Borsatto)


15h00 - 15h15 - Intervalo


15h15 - 17h00 - RELAÇÃO GESTOR X TREINADOR (Fabio Cunha)


17h00 - Encerramento e entrega dos certificados

 

Maiores Informaçãoes: http://stesportsearts.blogspot.com.br/2013/09/iii-curso-de-gestao-no-futebol-26-de.html?spref=fb

COMENTE ESSE POST

Asics Conference of Science and Medicine in Sport

Asics Conference of Science and Medicine in Sport


Austrália 22 - 25 de Outubro de 2013


http://sma.org.au/conferences-events/conference/

 

logo

 

COMENTE ESSE POST

Falta de profissionalização dificulta maior visibilidade de Esportes Olímpicos no mercado publicitário

 

Por Leidiane Vieira

 

Tem crescido, no Brasil, o valor investido em patrocínio esportivo em função dos grandes eventos que acontecerão nos próximos anos (Copa do Mundo e Olimpíadas). De acordo com matéria publicada no site da revista Exame, uma pesquisa feita em pareceria entre a Portas, consultoria estratégica com foco em esportes, e a Sportpar, empresa de investimentos e gestão de ativos em esportes e mídia, o montante anual atual já é recorde e traz alto impacto para economia brasileira: R$ 3 bilhões/ano. Até 2016 esse número deve continuar subindo a 10% ao ano.

 

A pesquisa foi feita com 27 das maiores e mais significativas empresas atuantes no país, como Petrobras, Procter & Gamble, Nike, Adidas, Centauro, Oi, TIM, Heineken, McDonald's, Grupo Pão de Açúcar, entre outras. Apesar do crescimento do investimento das empresas em esportes, no Brasil, algumas modalidades ainda têm grande dificuldade para conquistarem apoio financeiro. 

 

O pesquisador Marcelo Weishaupt Proni (1998) aponta que, "o marketing se desenvolveu no campo esportivo em duas frentes: o marketing do esporte (marketing de produtos e serviços esportivos) e o marketing através do esporte (atividades ou produtos que fazem uso do esporte como veículo promocional)." O meio preferido de patrocínio esportivo costuma ser o vínculo com atletas. Dessa forma, o patrocínio de modalidades esportivas aparece como segunda alternativa.

 

Como o interesse das empresas é promover a visibilidade de sua marca, as modalidades esportivas menos populares acabam tendo maiores dificuldades para angariarem apoio financeiro. Já os esportes mais populares que, portanto, alcançaram reconhecimento do público, como futebol, basquete, vôlei, judô e natação concentram os maiores investimentos.

 

Assim, há esportes que são mais patrocinados e outros que praticamente não têm apoio de instituições privadas e dependem apenas dos recursos da Lei Agnelo Piva e do programa Bolsa Atleta do Ministério dos Esportes. É o caso do boxe, do tae-kwon-do, do beisebol, do levantamento de peso e do futebol feminino.

 

A pouca visibilidade junto ao público consumidor dificulta o acesso dessas modalidades ao patrocínio. Isso acontece porque, muitas vezes, as empresas avaliam que o investimento nessas nesses esportes não geraria retorno. Mas em grande parte dos casos, o obstáculo maior reside na maneira precária como estas modalidades são geridas.

 

A falta de profissionalização dos dirigentes das confederações pode ser apontada como um dos fatores que impedem que os esportes olímpicos tenham maior visibilidade no mercado publicitário. Prova disso, é o crescimento conquistado pelo Rugby no Brasil. Esse é um dos esportes mais famosos na Inglaterra, mas até pouco tempo ele era desconhecido em nosso país.

 

 No entanto, apesar da pouca visibilidade, em decorrência de um planejamento bem definido, o esporte vem conquistando investimento e aceitação no cenário nacional. Recentemente, o Outback Steakhouse, rede americana de restaurantes com 41 lojas no Brasil, fechou patrocínio com a Confederação Brasileira de Rugby.

 

No final de 2009, a Topper firmou parceria com a CBRu. Desde então, o esporte não para de crescer no país. Essa empresa tem grande parte de responsabilidade na popularização que vem ocorrendo em relação à modalidade. A Topper levou à TV uma série de propagandas que brinca com o caráter marginal do esporte no país. Dois desses comerciais foram selecionados para representar a publicidade nacional no famoso festival internacional de Cannes, na França. Os vídeos publicitários trazem o conceito "Rugby, isso ainda vai ser grande no Brasil".


As arrecadações da CBRu, em 2012, situam-se em torno de R$ 7 milhões, o que representa um novo recorde. A maior arrecadação até então havia sido de 2011, com R$ 3,9 milhões. O Rugby voltará a integrar o quadro de modalidades oficiais nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro - fato que não acontece desde 1928, nos jogos de Amsterdã. De acordo uma pesquisa da consultoria Deloitte, publicada em 2011, a modalidade é apontada, ao lado das artes marciais, como o esporte que mais vai crescer no Brasil no futuro.

 

 

Créditos da foto: http://www.soulrugby.com.br/blog/apelidos-de-algumas-selecoes-do-rugby/

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento


PRONI, Marcelo Weishaupt. Marketing e organização esportiva: elementos para uma história recente do esporte-espetáculo. In: Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 1, n. 1, p. 82-94, jul/dez. 1998. Disponível em: http://fefnet178.fef.unicamp.br/ojs/index.php/fef/article/view/12 Acesso em: 24/10/2013

 

LOPES, André Luiz et al. Análise da composição corporal e da capacidade aeróbia em jogadores de rugby. In: EFDesportes, Revista digital. Año 16. Nº 158, Buenos Aires, Julio de 2011. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd158/capacidade-aerobia-em-jogadores-de-rugby.htm Acesso em: 24/10/2013

 

ALMEIDA, Barbara Schausteck de; JUNIOR, Wanderley Marchi. Comitê Olímpico Brasileiro e o financiamento das confederações brasileiras. In: Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 33, n. 1, p. 163-179, jan./mar 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbce/v33n1/a11v33n1.pdf Acesso em: 24/10/2013

 

Blog Rugby Clube: http://globoesporte.globo.com/outros-esportes/rugby-clube/platb/

 

Portal do Rugby: http://www.portaldorugby.com.br/

 

 

Fontes de pesquisa


http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/esporte-executivo/2013/08/23/patrocinio-esportivo-no-brasil-ja-atinge-r-3-biano/

 

http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=8979&cod_canal=38

 

http://www.igec.com.br/blog/jornalismo-esportivo-e-negocios-do-esporte/so-30-dos-patrocinadores-medem-o-roi-em-marketing-esportivo/

 

http://propmark.uol.com.br/anunciantes/43924:outback-investira-em-rugby-e-rali

 

http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/heineken-passa-a-patrocinar-o-rugby-brasileiro

 

http://www.rugbyempauta.com/cbru-fechara-2012-com-receita-recorde/

 

 

COMENTE ESSE POST

A delicada relação entre estrelas do esporte e patrocinadores

 

Por Leidiane Vieira


A transformação do esporte em um negócio, nas sociedades capitalistas ocidentais, tem reforçado cada vez mais a relação desse setor cultural com a mídia. Atualmente, é de fundamental importância o papel desempenhado pelos meios de comunicação de massa no que concerne ao patrocínio de atletas e à viabilização financeira para realização de eventos. Evidentemente, a visibilidade é um dos critérios mais almejados pelas marcas que desejam expandir o valor simbólico de seus produtos e, dessa forma, ampliar a venda deles no mercado.

 

Como afirmam os pesquisadores, da área de Educação Física, Tiago Lisboa Bartholo e Antonio Jorge Gonçalves Soares, "a partir do final da década de 1970, com a crescente integração das economias, passamos a assistir a entrada maciça das grandes empresas como patrocinadoras de equipes e atletas. Os eventos esportivos tornaram-se locais de negócios e de movimentação econômica antes inimaginável."

 

A espetacularização dos eventos esportivos e a produção de ídolos, gerados, principalmente, pela mídia, podem ser citadas como dois pontos essenciais que estimulam as empresas a apostarem no patrocínio esportivo. Uma vez que esses ingredientes aumentam o potencial de a marca ser exposta a um maior número de pessoas, gerando, concomitantemente, efeitos positivos.  Os grandes eventos esportivos, por exemplo, oferecem a oportunidade de as empresas serem divulgadas em âmbitos mundiais. Assiste-se a uma crescente internacionalização desses eventos, bem como, dos atletas de elite. Tal movimento impulsiona o interesse das empresas em investirem nessa área.

 

O papel dos ídolos e da mídia é fundamental para estimular o patrocínio das instituições privadas em eventos ou clubes esportivos. As estrelas do esporte são responsáveis pela propulsão da audiência, que por sua vez, gera interesse por parte da mídia. O resultado dessa interação é o incremento em relação aos patrocínios. Talvez, o ponto mais sensível dessas questões seja a imagem do ídolo. Para que as empresas tenham interesse em patrocinar determinado atleta, é necessário que ele seja capaz de garantir a manutenção de sua própria imagem na arena pública. Qualquer atrito, nesse sentido, pode ocasionar prejuízos para as empresas que investem nesse setor. Por isso, essas corporações pesam com cuidado o risco que correm ao associarem sua marca a um atleta em específico. O interesse delas é sempre minimizar a possibilidade do surgimento de efeitos negativos.

 

A polêmica que envolveu o jogador Ronaldo, o "fenômeno", em 2008, ilustra com propriedade essa questão. Ronaldo tornou-se foco dos holofotes midiáticos por ter se envolvido em um escândalo com três travestis em um motel no Rio de Janeiro. O caso foi parar no 16ª DP da Barra da Tijuca, onde o jogador contou ao delegado que foi vítima de um engano e de extorsão. Ronaldo alegou que contratou o travesti André Luis Albertini (Andrea Albertini) pensando que fosse uma mulher. O travesti, por sua vez, alegou que Ronaldo contratou seus serviços e de suas amigas sabendo que eram travestis.

 

O caso, que teve repercussão mundial, ocasionou uma "mancha" na imagem do "fenômeno". Devido a isso, a empresa de telefonia TIM, na ocasião, rompeu a parceria com Ronaldo, com base numa cláusula que previa a rescisão do contrato caso o contratante se envolvesse em fatos que poderiam gerar imagem negativa. Na época, cogitou-se até mesmo que a Nike poderia cancelar seu convênio milionário com Ronaldo, devido a uma cláusula que permitia o rompimento do acordo unilateral por causa do envolvimento em escândalos ou polêmicas. Essas questões envolvendo o jogador Ronaldo demonstram como é delicada a questão do investimento em atletas.

 

Como defende Gustavo Moreno de Freitas (2007) em seu trabalho de conclusão de curso, "o comportamento do jogador pode influenciar de maneira positiva ou negativa para o patrocinador." Surge, a partir deste contexto, a necessidade dos atletas priorizarem o marketing pessoal. Isso nos leva a refletir também sobre a importância de as empresas avaliarem com cautela onde irão investir sua marca.

 

 

Crédito da foto: http://rd1.ig.com.br/televisao/ronaldo-fenomeno-e-o-novo-contratado-da-globo/170703

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento


FREITAS, Gustavo Moreno. Marketing Esportivo: A jogada das marcas no Pan do Rio 2007. Brasília, 2007. Disponível em: http://repositorio.uniceub.br/handle/123456789/2480 Acesso em: 23/10/2013

 

BARTHOLO, Tiago Lisboa; SOARES, Antonio Jorge Gonçalves. O conflito entre Guga e os patrocinadores na Olimpíada de Sydney. In: Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 28, n. 1, p. 55-72, set. 2006. Disponível em: http://rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/38 Acesso em: 23/10/2013

 

BORELLI, Viviane. Cobertura midiática de acontecimentos esportivos: uma breve revisão de estudos. In: XXIV Congresso Brasileiro da Comunicação  -Campo Grande /MS -setembro 2001. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/69091043172603617173111127019307506949.pdf Acesso em: 23/10/2013

 

 

COMENTE ESSE POST

Feira na USP oferece oportunidades de recrutamento em Educação Física e Esporte

Nos dias 21 e 22 de Outubro, a EEFUSP Junior promoverá a III Feira Esporte e Carreira (III FEC), na Escola de Educação Física e Esporte da USP.

O evento, aberto a todos os interessados, tem a proposta de aproximar alunos e profissionais do mercado de trabalho esportivo, com a presença das principais empresas da área, oferecendo oportunidades de estágio e relacionamento.

O evento contará com empresas expositoras, como Runner, Companhia Atlhética, Sindi Clube, Oficina da Piscina, Academia Fulltime, Body Systems, Embreex, CBDN, entre outras.

Além disso, ocorrerão palestras sobre atuação profissional, construção da carreira na área, regulamentação da profissão e também atividades interativas ministradas pelas empresas expositoras.

A Feira é uma excelente oportunidade para conhecer as possibilidades de atuação de um profissional de Educação Física e Esporte e estabelecer contatos com as principais empresas do segmento.

Informações complementares podem ser encontradas no site e na página do evento no facebook.


a página do facebook é facebook.com/FeiraEsporteeCarreira

e o site é www.feiraesporteecarreira.com

 

 

 

 

Folder

COMENTE ESSE POST

O esporte no contexto social: da identidade nacional à transformação de atletas em mercadoria

Por Leidiane Vieira


O esporte passou por relevantes transformações juntamente com o desenvolvimento das sociedades modernas e os movimentos gerados pela globalização. Apesar disso, a prática esportiva sempre esteve essencialmente atrelada à idéia de identidade nacional. Isso pode ser claramente percebido pelo fato de os atletas e equipes carregarem em seus corpos símbolos do país ao qual pertencem. Geralmente, as cores da bandeira nacional estão, de alguma forma, ligadas a esses esportistas. Dessa forma, eles representam a nação que os abriga em competições que acontecem em diversas partes do mundo. Assim, esses atletas que participam de competições de alto rendimento em outros países estão defendendo uma comunidade.


Neste sentido, o esporte é um dos componentes que demarca a identidade nacional de um país. O Brasil, por exemplo, é ligado á imagem do futebol. Como defende Roberto DaMatta, neste país, o futebol é um instrumento de comunicação social e de construção da identidade nacional. (1982, p. 28) Já os Estados Unidos, para citar outro exemplo, estão mais ligados ao basquete e, principalmente, ao futebol americano.


De certa maneira, o esporte acaba servindo como um espaço onde os países podem demonstrar sua potência. Na época da Guerra Fria, Estados Unidos e Rússia disputavam entre si qual nação conquistava o maior número de medalhas. Dessa maneira, o esporte se atrelava ao poderio militar econômico e político para constituir a influência desses países no contexto mundial. Entretanto, atualmente, convém questionar se de fato o maior interesse dos atletas é defender sua nação. É visível que tem crescido cada vez mais o movimento de individualização no esporte. O foco tem se voltado para a imagem do atleta e nem sempre para o país ao qual ele representa.


Presenciamos o surgimento de atletas globais, não apenas pelo fato de serem conhecidos em todo o mundo, como também por terem a possibilidade de representarem outras nações. A identidade desses atletas está cada vez mais desvencilhada do país ao qual eles pertencem. Pode-se questionar até mesmo se eles pertencem á alguma nação. Julio César Palmiéri (2009), pesquisador do Departamento de Sociologia da UFSCar, analisa, em sua tese de mestrado, como o jogador de futebol deixou de ser praticante do esporte para se transformar em mercadoria.


O autor destaca que com o desenvolvimento do capitalismo e das tecnologias da comunicação, "o futebol passou a ser um esporte globalizado e que atende ás leis do mercado. Transformou-se em espetáculo para o público". A partir de então, torna-se necessário que os atletas sejam cativantes e não apenas competentes. Em conseqüência disso, destaca ainda o autor, "o atleta passou a ser valorizado não apenas por suas características atléticas e técnicas, mas também por sua capacidade de cativar os patrocinadores, gerando uma identificação com o nome, a marca da equipe".
O craque brasileiro de futebol, Neymar, que defende o Barcelona desde junho deste ano, é um exemplo de atleta que carrega uma imagem que agrega valores simbólicos mundialmente reconhecidos. Esse atleta é reconhecido não apenas por sua competência em campo, mas pela própria imagem midiática que a ele é agregada. Neste contexto, torna-se cada vez mais importante a figura dos assessores de comunicação que orientam esses atletas para que eles possam manter uma imagem aceitável perante o público. Para isso, é preciso que seja forjada uma aparente coerência identitária em relação a esses fenômenos de visibilidade midiática.


O sociólogo Erving Goffmam (2011), compara a vivência em sociedade como um grande teatro, assim, em nossas interações diárias, nós desempenhamos papeis sociais, somos todos atores. Essas interações são permeadas por enquadramentos primários que fornecem interpretações práticas para o mundo que nos cerca. Somos levados a atuar de maneira coerente com a imagem que queremos manter perante o outro.
Ou seja, procuramos garantir a manutenção da fachada, termo utilizado pelo autor para denominar a parte de nossas vidas que fazemos questão de tornar visível. É justamente essa fachada que os atletas têm de preservar para que o nome deles continue tendo valor de mercado. Hoje, a identidade dos atletas está mais interligada ao valor de mercado que eles agregam do que a um país ou equipe, em específico. Neste contexto, o marketing pessoal dos atletas torna-se o maior foco das atenções.




Crédito da foto: http://sportcemporcento.blogspot.com.br/



Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento



DAMATTA, Roberto. Esporte na sociedade: um ensaio sobre o Futebol Brasileiro. In: DAMATTTA, Roberto (Org). Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 1982.


PALMIÉRI. Júlio César Jatobá. Quanto vale um talento? Uma análise antropológica sobre a valorização e circulação dos jogadores de futebol profissional no mercado esportivo, São Carlos, 2009. Tese disponível em: http://www.ludopedio.com.br/rc/upload/files/175924_Palmieri%20(M)%20-%20Quanto%20vale%20um%20talento.pdf Acesso em: 22/10/2013


GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiana - Petrópolis, Vozes: 2011.


MARGARET, Macneill. Estudos de mídia do esporte e a (re)produção de identidades. In: Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 28, n. 1, p. 9-38, set. 2006. Disponível em: http://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-PT&q=de+m%C3%ADdia+do+esporte+e+a+%28re%29produ%C3%A7%C3%A3o+de+identidades&btnG=&lr= Acesso em: 22/10/2013

 

COMENTE ESSE POST

Mídia e esporte são influenciados pela lógica do espetáculo

 

Transmissão de torneios esportivos de elite torna-se alvo de disputa por parte dos veículos midiáticos

 

 

Por Leidiane Vieira

 

Atualmente, existe uma relação de interdependência entre o esporte e a mídia. A necessidade dos clubes e atletas em obterem patrocínio alia-se à saga dos meios de comunicação de massa em sua constante busca pela audiência, que por sua vez, gera patrocínio. Todas essas relações se interligam por meio de fatores econômicos que movimentam o ciclo do esporte de elite. Estabelece-se, assim, um espaço de troca incessante. Atualmente, esse ambiente também tem sido influenciado pela lógica do espetáculo. Em um contexto onde a visibilidade é cada vez mais desejável, o espetáculo ocupa o centro das atenções nas sociedades ocidentais.

 

Como define o filósofo norte-americano Douglas Kellner (2003), "estamos entrando numa nova cultura do espetáculo que constitui uma nova configuração da economia, da sociedade, da política e da vida cotidiana".  O autor ainda destaca que, apesar de os espetáculos existirem desde os tempos modernos, "agora, com o desenvolvimento de novas multimídias e da tecnologia da informação, os tecnoespetáculos têm, decisivamente, determinado os perfis e trajetórias das sociedades e cultura contemporâneas, pelos menos nos países capitalistas."

 

Concordamos com a visão apresentada pela pesquisadora Marli Hatje (2003) ao sugerir que a relação entre esporte e sociedade é pautada pela mídia. Sendo assim, como define a autora, "refletir sobre as relações da Educação Física/Esporte com Mídia e a repercussão desta relação na sociedade atual é fundamental para aprofundar as discussões atuais, tanto na área da Educação Física, quanto na área da Comunicação Social."

 

Nota-se também que o esporte, assim como a mídia, tem sido envolvido pela lógica da globalização. Na atualidade, os campeonatos esportivos mais famosos não se restringem ao país em que eles acontecem. Pelo contrário, existe uma disputa entre diversos veículos pelo direito a transmissão dessas competições que são transformadas em eventos glamorosos. Em diversas vertentes, o esporte é envolvido pelos dispositivos de funcionamento da sociedade capitalista.

 

Em setembro deste ano, por exemplo, a ESPN começou a transmitir, com exclusividade, jogos da temporada 2013-14 da NFL, a liga profissional de futebol americano dos EUA. Ao todo, serão 17 rodadas até os playoffs que definirão os dois times que disputam a 48ª edição do Super Bowl, a grande final da temporada, no dia 2 de fevereiro de 2014, no MetLife Stadium, em Nova Jersey - também com transmissão da ESPN.

 

Os telespectadores poderão acompanhar até cinco jogos ao vivo por semana, aos domingos, segundas e quintas-feiras. Será o maior número de jogos exibidos no Brasil na história, num total de 97 partidas - na última temporada foram 82. No Brasil, os direitos da ESPN incluem internet e mobile. O esporte se tornou um produto na sociedade ocidental que desconhece os limites que já foram impostos pelas fronteiras entre diferentes países.

 

As disputas dos canais de TV pela transmissão de grandes eventos esportivos se tornam cada vez mais acirradas. E a organização desses eventos também é feita com vistas à adequação ao ciclo da espetacularização que vem dominando a grande mídia. Eventos como os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo de Futebol, apresentam aberturas cada vez mais pomposas. Percebe-se, assim, que existe toda uma lógica do espetáculo e lucro envolvendo a relação entre a mídia e o esporte. No Brasil, é aparente a intensa disputa pelos direitos de transmissão de torneios esportivos por parte das duas principais competidoras no mercado televisivo do país. Como destacam Valério Cruz Brittos e Anderson David Gomes dos Santos em artigo publicado no site Observatório da Imprensa.

 

Os autores destacam que até 2006, Globo e Record foram  parceiras na televisão brasileira no denominado "Pacote futebol", que leva em consideração  praticamente todos os campeonatos de clubes com participação de times brasileiros. Por conta de restrições da TV das Organizações Globo, caso da obrigação de transmitir a mesma partida no domingo, a Record passou a concorrer pelos direitos de exibição de torneios esportivos com sua antiga parceira. A Televisão não é o único palco de disputa no que se refere a essa temática. Há tempo tempos que o YouTube vem se movimentando no mundo todo para se tornar um player no mercado de direitos de transmissão de eventos esportivos.

 

 

 

Crédito da foto: Wander Roberto / Inovafoto / COB

 

 

 

Referências bibliográficas e sugestões para aprofundamento


BRITTOS, Cruz; SANTOS, Anderson David Gomes dos. Disputa inflaciona mercado de direitos de transmissão. Observatório da imprensa, 2011.  Disponível em: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_disputa_inflaciona_mercado_de_direitos_de_transmissao

 

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia e o triunfo do espetáculo. In: Revista Libero. Vol. 6, No 11, 2003. Disponível em: http://200.144.189.42/ojs/index.php/libero/article/view/3901/3660

 

HATJE, Marli. Esporte e sociedade: uma relação pautada pela mídia. In: XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2003, Belo Horizonte. Anais eletrônicos...São Paulo: Intercom, 2003. Disponível em: http://www.unifra.br/professores/viviane/Esporte%20e%20Sociedade.pdf Acesso em: 21/10/2013

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Se a base da formação dos atletas Olímpicos Brasileiros são os Clubes Esportivos, porque a Gestão deste segmento não evoluiu ainda?

 

Por Leidiane Vieira

 

Diversos acadêmicos que dedicam suas pesquisas ao estudo sobre o esporte têm destacado o papel fundamental do gestor capacitado para o aproveitamento das inúmeras potencialidades que a área oferece. Em termos gerais, eles são unânimes em defender o papel fundamental da profissionalização dos dirigentes esportivos. Muitas vezes, esses administradores têm experiências práticas, porém não apresentam preparação em níveis teóricos.

 

A ex-presidente da Associação Brasileira de Gestão do Esporte - AbraGEsp, Profa. Dra. Flávia Bastos já destacava no ano de 2003 que a sociedade (meio acadêmico, mídia) cobra transparência e profissionalização por parte do setor administrativo do esporte. Como sugeriu o Prof. EduardoVilela, ainda em 2002, a indústria do esporte e do entretenimento é uma das áreas mais dinâmicas e prósperas de faturamento dos últimos anos. De acordo com o Prof. Ddo. Luiz Carlos Pessoa Nery, considerando que os clubes possuem espaços e locais apropriados para a realização de atividades esportivas diversas, a falta de atividade envolve uma perda significativa em termos de receitas financeiras.

 

Nos clubes brasileiros não faltam provas do mal aproveitamento das instalações existentes. Em setembro, por exemplo, o LANCENET! denunciou o abandono do Parque Aquático do Vasco. O espaço, que já foi palco de grandes eventos, foi desativado, em janeiro deste ano, devido a infiltrações. Recentemente, o clube também teve o abastecimento de água interrompido pela segunda vez no espaço de um ano devido a dívidas com a empresa de fornecimento.

 

O mercado esportivo e de entretenimento no Brasil tem grande potencial financeiro, mas para que ele seja desenvolvido, é necessário que a ocorra a profissionalização de sua gestão e práticas. Em 2005, a profa. Dda. Valéria Bittencourt e o Prof. Dr. Lamartine PereiraDaCosta  argumentaram que a realização de eventos esportivos ocasiona a abertura de empregos diretos e indiretos e proporciona às cidades sedes a oportunidade de surgimento no cenário do turismo. Seguindo por essa vertente, concluímos que o Brasil vivencia um contexto promissor no que se refere à área esportiva. Mas, para que os resultados positivos sejam alcançados, é necessário que a Gestão do Esporte seja feita de maneira comprometida com o desenvolvimento social da comunidade.

 

Constata-se, no entanto, que muitas vezes essa área tem seguido em sentido contrário a tal ideal. Basta fazer uma rápida passagem por sites jornalísticos brasileiros sobre esporte para perceber que a incompetência administrativa e a falta de compromisso e responsabilidade por parte dos dirigentes têm castigado os clubes esportivos do país.

 

Podem ser citados inúmeros exemplos de descaso por parte desses gestores. Recentemente, um clube teve as linhas telefônicas cortadas por falta de pagamento. Em outros casos, são os atletas que sofrem as resultados da falta de competência administrativa por parte dos dirigentes, devido ao atraso no recebimento dos salários. 

 

Ainda de acordo com Bittencourte DaCosta,  o PIB do esporte no Brasil chega a ser superior, em termos de crescimento, em relação ao PIB total da nação brasileira. Essa comparação confirma o imenso potencial do esporte brasileiro, levando-se em consideração a existência do elevado número de instalações esportivas e recursos humanos. 

 

O Prof. Fernando Roche (2002, p.61) nos passa a importância de um aspecto fundamental que

 

"[...]não se pode saber até aonde vamos sem saber de onde viemos e, sobretudo, onde e em que situação nos encontramos em cada momento e quais são as tendências e comportamentos dos fatores externos e  internos que, direta ou indiretamente, nos afetam".

 

Bernard Mullin e seus colaboradores (2004) enfatizaram que as estratégias utilizadas para a gestão esportiva devem começar com um bom entendimento por parte do gestor do ambiente e a posição dele inserida neste e, assim, saber onde se está e aonde se pretende chegar. Isso exige um conhecimento dos componentes do grupo de trabalho e de seus comportamentos diante de todo o processo administrativo que se faz necessário.

 

Em seu capítulo no livro Atlas do Esporte no Brasil no ano de 2005, o Prof. José Antonio BarrosAlves aponta que apesar de o segmento esportivo ter alcançado um elevado grau de importância em relação à promoção da saúde da comunidade, ele tem sido comandado por pessoas despreparadas para gerar o equilíbrio nos investimentos necessários. Para o autor, esse cenário é conseqüência da falta de visão administrativa. O referido pesquisador destaca ainda o papel determinante da política para o pleno desenvolvimento da prática esportiva. De forma que, a elaboração de políticas públicas pelo estado é determinante para o desencadeamento desse processo.

 

Na prática, porém, constata-se que a Gestão do Esporte no Brasil também é vítima da irresponsabilidade por parte de autoridades políticas. A Confederação Brasileira de Clubes (CBC), por exemplo, acumula R$ 101 milhões, dinheiro que recebe das loterias, via Ministério do Esporte, para aplicar na formação de novos atletas.Cabe ao ministro Aldo Rebelo decidir quanto a CBC poderá gastar na administração dos projetos para que o recurso seja liberado. O dinheiro foi barrado pela burocracia. Vale lembrar que, independente disso, o tempo não vai estagnar para que os atletas brasileiros se preparem, em apenas três anos, começam os jogos Olímpicos.

 

 

 

Foto-Fonte: www.ufbr.edu.br

 

 

 

Referência bibliográfica e sugestões para aprofundamento

 

- BASTOS, Flávia da Cunha. Administração Esportiva: área de estudo, pesquisa e perspectiva no Brasil. Motrivivência, ano XV, n.20-21, março-dezembro, 2003.

 

- BITENCOURT, Valéria; DA COSTA, Lamartine P. Cenário da Indústria do Esporte e do Marketing de eventos. In DACOSTA, Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro, SHAPE Editora. 2006. v. 1. p.854-855.

 

- MULLIN, Bernard J.; HARDY, Stephen; SUTTON, Willian A. Marketing Esportivo. 2º edição. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2004.

 

- NERY, L. C. P. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Dissertação de Mestrado. (2009)

 

- ROCHE, Fernando Paris.  Gestão Esportiva-  Planejamento estratégico nas organizações desportivas. 2. ed.  (Tradução: Pedro Fossati Fritsch) Porto Alegre: Artmed, 2002.

 

- VILELA, Eduardo.  Esporte e Marketing como indústria do EntretenimentoIn FILHO, Asfilófio de Oliveira. Ciclo de Palestras de Gestão Esportiva.  São Paulo: Editora Cruzado. 2002, p. 229-236.

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Falta de transparência na Gestão do Esporte facilita ações corruptas

 

Por Leidiane Vieira

 

A falta de cobrança para que os dirigentes esportivos assegurem a transparência pública de suas ações tem ocasionado diversos casos de corrupção nas entidades esportivas do Brasil. Nos últimos dias, três denúncias de irregularidades revelam essa lamentável situação. O primeiro caso envolve Ricardo Teixeira, ex-dirigente da CBF.

 

Acusada pelo Ministério Público de desviar dinheiro público de amistoso da seleção em Brasília em 2008, a Ailanto Marketing Ltda. pagou R$ 2,8 milhões a uma empresa da mulher de Ricardo Teixeira, ex-dirigente da CBF. A Ailanto pertence ao presidente do Barcelona, Sandro Rossell, amigo de Teixeira.

 

Documentos obtidos pela Folha de São Paulo revelam que a empresa do dirigente catalão foi sócia da W Trade Brasil Importação e Exportação, que tem como controladora Ana Carolina Wigand Pessanha Rodrigues, mulher de Teixeira.

 

O segundo caso diz respeito a uma ONG que deveria prezar pelo desenvolvimento da prática esportiva no país. Trata-se das investigações da Polícia Federal (PF) que identificou nove pessoas sob suspeitas de desvio de pelo menos R$ 4,2 milhões do programa Segundo Tempo, dirigido pela ONG Pra Frente Brasil, de Jaguariúna (SP). O Ministério de Esporte repassou em torno de R$ 30 milhões para a entidade, entre os anos 2007 e 2011.

 

Entre os indiciados está a ex-vereadora da cidade e ex-jogadora de basquete Karina Valéria Rodrigues (PC do B), gerente da entidade. Segundo a PF, Karina usava dinheiro desviado da ONG para despesas pessoais, como para pagar dentista e empregada doméstica.

 

Em terceiro lugar, podemos citar a investigação da Polícia Federal que investiga denúncias de atos ilegais na Confederação Brasileira de Tênis. No ano passado a entidade recebeu R$ 11 milhões de verba pública.

 

Percebe-se, a partir dos exemplos citados acima e de muitos outros que poderiam ser apresentados, como o dinheiro público destinado a projetos que deveriam garantir a qualidade do esporte no Brasil, em muitos casos, tem sido desviado para fins privados. Aliado à falta de transparência encontra-se o amadorismo por parte dos gestores dessas entidades.

 

Oliveira, Pereira e Almeida (2008) dividem a definição de gestão em amadorista e profissional.  Os autores destacam que na gestão profissional predomina a visão estratégica e a busca pelos resultados. Existe uma prioridade na busca de parceiros e investidores. Já na gestão amadora, sobressai-se o interesse de um pequeno grupo sobre a maioria, onde os dirigentes não são remunerados ou a remuneração está aquém da competência profissional exigida, existindo uma ênfase no fortalecimento interno do grupo e, portanto, não centrada em resultados. Com base na definição feita pelos autores podemos concluir que, no Brasil, ainda impera a gestão amadora.

 

 

 

Referências Bibliográficas

 

OLIVEIRA, Renato Schiavinato de; PEREIRA, Iara Cristina de Sousa;  ALMEIDA, Marco Antonio Bettine de. A gestão esportiva de categorias de base de basquetebol masculino em clubes da cidade de Campinas - SP. Revista Conexões, Campinas, v. 6, n. especial, 2008 - ISSN: 1516-4381 págs. 619 - 629.

 

 

 

Sugestões para aprofundamento

 

AZEVEDO, Paulo Henrique; BARROS, Jonhatan de Franca A necessidade de administração profissional do esporte brasileiro e o perfil do gestor público, em nível federal, que atuou de 1995 a 2002. Lecturas: Educación física y deportes, Nº. 74, 2004 Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd74/admin.htm

 

MARQUES, Daniel Siqueira Pitta; COSTA, André Lucirton. Governança em Clubes de Futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. R. Adm., São Paulo, v. 44, n.2, p. 118-130, 2009. Disponível em: http://www.rausp.usp.br/busca/artigo.asp?num_artigo=1365

 

 

 

COMENTE ESSE POST

Estruturas temporárias, uma necessidade para os Jogos Olímpicos

Por Marcello Esteves Pires


O empresário norte-americano A. D. Frazier é ex-diretor de operações do Atlata Committee for the Olympic Games (ACOG) e esteve presente nos demais jogos. Agora ele está no Brasil para uma série de palestras com "dicas" para os Jogos Olímpicos do Rio em 2016 e sobre verdadeiro legado que fica para uma cidade após um evento deste porte.

 

Em entrevista ao repórter Paulo Henrique Noronha, do portal Brasil Econômico, Frazier disse que a primeira vez em que se falou em legado dos Jogos Olímpicos foi em 1964, em Tóquio, quando os japoneses começaram a perguntar o que ficaria para eles após o término dos jogos.

 

Nem todas as instalações esportivas que são construídas podem ser consideradas um legado. Falando sobre as obras que estão sendo realizadas no Rio para 2016, Frazier enfatiza a importância de se construir lugares que serão utilizados após o término do evento. Caso os realizadores concluam que um local será subutilizado, esta construção deverá ser temporária, ou seja, ao final dos Jogos é desmontada.

 

Um bom exemplo de desperdício financeiro é o estádio Ninho do Pássaro, em Pequim. Para os Jogos Olímpicos de 2008 foram investidos mais de US$ 500 milhões de dólares na construção deste estádio que hoje, em raríssimas ocasiões, consegue colocar um público que chegue perto dos 80.000 lugares disponíveis. Para Fernando Telles Ribeiro (USP) em seu artigo Legado de eventos esportivos sustentáveis: a importância das instalações esportivas, as instalações esportivas "eventualmente podem resultar em legados negativos quando têm seu planejamento negligenciado por insuficiente dedicação de tempo ou esforço na direção de proporcionar condições favoráveis ao seu pós-uso. Nesse caso, há grande risco de surgimento dos indesejáveis 'elefantes brancos'".

 

Em Atlanta, Frazier conta que o comitê organizador focou os investimentos no campus da Georgia Tech (universidade pública de Atlanta), com a melhoria do parque aquático, a construção de um estádio (que depois foi transformado em estádio de baseball), o parque Olímpico, dois estádios e alguns campos. Todas as demais estruturas foram temporárias. "Não espere que, depois dos jogos, tudo que foi feito para eles tenha alguma utilidade.". O badminton, que é um esporte muito popular na Ásia, não tem muitos adeptos nos EUA, sendo assim todas suas quadras foram desmontadas.

 

Em Londres as arenas de polo aquático e basquete foram desmontadas e suas partes reutilizadas em outros projetos. A ambiciosa ideia inicial era que a Arena de Basquete, que custou mais de 47 milhões de libras, fosse inteiramente transferida para os Jogos Rio ou para Glasgow 2014 (Commonwealth Games), mas esse projeto foi engavetado.

 

Segundo o Comitê Organizador Rio 2016, 25% do total de estruturas, como quadras e arquibancadas, só existirão durante as competições, tendo seu número reduzido em sequência. Algumas estruturas temporárias dos Jogos do Rio:

 

Centro Olímpico de Tênis:


- durante os jogos: 16 quadras de tênis

 

- após os jogos: 10 quadras de tênis e redução no tamanho das arquibancadas

 

Estádio Olímpico de Desportos Aquáticos:


- durante os jogos: assentos para 18.000 pessoas

 

- após os jogos: os assentos serão removidos para a instalação de estruturas administrativas e de pesquisa do Comitê Olímpico de Treinamento (COT).

 

Será que os estudos de viabilização das estruturas que estão sendo construídas para os 2016 estão levando em conta o perigo de se criar "elefantes brancos"? Todas as estruturas permanentes construídas são realmente necessárias?

 

 

Foto - Fonte: Luiz Carlos Pessoa Nery

 

Referência Bibliográfica:


RIBEIRO, Fernando Telles. Legado de eventos esportivos sustentáveis: a importância das instalações esportivas. Legados de Megaeventos Esportivos. p 107, Brasília, Ministério do Esporte, 2008.

 

 

Sugestão para aprofundamento:


SOUZA, Juliano de; JÚNIOR, Wanderley Marchi. Os "legados" dos megaeventos no Brasil: algumas notas e reflexões. Motrivivência. v. 34, p 245-255, junho, 2010.

 

 

COMENTE ESSE POST

O Impasse da Autoridade Pública Olímpica

 

Por Leidiane Vieira


A Autoridade Pública Olímpica tem papel fundamental na preparação para os Jogos Olímpicos de 2016. O órgão é um consórcio entre o governo federal, estadual e a prefeitura do Rio de Janeiro. Sua função é mediar a conexão entre a comissão organizadora do evento e o governo. Além disso, a APO centraliza informações e responsabilidades sobre a preparação do Rio para os Jogos Olímpicos de 2016. A princípio, a entidade não executa obras, mas poderá fazê-lo em caso de atraso que comprometa a realização do evento.

 

Entretanto, a reverso da função legítima da APO, pode-se perceber certo  descompasso justamente no ponto onde deveria acontecer a intercessão. Parece haver um embate entre os responsáveis pela coordenação do evento e as autoridades públicas do Estado.  O órgão está sem presidente desde o início de agosto, quando Marcio Fortes pediu demissão. Fortes foi ministro das Cidades no governo Lula e assumiu a presidência da APO em julho de 2011, nomeado pela presidente Dilma Rousseff. Desde então, esteve em conflito com o governo para impor seu estilo de gestão à organização dos Jogos Olímpicos. Isso acabou reduzindo a importância da APO.

 

O Ministério do Esporte travava com Fortes uma disputa pelo protagonismo da Organização Olímpica. Em novembro de 2012, Dilma mudou a vinculação da APO, que se transferiu do Ministério do Planejamento para o do Esporte. Fortes ficou descontente. O ministério é controlado pelo PC do B, e os executivos da pasta nunca se conformaram em não comandar o órgão.

 

O conflito alcançou se ponto fulcral quando, em setembro do ano passado, o ministério criou o Geolimpíada (Grupo Executivo da Olímpiada), para organizar o trabalho de ministros rumo aos Jogos Olímpicos. Fortes era um dos membros do Geolimpíada, mas quem assumiu a presidência do órgão foi o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes. Com isso, o presidente perdeu voz no governo federal.

 

Após a renúncia de Fortes, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, afirmou que "a APO não faz falta nenhuma. A vida está andando. Ela não atrapalha nenhuma decisão e não ajuda em nenhuma decisão. Nosso diálogo é com o Ministério do Esporte, a Casa Civil e o comitê organizador". Percebe-se, a partir desse argumento apresentado por Paes, que a Autoridade Pública, de fato, não tem a autonomia necessária para cumprir as atribuições que competem ao órgão. 

 

Onde deveria se instalar o diálogo tem vencido a disputa pela centralização do poder. A criação da entidade foi um dos compromissos assumidos pelo Brasil com o COI, baseada na experiência bem-sucedida de Londres-2012. No entanto, a ODA executava obras e tinha orçamento bilionário. Já a APO teve verba inicial de cerca de R$ 150 milhões. Devido a isso, pode-se questionar: para alcançar os mesmo resultados não seria necessário adotar a mesma fórmula? Soma-se a isso o fato de cada governo ter características de funcionamento particulares.

 

O general do Exército Fernando Azevedo e Silva, indicado pela Presidente Dilma, para ocupar o cargo de presidente da APO, passou por sabatina nesta terça-feira, dia 15, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Após responder aos questionamentos dos parlamentares, que levantaram assuntos como o papel da APO na preparação dos Jogos e atrasos nas obras, Azevedo teve a indicação aprovada com 20 votos à favor e apenas um contra.

 

O general Azevedo e Silva ocupa, desde 2012, a presidência da Comissão Desportiva Militar do Brasil (CDMB). Em 2011, durante os Jogos Mundiais Militares, no Rio, ele esteve à frente da Comissão de Desportos do Exército, tendo comandado também, por três anos, o Centro de Capacitação Física do Exército, no Rio. Ao que tudo indica, Azevedo tem experiência na área da gestão de eventos esportivos, resta saber se o general será capaz de estabelecer relação amistosa e produtiva com o governo. Como realizar um trabalho eficaz em meio à falta de transparência por parte do governo? Essa será outra questão que Azevedo terá de resolver.

 

Como destaca o pesquisador Adriano Rogério Goedert (2005), a interação entre os diversos atores e a construção e articulação dos processos através de mecanismos institucionais é de suma importância para a manutenção adequada das políticas desenvolvimentistas. Neste sentido, o sucesso da coordenação dos Jogos Olímpicos do Rio depende, em grande medida, da capacidade dos gestores e diversos outros agentes envolvidos no processo de planejamento e execução das obras promoverem uma articulação política amigável e eficiente.  

 

Foto: www.radioprogresso640.com.br

 

 

Referência bibliográfica


GOEDERT, Adriano Rogério. Governanças em rede de desenvolvimento. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/102935

 

 

Sugestões para aprofundamento

 

http://www.apo.gov.br/site/ 

 

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

A instituição Esporte no Brasil

 

A instituição Esporte no Brasil

Por Marcello Pires

A responsabilidade de sediar dois dos mais importantes eventos esportivos do mundo pesa sobre o Brasil. A praticamente oito meses da Copa do Mundo de 2014 e menos de três anos dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016 a participação política na gestão desses megaeventos (ou a falta de participação) deixa a população preocupada e muitas vezes descrente do legado que será deixado. A preparação para esses megaeventos mostra que há muito mais por trás dos esportes que apenas o momento do jogo, e que para chegar lá vários profissionais de diferentes áreas devem trabalhar juntos.

O esporte no Brasil começou a ter importância social com a sua institucionalização, no momento em que o Governo Federal passou a criar diretrizes e políticas para a prática dos esportes de alto rendimento e focar no contexto social que o esporte poderia ter.

Um breve histórico da institucionalização do esporte no Brasil

O esporte foi institucionalizado no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas, em 1937, com a criação da Divisão de Educação Física, então controlada pelo Ministério da Educação e Cultura. Em 1970, durante o governo militar, a Divisão tornou-se o Departamento de Educação Física e Desportos e apenas oito anos depois passou a ser chamado de Secretaria de Educação Física e Desporto.

A Secretaria existiu até 1990 quando o Presidente Collor a extinguiu e criou a Secretaria de Desportos da Presidência da República, órgão não mais ligado ao Ministério da Educação e que teve como secretários o ex-jogador de futebol Zico por apenas 2 meses (de março a abril de 91) e o ex-jogador de vôlei Bernard Rajznan (de abril de 91 a outubro de 92). O nome foi reduzido para Secretaria dos Desportos pelo Presidente Itamar Franco que voltou a veicula-la ao Ministério da Educação.

Em 1995 o governo FHC cria o Ministério de Estado Extraordinário do Esporte, sob o comando de Pelé (95 a 98), e a Secretaria passa a dar apoio técnico e administrativo. Mas já em março de 95 a secretaria troca de nome para Indesp - Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto - e é transferido do MEC para o Ministério Extraordinário do Esporte. FHC, em 31 de dezembro de 98, último dia de seu primeiro mandato, cria o Ministério do Esporte e Turismo, órgão que passa a controlar o Indesp. Uma nova mudança acontece em outubro de 2000, com a extinção do Indesp e a criação da Secretaria Nacional do Esporte que teve entre seus secretários o velejador campeão olímpico Lars Grael (2001-2002).

Em 2003 começa o governo Lula e uma das primeiras medidas deste mandato é separar as pastas e criar dois ministérios independentes, o Ministério do Esporte e o Ministério do Turismo. Pelo Ministério do Esporte já passaram Agnelo Queiroz, Orlando Silva Júnior e hoje o ministro é Aldo Rebelo. Segundo publicou o site Lancenet, no dia 14 de outubro, o Ministro Aldo Rebelo é pré-candidato ao governo de São Paulo para as próximas eleições e pode deixar o Ministério do Esporte até o final do ano. A constante troca de Ministros, seja por escândalos de corrupção ou por outras aspirações partidárias, mostra a dificuldade de uma continuidade na gestão política do esporte.

Ministro Aldo Rebelo

Foto: Wilson Dias/ ABr

O que teremos pela frente?

É de responsabilidade do Ministério criar, desenvolver e garantir as políticas de esporte nacional, desenvolver os esportes de alto-rendimento e trabalhar com ações de inclusão social para garantir a toda população brasileira acesso gratuito à prática esportiva. Para se alcançar esses objetivos existem vários programas governamentais, leis e medidas provisórias de incentivo a prática de alto rendimento ou não. Algumas políticas e programas criados pelo Ministério do Esporte têm como objetivo apoiar os clubes esportivos na preparação de seus atletas.

Os clubes são o principal espaço para a formação de atletas no país. Segundo dados do site da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) temos quase 14.000 clubes espalhados pelas cinco regiões do Brasil nos quais mais de 55 milhões de pessoas estão associadas (entre atletas, sócio-torcedores e pessoas que procuram por lazer). Entretanto, tivemos apenas 259 atletas nos jogos olímpicos de Londres que deixaram o Brasil em vigésimo-segundo lugar no ranking de medalhas, num total de dezessete. A Hungria, que tem uma população mais de 20 vezes menor que a do Brasil, obteve o mesmo número de medalhas, mas ficou na nossa frente pelo número de medalhas de ouro, oito contra três.

Essas políticas criadas ao longo dos anos não foram suficientes para tornar o Brasil uma potência Olímpica. Percebe-se que há muito a se fazer, porém, verifica-se em comum a todos os governos a inexistência de pessoas capacitadas para assumir os cargos de comando do esporte brasileiro.

Além da MP 620 que dará um novo quadro ao esporte brasileiro, espera-se que o país caminhe rumo a profissionalização da gestão do esporte, tornando obrigatória a presença de profissionais qualificados para estes cargos e não ex- atletas ou políticos, conforme a história nos revela.

Para isso, será que o Brasil está preparado para oferecer cursos de graduação e pós-graduação na área da gestão do esporte? Segundo dados do artigo dos professores Leandro Carlos Mazzei e Katherine Amaya (Universidade Nove de Julho) e da professora Flávia da Cunha Bastos (USP) foram identificados 43 cursos em atividade pelo Brasil. A pergunta que fica é: esse número é suficiente para um país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes?

 

Referência Bibliográfica:

MAZZEI, Leandro Carlos; AMAYA, Katherine; BASTOS, Flávia da Cunha. Programas Acadêmicos de Graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 12, n. 1, 2013.

 

Sugestões para aprofundamento:

MOCSÁNYI, Vinícius; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão de Pessoas na Administração Esportiva: Considerações sobre os Principais Processos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.4, p. 55-69, 2005.

ROCHA, Cláudio Miranda; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 25, n.spe, pp. 91-103. 2012.

 

MEIRA, Tatiana de Barros; BASTOS, Flávia da Cunha, BOHME, Maria Teresa Silveira. Análise da Estrutura Organizacional do Esporte de Rendimento no Brasil: um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 26, n. 2, pp. 251-262. 2012

 

 

COMENTE ESSE POST

A instituição Esporte no Brasil

 

A instituição Esporte no Brasil

Por Marcello Pires

A responsabilidade de sediar dois dos mais importantes eventos esportivos do mundo pesa sobre o Brasil. A praticamente oito meses da Copa do Mundo de 2014 e menos de três anos dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016 a participação política na gestão desses megaeventos (ou a falta de participação) deixa a população preocupada e muitas vezes descrente do legado que será deixado. A preparação para esses megaeventos mostra que há muito mais por trás dos esportes que apenas o momento do jogo, e que para chegar lá vários profissionais de diferentes áreas devem trabalhar juntos.

O esporte no Brasil começou a ter importância social com a sua institucionalização, no momento em que o Governo Federal passou a criar diretrizes e políticas para a prática dos esportes de alto rendimento e focar no contexto social que o esporte poderia ter.

Um breve histórico da institucionalização do esporte no Brasil

O esporte foi institucionalizado no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas, em 1937, com a criação da Divisão de Educação Física, então controlada pelo Ministério da Educação e Cultura. Em 1970, durante o governo militar, a Divisão tornou-se o Departamento de Educação Física e Desportos e apenas oito anos depois passou a ser chamado de Secretaria de Educação Física e Desporto.

A Secretaria existiu até 1990 quando o Presidente Collor a extinguiu e criou a Secretaria de Desportos da Presidência da República, órgão não mais ligado ao Ministério da Educação e que teve como secretários o ex-jogador de futebol Zico por apenas 2 meses (de março a abril de 91) e o ex-jogador de vôlei Bernard Rajznan (de abril de 91 a outubro de 92). O nome foi reduzido para Secretaria dos Desportos pelo Presidente Itamar Franco que voltou a veicula-la ao Ministério da Educação.

Em 1995 o governo FHC cria o Ministério de Estado Extraordinário do Esporte, sob o comando de Pelé (95 a 98), e a Secretaria passa a dar apoio técnico e administrativo. Mas já em março de 95 a secretaria troca de nome para Indesp - Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto - e é transferido do MEC para o Ministério Extraordinário do Esporte. FHC, em 31 de dezembro de 98, último dia de seu primeiro mandato, cria o Ministério do Esporte e Turismo, órgão que passa a controlar o Indesp. Uma nova mudança acontece em outubro de 2000, com a extinção do Indesp e a criação da Secretaria Nacional do Esporte que teve entre seus secretários o velejador campeão olímpico Lars Grael (2001-2002).

Em 2003 começa o governo Lula e uma das primeiras medidas deste mandato é separar as pastas e criar dois ministérios independentes, o Ministério do Esporte e o Ministério do Turismo. Pelo Ministério do Esporte já passaram Agnelo Queiroz, Orlando Silva Júnior e hoje o ministro é Aldo Rebelo. Segundo publicou o site Lancenet, no dia 14 de outubro, o Ministro Aldo Rebelo é pré-candidato ao governo de São Paulo para as próximas eleições e pode deixar o Ministério do Esporte até o final do ano. A constante troca de Ministros, seja por escândalos de corrupção ou por outras aspirações partidárias, mostra a dificuldade de uma continuidade na gestão política do esporte.

Ministro Aldo Rebelo

Foto: Wilson Dias/ ABr

O que teremos pela frente?

É de responsabilidade do Ministério criar, desenvolver e garantir as políticas de esporte nacional, desenvolver os esportes de alto-rendimento e trabalhar com ações de inclusão social para garantir a toda população brasileira acesso gratuito à prática esportiva. Para se alcançar esses objetivos existem vários programas governamentais, leis e medidas provisórias de incentivo a prática de alto rendimento ou não. Algumas políticas e programas criados pelo Ministério do Esporte têm como objetivo apoiar os clubes esportivos na preparação de seus atletas.

Os clubes são o principal espaço para a formação de atletas no país. Segundo dados do site da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) temos quase 14.000 clubes espalhados pelas cinco regiões do Brasil nos quais mais de 55 milhões de pessoas estão associadas (entre atletas, sócio-torcedores e pessoas que procuram por lazer). Entretanto, tivemos apenas 259 atletas nos jogos olímpicos de Londres que deixaram o Brasil em vigésimo-segundo lugar no ranking de medalhas, num total de dezessete. A Hungria, que tem uma população mais de 20 vezes menor que a do Brasil, obteve o mesmo número de medalhas, mas ficou na nossa frente pelo número de medalhas de ouro, oito contra três.

Essas políticas criadas ao longo dos anos não foram suficientes para tornar o Brasil uma potência Olímpica. Percebe-se que há muito a se fazer, porém, verifica-se em comum a todos os governos a inexistência de pessoas capacitadas para assumir os cargos de comando do esporte brasileiro.

Além da MP 620 que dará um novo quadro ao esporte brasileiro, espera-se que o país caminhe rumo a profissionalização da gestão do esporte, tornando obrigatória a presença de profissionais qualificados para estes cargos e não ex- atletas ou políticos, conforme a história nos revela.

Para isso, será que o Brasil está preparado para oferecer cursos de graduação e pós-graduação na área da gestão do esporte? Segundo dados do artigo dos professores Leandro Carlos Mazzei e Katherine Amaya (Universidade Nove de Julho) e da professora Flávia da Cunha Bastos (USP) foram identificados 43 cursos em atividade pelo Brasil. A pergunta que fica é: esse número é suficiente para um país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes?

 

Referência Bibliográfica:

MAZZEI, Leandro Carlos; AMAYA, Katherine; BASTOS, Flávia da Cunha. Programas Acadêmicos de Graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 12, n. 1, 2013.

 

Sugestões para aprofundamento:

MOCSÁNYI, Vinícius; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão de Pessoas na Administração Esportiva: Considerações sobre os Principais Processos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.4, p. 55-69, 2005.

ROCHA, Cláudio Miranda; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 25, n.spe, pp. 91-103. 2012.

 

MEIRA, Tatiana de Barros; BASTOS, Flávia da Cunha, BOHME, Maria Teresa Silveira. Análise da Estrutura Organizacional do Esporte de Rendimento no Brasil: um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 26, n. 2, pp. 251-262. 2012

 

 

COMENTE ESSE POST

A instituição Esporte no Brasil

 

A instituição Esporte no Brasil

Por Marcello Pires

A responsabilidade de sediar dois dos mais importantes eventos esportivos do mundo pesa sobre o Brasil. A praticamente oito meses da Copa do Mundo de 2014 e menos de três anos dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016 a participação política na gestão desses megaeventos (ou a falta de participação) deixa a população preocupada e muitas vezes descrente do legado que será deixado. A preparação para esses megaeventos mostra que há muito mais por trás dos esportes que apenas o momento do jogo, e que para chegar lá vários profissionais de diferentes áreas devem trabalhar juntos.

O esporte no Brasil começou a ter importância social com a sua institucionalização, no momento em que o Governo Federal passou a criar diretrizes e políticas para a prática dos esportes de alto rendimento e focar no contexto social que o esporte poderia ter.

Um breve histórico da institucionalização do esporte no Brasil

O esporte foi institucionalizado no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas, em 1937, com a criação da Divisão de Educação Física, então controlada pelo Ministério da Educação e Cultura. Em 1970, durante o governo militar, a Divisão tornou-se o Departamento de Educação Física e Desportos e apenas oito anos depois passou a ser chamado de Secretaria de Educação Física e Desporto.

A Secretaria existiu até 1990 quando o Presidente Collor a extinguiu e criou a Secretaria de Desportos da Presidência da República, órgão não mais ligado ao Ministério da Educação e que teve como secretários o ex-jogador de futebol Zico por apenas 2 meses (de março a abril de 91) e o ex-jogador de vôlei Bernard Rajznan (de abril de 91 a outubro de 92). O nome foi reduzido para Secretaria dos Desportos pelo Presidente Itamar Franco que voltou a veicula-la ao Ministério da Educação.

Em 1995 o governo FHC cria o Ministério de Estado Extraordinário do Esporte, sob o comando de Pelé (95 a 98), e a Secretaria passa a dar apoio técnico e administrativo. Mas já em março de 95 a secretaria troca de nome para Indesp - Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto - e é transferido do MEC para o Ministério Extraordinário do Esporte. FHC, em 31 de dezembro de 98, último dia de seu primeiro mandato, cria o Ministério do Esporte e Turismo, órgão que passa a controlar o Indesp. Uma nova mudança acontece em outubro de 2000, com a extinção do Indesp e a criação da Secretaria Nacional do Esporte que teve entre seus secretários o velejador campeão olímpico Lars Grael (2001-2002).

Em 2003 começa o governo Lula e uma das primeiras medidas deste mandato é separar as pastas e criar dois ministérios independentes, o Ministério do Esporte e o Ministério do Turismo. Pelo Ministério do Esporte já passaram Agnelo Queiroz, Orlando Silva Júnior e hoje o ministro é Aldo Rebelo. Segundo publicou o site Lancenet, no dia 14 de outubro, o Ministro Aldo Rebelo é pré-candidato ao governo de São Paulo para as próximas eleições e pode deixar o Ministério do Esporte até o final do ano. A constante troca de Ministros, seja por escândalos de corrupção ou por outras aspirações partidárias, mostra a dificuldade de uma continuidade na gestão política do esporte.

O que teremos pela frente?

É de responsabilidade do Ministério criar, desenvolver e garantir as políticas de esporte nacional, desenvolver os esportes de alto-rendimento e trabalhar com ações de inclusão social para garantir a toda população brasileira acesso gratuito à prática esportiva. Para se alcançar esses objetivos existem vários programas governamentais, leis e medidas provisórias de incentivo a prática de alto rendimento ou não. Algumas políticas e programas criados pelo Ministério do Esporte têm como objetivo apoiar os clubes esportivos na preparação de seus atletas.

Os clubes são o principal espaço para a formação de atletas no país. Segundo dados do site da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) temos quase 14.000 clubes espalhados pelas cinco regiões do Brasil nos quais mais de 55 milhões de pessoas estão associadas (entre atletas, sócio-torcedores e pessoas que procuram por lazer). Entretanto, tivemos apenas 259 atletas nos jogos olímpicos de Londres que deixaram o Brasil em vigésimo-segundo lugar no ranking de medalhas, num total de dezessete. A Hungria, que tem uma população mais de 20 vezes menor que a do Brasil, obteve o mesmo número de medalhas, mas ficou na nossa frente pelo número de medalhas de ouro, oito contra três.

Essas políticas criadas ao longo dos anos não foram suficientes para tornar o Brasil uma potência Olímpica. Percebe-se que há muito a se fazer, porém, verifica-se em comum a todos os governos a inexistência de pessoas capacitadas para assumir os cargos de comando do esporte brasileiro.

Além da MP 620 que dará um novo quadro ao esporte brasileiro, espera-se que o país caminhe rumo a profissionalização da gestão do esporte, tornando obrigatória a presença de profissionais qualificados para estes cargos e não ex- atletas ou políticos, conforme a história nos revela.

Para isso, será que o Brasil está preparado para oferecer cursos de graduação e pós-graduação na área da gestão do esporte? Segundo dados do artigo dos professores Leandro Carlos Mazzei e Katherine Amaya (Universidade Nove de Julho) e da professora Flávia da Cunha Bastos (USP) foram identificados 43 cursos em atividade pelo Brasil. A pergunta que fica é: esse número é suficiente para um país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes?

 

Referência Bibliográfica:

MAZZEI, Leandro Carlos; AMAYA, Katherine; BASTOS, Flávia da Cunha. Programas Acadêmicos de Graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 12, n. 1, 2013.

 

Sugestões para aprofundamento:

MOCSÁNYI, Vinícius; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão de Pessoas na Administração Esportiva: Considerações sobre os Principais Processos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.4, p. 55-69, 2005.

ROCHA, Cláudio Miranda; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 25, n.spe, pp. 91-103. 2012.

 

MEIRA, Tatiana de Barros; BASTOS, Flávia da Cunha, BOHME, Maria Teresa Silveira. Análise da Estrutura Organizacional do Esporte de Rendimento no Brasil: um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 26, n. 2, pp. 251-262. 2012

 

 

COMENTE ESSE POST

A instituição Esporte no Brasil

 

A instituição Esporte no Brasil

Por Marcello Pires

A responsabilidade de sediar dois dos mais importantes eventos esportivos do mundo pesa sobre o Brasil. A praticamente oito meses da Copa do Mundo de 2014 e menos de três anos dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016 a participação política na gestão desses megaeventos (ou a falta de participação) deixa a população preocupada e muitas vezes descrente do legado que será deixado. A preparação para esses megaeventos mostra que há muito mais por trás dos esportes que apenas o momento do jogo, e que para chegar lá vários profissionais de diferentes áreas devem trabalhar juntos.

O esporte no Brasil começou a ter importância social com a sua institucionalização, no momento em que o Governo Federal passou a criar diretrizes e políticas para a prática dos esportes de alto rendimento e focar no contexto social que o esporte poderia ter.

Um breve histórico da institucionalização do esporte no Brasil

O esporte foi institucionalizado no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas, em 1937, com a criação da Divisão de Educação Física, então controlada pelo Ministério da Educação e Cultura. Em 1970, durante o governo militar, a Divisão tornou-se o Departamento de Educação Física e Desportos e apenas oito anos depois passou a ser chamado de Secretaria de Educação Física e Desporto.

A Secretaria existiu até 1990 quando o Presidente Collor a extinguiu e criou a Secretaria de Desportos da Presidência da República, órgão não mais ligado ao Ministério da Educação e que teve como secretários o ex-jogador de futebol Zico por apenas 2 meses (de março a abril de 91) e o ex-jogador de vôlei Bernard Rajznan (de abril de 91 a outubro de 92). O nome foi reduzido para Secretaria dos Desportos pelo Presidente Itamar Franco que voltou a veicula-la ao Ministério da Educação.

Em 1995 o governo FHC cria o Ministério de Estado Extraordinário do Esporte, sob o comando de Pelé (95 a 98), e a Secretaria passa a dar apoio técnico e administrativo. Mas já em março de 95 a secretaria troca de nome para Indesp - Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto - e é transferido do MEC para o Ministério Extraordinário do Esporte. FHC, em 31 de dezembro de 98, último dia de seu primeiro mandato, cria o Ministério do Esporte e Turismo, órgão que passa a controlar o Indesp. Uma nova mudança acontece em outubro de 2000, com a extinção do Indesp e a criação da Secretaria Nacional do Esporte que teve entre seus secretários o velejador campeão olímpico Lars Grael (2001-2002).

Em 2003 começa o governo Lula e uma das primeiras medidas deste mandato é separar as pastas e criar dois ministérios independentes, o Ministério do Esporte e o Ministério do Turismo. Pelo Ministério do Esporte já passaram Agnelo Queiroz, Orlando Silva Júnior e hoje o ministro é Aldo Rebelo. Segundo publicou o site Lancenet, no dia 14 de outubro, o Ministro Aldo Rebelo é pré-candidato ao governo de São Paulo para as próximas eleições e pode deixar o Ministério do Esporte até o final do ano. A constante troca de Ministros, seja por escândalos de corrupção ou por outras aspirações partidárias, mostra a dificuldade de uma continuidade na gestão política do esporte.

O que teremos pela frente?

É de responsabilidade do Ministério criar, desenvolver e garantir as políticas de esporte nacional, desenvolver os esportes de alto-rendimento e trabalhar com ações de inclusão social para garantir a toda população brasileira acesso gratuito à prática esportiva. Para se alcançar esses objetivos existem vários programas governamentais, leis e medidas provisórias de incentivo a prática de alto rendimento ou não. Algumas políticas e programas criados pelo Ministério do Esporte têm como objetivo apoiar os clubes esportivos na preparação de seus atletas.

Os clubes são o principal espaço para a formação de atletas no país. Segundo dados do site da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) temos quase 14.000 clubes espalhados pelas cinco regiões do Brasil nos quais mais de 55 milhões de pessoas estão associadas (entre atletas, sócio-torcedores e pessoas que procuram por lazer). Entretanto, tivemos apenas 259 atletas nos jogos olímpicos de Londres que deixaram o Brasil em vigésimo-segundo lugar no ranking de medalhas, num total de dezessete. A Hungria, que tem uma população mais de 20 vezes menor que a do Brasil, obteve o mesmo número de medalhas, mas ficou na nossa frente pelo número de medalhas de ouro, oito contra três.

Essas políticas criadas ao longo dos anos não foram suficientes para tornar o Brasil uma potência Olímpica. Percebe-se que há muito a se fazer, porém, verifica-se em comum a todos os governos a inexistência de pessoas capacitadas para assumir os cargos de comando do esporte brasileiro.

Além da MP 620 que dará um novo quadro ao esporte brasileiro, espera-se que o país caminhe rumo a profissionalização da gestão do esporte, tornando obrigatória a presença de profissionais qualificados para estes cargos e não ex- atletas ou políticos, conforme a história nos revela.

Para isso, será que o Brasil está preparado para oferecer cursos de graduação e pós-graduação na área da gestão do esporte? Segundo dados do artigo dos professores Leandro Carlos Mazzei e Katherine Amaya (Universidade Nove de Julho) e da professora Flávia da Cunha Bastos (USP) foram identificados 43 cursos em atividade pelo Brasil. A pergunta que fica é: esse número é suficiente para um país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes?

 

Referência Bibliográfica:

MAZZEI, Leandro Carlos; AMAYA, Katherine; BASTOS, Flávia da Cunha. Programas Acadêmicos de Graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 12, n. 1, 2013.

 

Sugestões para aprofundamento:

MOCSÁNYI, Vinícius; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão de Pessoas na Administração Esportiva: Considerações sobre os Principais Processos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.4, p. 55-69, 2005.

ROCHA, Cláudio Miranda; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 25, n.spe, pp. 91-103. 2012.

 

MEIRA, Tatiana de Barros; BASTOS, Flávia da Cunha, BOHME, Maria Teresa Silveira. Análise da Estrutura Organizacional do Esporte de Rendimento no Brasil: um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 26, n. 2, pp. 251-262. 2012

 

 

COMENTE ESSE POST

O esporte institucional no Brasil

A responsabilidade de sediar dois dos mais importantes eventos esportivos do mundo pesa sobre o Brasil. A praticamente oito meses da Copa do Mundo de 2014 e menos de três anos dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016 a participação política na gestão desses megaeventos (ou a falta de participação) deixa a população preocupada e muitas vezes descrente do legado que será deixado. A preparação para esses megaeventos mostra que há muito mais por trás dos esportes que apenas o momento do jogo, e que para chegar lá vários profissionais de diferentes áreas devem trabalhar juntos.
O esporte no Brasil começou a ter importância social com a sua institucionalização, no momento em que o Governo Federal passou a criar diretrizes e políticas para a prática dos esportes de alto rendimento e focar no contexto social que o esporte poderia ter.

 

Pequena história da Institucionalização do esporte no Brasil

 

 

 

 

O esporte foi institucionalizado no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas, em 1937, com a criação da Divisão de Educação Física, então controlada pelo Ministério da Educação e Cultura. Em 1970, durante o governo militar, a Divisão tornou-se o Departamento de Educação Física e Desportos e apenas oito anos depois passou a ser chamado de Secretaria de Educação Física e Desporto.
A Secretaria existiu até 1990 quando o Presidente Collor a extinguiu e criou a Secretaria de Desportos da Presidência da República, órgão não mais ligado ao Ministério da Educação e que teve como secretários o ex-jogador de futebol Zico por apenas 2 meses (de março a abril de 91) e o ex-jogador de vôlei Bernard Rajznan (de abril de 91 a outubro de 92). O nome foi reduzido para Secretaria dos Desportos pelo Presidente Itamar Franco que voltou a veicula-la ao Ministério da Educação.
Em 1995 o governo FHC cria o Ministério de Estado Extraordinário do Esporte, sob o comando de Pelé (95 a 98), e a Secretaria passa a dar apoio técnico e administrativo. Mas já em março de 95 a secretaria troca de nome para Indesp - Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto - e é transferido do MEC para o Ministério Extraordinário do Esporte. FHC, em 31 de dezembro de 98, último dia de seu primeiro mandato, cria o Ministério do Esporte e Turismo, órgão que passa a controlar o Indesp. Uma nova mudança acontece em outubro de 2000, com a extinção do Indesp e a criação da Secretaria Nacional do Esporte que teve entre seus secretários o velejador campeão olímpico Lars Grael (2001-2002).
Em 2003 começa o governo Lula e uma das primeiras medidas deste mandato é separar as pastas e criar dois ministérios independentes, o Ministério do Esporte e o Ministério do Turismo. Pelo Ministério do Esporte já passaram Agnelo Queiroz, Orlando Silva Júnior e hoje o ministro é Aldo Rebelo. Segundo publicou o site Lancenet, no dia 14 de outubro, o Ministro Aldo Rebelo é pré-candidato ao governo de São Paulo para as próximas eleições e pode deixar o Ministério do Esporte até o final do ano. A constante troca de Ministros, seja por escândalos de corrupção ou por outras aspirações partidárias, mostra a dificuldade de uma continuidade na gestão política do esporte.

 

O que teremos pela frente?

 

 

É de responsabilidade do Ministério criar, desenvolver e garantir as políticas de esporte nacional, desenvolver os esportes de alto-rendimento e trabalhar com ações de inclusão social para garantir a toda população brasileira acesso gratuito à prática esportiva. Para se alcançar esses objetivos existem vários programas governamentais, leis e medidas provisórias de incentivo à prática de alto rendimento ou não. Algumas políticas e programas criados pelo Ministério do Esporte têm como objetivo apoiar os clubes esportivos na preparação de seus atletas.
Os clubes são o principal espaço para a formação de atletas olímpicos no país. Segundo dados do site da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) temos quase 14.000 clubes espalhados pelas cinco regiões do Brasil nos quais mais de 55 milhões de pessoas estão associadas (entre atletas, sócio-torcedores e pessoas que procuram por lazer). Entretanto, tivemos apenas 259 atletas nos jogos olímpicos de Londres que deixaram o Brasil em vigésimo-segundo lugar no ranking de medalhas, num total de dezessete. A Hungria, que tem uma população mais de 20 vezes menor que a do Brasil, obteve o mesmo número de medalhas, mas ficou na nossa frente pelo número de medalhas de ouro, oito contra três.
Essas políticas criadas ao longo dos anos não foram suficientes para tornar o Brasil uma potência Olímpica. Percebe-se que há muito a se fazer, porém, verifica-se em comum a todos os governos a inexistência de pessoas capacitadas para assumir os cargos de comando do esporte brasileiro.
Além da MP 620 que dará um novo quadro ao esporte brasileiro, espera-se que o país caminhe rumo a profissionalização da gestão do esporte, tornando obrigatória a presença de profissionais qualificados para estes cargos e não ex- atletas ou políticos, conforme a história nos revela.
Para isso, será que o Brasil está preparado para oferecer cursos de graduação e pós-graduação na área da gestão do esporte? Segundo dados do artigo dos professores Leandro Carlos Mazzei e Katherine Amaya (Universidade Nove de Julho) e da professora Flávia da Cunha Bastos (USP) foram identificados 43 cursos em atividade pelo Brasil. A pergunta que fica é: esse número é suficiente para um país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes?


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
MAZZEI, Leandro Carlos; AMAYA, Katherine; BASTOS, Flávia da Cunha. Programas Acadêmicos de Graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 12, n. 1, 2013.

 

SUGESTÕES PARA APROFUNDAMENTO:
MOCSÁNYI, Vinícius; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão de Pessoas na Administração Esportiva: Considerações sobre os Principais Processos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.4, p. 55-69, 2005.
http://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCBS/Cursos/Educacao_Fisica/REMEFE-4-4-2005/art4_edfis4n4.pdf

ROCHA, Cláudio Miranda; BASTOS, Flávia da Cunha. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 25, n.spe, pp. 91-103. 2012.
http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v25nspe/10.pdf

MEIRA, Tatiana de Barros; BASTOS, Flávia da Cunha, BOHME, Maria Teresa Silveira. Análise da Estrutura Organizacional do Esporte de Rendimento no Brasil: um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 26, n. 2, pp. 251-262. 2012
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1807-55092012000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

POR MARCELLO ESTEVES PIRES

 

COMENTE ESSE POST

O esporte institucional no Brasil

 

Por Marcello Esteves Pires

 

 

A responsabilidade de sediar dois dos mais importantes eventos esportivos do mundo pesa sobre o Brasil. A praticamente oito meses da Copa do Mundo de 2014 e menos de três anos dos Jogos Olímpicos do Rio em 2016 a participação política na gestão desses Megaeventos (ou a falta de participação) deixa a população preocupada e muitas vezes descrente do legado que será deixado. A preparação mostra que há muito mais por trás dos esportes que apenas o momento do jogo, e que para chegar lá vários profissionais de diferentes áreas devem trabalhar juntos.O Esporte no Brasil começou a ter importância social com a sua institucionalização, no momento em que o Governo Federal passou a criar diretrizes e políticas para a prática dos esportes de alto rendimento e focar no contexto social que o Esporte poderia ter.

 

 

Pequena história da Institucionalização do esporte no Brasil

 

 

 

 

 

O Esporte foi institucionalizado no Brasil durante o governo de Getúlio Vargas, em 1937, com a criação da Divisão de Educação Física, então controlada pelo Ministério da Educação e Cultura. Em 1970, durante o governo militar, a Divisão tornou-se o Departamento de Educação Física e Desportos e apenas oito anos depois passou a ser chamado de Secretaria de Educação Física e Desporto.

A Secretaria existiu até 1990 quando o Presidente Collor a extinguiu e criou a Secretaria de Desportos da Presidência da República, órgão não mais ligado ao Ministério da Educação e que teve como secretários o ex-jogador de futebol Zico por apenas 2 meses (de março a abril de 91) e o ex-jogador de vôlei Bernard Rajznan (de abril de 91 a outubro de 92). O nome foi reduzido para Secretaria dos Desportos pelo Presidente Itamar Franco que voltou a veicula-la ao Ministério da Educação.  

Em 1995 o governo FHC cria o Ministério de Estado Extraordinário do Esporte, sob o comando de Pelé (95 a 98), e a Secretaria passa a dar apoio técnico e administrativo. Mas já em março de 95 a secretaria troca de nome para Indesp - Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto - e é transferido do MEC para o Ministério Extraordinário do Esporte. FHC, em 31 de dezembro de 98, último dia de seu primeiro mandato, cria o Ministério do Esporte e Turismo, órgão que passa a controlar o Indesp. Uma nova mudança acontece em outubro de 2000, com a extinção do Indesp e a criação da Secretaria Nacional do Esporte que teve entre seus secretários o velejador campeão olímpico Lars Grael (2001-2002). 

Em 2003 começa o governo Lula e uma das primeiras medidas deste mandato é separar as pastas e criar dois ministérios independentes, o Ministério dos Esportes e o Ministério do Turismo. Pelo Ministério dos Esportes já passaram Agnelo Queiroz, Orlando Silva Júnior e hoje o ministro é Aldo Rebelo. Segundo publicou o site Lancenet, no dia 14 de outubro, o Ministro Aldo Rebelo é pré-candidato ao governo de São Paulo para as próximas eleições e pode deixar o Ministério dos Esportes até o final do ano. A constante troca de Ministros, seja por escândalos de corrupção ou por outras aspirações partidárias, mostra a dificuldade de uma continuidade na gestão política do esporte. 

 

Ministro Aldo Rebello
Foto: Wilson Dias/ABr

 

O que teremos pela frente?

 

 

 

É de responsabilidade do Ministério criar, desenvolver e garantir as Políticas de Esporte Nacional, desenvolver os esportes de alto-rendimento e trabalhar com ações de inclusão social para garantir a toda população brasileira acesso gratuito à prática esportiva. Para se alcançar esses objetivos existem vários programas governamentais, leis e medidas provisórias de incentivo à prática de alto rendimento ou não. Algumas políticas e programas criados pelo Ministério dos Esportes têm como objetivo apoiar os clubes esportivos na preparação de seus atletas.

Os clubes são o principal espaço para a formação de atletas olímpicos no país. Segundo dados do site da Confederação Brasileira de Clubes (CBC) temos quase 14.000 clubes espalhados pelas cinco regiões do Brasil nos quais mais de 55 milhões de pessoas estão associadas (entre atletas, sócio-torcedores e pessoas que procuram por lazer). Entretanto, tivemos apenas 259 atletas nos Jogos Olímpicos de Londres que deixaram o Brasil em vigésimo-segundo lugar no ranking de medalhas, num total de dezessete. A Hungria, que tem uma população mais de 20 vezes menor que a do Brasil, obteve o mesmo número de medalhas, mas ficou na nossa frente pelo número de medalhas de ouro, oito contra três. 

Essas políticas criadas ao longo dos anos não foram suficientes para tornar o Brasil uma potência Olímpica. Percebe-se que há muito a se fazer, porém, verifica-se, em comum a todos os governos a inexistência de pessoas capacitadas para assumir os cargos de comando do esporte brasileiro.

Além da MP 620 que dará um novo quadro ao esporte brasileiro, espera-se que o país caminhe rumo a profissionalização da Gestão do Esporte, tornando obrigatória a presença de profissionais qualificados para estes cargos e não ex- atletas ou políticos, conforme a história nos revela.

Para isso, será que o Brasil está preparado para oferecer cursos de graduação e pós-graduação na área da Gestão do Esporte? Segundo dados do artigo dos professores Leandro Carlos Mazzei e Katherine Amaya (Universidade Nove de Julho) e da professora Flávia da Cunha Bastos (USP), publicado este ano, foram identificados 43 cursos em atividade pelo Brasil. A pergunta que fica é: esse número é suficiente para um país que tem uma população de mais de 200 milhões de habitantes?

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:


MAZZEI, Leandro Carlos; AMAYA, Katherine; BASTOS, Flávia da Cunha. Programas Acadêmicos de Graduação em Gestão do Esporte no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 12, n. 1, 2013.

 

 

SUGESTÕES PARA APROFUNDAMENTO:


ALMEIDA, Bárbara Schausteck de; MARCHI JÚNIOR, Wanderley. O financiamento dos programas Federais de esporte e lazer no Brasil (2004 a 2008). Porto Alegre, v. 16, n. 04, p. 73-92, outubro/dezembro de 2010.

http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/13103/10845

 

VERONEZ , Luiz Fernando Camargo. Quando o Estado Joga a Favor do Privado: As políticas de esporte após a Constituição Federal de 1988. UNICAMP, Tese de Doutorado, 2005.

http://www.gestaodesportiva.com.br/tese/Veronez,LuizFernandoCamargo[1].pdf

 

MEIRA, Tatiana de Barros; BASTOS, Flávia da Cunha, BOHME, Maria Teresa Silveira. Análise da Estrutura Organizacional do Esporte de Rendimento no Brasil: um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte [online]. vol. 26, n. 2, pp. 251-262. 2012 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1807-55092012000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST

O esporte para além do óbvio

Por Leidiane Viera dos Reis


Atualmente, o Brasil se encontra no centro das atenções em nível mundial devido às expectativas geradas em torno dos dois grandes eventos esportivos que o país irá sediar nos próximos anos, a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016. Muito se tem discutido sobre os preparativos que vêm sendo adotados para a realização desses megaeventos. As temáticas de corrupção, atrasos em obras e desvio de verba pública têm ocupado grande parte da cobertura midiática no que se refere a esse assunto. Mas, dentro desse contexto, não seria ideal que as discussões se alargassem um pouco mais?
Talvez, devêssemos nos voltar em primeiro lugar para aspectos amplos acerca do esporte no Brasil. Reflexões sobre como a prática esportiva é gerida no país podem ter maior relevância do que pensar apenas em âmbito pontual sobre como a nação tem se preparado para a Copa e os Jogos Olímpicos. A partir dessa proposta, nasce o Portal GestãoEsporte.com. O objetivo deste projeto é promover um espaço de intercâmbio de conhecimentos sobre o esporte em suas inúmeras vertentes de afetação.


Profissionais de diversas áreas se juntam com o intuito de fomentarem debates instigantes e, porque não, também inquietantes. Propomos estabelecer um ambiente propício ao alargamento das questões relacionadas ao esporte no Brasil. Essas questões vão muito além dos atletas enquanto representantes de uma comunidade qualquer. O esporte envolve áreas diversas como medicina, economia, direito, psicologia, administração; dentro muitas outras.


Esperamos que todos esses aspectos venham a constituir um ponto de diálogo por meio de nosso projeto que aqui se configura. Além disso, temos a pretensão de dar espaço para você, caro leitor, apresentar suas contribuições, de forma que o debate se enriqueça cada vez mais. Em tempos pós-modernos, onde a internet ocupa lugar central na socialização, a possibilidade de interação se amplia em níveis sem precedentes ao longo da história da humanidade. Tendo ciência disso, queremos aproveitar ao máximo as opções oferecidas pelo universo virtual.


Sinta-se convidado a se engajar em nossa proposta. O "país do futebol" tem potencialidade para ser o país do esporte em termos mais gerais e enriquecedores. Voltemos nosso olhar para as contribuições que essa mudança na vertente do olhar nos oferece.

COMENTE ESSE POST

teste 2

test e

COMENTE ESSE POST

Inclusão pelo Esporte

 

Por Leidiane Viera dos Reis

 

O esporte pode ser uma eficaz ferramenta de inclusão social. Para isso, é preciso que sejam desenvolvidas iniciativas que ofereçam oportunidades igualitárias para todos os cidadãos. Independente das condições físicas ou econômicas, todas as pessoas precisam ter acesso ao esporte e lazer. Essas instâncias podem contribuir de diferentes formas com a qualidade de vida da população. Sabe-se que a prática esportiva estimula o desenvolvimento das pessoas em níveis de saúde e educação e pode servir como meio para salvá-las de condições limítrofes de vida. Dessa forma, o esporte pode acarretar uma condição mais equilibrada ao indivíduo.


Por isso, é importante que sejam executados projetos que visem à integração de pessoas que, de outra forma, não teriam acesso fácil à prática esportiva acompanhada por profissionais capacitados. Além disso, é importante oferecer condições para que cidadãos com algum tipo de limitação física tenham acesso ao esporte. Dois exemplos de projetos que visam promover esse tipo de inclusão são o Instituto Esporte e Educação e a Semana Guga Kurtein. A seguir, apresentamos informações sobre a forma como essas iniciativas contribuem com a inclusão social por meio do esporte.


Mas, para que de fato uma estrutura inclusiva mais sólida seja construída no Brasil, é preciso que, para além de projetos pontuais, as iniciativas dêem maior atenção às questões relacionadas à Gestão do Esporte. Faz-se necessário instituir uma gestão organizacional voltada para o alargamento da participação de todas as camadas da população, de forma a promover o acesso irrestrito dos cidadãos ao universo esportivo.

 

Instituto Esporte e Educação

 

 

 

 

Em 2001, a ex-atleta olímpica Ana Moser criou o Instituto Esporte e Educação. A instituição tem por objetivo promover o atendimento direto a crianças e adolescentes em atividades esportivas e socioeducativas e a formação de professores e estagiários preparados para desenvolverem metodologias de promoção do esporte educacional. Assim, o IEE implantou e coordena uma série de Núcleos em parceria com diversas entidades públicas e privadas, com destaque para as escolas públicas. O foco do projeto é atender regiões e comunidades que apresentam baixo nível socioeconômico e alto índice de vulnerabilidade.


O funcionamento desses Núcleos se baseia na Formação Continuada em Serviço de professores e estagiários, aplicando os conceitos do esporte educacional na prática do atendimento diário das crianças, adolescentes e comunidades. O IEE também realiza outros projetos, como a Caravana do Esporte, uma aliança com a ESPN/ Brasil e o Unicef.


A Caravana do Esporte, objetiva disseminar a prática esportiva para municípios isolados do semi-árido, região amazônica, comunidades indígenas e quilombolas. Busca-se, assim, defender os direitos constitucionais à educação, esporte e ao lazer e fornecer fundamentos para Políticas Públicas que protejam esses direitos. O Instituto já capacitou mais de 20 mil professores e gestores de educação e esporte. Esses profissionais são habilitados para planejarem e explorarem as potencialidades e capacidades motoras, além das relações interpessoais e cognitivas inerentes à atividade esportiva.


As atividades desenvolvidas por institutos como IEE constituem uma relevante ação social para a juventude. O professor Luiz Carlos Nery, em sua pesquisa de mestrado, aborda a temática da importância do incentivo da prática esportiva para a redução do índice de violência infanto-juvenil. De acordo com o pesquisador, estudos apontam que uma das causas do aumento do consumo de drogas e a formação de "gangues" nos segmentos infanto-juvenis (08 a 16 anos) estão relacionadas diretamente à ociosidade. Neste sentido, a promoção de projetos que estimulem o envolvimento do jovem com a prática esportiva pode contribuir, em grande medida, com a prevenção do envolvimento de menores em atividades infringentes.


Para maiores informações sobre o Instituto Esporte e Educação, visite o site: http://www.esporteeducacao.org.br/

 

Crianças participam do projeto Caravana do Esporte, Dourados-MS (Foto: Divulgação/ IEE)

 

Semana Guga Kuerten oferece oportunidade para participação de tenistas cadeirantes

 

 

 

 

 

 

 

 

Acontecem entre os dias 9 de 20 de outubro, em Florianópolis, as atividades promovidas pela quinta edição da Semana Gustavo Kuerten. O evento, organizado pelo ex-tenista Gustavo Kuerten, promove a Copa Guga Kuerten, campeonato internacional infanto juvenil, e a terceira edição do Torneio de Tênis em Cadeira de Rodas.


A programação também inclui palestras, cursos e ações com as crianças do Instituto Guga Kuerten. Nesta edição, somada a participação de cadeirantes no profissional, o evento abre espaço para a categoria juvenil.


Além de possibilitar a inclusão de atletas paraolímpicos, a Semana Guga Kuerten contribui como forma de preparação para sete tenistas cadeirantes que integram a delegação brasileira do Parapan-Americano Juvenil, que será disputado na Argentina. Por ser um dos principais torneios de tênis do país, os pontos somados nas quadras do Jurerê Sports Center e no Clube Doze de Agosto, durante a Copa Guga Kuerten, valem para o ranking internacional de tênis, a ITF.

 

Fonte: Guto Kuerten / Agencia RBS

 

Referências bibliográficas:
Luiz Carlos Pessoa Nery: NERY, L. C. P. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Dissertação de Mestrado, (2009). Disponível em http://www.copedu.net.br/wp-content/uploads/2012/10/DISSERTA%C3%87%C3%83O-OFICIAL-MESTRADO-LUIZ-CARLOS-PESSOA-NERY-2009.pdf


Sugestões para aprofundamento:
SILVA, Carlos Alberto Figueiredo da; et al. O modelo da hélice tríplice e o papel da educação física, do esporte e do lazer no desenvolvimento social. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/45

 

COMENTE ESSE POST

Vol. 3, No 1 (2013) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva

Clique no link abaixo

 

http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=current&path%5B%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 2 (2012) Suplemento: XIII Congresso Nacional APOGESD - Gestão de Grandes Eventos

Clique no link abaixo

 

http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B%5D=77&path%5B%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 2, No 1 (2012) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva

Clique no link abaixo

 

http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B%5D=65&path%5B%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 1, No 1 (2011) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva

Clique no link abaixo

 

http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B%5D=39&path%5B%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 1, No 2 (2011) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva

Clique no link abaixo

 

http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B%5D=60&path%5B%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vol. 3, No 1 (2013) Revista Intercontinental de Gestão Desportiva

Clique no link abaixo

 

http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=issue&op=view&path%5B0%5D=83&path%5B1%5D=showToc

COMENTE ESSE POST

Vídeo de Divulgação do Portal GestãoEsporte.com

COMENTE ESSE POST

Vem aí o Portal GestãoEsporte.com

Logo Fórum de Gestão Esporte

COMENTE ESSE POST

Vem aí o Portal GestãoEsporte.com

Logo Fórum de Gestão Esporte

COMENTE ESSE POST

Vem aí o Portal GestãoEsporte.com

À partir do dia 15 de outubro os interessados na temática Gestão do Esporte terão uma nova ferramenta em busca de conhecimentos

Nosso foco é a geração e circulação de conhecimentos acerca desta temática e todas as suas vertentes. O lançamento do Portal é a penas a primeira etapa de quatro programadas para oferecer qualidade de informações que, com a sua participação, possamos cruzar debates de diversas áreas no intuito de promover inovação esportiva.

Seja sempre bem vindo prezad@ amig@

 

COMENTE ESSE POST

Vem aí o Portal GestãoEsporte.com

logo PortalÀ partir do dia 15 de outubro os interessados na temática Gestão do Esporte terão uma nova ferramenta em busca de conhecimentos

Nosso foco é a geração e circulação de conhecimentos acerca desta temática e todas as suas vertentes. O lançamento do Portal é a penas a primeira etapa de quatro programadas para oferecer qualidade de informações que, com a sua participação, possamos cruzar debates de diversas áreas no intuito de promover inovação esportiva.

Seja sempre bem vindo prezad@ amig@

 

COMENTE ESSE POST

Vem aí o Portal GestãoEsporte.com

logo PortalÀ partir do dia 15 de outubro os interessados na temática Gestão do Esporte terão uma nova ferramenta em busca de conhecimentos

Nosso foco é a geração e circulação de conhecimentos acerca desta temática e todas as suas vertentes. O lançamento do Portal é a penas a primeira etapa de quatro programadas para oferecer qualidade de informações que, com a sua participação, possamos cruzar debates de diversas áreas no intuito de promover inovação esportiva.

Seja sempre bem vindo prezad@ amig@

 

COMENTE ESSE POST

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMENTE ESSE POST
COMENTE ESSE POST
COMENTE ESSE POST

Inclusão pelo Esporte

O esporte pode ser uma eficaz ferramenta de inclusão social. Para isso, é preciso que sejam desenvolvidas iniciativas que oferecem oportunidades igualitárias para todos os cidadãos. Independente das condições físicas ou econômicas, todas as pessoas precisam ter acesso ao esporte e lazer. Essas instâncias podem contribuir de diferentes formas com a qualidade de vida da população. Sabe-se que a prática esportiva estimula o desenvolvimento das pessoas em níveis de saúde e educação e pode servir como meio para salvá-las de condições limítrofes de vida. Dessa forma, o esporte pode acarretar uma condição mais equilibrada ao indivíduo.


Por isso, é importante que sejam executados projetos que visem à integração de pessoas que, de outra forma, não teriam acesso fácil à prática esportiva acompanhada por profissionais capacitados. Além disso, é importante oferecer condições para que cidadãos com algum tipo de limitação física tenham acesso ao esporte. Dois exemplos de projetos que visam promover esse tipo de inclusão são o Instituto Esporte e Educação e a Semana Guga Kurtein. A seguir, apresentamos informações sobre a forma como essas iniciativas contribuem com a inclusão social por meio do esporte.


Mas, para que de fato uma estrutura inclusiva mais sólida seja construída no Brasil, é preciso que, para além de projetos pontuais, as iniciativas dêem maior atenção às questões relacionadas à Gestão do Esporte. Faz-se necessário instituir uma gestão organizacional voltada para o alargamento da participação de todas as camadas da população, de forma a promover o acesso irrestrito dos cidadãos ao universo esportivo.

 

Instituto Esporte e Educação

 

 

 

 

Em 2001, a ex-atleta olímpica Ana Moser criou o Instituto Esporte e Educação. A instituição tem por objetivo promover o atendimento direto a crianças e adolescentes em atividades esportivas e socioeducativas e a formação de professores e estagiários preparados para desenvolverem metodologias de promoção do esporte educacional. Assim, o IEE implantou e coordena uma série de Núcleos em parceria com diversas entidades públicas e privadas, com destaque para as escolas públicas. O foco do projeto é atender regiões e comunidades que apresentam baixo nível socioeconômico e alto índice de vulnerabilidade.


O funcionamento desses Núcleos se baseia na Formação Continuada em Serviço de professores e estagiários, aplicando os conceitos do esporte educacional na prática do atendimento diário das crianças, adolescentes e comunidades. O IEE também realiza outros projetos, como a Caravana do Esporte, uma aliança com a ESPN/ Brasil e o Unicef.


A Caravana do Esporte, objetiva disseminar a prática esportiva para municípios isolados do semi-árido, região amazônica, comunidades indígenas e quilombolas. Busca-se, assim, defender os direitos constitucionais à educação, esporte e ao lazer e fornecer fundamentos para Políticas Públicas que protejam esses direitos. O Instituto já capacitou mais de 20 mil professores e gestores de educação e esporte. Esses profissionais são habilitados para planejarem e explorarem as potencialidades e capacidades motoras, além das relações interpessoais e cognitivas inerentes à atividade esportiva.


As atividades desenvolvidas por institutos como IEE constituem uma relevante ação social para a juventude. O professor Luiz Carlos Nery, em sua pesquisa de mestrado, aborda a temática da importância do incentivo da prática esportiva para a redução do índice de violência infanto-juvenil. De acordo com o pesquisador, estudos apontam que uma das causas do aumento do consumo de drogas e a formação de "gangues" nos segmentos infanto-juvenis (08 a 16 anos) estão relacionadas diretamente à ociosidade. Neste sentido, a promoção de projetos que estimulem o envolvimento do jovem com a prática esportiva pode contribuir, em grande medida, com a prevenção do envolvimento de menores em atividades infringentes.


Para maiores informações sobre o Instituto Esporte e Educação, visite o site: http://www.esporteeducacao.org.br/

 

Crianças participam do projeto Caravana do Esporte, Dourados-MS (Foto: Divulgação/ IEE)

 

Semana Guga Kuerten oferece oportunidade para participação de tenistas cadeirantes

 

 

 

 

 

 

 

Acontecem entre os dias 9 de 20 de outubro, em Florianópolis, as atividades promovidas pela quinta edição da Semana Gustavo Kuerten. O evento, organizado pelo ex-tenista Gustavo Kuerten, promove a Copa Guga Kuerten, campeonato internacional infanto juvenil, e a terceira edição do Torneio de Tênis em Cadeira de Rodas.


A programação também inclui palestras, cursos e ações com as crianças do Instituto Guga Kuerten. Nesta edição, somada a participação de cadeirantes no profissional, o evento abre espaço para a categoria juvenil.


Além de possibilitar a inclusão de atletas paraolímpicos, a Semana Guga Kuerten contribui como forma de preparação para sete tenistas cadeirantes que integram a delegação brasileira do Parapan-Americano Juvenil, que será disputado na Argentina. Por ser um dos principais torneios de tênis do país, os pontos somados nas quadras do Jurerê Sports Center e no Clube Doze de Agosto, durante a Copa Guga Kuerten, valem para o ranking internacional de tênis, a ITF.

 

Fonte: Guto Kuerten / Agencia RBS

 

Referências bibliográficas:
Luiz Carlos Pessoa Nery: NERY, L. C. P. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Dissertação de Mestrado, (2009). Disponível em http://www.copedu.net.br/wp-content/uploads/2012/10/DISSERTA%C3%87%C3%83O-OFICIAL-MESTRADO-LUIZ-CARLOS-PESSOA-NERY-2009.pdf


Sugestões para aprofundamento:
SILVA, Carlos Alberto Figueiredo da; et al. O modelo da hélice tríplice e o papel da educação física, do esporte e do lazer no desenvolvimento social. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/45

 

COMENTE ESSE POST

Inclusão pelo Esporte

O esporte pode ser uma eficaz ferramenta de inclusão social. Para isso, é preciso que sejam desenvolvidas iniciativas que oferecem oportunidades igualitárias para todos os cidadãos. Independente das condições físicas ou econômicas, todas as pessoas precisam ter acesso ao esporte e lazer. Essas instâncias podem contribuir de diferentes formas com a qualidade de vida da população. Sabe-se que a prática esportiva estimula o desenvolvimento das pessoas em níveis de saúde e educação e pode servir como meio para salvá-las de condições limítrofes de vida. Dessa forma, o esporte pode acarretar uma condição mais equilibrada ao indivíduo.


Por isso, é importante que sejam executados projetos que visem à integração de pessoas que, de outra forma, não teriam acesso fácil à prática esportiva acompanhada por profissionais capacitados. Além disso, é importante oferecer condições para que cidadãos com algum tipo de limitação física tenham acesso ao esporte. Dois exemplos de projetos que visam promover esse tipo de inclusão são o Instituto Esporte e Educação e a Semana Guga Kurtein. A seguir, apresentamos informações sobre a forma como essas iniciativas contribuem com a inclusão social por meio do esporte.


Mas, para que de fato uma estrutura inclusiva mais sólida seja construída no Brasil, é preciso que, para além de projetos pontuais, as iniciativas dêem maior atenção às questões relacionadas à Gestão do Esporte. Faz-se necessário instituir uma gestão organizacional voltada para o alargamento da participação de todas as camadas da população, de forma a promover o acesso irrestrito dos cidadãos ao universo esportivo.

 

Instituto Esporte e Educação

 

 

 

 

Em 2001, a ex-atleta olímpica Ana Moser criou o Instituto Esporte e Educação. A instituição tem por objetivo promover o atendimento direto a crianças e adolescentes em atividades esportivas e socioeducativas e a formação de professores e estagiários preparados para desenvolverem metodologias de promoção do esporte educacional. Assim, o IEE implantou e coordena uma série de Núcleos em parceria com diversas entidades públicas e privadas, com destaque para as escolas públicas. O foco do projeto é atender regiões e comunidades que apresentam baixo nível socioeconômico e alto índice de vulnerabilidade.


O funcionamento desses Núcleos se baseia na Formação Continuada em Serviço de professores e estagiários, aplicando os conceitos do esporte educacional na prática do atendimento diário das crianças, adolescentes e comunidades. O IEE também realiza outros projetos, como a Caravana do Esporte, uma aliança com a ESPN/ Brasil e o Unicef.


A Caravana do Esporte, objetiva disseminar a prática esportiva para municípios isolados do semi-árido, região amazônica, comunidades indígenas e quilombolas. Busca-se, assim, defender os direitos constitucionais à educação, esporte e ao lazer e fornecer fundamentos para Políticas Públicas que protejam esses direitos. O Instituto já capacitou mais de 20 mil professores e gestores de educação e esporte. Esses profissionais são habilitados para planejarem e explorarem as potencialidades e capacidades motoras, além das relações interpessoais e cognitivas inerentes à atividade esportiva.


As atividades desenvolvidas por institutos como IEE constituem uma relevante ação social para a juventude. O professor Luiz Carlos Nery, em sua pesquisa de mestrado, aborda a temática da importância do incentivo da prática esportiva para a redução do índice de violência infanto-juvenil. De acordo com o pesquisador, estudos apontam que uma das causas do aumento do consumo de drogas e a formação de "gangues" nos segmentos infanto-juvenis (08 a 16 anos) estão relacionadas diretamente à ociosidade. Neste sentido, a promoção de projetos que estimulem o envolvimento do jovem com a prática esportiva pode contribuir, em grande medida, com a prevenção do envolvimento de menores em atividades infringentes.


Para maiores informações sobre o Instituto Esporte e Educação, visite o site: http://www.esporteeducacao.org.br/

 

Crianças participam do projeto Caravana do Esporte, Dourados-MS (Foto: Divulgação/ IEE)

 

Semana Guga Kuerten oferece oportunidade para participação de tenistas cadeirantes

 

 

 

 

 

 

 

Acontecem entre os dias 9 de 20 de outubro, em Florianópolis, as atividades promovidas pela quinta edição da Semana Gustavo Kuerten. O evento, organizado pelo ex-tenista Gustavo Kuerten, promove a Copa Guga Kuerten, campeonato internacional infanto juvenil, e a terceira edição do Torneio de Tênis em Cadeira de Rodas.


A programação também inclui palestras, cursos e ações com as crianças do Instituto Guga Kuerten. Nesta edição, somada a participação de cadeirantes no profissional, o evento abre espaço para a categoria juvenil.


Além de possibilitar a inclusão de atletas paraolímpicos, a Semana Guga Kuerten contribui como forma de preparação para sete tenistas cadeirantes que integram a delegação brasileira do Parapan-Americano Juvenil, que será disputado na Argentina. Por ser um dos principais torneios de tênis do país, os pontos somados nas quadras do Jurerê Sports Center e no Clube Doze de Agosto, durante a Copa Guga Kuerten, valem para o ranking internacional de tênis, a ITF.

 

Fonte: Guto Kuerten / Agencia RBS

 

Referências bibliográficas:
Luiz Carlos Pessoa Nery: NERY, L. C. P. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Dissertação de Mestrado, (2009). Disponível em http://www.copedu.net.br/wp-content/uploads/2012/10/DISSERTA%C3%87%C3%83O-OFICIAL-MESTRADO-LUIZ-CARLOS-PESSOA-NERY-2009.pdf


Sugestões para aprofundamento:
SILVA, Carlos Alberto Figueiredo da; et al. O modelo da hélice tríplice e o papel da educação física, do esporte e do lazer no desenvolvimento social. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/45

 

COMENTE ESSE POST

Inclusão pelo Esporte

O esporte pode ser uma eficaz ferramenta de inclusão social. Para isso, é preciso que sejam desenvolvidas iniciativas que oferecem oportunidades igualitárias para todos os cidadãos. Independente das condições físicas ou econômicas, todas as pessoas precisam ter acesso ao esporte e lazer. Essas instâncias podem contribuir de diferentes formas com a qualidade de vida da população. Sabe-se que a prática esportiva estimula o desenvolvimento das pessoas em níveis de saúde e educação e pode servir como meio para salvá-las de condições limítrofes de vida. Dessa forma, o esporte pode acarretar uma condição mais equilibrada ao indivíduo.


Por isso, é importante que sejam executados projetos que visem à integração de pessoas que, de outra forma, não teriam acesso fácil à prática esportiva acompanhada por profissionais capacitados. Além disso, é importante oferecer condições para que cidadãos com algum tipo de limitação física tenham acesso ao esporte. Dois exemplos de projetos que visam promover esse tipo de inclusão são o Instituto Esporte e Educação e a Semana Guga Kurtein. A seguir, apresentamos informações sobre a forma como essas iniciativas contribuem com a inclusão social por meio do esporte.


Mas, para que de fato uma estrutura inclusiva mais sólida seja construída no Brasil, é preciso que, para além de projetos pontuais, as iniciativas dêem maior atenção às questões relacionadas à Gestão do Esporte. Faz-se necessário instituir uma gestão organizacional voltada para o alargamento da participação de todas as camadas da população, de forma a promover o acesso irrestrito dos cidadãos ao universo esportivo.

 

Instituto Esporte e Educação

 

 

 

 

Em 2001, a ex-atleta olímpica Ana Moser criou o Instituto Esporte e Educação. A instituição tem por objetivo promover o atendimento direto a crianças e adolescentes em atividades esportivas e socioeducativas e a formação de professores e estagiários preparados para desenvolverem metodologias de promoção do esporte educacional. Assim, o IEE implantou e coordena uma série de Núcleos em parceria com diversas entidades públicas e privadas, com destaque para as escolas públicas. O foco do projeto é atender regiões e comunidades que apresentam baixo nível socioeconômico e alto índice de vulnerabilidade.


O funcionamento desses Núcleos se baseia na Formação Continuada em Serviço de professores e estagiários, aplicando os conceitos do esporte educacional na prática do atendimento diário das crianças, adolescentes e comunidades. O IEE também realiza outros projetos, como a Caravana do Esporte, uma aliança com a ESPN/ Brasil e o Unicef.


A Caravana do Esporte, objetiva disseminar a prática esportiva para municípios isolados do semi-árido, região amazônica, comunidades indígenas e quilombolas. Busca-se, assim, defender os direitos constitucionais à educação, esporte e ao lazer e fornecer fundamentos para Políticas Públicas que protejam esses direitos. O Instituto já capacitou mais de 20 mil professores e gestores de educação e esporte. Esses profissionais são habilitados para planejarem e explorarem as potencialidades e capacidades motoras, além das relações interpessoais e cognitivas inerentes à atividade esportiva.


As atividades desenvolvidas por institutos como IEE constituem uma relevante ação social para a juventude. O professor Luiz Carlos Nery, em sua pesquisa de mestrado, aborda a temática da importância do incentivo da prática esportiva para a redução do índice de violência infanto-juvenil. De acordo com o pesquisador, estudos apontam que uma das causas do aumento do consumo de drogas e a formação de "gangues" nos segmentos infanto-juvenis (08 a 16 anos) estão relacionadas diretamente à ociosidade. Neste sentido, a promoção de projetos que estimulem o envolvimento do jovem com a prática esportiva pode contribuir, em grande medida, com a prevenção do envolvimento de menores em atividades infringentes.


Para maiores informações sobre o Instituto Esporte e Educação, visite o site: http://www.esporteeducacao.org.br/

 

Crianças participam do projeto Caravana do Esporte, Dourados-MS (Foto: Divulgação/ IEE)

 

Semana Guga Kuerten oferece oportunidade para participação de tenistas cadeirantes

 

 

 

 

 

 

 

Acontecem entre os dias 9 de 20 de outubro, em Florianópolis, as atividades promovidas pela quinta edição da Semana Gustavo Kuerten. O evento, organizado pelo ex-tenista Gustavo Kuerten, promove a Copa Guga Kuerten, campeonato internacional infanto juvenil, e a terceira edição do Torneio de Tênis em Cadeira de Rodas.


A programação também inclui palestras, cursos e ações com as crianças do Instituto Guga Kuerten. Nesta edição, somada a participação de cadeirantes no profissional, o evento abre espaço para a categoria juvenil.


Além de possibilitar a inclusão de atletas paraolímpicos, a Semana Guga Kuerten contribui como forma de preparação para sete tenistas cadeirantes que integram a delegação brasileira do Parapan-Americano Juvenil, que será disputado na Argentina. Por ser um dos principais torneios de tênis do país, os pontos somados nas quadras do Jurerê Sports Center e no Clube Doze de Agosto, durante a Copa Guga Kuerten, valem para o ranking internacional de tênis, a ITF.

 

Fonte: Guto Kuerten / Agencia RBS

 

Referências bibliográficas:
Luiz Carlos Pessoa Nery: NERY, L. C. P. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Dissertação de Mestrado, (2009). Disponível em http://www.copedu.net.br/wp-content/uploads/2012/10/DISSERTA%C3%87%C3%83O-OFICIAL-MESTRADO-LUIZ-CARLOS-PESSOA-NERY-2009.pdf


Sugestões para aprofundamento:
SILVA, Carlos Alberto Figueiredo da; et al. O modelo da hélice tríplice e o papel da educação física, do esporte e do lazer no desenvolvimento social. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/45

 

COMENTE ESSE POST

Inclusão pelo Esporte

O esporte pode ser uma eficaz ferramenta de inclusão social. Para isso, é preciso que sejam desenvolvidas iniciativas que oferecem oportunidades igualitárias para todos os cidadãos. Independente das condições físicas ou econômicas, todas as pessoas precisam ter acesso ao esporte e lazer. Essas instâncias podem contribuir de diferentes formas com a qualidade de vida da população. Sabe-se que a prática esportiva estimula o desenvolvimento das pessoas em níveis de saúde e educação e pode servir como meio para salvá-las de condições limítrofes de vida. Dessa forma, o esporte pode acarretar uma condição mais equilibrada ao indivíduo.


Por isso, é importante que sejam executados projetos que visem à integração de pessoas que, de outra forma, não teriam acesso fácil à prática esportiva acompanhada por profissionais capacitados. Além disso, é importante oferecer condições para que cidadãos com algum tipo de limitação física tenham acesso ao esporte. Dois exemplos de projetos que visam promover esse tipo de inclusão são o Instituto Esporte e Educação e a Semana Guga Kurtein. A seguir, apresentamos informações sobre a forma como essas iniciativas contribuem com a inclusão social por meio do esporte.


Mas, para que de fato uma estrutura inclusiva mais sólida seja construída no Brasil, é preciso que, para além de projetos pontuais, as iniciativas dêem maior atenção às questões relacionadas à Gestão do Esporte. Faz-se necessário instituir uma gestão organizacional voltada para o alargamento da participação de todas as camadas da população, de forma a promover o acesso irrestrito dos cidadãos ao universo esportivo.

 

Instituto Esporte e Educação

 

 

 

 

Em 2001, a ex-atleta olímpica Ana Moser criou o Instituto Esporte e Educação. A instituição tem por objetivo promover o atendimento direto a crianças e adolescentes em atividades esportivas e socioeducativas e a formação de professores e estagiários preparados para desenvolverem metodologias de promoção do esporte educacional. Assim, o IEE implantou e coordena uma série de Núcleos em parceria com diversas entidades públicas e privadas, com destaque para as escolas públicas. O foco do projeto é atender regiões e comunidades que apresentam baixo nível socioeconômico e alto índice de vulnerabilidade.


O funcionamento desses Núcleos se baseia na Formação Continuada em Serviço de professores e estagiários, aplicando os conceitos do esporte educacional na prática do atendimento diário das crianças, adolescentes e comunidades. O IEE também realiza outros projetos, como a Caravana do Esporte, uma aliança com a ESPN/ Brasil e o Unicef.


A Caravana do Esporte, objetiva disseminar a prática esportiva para municípios isolados do semi-árido, região amazônica, comunidades indígenas e quilombolas. Busca-se, assim, defender os direitos constitucionais à educação, esporte e ao lazer e fornecer fundamentos para Políticas Públicas que protejam esses direitos. O Instituto já capacitou mais de 20 mil professores e gestores de educação e esporte. Esses profissionais são habilitados para planejarem e explorarem as potencialidades e capacidades motoras, além das relações interpessoais e cognitivas inerentes à atividade esportiva.


As atividades desenvolvidas por institutos como IEE constituem uma relevante ação social para a juventude. O professor Luiz Carlos Nery, em sua pesquisa de mestrado, aborda a temática da importância do incentivo da prática esportiva para a redução do índice de violência infanto-juvenil. De acordo com o pesquisador, estudos apontam que uma das causas do aumento do consumo de drogas e a formação de "gangues" nos segmentos infanto-juvenis (08 a 16 anos) estão relacionadas diretamente à ociosidade. Neste sentido, a promoção de projetos que estimulem o envolvimento do jovem com a prática esportiva pode contribuir, em grande medida, com a prevenção do envolvimento de menores em atividades infringentes.


Para maiores informações sobre o Instituto Esporte e Educação, visite o site: http://www.esporteeducacao.org.br/

 

Crianças participam do projeto Caravana do Esporte, Dourados-MS (Foto: Divulgação/ IEE)

 

Semana Guga Kuerten oferece oportunidade para participação de tenistas cadeirantes

 

 

 

 

 

 

 

Acontecem entre os dias 9 de 20 de outubro, em Florianópolis, as atividades promovidas pela quinta edição da Semana Gustavo Kuerten. O evento, organizado pelo ex-tenista Gustavo Kuerten, promove a Copa Guga Kuerten, campeonato internacional infanto juvenil, e a terceira edição do Torneio de Tênis em Cadeira de Rodas.


A programação também inclui palestras, cursos e ações com as crianças do Instituto Guga Kuerten. Nesta edição, somada a participação de cadeirantes no profissional, o evento abre espaço para a categoria juvenil.


Além de possibilitar a inclusão de atletas paraolímpicos, a Semana Guga Kuerten contribui como forma de preparação para sete tenistas cadeirantes que integram a delegação brasileira do Parapan-Americano Juvenil, que será disputado na Argentina. Por ser um dos principais torneios de tênis do país, os pontos somados nas quadras do Jurerê Sports Center e no Clube Doze de Agosto, durante a Copa Guga Kuerten, valem para o ranking internacional de tênis, a ITF.

 

Fonte: Guto Kuerten / Agencia RBS

 

Referências bibliográficas:
Luiz Carlos Pessoa Nery: NERY, L. C. P. Análise do Perfil de Gestão Baseada no Discurso dos Dirigentes Esportivos de Clubes em Juiz de Fora. Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Dissertação de Mestrado, (2009). Disponível em http://www.copedu.net.br/wp-content/uploads/2012/10/DISSERTA%C3%87%C3%83O-OFICIAL-MESTRADO-LUIZ-CARLOS-PESSOA-NERY-2009.pdf


Sugestões para aprofundamento:
SILVA, Carlos Alberto Figueiredo da; et al. O modelo da hélice tríplice e o papel da educação física, do esporte e do lazer no desenvolvimento social. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/45

 

COMENTE ESSE POST

Gestão Esporte :: O seu ambiente virtual para discussões esportivas :: Juiz de Fora - MG

(32) 9801-0111

(32) 8707-6229